Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Rússia vai logo começar a desenvolver um protótipo de um jato de combate leve avançado para complementar aeronave T-50

RIA Novosti) - A Rússia vai em breve começar a desenvolver um protótipo de um jato de combate leve avançado para complementar T-50 aviões de quinta geração, um alto oficial do governo nesta quarta-feira.
A nova aeronave está prevista para ser mais barato de produzir e mais fácil de manter, mas também deve possuir capacidades de combate e características de desempenho comparáveis ​​aos das aeronaves de classe pesada.
"O desenvolvimento de um lutador de classe luz foi incluído no atual programa de aquisição de armas. Ele será criado ", disse o vice-primeiro-ministro Dmitry Rogozin, abordando a câmara baixa do parlamento.
Rogozin, que supervisiona as indústrias de defesa e espacial, disse que os combatentes de classe luz estavam em maior demanda no exterior, em comparação com mais aeronaves de classe pesado avançada, como os T-50 caças Su-30 planejadas ou.
Rússia está actualmente a desenvolver o T-50 aviões de combate multirole de classe pesado, também conhecido como PAK-FA, que será o núcleo da frota lutador futuro do país.
O T-50 deverá entrar em serviço com a Força Aérea da Rússia em 2016.Rogozin, que primeiro expressou a idéia de desenvolver um segundo tipo de um caça de quinta geração, em fevereiro de 2012, disse quarta-feira que a Rússia sempre teve pelo menos dois tipos de caças táticos que, em geral complementado o outro.
O exemplo mais recente é um par MiG-29/Su-27.
Rogozin não especificou qual dos dois principais designers da Rússia de jatos de combate MiG - ou Sukhoi - será atribuído o desenvolvimento do futuro lutador de nível de luz.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,,,SNB

Oficial russo minimiza preocupações sobre o futuro da Proton

RIA Novosti) - Um oficial russo top supervisionar o setor de defesa do país, disse quarta-feira que os lançamentos do foguete Proton de Moscou-arrendado cosmódromo Baikonur devem continuar.
Os laços entre a Rússia eo Cazaquistão foram duramente testados por uma explosão do foguete de carga pesada em julho, que espalhou 600 toneladas de propelentes tóxicos de fogo nas proximidades do local de lançamento lá no fundo a grande nação da Ásia Central.
O Cazaquistão exigiu US $ 89 milhões em compensação por esse incidente, mas tem havido especulação Moscou está disposto a pagar essa quantia, levantando dúvidas sobre as perspectivaspara a Proton , que atualmente é lançado somente a partir de Baikonur.
Vice-primeiro-ministro Dmitry Rogozin disse deputados quarta-feira na Duma, a câmara baixa do Parlamento, que havia discutido o assunto com o presidente Nursultan Proton Nazarbayev em uma recente visita a capital do Cazaquistão, Astana.
"No curso das coisas chegamos a um entendimento mútuo sobre a retomada Proton lança a partir de Baikonur", disse Rogozin.
Os termos exatos do acordo ainda não estão claros.
Lançamentos do Proton havia sido suspenso por três meses após uma explosão da Proton em julho . Cazaquistão há muito tempo tem reservas sobre o uso de combustíveis tóxicos em Baikonur e insistiu uma limpeza ser concluída antes de lançamentos de retomada.
Rússia lançou quatro prótons desde o desastre de julho.Em janeiro, Kazcosmos agência espacial do Cazaquistão ameaçou se retirar de um projeto conjunto com a Rússia para construir uma nova barra de lançamento em Baikonur.
A situação foi resolvida em fevereiro com um acordo para lançar o foguete ucraniano Zenit-feita na proposta do novo local, em vez de o Angara russo, como foi previamente planejado.
Os termos do contrato de arrendamento para Baikonur ter sido objeto de disputa desde a dissolução da União Soviética em 1991. A Rússia atualmente aluga as instalações por US $ 115 milhões por ano.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,SNB

FAB TV - FAB em Ação - Centro de Lançamento de Alcântara


SEGURANÇA NACIONAL BLOG,,,SNB

Valores da FAB - Suboficial Fernandes


SEGURANÇA NACIONAL BLOG,,,SNB

Encontrado pedaço de foguete chinês

A agência Reuters divulgou ontem imagens de um pedaço do foguete chinês Longa Marcha 4B, utilizado para enviar ao espaço o satélite sino-brasileiro CBERS-3 na segunda-feira passada. Devido a falhas nas turbinas do veículo lançador, o instrumento de observação não se posicionou corretamente na órbita terrestre e acabou caindo. A peça foi encontrado por moradores da Vila Sanxi, na província chinesa de Jiangxi. O Longa Marcha 4B é um modelo muito utilizado no programa espacial chinês, contabilizando mais de 30 lançamentos bem-sucedidos. No entanto, um desligamento antecipado de 11 segundos no funcionamento do motor causou a destruição do CBERS-3. O imprevisto ocorreu na terceira fase de lançamento, realizado no Centro de Lançamentos de Satélites de Taiyhuan. A operação de envio era responsabilidade chinesa, mas o projeto foi feito em parceria com o Brasil, que investiu cerca de R$ 150 milhões na construção do satélite.
Continuidade
O projeto e a parceria terão continuidade. Os dois países já declararam que apressarão a construção do CBERS-4 para substituir o equipamento perdido. O objetivo é não depender das imagens de satélites colhidas por outras nações para monitorar, por exemplo, o desmatamento na Amazônia. O CBERS-3 seria o quarto satélite da parceria entre Brasil e China a entrar em órbita. Os outros modelos enviados alcançaram o objetivo, mas já estão desativados. O material produzido por eles foram úteis para projetos de órgãos como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuário (Embrapa) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), além de universidades. O objetivo do projeto conjunto entre os dois países é reforçar esse monitoramento, com imagens de mais qualidade.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,,,SNB

Dependência ameaça o Brasil no espaço

Roberto Godoy

O Programa Espacial Brasileiro, maduro de 53 anos, sofre com a falta de recursos. Com as dotações adequadas, as agências do País construiriam seus próprios veículos lançadores, ofereceriam serviços e ganhariam dinheiro em um mercado internacional estimado em US$ 30 bilhões. Com dinheiro curto, resta amargar por 10 anos a tragédia de agosto de 2003, quando a explosão de um dos motores do VLS-1/V03 na plataforma da base de Alcântara, no Maranhão, matou 21 técnicos e transformou em metal esturricado o objetivo de uma geração inteira de pesquisadores. De 1994 até o desastre de 2003, o governo havia investido magros R$ 73 milhões no projeto do foguete de quatro estágios, 50 toneladas e possibilidade de colocar sua carga útil no espaço a até mil quilômetros de distância. O caso da China era visto ontem à noite, no meio da Defesa, como alerta para os riscos da dependência. Militares assinalaram que a área é prioritária na agenda de assuntos estratégicos da presidente Dilma Rousseff.
Estado ,,,SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional