segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Opinião: conflitos de interesses minam o projeto de exército europeu

A ministra da Defesa da Itália, Roberta Pinotti, advogou recentemente pela criação de uma linha de "defesa do Schengen" entre a Alemanha, França, Espanha e Itália.

Pinotti declarou que a defesa europeia deve ser fortalecida de forma independente da política dos EUA.
Sputnik conversou sobre o tema com Federico Petroni, colaborador da Limes Magazine e co-fundador do site iMerica. Segundo ele, a iniciativa não será realizada com facilidade. 
"Uma iniciativa como essa talvez possa ser empreendida até um estágio, no qual se torne possível fazer declarações pomposas de sucesso. Contar com algo mais que isso, com algo de peso e sensível, ao meu ver, não é possível".
O interlocutor da agência destacou que os interesses dos membros da UE são diferentes de mais, para proporcionar um nível de cooperação necessária para um projeto dessa envergadura.
"Essa iniciativa não está fundamentada em interesses comuns, além talvez dos interesses industriais e alguns pontos de intercessão esporádicos. Todos os membros da suposta aliança de defesa de Schengen possuem suas prioridades particulares", alertou o especialista.
"A França, por exemplo, tradicionalmente prefere manter as suas Forças Armadas em estado de prontidão elevada, pois a estratégia de Paris contempla a capacidade de agir de forma independente, e não se apoiar de forma integral na OTAN. A Itália, por outro lado, tenta compensar o seu isolamento militar, principalmente no Mediterrâneo, na Líbia. Na Líbia a Itália apoia o governo de unidade nacional, reconhecido pela comunidade internacional, enquanto a França defende o general Khalifa Hafter, que se opõe à Tripoli", explicou Petroni.
"Por isso, ao meu ver, a intenção (de um exército unificado) pode se traduzir em uma ou outra iniciativa concreta. No entanto, uma aliança tão estranha, de modo inevitável, esbarrará em diferenças estratégicas de seus membros", concluiu.

Empresa russa planeja efetuar lançamento de minissatélites CubeSat

A corporação estatal russa Energia planeja lançar pequenos satélites CubeSat junto com o cargueiro Progress MS no âmbito de um projeto conjunto em parceria com maiores centros de pesquisa e universidades russas.

O projeto prevê a instalação de volumes especiais na superfície externa do cargueiro para colocar em órbita satélites que possam ser comerciais e educativos", diz-se no comunicado da corporação.
A altura da órbita para os minissatélites será entre 260 e 410 quilômetros, podendo alcançar 500 quilômetros em voo autônomo. Um satélite CubeSat tem o volume de um litro, uma massa inferior a 1,33 quilos e usa peças disponíveis no mercado comum.
O primeiro lançamento com ajuda da nave espacial Progress em conjunto com a Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia MISiS está marcado para este ano.
O CubeSat é um satélite em miniatura que foi criado em 1999 pela Universidade Politécnica do Estado da Califórnia e pela Universidade Stanford para ajudar as universidades internacionais a realizar projetos na área da ciência espacial.

Por que Ratnik-3 russo é um 'sistema avançado de combate da infantaria

Com quase todos os militares russos sendo equipados com o sistema de combate de infantaria de última geração Ratnik até 2020, a Sputnik aprofunda o que torna o Ratnik único.

Na semana passada, Aleksandr Romanyuta, chefe do Comitê Científico Militar das Forças Terrestres Russas, expressou a esperança que até 2020 "quase todos os militares das forças terrestres recebam equipamentos Ratnik".
Anteriormente, o comandante das Forças Terrestres russas, o coronel-general Oleg Salyukov, disse que o trabalho de criação do uniforme de combate pessoal Ratnik-3 já está em andamento.
De acordo com o especialista militar russo, Sergei Cherkasov, a Rússia levou 15 anos a criar "um sistema de combate de infantaria revolucionário", que fornece "capacidades de comunicação sem precedentes, tanto dentro de uma equipe como entre a unidade de combate e o centro de comando".
O equipamento Ratnik contém mais de 40 componentes, incluindo armas de fogo, proteção do corpo, acessórios óticos, dispositivos de comunicação e navegação, bem como sistemas de suporte de vida e fonte de alimentação.
O equipamento Ratnik foi projetado principalmente para atiradores especiais, infantaria, condutores de veículos blindados e artilheiros de aeronaves de combate.
O equipamento Ratnik-2 aumenta significativamente a eficiência em combate e a capacidade de sobrevivência do soldado, igualmente por ser mais leve: com 20 quilos, pesa apenas metade do seu antecessor.
Quanto ao kit de combate de infantaria Ratnik de terceira geração, ele contará com uma variedade de ferramentas biomecânicas integradas únicas, incluindo elementos de exoesqueleto; ele contará com apoio microclimático incorporado e um sistema de monitoramento do estado de saúde.
No Ratnik-3, todas as informações e dados de pontaria serão diretamente suprimidos à viseira ou óculos de proteção.
O equipamento Ratnik ajuda o soldado a manter contato rádio estável com outras unidades e receber dados de reconhecimento continuamente atualizados sobre as posições inimigas e a situação geral na zona de combate, algo que os especialistas dizem que realmente torna um militar em uma "máquina de luta intelectual".
Notavelmente, a informação sobre uma equipe de soldados equipados com kits Ratnik é retransmitida diretamente para a tela do computador do seu comandante.
Além disso, a atividade do destacamento pode ser monitorada remotamente pelo ministro da Defesa e pelo comandante-em-chefe da Rússia com ajuda de câmeras de ação individual e veículos aéreos não tripulados, segundo a rede de notícias russa Zvezda.​As características da "eletrônica de campo de batalha" do kit Ratnik se tornaram únicas, disse a Zvezda, acrescentando que um soldado ferido equipado com Ratnik-3 pode reportar ao seu comandante pressionando apenas um botão em seu equipamento.
Se um soldado perder a consciência como resultado de uma lesão grave, seu comandante será notificado com a ajuda de um relógio especialmente projetado do soldado, ou um bracelete, que está configurado para fornecer um sinal se uma pessoa não se mover por mais de 40 segundos.
O relógio exclusivo do exército do Ratnik-3 inclui toda a gama de recursos sofisticados, tais como um módulo de navegação, um sensor de movimento e um sensor de atividade vital.
​Falando do sensor de movimento, ele pode ajudar mesmo a detectar a aproximação de unidades de reconhecimento do inimigo, disse a Zvezda. A edição também elogiou a eletrônica do Ratnik-3, que combina um range-finder, binóculos, um sistema de navegação, uma câmera digital, bem como uma câmera de vídeo e um transmissor de informações em um único dispositivo.

Arquivo do blog segurança nacional