sábado, 24 de agosto de 2013

AS ALTERNATIVAS AOS MIRAGE 2000C/B


Virgínia Silveira
Valor, de São José dos Campos

A confirmação do contrato de desenvolvimento da nova geração do caça sueco Gripen NG para o governo da Suécia, que encomendou 60 unidades do avião, e também a seleção da aeronave pela Força Aérea da Suíça, com mais 22 pedidos, fortaleceram a posição da Saab como produtora mundial de caças de quinta geração, afirmou o vice-presidente de exportação do Gripen, Eddy de la Motte, em entrevista ao Valor.

"Estamos confortáveis porque agora é a nossa vez nesse mercado. E este também é o momento ideal para o Brasil trabalhar em conjunto com esses dois países na continuidade do desenvolvimento do Gripen NG", disse. A escolha do Gripen pela Suíça e Suécia, segundo de La Motte, eliminou o que o mercado costumava chamar de "risco" para o projeto do caça, porque ele ainda não teria saído do papel.

O novo Gripen NG começou a ser fabricado em julho, com a montagem da fuselagem dianteira da aeronave. Segundo a Saab, mais de mil engenheiros e técnicos trabalham hoje no desenvolvimento e na produção do novo caça, na fábrica que fica localizada em Linköping, na Suécia. Segundo o executivo da Saab sueca, as entregas do Gripen NG terão início em 2018.

Segundo a empresa, já foram investidos US$ 10 bilhões no desenvolvimento do Gripen desde a década de 80. A SAAB faturou no ano passado US$ 3,7 bilhões. E os pedidos até agora do Gripen NG podem render US$ 7 bilhões

As novas tecnologias que serão incorporadas ao caça, no entanto, já foram comprovadas no programa de demonstração, que utilizou uma aeronave da versão E/F e realizou mais de 250 horas de voo.

A SAAB contratou a brasileira Akaer, especializada no desenvolvimento de aeroestruturas e integração de sistemas, para projetar a fuselagem central, traseira e as asas do Gripen NG. No acordo feito com a SAAB, a Akaer será responsável por 80% da estrutura do novo Caça, independente do resultado da concorrência F-X2.

Controlada pelo grupo sueco Investor AB, presidido pelo empresário Marcus Wallenberg, a SAAB adquiriu 15% do capital social da Akaer. A operação, conhecida como empréstimo conversível em ações, poderá ser estendida até um limite de 40%, segundo informou o presidente da Akaer, Cesar Augusto da Silva.

Processo de compra dos novos caças, de 1996, também envolve a Dassault, com o Rafale, e a Boeing, com o F-18.

O vice-presidente da SAAB lembra que para o programa F-X2 a SAAB propôs que 40% do caça e até 80% da sua estrutura sejam feitos no país. O processo de compra dos novos Caças, que já completou 18 anos, também envolve as empresas DASSAULT, com o caça Rafale, e a Boeing, com o modelo F/A-18.

"Não estamos falando do Gripen só para o Brasil, mas de uma plataforma voltada para o
mercado mundial, além da possibilidade de o país liderar algumas exportações para países com os quais tenha maior relacionamento", ressaltou. A avaliação técnica das propostas enviadas pelas três empresas concorrentes do programa de aquisição dos caças F-X2, constam de um relatório de cerca de 28 mil páginas elaborado pela FAB.

Cabe agora à Presidente Dilma Rousseff fazer uma análise político-estratégica do processo e decidir qual dos três aviões atende às necessidades de defesa aérea do país e qual das propostas oferece melhores condições para a transferência de tecnologias em áreas críticas, que ainda não são do domínio da indústria brasileira.

Em audiência pública realizada no Senado, no dia 13 deste mês, o Comandante da aeronáutica, Brigadeiro Juniti Saito, disse que o foco desse projeto não é só comprar um avião de prateleira e sim desenvolver junto com o parceiro escolhido uma tecnologia nacional.

A expectativa da FAB é que a decisão final sobre o F-X2 aconteça no curto prazo, já que no dia 31 de dezembro os 13 caças Mirage 2000 serão desativados. Em seu lugar a FAB pretende colocar, provisoriamente, os caças F-5 modernizados pela Embraer e a AEL Sistemas. Em seu depoimento no Senado, o Comandante da Aeronáutica admitiu que esta não é a solução ideal. 


O representante do Consórcio Rafale Internacional no Brasil, Jean-Marc Merialdo, da DASSAULT, disse que já conversou com a Força Aérea sobre a possibilidade de prorrogar novamente a vida útil desses aviões até que os novos caças entrem em operação.

Segundo Merialdo, existem atualmente 390 Mirage 2000 em serviço no mundo, sendo 160 na França e 230 em países como Peru, Egito, Grécia, Índia, Taiwan e Emirados Árabes Unidos. "É possível prolongar a vida útil do Mirage, embora ele opere com uma capacidade de guerra reduzida, mas ainda capacitado a fazer o policiamento do território brasileiro".

Ele comenta que a francesa DASSAULT está fazendo um programa de renovação de 50 Mirage 2000 da Índia, comprou 120 Caças Rafale. As entregas serão iniciadas nos próximos três anos, mas o contrato ainda está em fase de negociação.

A SAAB também já ofereceu a possibilidade de uma solução interina, com versão anterior do Gripen, ao governo suíço, enquanto os novos Caças não ficam prontos. "Podemos fazer uma oferta similar ao Brasil, conectada ou não ao F-X2", disse o vice-presidente.
VALOR ..SNB

EXÉRCITO BRASILEIRO TRANSFERE TECNOLOGIA DE VANT PARA A FLIGHT TECHNOLOGIES

Em 20 de agosto, o Centro Tecnológico do Exército recebeu o Sr Nei Brasil, Diretor-Presidente da Flight Technologies Sistemas, Serviços e Aerolevantamento, ocasião em que foi realizada a assinatura do Contrato de Licenciamento da Tecnologia do Sistema de VANT VT 15 à empresa.

O Sistema de VANT VT15, tal como projetado pelo CTEx, com subcontratação da empresa, possui aeronaves que podem carregar até 10 kg de instrumentos dedicados ao imageamento do terreno na busca de alvos e na vigilância aérea. Com 4,18 m de envergadura, o VT 15 pesa cerca de 75 kg, mas pode ser facilmente desmontado em módulos e acondicionado em caixas, que facilitam o transporte e armazenagem.

Compõem o Sistema entregue ao CTEx em Julho de 2010 três veículos aéreos, uma estação de solo portátil e um conjunto de itens de apoio logísticos.

O projeto propiciou ao CTEx a capacitação de pessoal e o domínio das tecnologias associadas aos Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT).

É a primeira vez que um contrato dessa natureza é formalizado pelo CTEx, inaugurando uma nova fase no relacionamento com as empresas da Base Industrial de Defesa (BID), ao possibilitar que as inovações geradas nas pesquisas conduzidas pelo Centro possam induzir a produção de materiais que atendam às demandas militares.

A Flight Technologies manifestou interesse em licenciar a marca “VT15”, os programas computacionais e as tecnologias desenvolvidas no bojo desse projeto. Com isso, a empresa terá a oportunidade de agregar novas funcionalidades ao VANT, de modo a torná-lo um produto competitivo no mercado.

“Para nós da Flight é uma honra podermos prosseguir um projeto iniciado em 2007 com o Exército Brasileiro. É um momento histórico. Por ser o primeiro contrato desta natureza assinado pelo CTEx, demonstra a confiança depositada na Indústria de Defesa. Esperamos retribuir essa confiança com um produto à altura das expectativas do País, em especial, da Força Terrestre”, explicou o Presidente da Flight Technologies, Nei Brasil.
           
Tal como idealizado pela empresa, o VT15 é um VANT tático leve, para ser operado por 3 pessoas, de campo, de alta eficiência, com enlaces de rádio para operações até 180km em linha de visada, autonomia típica de 24 horas, e até 17 kg de carga-paga em sua configuração de propósito múltiplo. O volume dos compartimentos da aeronave propicia a instalação de imageadores diurnos e noturnos, radares SAR, apontadores laser, AIS, entre outros.
           
“O projeto Vant VT15 já marcou época por ter sido o primeiro Vant do Exército Brasileiro. Em tempo que pode ser considerado recorde, e contando com recursos dentro da realidade nacional, entregamos as unidades encomendadas e a estação de controle, com treinamento de pessoal da Força para operação. Nossa intenção, agora, é dotar o Sistema VT15 de capacidades específicas para que ele atenda as necessidades hoje já existentes das Força Armadas. A tecnologia evoluiu muito neste período, e o Brasil tem plenas capacidades para possuir um dos mais avançados sistemas de sua categoria a nível mundial.  Projetos como SISFRON e Proteger necessitarão de um sistema com suas características. Além disso, poderá igualmente atender as demandas dos Países integrantes da Unasul e demais latino americanos.”, completa Nei Brasil.
 
Sobre a Flight Technologies
 
A Fight Technologies (FT) é pioneira no desenvolvimento de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT). Fundada em 2005, a empresa 100% nacional atua no desenvolvimento de sistemas aeronáuticos, dando suporte ao desenvolvimento de sistemas robóticos em projetos do Ministério da Defesa Brasileiro.

Participou e ainda participa de importantes projetos na área de sistemas aéreos não tripulados nacionais, como o Projeto VANT e Projeto DPA VANT, ambos sob Gerência do Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), Projeto Vant VT15 do CTEx e Mini-vant Horus do CTEx e Finep, consolidando sua posição de liderança e referência na área. Detentora de tecnologias próprias de interesse para o país, a FT é considerada uma empresa estratégica para as Forças Armadas Brasileiras
  ..SNB

Arquivo do blog segurança nacional