terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Novo drone inovador parece e se movimenta como um morcego (VÍDEO)


Cientistas de várias universidades técnicas dos EUA criaram um drone extraordinariamente pequeno e manobrável cuja imagem foi inspirada pelos morcegos.

O gadget, que se chama Bat Bot, pode subir e voar para cima e para baixo que nem um verdadeiro mamífero noturno. No vídeo abaixo, postado pela equipe científica no YouTube, se pode observar seu primeiro voo de teste.
De acordo com as legendas, o novo drone pesa apenas 85 gramas, sendo que seu "esqueleto" é feito de fibra de carbono coberto com "pele" de silicone.
Cada asa do dispositivo tem 9 articulações, o que desempenha um papel crucial ao garantir sua flexibilidade durante um voo (um morcego vivo tem mais de 40 articulações nas suas asas). Quatro articulações são passivas, enquanto as cinco restantes funcionam de modo autônomo.
Elas fazem com que o Bat Bot possa voar sem usar uma hélice, aumentando sua capacidade de manobra em condições difíceis nas quais os drones comuns simplesmente não funcionam.
O eventual passo seguinte para os autores do projeto será equipar o drone com uma câmera e um transmissor. Pelas estimativas, o preço total do projeto com duração de 3 anos é de cerca de 1,5 milhões de dólares.
Os morcegos já serviram de inspiração para a mais recente tecnologia de drones no Reino Unido. Anteriormente, o Conselho de Pesquisa em Engenharia e Ciências Físicas britânico comunicou que seus cientistas tinham elaborado um micro veículo aéreo (MAV, na sigla em inglês) não tripulado baseado nas asas de morcego.Os novos drones fazem parte da família Veículos Não Tripulados em Miniatura e podem ser muito pequenos, tendo 15 centímetros de largura. Os aparelhos estão sendo elaborados com fins comerciais, governamentais e militares, dado que eles podem vigiar de forma remota áreas inacessíveis a veículos no terreno.

Especialista: 'Militares não foram preparados para atuar em Segurança Pública'

Nove mil militares (oito mil do Exército e mil da Marinha) foram designados para atuar, a partir desta terça-feira, 14 de fevereiro, na Segurança Pública do Rio de Janeiro e em dois outros municípios da Região Metropolitana, Niterói e São Gonçalo. Os municípios da Baixada Fluminense não terão presença militar.

As informações foram prestadas na manhã desta terça-feira pelo Ministro da Defesa, Raul Jungmann, no Comando Militar do Leste, no centro do Rio de Janeiro. Segundo o Ministro, os militares iniciaram sua atuação nesta mesma terça-feira e estão assim distribuídos: os oito mil militares do Exército ocuparão toda a Transolímpica, no entorno de Deodoro e alguns pontos da Avenida Brasil, além de áreas de Niterói e de São Gonçalo. Já os mil integrantes da Marinha estão encarregados de patrulhar toda a via ao Para o antropólogo Paulo Storani, ex-instrutor do Bope (Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro), Professor de Ciências Policiais na Faculdade Cândido Mendes e um dos mais respeitados nomes em Segurança Pública, à primeira vista, a entrada em cena dos militares nesta questão pode ser uma medida de tranquilização para a população do Rio de Janeiro e outros municípios da Região Metropolitana. Storani porém pondera que a questão precisa ser abordada sob ângulos mais precisos:
"Não basta só estar fardado e armado nas ruas. Embora tenha um papel fundamental, a presença fardada – quer seja de policial militar ou de militar das Forças Armadas – tem de ser melhor entendida. A natureza da função das Forças Armadas não é atuar em Segurança Pública, da forma como nós a entendemos. Elas podem atuar episodicamente numa situação como essa (solicitação do governo do Estado ao governo federal) mas, efetivamente, os militares não foram preparados para isso."Ainda de acordo com o Ministro Raul Jungmann, na quarta-feira, 22, haverá uma reunião de avaliação sobre a primeira semana de atuação das Forças Armadas na Segurança Pública do Rio de Janeiro. Esta atuação poderá se estender a todo período de Carnaval (até o dia 28) e, inclusive, entrar pelo mês de março, de acordo com o que for acordado entre as autoridades estaduais e federais.
Nas redes sociais, muitas pessoas, incluindo políticos e outras figuras públicas, se manifestaram sobre a utilização de tropas das Forças Armadas no Rio, demonstrando, em geral, certa preocupação com essa essa medida. 

Por que sistemas de defesa antiaérea russos S-400 são tão populares no mundo?

O sistema de defesa antiaérea S-400 é muito popular no estrangeiro, uma série de países quer comprá-lo, informou o diretor de cooperação internacional e política regional da corporação estatal russa Rostec, Viktor Kladov.

"É verdade que os S-400 são objeto de procura no mercado internacional. Uma série de países expressa seu desejo a comprá-los, mas a produção é limitada", Kladov declarou aos jornalistas.
A feira internacional de aviação AeroIndia-2017 será realizada entre os dias 14 e 18 de fevereiro, na base militar da Força Aérea indiana em Bangalore, onde as empresas russas expõem mais de 400 tipos de armamentos.

Porretes nucleares estão outra vez na moda: EUA estudam esquemas para combater a Rússia

Recentemente em Washington, na conferência "Armas estratégicas do século XXI", foi apresentado o relatório "Novas realidades das ameaças e as exigências para a dissuasão nuclear".

O autor é o presidente do Instituto Nacional de Políticas Públicas dos EUA e ex-assistente do vice-secretário da Defesa dos EUA, Keith B. Payne, que escreve sobre a ameaça nuclear da União Soviética e da Rússia já há décadas e é considerado um dos principais e mais influentes especialistas nesta área.
Payne disse que o mundo se tornou um lugar mais perigoso após a revisão e "amolecimento" da doutrina nuclear dos EUA em 2010, e que os países ocidentais têm de arrumar sua política para não se desfasarem da realidade. A razão para isso são as ações agressivas da Rússia e da China.
Mudança de rumo
Recentemente se soube que a administração Trump vai realmente rever a doutrina. O Chefe do Estado-Maior da Força Aérea dos Estados Unidos, general David Goldfein declarou: "Eu espero que já nesta primavera tenhamos uma revisão da doutrina nuclear. Chegou a hora de reavaliar o complexo nuclear para desenvolver as linhas políticas estratégicas para o Departamento de Defesa dos EUA."                                  
O que oferece Payne? Segundo ele, até recentemente, os Estados Unidos consideravam a ameaça do uso de armas nucleares por terroristas como a principal, a sua tarefa principal era a não-proliferação das armas nucleares e a redução de armamento nuclear dos Estados Unidos encorajaria outros países a seguir esse caminho.
Em 1991, os americanos acreditavam que um confronto com a Rússia era tão pouco provável quanto o ressurgimento na Europa de guerras entre católicos e protestantes. Em 2012, todo o mundo tinha certeza de que o risco de uma guerra nuclear dos EUA com a Rússia ou a China era algo do passado, e não do futuro.
Agora tudo mudou. Desde 2016, os relatórios do Pentágono declaram que a dissuasão nuclear é o principal objetivo. A razão para isso são as ações da Rússia e da China para a revisão da ordem mundial e o aumento de suas capacidades nucleares.
Em novembro do ano passado, o ex-chefe do Pentágono, Ashton Carter, disse: "Embora nem nós, nem os nossos aliados, não tenhamos criado durante 25 anos nada de novo, os outros o têm feito — incluindo a Rússia, Coreia do Norte, China, Paquistão, Índia e — durante algum tempo — o Irã. Não podemos esperar mais."
Jogos psicológicos
Payne diz que a agressão russa contra a Ucrânia em 2014 e as ameaças da Rússia de ser a primeira a realizar um ataque nuclear contra os países da OTAN mudaram a realidade e destruíram as ilusões do Ocidente. Essas ameaças russas sugerem que as abordagens dos EUA das questões de dissuasão nuclear falharam. Além disso, isso levanta dúvidas e cria hesitação entre os aliados da OTAN.
Por que a Rússia está se comportando de forma tão agressiva?", questiona Payne. Porque a Rússia acredita que o Ocidente impôs condições injustas Rússia depois da Guerra Fria e que, além disso, o Ocidente planeja suas ações agressivas contra a Rússia inclusive a mudança de regime.
Payne observa que o desejo de compensar perdas importantes leva muitas vezes ao risco, mesmo que em um jogo estejam perdas ainda maiores. A Rússia acredita que necessita, e ela tem essa vontade, de quebrar o status quo, mas os países ocidentais não são unânimes em suas decisões e eles não têm vontade de resistir se a guerra começar, especialmente se for nuclear. Por esta razão, a Rússia pensa que tem espaço para manobrar e pressionar o Ocidente.
Além disso, como a Rússia supõe que o Ocidente não assumirá um conflito nuclear, no curto prazo no teatro de operações europeu a Rússia tem vantagem militar, o que a estimula ainda mais para atemorizar o Ocidente.
Ao mesmo tempo, Moscou não deseja a guerra e se comporta de forma prudente e racional. Assim, no âmbito do pensamento racional, o Ocidente precisa de demonstrar que tem vontade e que não tem medo de uma guerra com os russos, acredita Payne.
Ameaçar abertamente
Daqui, de acordo com Payne, vem a necessidade de estabelecer uma "linha" que a Rússia realmente tenha medo de atravessar. Isso subentende a implementação de tropas da OTAN perto da fronteira com a Rússia, a aceleração da introdução do F-35 com bombas nucleares B61-12, bem como a modernização global das armas nucleares norte-americanas.
As incertezas e ambiguidades na dissuasão nuclear já não impedem a possibilidade de uma guerra, mas sim o contrário. Às vezes é preciso apenas ameaçar abertamente o inimigo. Payne acredita que Moscou consegue entender apenas uma tal atitude.
Por isso, Payne avalia de forma positiva a resposta da primeira-ministra britânica Theresa May quando, no verão do ano passado, lhe perguntaram se ela estaria disposta a usar armas nucleares. May respondeu que os inimigos devem saber que a Grã-Bretanha está pronta para realizar um ataque nuclear, e que o preço de um ataque à Grã-Bretanha ou seus aliados iria exceder os benefícios que o inimigo poderá esperar ganhar com suas ações.
Ao mesmo tempo, May observou: "Como vimos no exemplo da anexação ilegal da Crimeia, não há nenhuma dúvida sobre o desejo do presidente Putin em minar o sistema internacional, baseado em regras, para avançar na perseguição de seus próprios interesses. Ao longo dos últimos dois anos temos visto um aumento preocupante tanto da retórica russa sobre o uso de armas nucleares, como da frequência de treinamentos nucleares repentinos. Ele (Putin) já ameaçou instalar armas nucleares na Crimeia e Kaliningrado, um enclave russo no mar Báltico, na fronteira com a Polónia e a Lituânia."
O próprio Payne escreveu há um ano: "O presidente russo, Vladimir Putin, disse que o colapso da União Soviética foi a maior catástrofe geopolítica do século XX. Ele considera o Ocidente como seu causador e como uma ameaça à aspiração de Moscou de recuperar o domínio sobre as ex-repúblicas da União Soviética, se necessário — pela força. Esta visão se reflete nas operações militares russas na Geórgia, em 2008, bem como na ocupação da Crimeia, em 2014. Aparentemente, a Rússia colocou suas forças nucleares em alerta quando conduziu operações militares contra a Geórgia e, em 2014, o presidente Putin encarou a possibilidade de o fazer novamente."
Fazer um esforço
Payne propõe responder da seguinte forma: "Reconhecer que as expectativas otimistas em relação à Rússia, que surgiram após a Guerra Fria, não refletem a realidade e reorientar devidamente a política dos EUA." Para isso, de acordo com Payne, é necessário "retomar os investimentos em forças e meios de inteligência, para entender melhor a Rússia moderna, incluindo seu programa nuclear."
Nós precisamos de restaurar a confiança nos meios de dissuasão americanos e nas linhas vermelhas, especialmente destinados a evitar que a Rússia seja a primeira a efetuar um ataque nuclear", "é preciso concentrar a vontade e as forças não-nucleares da OTAN para contrariar as garantias Putin que as tropas russas podem em dois dias alcançar cinco capitais da OTAN", diz Payne.
No outono passado, Keith Payne também atacou os planos da administração Obama, que se prontificou a considerar a rejeição dos EUA de serem os primeiros a realizar um ataque nuclear.
Um dos argumentos mais fortes dele era o seguinte: hoje não há nenhuma garantia que o Ocidente possa rapidamente, e sem baixas enormes, vencer uma guerra não nuclear contra a Rússia ou a China, por isso as armas nucleares se tornam novamente o fator principal de dissuasão.
Com a nova administração Trump, Payne, provavelmente, terá um maior entendimento mútuo.

Guerra Cibernética, o novo campo de batalha no século 21

Guerra Cibernética, o Brasil está preparado?

MAR-1, o primeiro míssil anti-radiação brasileiro

Radar SABER M60 e M200, tecnologia nacional de ponta à serviço das forças armadas

SATÉLITE GEOESTACIONÁRIO EMBARCA PARA GUIANA FRANCESA

Desenvolvido numa parceria entre o MCTIC e o Ministério da Defesa, satélite saiu da França nesta segunda-feira num avião Antonov. Além de expandir a banda larga, equipamento vai garantir a segurança das comunicações do Brasil.
O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) embarcou, nesta segunda-feira (13), em direção ao Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, de onde será lançado ao espaço no dia 21 de março. O equipamento saiu da cidade francesa de Cannes, local onde foi construído pela empresa Thales Alenia e supervisionado por engenheiros e especialistas do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), do Ministério da Defesa, da Telebras e da Agência Espacial Brasileira (AEB) – ambas entidades vinculadas ao MCTIC –, além da Visiona.
O transporte do satélite é feito por um modelo Antonov – avião russo de alta capacidade de carga. O voo deve durar cerca de seis horas, com aterrisagem prevista para as primeiras horas desta terça-feira (14).
“Naquele avião vão o empenho, a energia e a inteligência de muitos profissionais, que aguardam pelo lançamento e pelo sucesso do satélite. É uma importante etapa que está sendo concluída. Um momento de grande satisfação, que pode ser comemorado por todos”, afirmou o engenheiro da Telebras Sebastião Nascimento, que aguarda a chegada do SGDC na Guiana Francesa.
Provedor de serviços
O SGDC vai garantir a segurança das comunicações de defesa das Forças Armadas brasileiras e o fornecimento de internet banda larga para todo o território nacional, especialmente para as áreas remotas do país. O projeto é fruto de uma parceria entre o MCTIC e o Ministério da Defesa, com investimentos no valor de R$ 2,1 bilhões e tempo de operação de aproximadamente 15 anos.
“Com o SGDC, o Brasil ganha qualidade na prestação dos seus serviços, seja ao dar mais eficiência ao sistema de segurança nacional, seja ao levar mais condições de banda larga para todos os cidadãos, em suas atividades pessoais ou profissionais”, afirmou o ministro Gilberto Kassab, em recente visita ao Comando de Operações Espaciais (Comae), da Força Aérea Brasileira (FAB), na Base Aérea de Brasília.
Segundo o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Rossato, o SGDC trará benefícios ao Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), operado pela Telebras, aos sistemas de telecomunicações militares e à absorção de tecnologia para o setor aeroespacial. O equipamento deve melhorar a fiscalização dos 17 mil quilômetros de fronteira do Brasil com dez países sul-americanos e estender o PNBL a todo o território nacional.
Fonte: MCTIC

Caça russo mais recente MiG-35 pode ser boa aquisição para a Índia

O caça russo mais recente MiG-35 pode interessar a Força Aérea da Índia em termos de sua correlação entre custo e eficácia, disse na terça-feira (14) o serviço da imprensa da Corporação russa de construção de aviões (RSK, sigla em russo) MiG.

A exposição aeroespacial internacional Aero India 2017 está decorrendo de 14 a 18 de fevereiro na base da Força Aérea da Índia em Bangalore. Nela as empresas russas apresentam mais de 400 exemplares de equipamento militar.
"O MiG-35 é um produto interessante para a Força Aérea da Índia em termos de [correlação] ‘custo — eficiência'. Estamos prontos para discutir ativamente com os nossos parceiros indianos as questões relacionadas com o fornecimento deste meio aéreo que permite usar toda a gama de armas nacionais e estrangeiros existentes e em desenvolvimento, incluindo as que estão projetadas para caças pesados", disse o diretor geral da RSK MiG, Ilia Tarasenko, cujas palavras são citadas pelo serviço de imprensa da empresa.
O comunicado do serviço de imprensa refere que o MiG-35 é um avião fundamentalmente novo. Ele herdou a configuração aerodinâmica de um dos caças mais populares da 4ª geração, o MiG-29, já testada pelo tempo. Além disso, o MiG-35 tem sistemas de equipamentos de bordo completamente novos e capacidades militares significativamente aumentadas, como o raio de sua aplicação e a carga útil — o novo sistema aéreo pode transportar até seis toneladas de armas, o que é comparável aos aviões de combate de classe média e pesada.
Sendo um avião multifuncional, pouco visível, criado com tecnologia "stealth", o MiG-35 é capaz de executar missões contra todos os grupos de objetivos, não só individualmente, mas também como parte de uma equipe aérea, de dia ou de noite e com quaisquer condições meteorológicas.
Historicamente, a corporação MiG tem uma estreita cooperação com a República da Índia. Em 2016, a empresa concluiu com êxito um contrato de fornecimento de caças embarcados MiG-29K/KUB à Marinha indiana. Estamos prontos a dar grandes passos para implementar o programa Make in India anunciado pelo primeiro-ministro indiano Narendra Modi. Isto significa que as questões de localização da produção vão ser discutidas em um âmbito muito alargado. A nossa empresa já se estabeleceu nessa direção realizando o programa de modernização de aeronaves MiG-29 até ao nível UPG nas instalações da HAL em Nasik", adicionou Tarasenko.
Apresentação do novo MiG-35
No final de janeiro, na Rússia teve lugar a estreia mundial do mais recente sistema aéreo multifuncional MiG-35. O caça da geração "4++" supera todos os sistemas análogos estrangeiros existentes.
O chefe da Força Aeroespacial da Rússia, coronel-general Viktor Bondarev, disse que o MiG-35 irá substituir toda a frota de caças leves russos, que hoje consiste das várias versões do MiG-29.
A RSK MiG é uma empresa de ciclo completo dedicada ao desenvolvimento, produção, comercialização, manutenção, reparação e modernização de aeronaves modernas e também ao treinamento de pilotos e técnicos. A série de produtos da RSK MiG inclui sistemas de aeronaves modernos, incluindo caças da família unificada MiG-29K/KUB e MiG-29M/M2, caças-interceptores profundamente modernizados MiG-31BM, equipamento de treinamento, bem como o mais novo sistema aeronáutico multifuncional MiG-35. Os construtores da RSK MiG trabalham intensamente na criação de uma nova geração de material aeronáutico, tanto tripulado como não tripulado.

Arquivo do blog segurança nacional