quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON


SEGURANÇA NACIONAL BLOG.SNB

Vídeo: Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron)

O Brasil possui cerca de 17.000 km de fronteiras terrestres, estendendo-se do Amapá até o Rio Grande do Sul. Essa distância, em linha reta, é maior que o dobro da distância de Paris a Pequim. A área de responsabilidade contígua à essa faixa de fronteira equivale a mais de 2,5 milhões de Km², o que corresponde a 27% do território nacional.
Para proteger esse patrimônio e todas as riquezas naturais dessa região, o Exército Brasileiro está desenvolvendo o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras – o SISFRON.
Para a implantação do SISFRON são necessários investimentos diretos de 12 bilhões de reais. Esses recursos permitirão às empresas nacionais da Base Industrial de Defesa uma janela de oportunidades que possibilitará, ao Brasil, aumentar o grau de sustentabilidade tecnólogica e a criação de cerca de 5.000 empregos diretos e indiretos.
O SISFRON, com os objetivos de monitorar, controlar e atuar na Faixa de Fronteira, fortalecerá a presença do Estado Brasileiro nos limites territoriais do nosso país, empregando um efetivo de mais de 15.000 homens e mulheres, treinados para reagir às ameaças transnacionais que ponham em risco a segurança de todos os brasileiros e ainda proporcionar a ajuda humanitária em situações de catástrofes. É o Braço Forte e a Mão Amiga em todos os pontos do Brasil!
Idéias-força:
  • 17.000 km de fronteiras;
  • 2,5 milhões de Km²;
  • Mais de 15.000 participantes;
  • 12 bilhões de reais em investimentos;
  • 27% do território nacional; e
  • 5.000 empregos diretos e indiretos.
DIVULGAÇÃO: EB
SEGURANÇA NACIONAL BLOG.SNB

Conheça a ‘versão personalizada’ do caça sueco que o Brasil comprou

“Secreto”. Esta é a palavra que mais se ouve dos executivos da indústria sueca Saab quando o assunto são os detalhes do contrato assinado pela Força Aérea Brasileira (FAB) para a compra de 36 caças Gripen NG (New Generation), por US$ 5,4 bilhões (R$ 13,9 bilhões). Mesmo assim, muitos detalhes sobre o jato que só serão entregues a partir de 2019 começam a ser revelados.
Segundo o CEO e presidente da Saab, Hakan Buskne, “basicamente [o preço subiu] devido aos pedidos do cliente. Nós oferecemos algo e eles fizeram novos pedidos, como o Wide Area Display [WAD, um display panorâmico]”, disse ele a jornalistas brasileiros na capital sueca na última semana. O display não existe em nenhuma das versões do jato que a companhia desenvolve desde 1980.
As mudanças são a justificativa para a elevação em US$ 900 milhões do valor da compra, em relação à proposta final apresentada em 2009 durante a concorrência da qual participaram também o F-16* (sic), da norte-americana Boeing, e o Rafale, da francesa Dassault.
No display estarão reunidos todos os dados captados pelos sensores em uma única tela grande e central na cabine, permitindo que o piloto tome a decisão de forma mais rápida ao obter diretamente todas as informações. O modelo atual do Gripen possui três visores, que fornecem informações diferenciadas.
Para ter uma ideia do que o display panorâmico representa, apenas um avião de combate no mundo, o norte-americano F-35 Lightning II, possui uma tela como a exigida pelo Brasil, e que será desenvolvida pela empresa AEL, do Rio Grande do Sul.Segundo Bjorn Johansson, engenheiro-chefe do novo caça, outros diferenciais da versão brasileira do Gripen serão:
  • um novo sistema de comunicação com encriptação e rádios duplos
  • especificações na pressão interna do cockpit, buscando permitir à aeronave operar em altitudes elevadas por muito tempo sem causar mal estar ao piloto pela descompressão.
  • rede avançada de guerra eletrônica: ações e sensores que podem identificar, interceptar ou destruir mensagens de interferência
  • sensores de infravermelho de busca e salvamento
  • sistema resistente a interferências, além da ligação por datalink (transmite informações de dados e voz) que fará a comunicação entre caças e também com torres de controle em terra e outros tipos de aviões militares brasileiros.
  • a capacidade de integrar armas produzidas nacionalmente
  • o Helmet Mounted (HMD), um óculos acoplado ao capacete que serve também como monitor e a partir do qual o piloto pode atacar e reconhecer alvos
  • e uma saída para minimizar a “assinatura radar” do avião, que impeça a identificação pelos inimigos.
“Introduzir o display panorâmico pedido pela FAB irá requerer mudanças na fuselagem e adaptações no sistema aviônico do avião e na interface entre o homem e a máquina. Nós não achamos que isso será difícil de resolver, mas irá solicitar mais trabalho do que se tívessemos o mesmo modelo de display nas versões do Gripen suecas e brasileiras”, afirma o engenheiro da Saab em entrevista exclusiva ao G1.
A decisão de incluir o display panorâmico no novo avião ocorreu com o objetivo de promover o desenvolvimento da indústria nacional de defesa, “favorecendo a manutenção do ciclo de vida” do avião, informou a FAB, acrescentando que a Saab não relutou em aceitar a mudança com medo de atrasar o projeto. Segundo a Força Aérea Brasileira, o aumento do valor do contrato também se deve, além dos novos requisitos, à atualização de valores da proposta após cinco anos de tramitação.
O trabalho geral de produção dos caças no Brasil será coordenado pela Embraer, e a montagem dos aviões, realizada na fábrica da empresa em Gavião Peixoto (SP). A Saab comprou 15% da empresa de engenharia Akaer, que receberá parte da transferência da tecnologia exigida pela FAB e investiu outros US$ 150 milhões em uma fábrica em parceria com o Grupo Inbra, em São Bernardo do Campo, onde serão produzidas pequenas peças metálicas e aeroestruturas.
Em uma conferência em Londres nesta semana, o brigadeiro José Augusto Crepaldi Affonso, presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (Copac), afirmou que a FAB estuda adquirir um total de 108 caças para substituir a frota atual de aviões de combate.A Suécia é o maior operador do Gripen no mundo, possuindo atualmente 100 unidades do modelo C (um posto) e D (dois postos, para treinamento), que serão trocadas por 60 aeronaves do modelo E, nenhum com o display panorâmico, afirma Bydén. Pilotos suecos ouvidos pelo G1 dizem que não confiam em um display único para voar e que, por isso, a decisão é manter o projeto antigo.
“Estamos acostumados com três visores. Se eu perder um, tenho os demais de backup. Eu não confiaria em um só”, diz o coronel Lundquist, que realizou missões com o Gripen no Mali e na Líbia.
“É um costume, vemos com mais naturalidade comandar o avião em três displays. Historicamente, pilotamos o Gripen assim e os pilotos, em geral, são resistentes a mudanças”, acredita o chefe dos pilotos de teste do Gripen, Richard Ljunberg.
Jonas Jakobsson, outro piloto de teste da Saab, tem a mesma visão. “Acredito que seja questão de tradição. A Força Aérea sueca voa em Gripen com três displays desde 1997″, acrescenta.
No Gripen atual e na versão do Gipen E da Suécia, o piloto tem na tela principal, ao meio, o mapa da região que sobrevoa, explica Ljunberg. Nela estão dados do GPS, altitude e também a localização de aeronaves amigas e inimigas. No monitor à esquerda, estão as informações dos sistemas de combate, eletrônicos e de auto-defesa. No da direita, são visíveis os dados recebidos pelos radares e sensores, como localização de aviões inimigos e aviões, dentre outros. Se o piloto perde um dos visores, ele pode pedir ao software que apresente os dados nos demais, afirma.
O engenheiro da Saab Bjorn Johansson, que já atuou como piloto de teste do Gripen, afirma, contudo, que os brasileiros não precisam ter medo de perder as informações. Segundo ele, o próprio painel WAD terá uma divisão interna que, caso metade dele se apague, a outra será mantida. “Eu acredito que, quando o wide display estiver pronto, os suecos também vão querer para seus caças. É como um brinquedo novo”, brinca.
A escolha da gaúcha AEL para a produção do WAD ocorreu após uma concorrência da qual participou também uma companhia norte-americana, diz o diretor da Saab no Brasil, Bengt Jáner. “A Saab recomendou a escolha da AEL, por trazer junto outras capacidades desejadas, mas a escolha final foi da FAB”, afirma.
Contrato
O contrato da FAB com a Saab prevê a compra de 28 Gripens do modelo E (com um assento) e 8 Gripen F (com dois assentos), que ainda são projetos e serão construídos de forma conjunta entre os dois países. A versão biposto será desenvolvida em parceria com a Embraer, pois o contrato exige transferência de tecnologia para que o Brasil possa aprender a fazer um avião. O primeiro avião só deve chegar ao Brasil em 2019, e o último, em 2024.
A Saab também atualizou o custo da hora de voo do Gripen do Brasil, antes estimado em US$ 4,7 mil e agora corrigido para “cerca de US$ 5 mil”, segundo Bengt Jáner, diretor da Saab no Brasil. Na Suécia, a hora de voo da versão C, sem armamento, para a aula dos pilotos, é de cerca de 3,5 mil euros (US$ 4,4 mil), segundo o coronel Michael Lundquist, comandante da escola sueca de formação dos pilotos de caça.
Já no operacional, o valor da hora de voo de um Gripen hoje chega a 50 mil coroas suecas (US$ 6.745), afirma o comandante da Força Aérea sueca, o major-general Micael Bydén.  Cada unidade do Gripen, conforme o vice-presidente de Parcerias Industriais da Saab Aeronáutica, Jan Germundsson, custa cerca de US$ 100 milhões.
Desde 1970, voavam nos céus brasileiros os caças franceses Mirage, cujo projeto é da década de 60 e podia atingir até 2.2 vezes a velocidade do som. As últimas unidades foram aposentadas em dezembro de 2013 e substituídas por F-5, que foram modernizados pela Embraer, mas possuem menor capacidade de reação que o antigo Mirage.**O novo Gripen terá ainda uma capacidade de armazenar combustível 50% superior à versão atual do jato com a mudança da posição do trem de pouso principal, o que permitirá alcançar distâncias de até 1.300 km, além de sistemas de alerta de aproximação de mísseis e um radar com antena de varredura eletrônica ativa (com procura automática em todos os ângulos).
Outro fator que interferiu na escolha do sueco em comparação com os demais concorrentes no processo FX-2, segundo a Aeronáutica, foi a facilidade de manutenção.
O contrato logístico assinado com a Saab terá duração de 5 anos, a partir do início da entrega da primeira aeronave operacional, e prevê suporte em todos os sistemas. O Brasil, de acordo com a FAB, também comprou “todas as peças necessárias para operação por 5 anos”, além de dois simuladores completos, que serão instalados na base de Anápolis (Goiás), que formará um esquadrão para receber o avião.
FONTE /G-1SEGURANÇA NACIONAL BLOG.SNB

À frente dos desafios da segurança digital. Rodrigo Fragola Presidente Aker Security Solutions Guerra Cibernética A espionagem digital e a importância.

À frente dos desafios da segurança digital. Rodrigo Fragola Presidente Aker Security Solutions Guerra Cibernética A espionagem digital e a importância da Industria Brasileira
Slide 2
Sobre a Aker Fundada em 1997, a empresa oferece produtos que geram máxima proteção na conexão de redes e conta com uma equipe técnica especializada de alto nível. Com sede em Brasília, possui presença em São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro e Cuiabá. Atua em todo território nacional com ampla rede de revendas e representantes. Em parceria com cerca de 100 revendas capacitadas, atende empresas de diferentes portes nos setores público e privado. Atualmente, conta com mais de 2 mil clientes no Brasil e Exterior.
Slide 3
Sobre a Aker e a Defesa Cibernética A Aker participa ativamente dos grupos de defesa cibernética, coordenados pelo CDCiber. Disponibiliza suas soluções ao mercado na forma dual, isto é, o mesmo produto utilizado para defesa cibernética é também comercializado nos mercados privado e o público. Desenvolve no Brasil e estabelece parcerias estratégicas com empresas brasileiras para desenvolver novas tecnologias, evitando a entrada de potenciais backdoors estrangeiros. Ganhou uma subvenção FINEP na rubrica de Defesa Cibernética para desenvolver um produto específico para a área e ganhou o prémio FINEP como empresa mais inovadora do Centro-Oeste.
Slide 4
O que é Guerra Cibernética ?
Slide 5
Patrocinadores: Governo ou entidades internacionais ou locais
Slide 6
Tipo: Assimétrica
Slide 7
Estilo: Destrutivo ou Coleta
Slide 8
Campo: Digital
Slide 9
O que seria, então, Segurança Cibernética no contexto de Defesa Nacional? Segurança Cibernética refere-se à proteção e garantia de utilização de ativos de informação estratégicos, principalmente os ligados às infraestruturas críticas da informação (redes de comunicações e de computadores e seus sistemas informatizados) que controlam as infraestruturas críticas nacionais. Também abrange a interação com órgãos públicos e privados envolvidos no funcionamento das infraestruturas críticas nacionais, especialmente os órgãos da administração pública federal (Brasil, 2011)
Slide 10
O que seria, então, Defesa Cibernética? Defesa cibernética diz respeito ao conjunto de ações defensivas, exploratórias e ofensivas, no contexto de um planejamento militar, realizadas no espaço cibernético. As finalidades são: proteger os sistemas de informação, obter dados para a produção de conhecimento de inteligência e causar prejuízos aos sistemas de informação do oponente (Brasil, 2011)
Slide 11
Dados de Aplicações em geral; Protocolos de transmissão; Criptografia e autenticação; Sistemas operacionais; BIOS/CMOS; Semicondutores. Onde devemos atuar?
Slide 12
Defender Identificar Responder Atacar Capacidades desenvolvidas no país
Slide 13
Malwares direcionados; Funções adicionais de acesso e controle em produtos de mercado: Backdoors; Algoritmos de criptografia e autenticação controlados ou com sistemas fragilizados; Bombas relógios temporais. Armas digitais
Slide 14
Flame, um bom exemplo
Slide 15
http://www.gpo.gov/fdsys/pkg/PLAW-107publ56/pdf/PLAW-107publ56.pdf O Ato Patriótico
Slide 16
http://gizmodo.com/nsa-admits-analysts-used-its-databases-to-spy-on-lovers-1409239996 A Guerra Digital a favor do Amor!?
Slide 17
http://pt.wikipedia.org/wiki/Edward_Snowden O efeito Edward Snowden... outros
Slide 18
Ninguém mais pode dizer que não sabia.
Slide 19
A estrutura brasileira atual
Slide 20
Estabelecer uma política Integrada de médio e longo prazo para Defesa entre os vários atores necessários; Segurança da Informação e Defesa Cibernética devem andar juntas; Gerar leis e regulamentações ( Ex: Serasa X TSE); Rever a forma de adquirir produtos e serviços para a administração pública. Afinal, quem decide a tecnologia? Criar centros de difusão do conhecimento específico; Evitar superposição de áreas de pesquisa e produção. Qual o caminho?
Slide 21
O Estado é o propulsor deste mercado; Esta caminhando para organizar o regime legal, regulatório e tributário. Assim, as empresas podem abrir mão das necessidades momentâneas; Já existem fundos de apoio à pesquisa em Defesa Cibernética a ser feita pela iniciativa privada e integrada com o meio acadêmico ou institutos de pesquisa; A iniciativa privada e a Defesa
Slide 22
E eu com isso? Minha empresa é privada!
Slide 23
O Marco civil da Internet e a Defesa Nacional O velho dilema entre o quanto devo liberar e o quanto devo bloquear; O que tem em comum: Responsabilizar pessoas e ou organizações/empresas. O que na prática acaba sendo discutido é: Conceitualmente como seria feito a associação legal; Quais os recursos computacionais que devem ser disponibilizados;
Slide 24
A evolução da tecnologia do ataques
Slide 25
Bugs que são na verdade backdors Enfraquecimento da geração de chave por inversão de polaridade (Intel) Quebra do protocolo de comunicação entre dispositivos Apple e iTunes/iCloud Dump de chaves - Heartbleed Todas descobertas por terceiros. Resposta dos fabricantes: “Opa, desculpa, era bug, vamos arrumar”
Slide 26
Estamos no momento certo?
Slide 27
Produtos Aker Firewall UTM Enterprise Aker Web Gateway Aker Security Mail Gateway Aker Web Defender Aker Report Center Aker IPS/IDS Aker Monitoring System Appliances Aker Firewall UTM Aker Web Gateway Aker Security mail Aker Web Defender Aker Report Center Aker IPS/IDS Aker Monitoring Services Appliances Virtuais Aker Anti virus Module Aker Web Content Analyzer Aker Spam Meter Aker Configuration Manager Aker Reputation Module Módulos/ Plug ins  Appliances virtuais e físicos, além de plug-ins relacionados 27
Slide 28
Serviços Serviços Gerenciados  Monitoramento Remoto  Segurança como Serviço  Gerenciamento de Appliances de Segurança Consultoria  Análise de Vulnerabilidade  PenTest  Homologação de sistema Suporte  Suporte Remoto  Suporte Presencial Serviços Certified Professional Aker Firewall Aker Secure Mail Gateway Aker Web Gateway Aker Web Defender Aker Report Center Aker IDS/IPS Certificação Training Aker Firewall Aker Secure Mail Gateway Aker Web Gateway Aker Web Defender Aker Report Center Aker IDS/IPS Treinamento  A companhia oferece uma suíte completa de serviços para seus clientes 28
Slide 29
Fique livre de BACKDOORS! Use uma solução de segurança digital 100% brasileira.
Slide 30
http://www.gsi.gov.br/ http://www.dct.eb.mil.br/ http://www.defesanet.com.br/ https://jt-eb-sepin.dciber.unb.br/ ESTUDO DO IPEA 1830 de Julho de 2013 http://www.cgi.br/ Links relacionados
Slide 31
Aviso Legal O presente material foi gerado com base em informações próprias e/ou coletadas a partir dos diversos veículos de comunicação existentes, inclusive a Internet, contendo ilustrações adquiridas de banco de imagens de origem privada ou pública, não possuindo a intenção de violar qualquer direito pertencente à terceiros e sendo voltado para fins acadêmicos ou meramente ilustrativos. Portanto, os textos, fotografias, imagens, logomarcas e sons presentes nesta apresentação se encontram protegidos por direitos autorais ou outros direitos de propriedade intelectual. Ao usar este material, o usuário deverá respeitar todos os direitos de propriedade intelectual e industrial, os decorrentes da proteção de marcas registradas da mesma, bem como todos os direitos referentes a terceiros que por ventura estejam, ou estiveram, de alguma forma disponíveis nos slides. O simples acesso a este conteúdo não confere ao usuário qualquer direito de uso dos nomes, títulos, palavras, frases, marcas, dentre outras, que nele estejam, ou estiveram, disponíveis. É vedada sua utilização para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra que contrarie a realidade para o qual foi concebido. Sendo que é proibida sua reprodução, distribuição, transmissão, exibição, publicação ou divulgação, total ou parcial, dos textos, figuras, gráficos e demais conteúdos descritos anteriormente, que compõem o presente material, sem prévia e expressa autorização de seu titular, sendo permitida somente a impressão de cópias para uso acadêmico e arquivo pessoal, sem que sejam separadas as partes, permitindo dar o fiel e real entendimento de seu conteúdo e objetivo. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. O usuário assume toda e qualquer responsabilidade, de caráter civil e/ou criminal, pela utilização indevida das informações, textos, gráficos, marcas, enfim, todo e qualquer direito de propriedade intelectual ou industrial deste material.
Slide 32
Slide 33
FONTE ,,Aker Security Solutions..
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,SNB

AKER LANÇA SISTEMA DE PROTEÇÃO NACIONAL CONTRA ESPIONAGEM E AMEAÇAS CIBERNÉTICAS

A Aker Security Solutions, primeira empresa brasileira de produtos e serviços para proteção de dados a entrar para o Quadrante Mágico de Firewall UTM do Gartner, acaba de lançar sua nova solução avançada de proteção contra ameaças virtuais e espionagem digital.

Trata-se da mais recente atualização da plataforma Aker IPS/IDS, que compreende todas as funcionalidades de um Sistema de Detecção e Prevenção de Intrusões e de filtro de aplicações web.

O novo Aker IPS possui mais de 25 mil assinaturas com atualizações diárias e com foco em detecção de Zero-day e Malware. A solução traz uma interface autoexplicativa, através da qual o usuário pode editar políticas de permissão ou proibição de tráfego, inclusive com diferenciação por níveis hierárquicos.

O sistema está preparado para identificar e enfrentar todos os tipos de código malicioso e modalidades de ataque, tais como malwares, ataques de negação de serviço e tentativas de invasão através de backdoors (vulnerabilidades acidentais - ou maliciosas - existentes em itens de software ou hardware).

O lançamento é resultado de uma iniciativa de P&D iniciada pela Aker no final de 2012, quando vieram à tona diversos casos internacionais de violação de confidencialidade de dados em órgãos de governo e em empresas estratégicas, entre eles o Governo Brasileiro e a Petrobrás.

O desenvolvimento do novo Aker IPS contou com o apoio da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) e enquadra-se no contexto da indústria nacional de segurança em busca da criação de uma base tecnológica independente para o mercado brasileiro em termos de segurança digital.

Seu mecanismo de operação garante velocidade máxima na detecção de desvios de padrão de tráfego ou na detecção de padrões compatíveis com o funcionamento das ameaças.  

A solução também conta com a capacidade de inspecionar e bloquear, em tempo real, aplicativos e operações de transferência de arquivos do tipo P2P (peer to peer) como Torrent e TOR, realizando bloqueios de downloads e a proteção contra IP Spoofing (falsificação de endereços).

De acordo com Rodrigo Fragola, Presidente da Aker, um dos diferenciais do Aker IPS é sua capacidade de oferecer proteção rigorosa, mas sem exigir que as empresas excluam o uso de redes sociais ou o acesso a seus dados através dos smartphones dos colaboradores. "Buscamos superar o modelo internacional de IPS/IDS ao viabilizar o uso produtivo desses novos modelos de rede com o mesmo nível de proteção que hoje é empregado para a rede fixa convencional", afirma o executivo.

O Aker IPS também permite a criação de White Lists, a fim de evitar bloqueios indevidos e interrupções do fluxo de trabalho.

SEGURANÇA NACIONAL BLOG.SNB

Arquivo do blog segurança nacional