sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria; Irã ajudou a produzir arsenal

Para fazer frente a Israel, regime sírio tem programa de armamento de destruição em massa desde os anos 1970

Há muito tempo se iniciaram as tentativas da Síria de obter mísseis e armas de destruição em massa para fazer frente ao arsenal de Israel. Na prática, contudo, Damasco nunca teve os recursos nem a tecnologia para competir de verdade com o Estado judeu. Recentemente, o regime de Bashar al-Assad foi acusado por rebeldes que lutam contra seu governo há mais de dois anos de lançar um suposto ataque químico contra civis. Assad nega a acusação .
Dia 21: Oposição síria acusa governo de matar centenas em ataque químicoO programa de armas químicas sírio começou em meados dos anos 1970, sabendo-se que suas fábricas conseguiram produzir com sucesso substâncias que atuam no sistema nervoso, como o sarin e o VX, e os chamados “agentes de bolhas”, como o gás mostarda.
O sarin age sobre o sistema nervoso central, impedindo a enzima acetilcolinesterase de transmitir impulsos nervosos. Com isso, os músculos se desordenam e os órgãos param de funcionar. Dependendo da concentração, ele pode matar em poucos minutos.
Ao serem contaminadas, as vítimas costumam apresentar vômitos, dores de cabeça, espasmos musculares, convulsões, sudorese, insuficiência respiratória e diminuição dos batimentos cardíacos. O gás VX age de forma similar ao sarin, mas é ainda mais poderoso e letal.
Muito utilizado na Primeira Guerra (1914-1918), o gás mostarda forma bolhas dolorosas na pele; as queimaduras podem variar de primeiro a terceiro grau. Dependendo do grau de exposição, pode matar em cinco minutos ou até em semanas. A inalação leva à formação de vesículas nas vias respiratórias, o que provoca a morte por asfixia. Quando não mata, o gás mostarda também é mutagênico e cancerígeno.
As principais usinas produtoras, conhecidos na Síria como Centros de Estudos e Pesquisa Científicos, estão localizadas nas cidades de Dumair, Khan Abu Shamat e Furqlus. Mas ao menos até 2005 nada foi fabricado de maneira independente. Há informações de que a Síria importou do Irã centenas de toneladas de ácido clorídrico e etilenoglicol, componentes químicos precursores para a produção de gás mostarda e sarin.
Durante muito tempo, a Síria buscou acabar com sua dependência de outros países e fabricar em seu próprio território os componetes químicos necessários para produzir as substâncias letais. Não se sabe com certeza se conseguiu. É certo apenas que novas usinas químicas foram construídas desde o final de 2005, segundo indica um relatório do analista de segurança Anthony Cordesman, Center for Strategic and International Studies (CSIS).Embora não se tenha conhecimento de nenhum contrato assinado, diz Cordesman, agentes ocidentais tomaram conhecimento de acordos para que cientistas iranianos ajudassem a Síria a estabelecer a infraestrutura necessária: forneceriam conhecimento para produção dos químicos precursores e materais para fabricá-los, como reatores, tubos, condensadores, trocadores de calor e tanques de armazenamento e alimentação, bem como equipamentos de detecção de substâncias químicas para os agentes em suspensão.
Para o especialista em armas químicas Amy Smithson, do Centro James Martin para os Estudos da Não Proliferação, em Washington, o governo de Assad consegue atualmente produzir os gases sarin e mostarda sozinho. “A Síria dependeu fortemente da ajuda externa no começo do seu programa, mas o entendimento agora é de que eles têm capacidade doméstica de produção de armas químicas”, disse.
Desde o começo da guerra civil, há mais de dois anos, já houve várias denúncias sobre o uso de armas químicas, sendo a mais grave delas na semana passada, quando a oposição acusou o governo de matar ao menos centenas de civis durante a noite em um ataque com gás sarin ou similar, em subúrbios de Damasco dominados por rebeldes.
MSF: Hospitais na Síria atenderam 3,6 mil pessoas com sintomas neurotóxicosEm julho de 2012, a Síria admitiu pela primeira vez que possuía esse tipo de arma. Mas o governo nega os ataques contra sua população. O ministro sírio da Informação, Omran Zoabi, disse que as acusações são "ilógicas e fabricadas".
A Síria é um dos sete países que não aderiram à Convenção de Armas Químicas, de 1997, que obriga seus participantes a destruir seus arsenais e não fabricar mais agente químicos. Os outros não signatários são Israel, Coreia do Norte, Egito, Angola, Sudão do Sul e Mianmar.
 Reuters...SNB

Ingerência e enfraquecimento da PF impactam investigações, aponta pesquisa

Pesquisa divulgada nesta sexta-feira pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) aponta que a ingerência política e o enfraquecimento da Polícia Federal - por ação ou omissão do governo - são as principais causas do recuo nas investigações de impacto contra a corrupção.
Coletada num universo de 1.732 servidores da PF, a pesquisa mostra que 89,37% afirmam que há controle político da instituição, 75,28% dizem ter presenciado ou ouvido algum relato de interferência político e - o mais alarmante - 94,34% acreditam que o enfraquecimento do órgão, proposital, é uma espécie de “castigo” pelo fato de investigações anteriores terem chegado a personagens que gravitam em torno do poder.
Leia também: 
“Nunca em sua história a PF enfrentou uma situação como agora. O órgão está sucateado, os policiais estão desmotivados e há uma crise de atribuições sem precedentes. A falta de investimentos enfraquece as investigações, enquanto o comando da PF se mostra alheio à crise”, dispara o presidente da Fenapef, o agente federal Jones Borges Leal.
Leal diz ainda que o esvaziamento das operações contra a corrupção reflete diretamente no número de prisões por desvios de recursos públicos. Atualmente, segundo ele, o volume de prisões não chega a 20% do que foi nos anos em que a polícia fazia um ataque frontal à corrupção na ofensiva que se tornou prioridade do órgão e sem interferência política. O levantamento da entidade mostra uma queda brutal no número de prisões em geral de 2009 a 2013: de 2.663 para 786.
Segundo ele, para a pesquisa,  a entidade usou um sistema de consulta baseado no envio de mensagens eletrônicas individualizadas e criptografadas num universo formado por agentes, escrivães e papiloscopistas (peritos em impressões digitais), cargos essenciais em análises, ações de inteligência e estruturação das grandes operações do órgão.
Leal diz que a pesquisa, com margem de erro de 3%, é confiável e reflete o aumento de reclamações que chegam à Fenapef.
“Quase todos os dias um policial denuncia que foi realocado para outras funções quando estava para concluir alguma investigação, normalmente contra a corrupção”, afirma o policial.
Outro dado preocupante apontado pela pesquisa: 95% declararam que o governo federal não está preocupado com a produtividade do órgão, e mostraram que a Polícia Federal virou uma espécie de caixa preta, sem a ofensiva que há poucos anos marcou a atuação do órgão contra poderosos de todos os poderes da República flagrados em malfeitos.
“É necessário avaliar o que está acontecendo. Quem perde é a sociedade”, alerta o presidente da Fenapef. Para Leal a inércia da PF está na contramão das manifestações populares, mas ajuda a explicar atitudes como a absolvição política do deputado Natan Donadon cujo mandato, apesar de preso e condenado definitivamente por desvios de recursos públicos, a Câmara preservou.
ÚLTIMO SEGUNDO.. SNB

EUA rejeitam dividir acesso a dados com Brasil

Cláudia Trevisan, correspondente / WASHINGTON - O Estado de S.Paulo
Os EUA rejeitaram proposta do Brasil de firmar um acordo de cooperação para regular o acesso recíproco a dados telefônicos e de internet, apresentada em resposta às revelações de Edward Snowden de que o serviço de inteligência de Washington espionou cidadãos brasileiros.
"A resposta foi que o governo americano não aceitaria fazer um acordo nesses termos com nenhum país do mundo", relatou ontem o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em entrevista em Washington. "Nesse ponto, foram peremptórios."
O ministro discutiu o assunto nos dois últimos dias em reuniões com o vice-presidente, Joe Biden, o secretário de Justiça, Eric Holder, e a assistente do presidente para Segurança Doméstica e Contraterrorismo, Lisa Monaco. Segundo ele, os americanos não negaram que tenham realizado atos de espionagem no Brasil. A rejeição da proposta de acordo foi justificada sob o argumento de que as ações do país estão amparadas pela legislação doméstica e os EUA têm um papel global a cumprir, "de proteger o mundo", disse Cardozo. Mas as autoridades americanas se declararam "abertas ao diálogo" e à discussão de pontos da sugestão apresentada pelo Brasil. "Estamos dispostos a dialogar, mas seria muito importante que o diálogo não fosse meramente retórico, que tivesse resultados concretos", ponderou o ministro.
Inteligência. Ex-agente da Agência Nacional de Segurança americana (NSA, na sigla em inglês), Snowden ficou famoso em junho, ao ser identificado como fonte de reportagens que revelavam detalhes sobre a maneira como o organismo de vigilância que ele integrou espionava na internet.
As autoridades americanas cancelaram o passaporte de Snowden enquanto ele estava em Hong Kong, para onde tinha fugido após revelar as informações para a imprensa. Mesmo assim, o americano conseguiu voar para Moscou, onde chegou em 23 de junho e se refugiou na área internacional do Aeroporto de Domodedovo. O americano ficou no terminal até o dia 1.º de agosto, quando conseguiu um asilo temporário do governo russo e entrou oficialmente no país.
Em julho, por meio do colunista Glenn Greenwald, do jornal britânico The Guardian, o diário brasileiro O Globo publicou informações passadas por Snowden que indicavam que o governo americano espionou empresas e cidadãos brasileiros, além de outros países latino-americanos.
SNB

Índia coloca em órbita seu primeiro satélite com fins militares

A Índia colocou nesta sexta-feira em órbita pela primeira vez um satélite com fins militares, o GSAT-7, que permitirá à Marinha indiana se comunicar com sua frota através de um sistema criptografado, informou a agência espacial do país asiático.
"(O satélite) é muito importante do ponto de vista da segurança e da vigilância", afirmou uma fonte da Organização Índia de Investigação Espacial (ISRO) à agência local PTI.
O satélite de 2,5 toneladas --de fabricação indiana e com um custo de US$ 27,5 milhões-- foi lançado nesta madrugada, a partir de uma base situada na Guiana Francesa, e orbitará a cerca de 36 mil quilômetros de distância.A função do satélite é facilitar a troca de informação entre as embarcações da Marinha indiana sobre a localização exata dos navios e submarinos de outros países, ao fornecer um detalhado mapa digital sobre sua posição.
A Índia se unirá assim ao exclusivo grupo de países que dispõem de um sistema de defesa por satélite, no qual figuram apenas Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido e China.
O gigante asiático, que já realizou mais de 100 missões espaciais até o momento e lançou sua primeira sonda lunar em 2008, prepara uma missão espacial para Marte para 2013 e tem planos de lançar sua primeira missão espacial tripulada em 2016.
Desde sua independência, em 1947, a Índia mantém uma corrida armamentista com o vizinho Paquistão, que possui armas nucleares, mas nos últimos anos se centrou no desenvolvimento de um poder dissuasório frente à China, país com o qual mantém disputas fronteiriças.
 SNB...  EFE 

Arquivo do blog segurança nacional