quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Em entrevista à BBC, David Miranda diz ter se sentido 'nu diante de multidão'; ele cobra também resposta de Dilma

De acordo com o brasileiro, a polícia britânica disse que ele seria preso caso se recusasse a fornecer as senhas. Miranda afirmou que, ao expor dados pessoais, sentiu como se estivesse "nu diante de uma multidão".
A polícia britânica se valeu de uma cláusula da lei antiterrorismo para deter Miranda, parceiro do jornalista do Guardian Glenn Greenwald no último domingo. Greenwald publicou reportagens sobre os programas de monitoramento dos EUA e do Reino Unido baseadas em documentos vazados pelo ex-funcionário de uma prestadora de serviços da Agência Nacional de Segurança (NSA, sigla em inglês) dos EUA Edward Snowden .
Miranda ficou detido por quase nove horas - o tempo máximo permitido por lei - e teve seus equipamentos eletrônicos confiscados. Miranda, 28 anos, estava viajando ao Brasil após visitar a Alemanha, onde ele se encontrou com Laura Poitras, um cineasta que trabalhou com Greenwald nas reportagens sobre a NSA. Na terça-feira, ele entrou com uma ação na Justiça para garantir o total sigilo de seus materiais e dados apreendidos.
Além de relatar sua detenção, Miranda cobrou uma resposta da presidente Dilma Rousseff . "Eu gostaria de perguntar o que Dilma pensa sobre isso, porque eu não ouvi nenhuma reação dela. Estou esperando por mais respostas. Se houver pressão internacional sob ela, eu quero saber o que ela vai dizer."
Por outro lado, Greenwald elogiou a "indignação" do governo brasileiro diante do episódio. "Acho que o governo brasileiro lidou com a situação de forma maravilhosa", disse o americano à repórter Júlia Carneiro Dias. "Desde o primeiro minuto em que comecei a ligar para autoridades brasileiras para explicar o que havia acontecido com o David, o cidadão deles, eles estavam indignados. Genuinamente indignados, e não apenas fingindo indignação por motivos diplomáticos."Denúncias pelo vazamento de Snowden: 
O governo brasileiro cobra respostas das autoridades diplomáticas britânicas sobre a detenção de Miranda. Greenwald e o jornal The Guardian acusam as autoridades britânicas de usar a lei antiterrorismo apenas para intimidá-los por investigar escândalos da inteligência. O governo britânico se defende, dizendo que tinhamotivos suficientes para deter Miranda , uma vez que ele portava material "sensível" e "roubado".
Greenwald disse que o governo brasileiro foi bastante duro nas suas cobranças, públicas e privadas, em relação ao governo britânico, e que o Brasil já havia se comportado desta forma em episódios passados. "Eu acho que o mesmo aconteceu quando os EUA e seus aliados europeus impediram o avião do (presidente boliviano) Evo Morales de voltar para casa", disse.
"Isso tem todo o ranço de atitude colonialista e imperialista da qual as pessoas no Brasil e na América Latina se ressentem. Isso é um grande componente de como as pessoas reagiram a isso tudo aqui ( no Brasil )."
Com BBC..SNB

Governo americano auxilia países do Oriente Médio a construir defesas contra arsenal de ciberarmas iranianas

O governo Obama começou a ajudar seus aliados do Oriente Médio a construir defesas contra o crescente arsenal de ciberarmas do Irã e fará o mesmo na Ásia para conter ataques a computadores perpetrados pela Coreia do Norte.
As autoridades americanas não quiseram citar quais países do Golfo Pérsico estão recebendo ajuda, mas disseram que a lista inclui as nações que colaboraram ativamente para encontrar e interceptar armas a caminho do Irã. Os três maiores colaboradores dos EUA nessa área foram Arábia Saudita, os Emirados Árabes e o Bahrein.
Na Ásia, os países mais preocupados com ataques cibernéticos da Coreia do Norte são a Coreia do Sul e o Japão.
Esse novo programa do Departamento de Defesa é o mais recente exemplo de como o governo Obama está moldando seus esforços de segurança nacional para a era do conflito digital. Nesse caso, trata-se de reforçar as defesas das redes de computadores e, se necessário, revidar possíveis ataques.
Uma ordem assinada pelo presidente, que veio a público em junho – a terceira de uma série de documentos vazados para a imprensa –, mostra como o governo americano está preparando a si próprio e a seus aliados. Também revela o funcionamento de uma operação de vigilância da internet em larga escala, com o objetivo de identificar ameaças terroristas.
A ordem presidencial inclui uma declaração de que os EUA se reservam o direito de “ações antecipadas” contra “ameaças iminentes”, em uma aparente referência ao tipo de ataque contra infraestrutura que o Irã estaria preparando contra os EUA e aliados.
A ajuda para fortalecer as defesas das redes de computador de aliados, que não foi anunciada publicamente, faz um paralelo com outros esforços do governo Obama em duas regiões voláteis do mundo. Recentemente, os EUA ajudaram a instalar sistemas antimísseis e radares em países do Golfo Pérsico contra um possível ataque do Irã e fizeram algo semelhante na Ásia, em resposta ao programa de armas nucleares da Coreia do Norte .
Mas deter ciberataques é um problema bem mais complexo. As autoridades americanas dizem que o esforço, que inclui fornecimento de hardware, software e treinamento, é uma experiência. A iniciativa foi impulsionada por dois grandes ataques no ano passado.
Um deles foi contra a Saudi Aramco, a maior produtora estatal de petróleo da Arábia Saudita. A ofensiva vinda do Irã afetou 30 mil computadores, mas não conseguiu parar a produção. O outro foi um ataque a companhias de mídia e bancos na Coreia do Sul, que congelou as operações bancárias de várias instituições por dias.
“O ataque iraniano aos sauditas fez todos acordarem e perceberem que, se o Irã pode pensar duas vezes antes de lançar um míssil, ele claramente vê o ciberataque como uma potente forma de responder às sanções que sofre”, disse um funcionário do governo americano que pediu para não ser identificado.
Ninguém sabe ao certo se Irã e Coreia do Norte estão trabalhando juntos para desenvolver armas cibernéticas, da mesma forma que trabalharam juntos por anos para desenvolver tecnologia balística. Acredita-se que o Irã, particularmente, acelerou em muito seus esforços na área da informática. Os avanços parecem ser resultado de um foco cada vez maior na comunidade de hackers e no ensino de ciências da computação.
O programa iraniano atual se mostra muito mais maduro do que um esforço anterior, que tentou usar as mídias sociais para persuadir militares americanos na região a entrar em sites de relacionamento ou de viagens. O objetivo era obter informações online sobre os oficiais e encontrar portas de entrada no sistema de computador do Exército.
Para completar, os EUA acreditam que os Irã está contratando programadores estrangeiros associados a crimes na internet, alguns deles da Rússia. E, talvez o ponto mais preocupante, o Irã e outras nações podem agora comprar poderosos malwares (softwares maliciosos como vírus e cavalos de Troia), disponíveis no mercado negro.
No ranking de potências da computação, Irã e Coreia do Norte estão muito abaixo de países como EUA, Israel, Reino Unido, Rússia e China.
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
China e Rússia, no entanto, estão tão conectadas à economia global que qualquer ação realmente destrutiva contra os mercados de energia ou financeiro também as prejudicaria. Mas Coreia do Norte e Irã, especialmente em épocas tensas, não teriam tais restrições.
Por Thom Shanker e David Sanger
NYT....SNB

Marinha russa para receber 10 embarcações de salvamento no final do ano

RIA Novosti) - A Marinha russa receberá 10 navios avançados de busca e salvamento e barcos até o final deste ano, para aumentar sua capacidade de salvamento no mar, um oficial da Marinha disse quarta-feira.
Entrega de novas embarcações de busca e resgate avançados é vital para a Marinha russa, uma vez que ainda carece de meios confiáveis ​​para resgatar submarinos e navios em perigo.
"A construção do Igor Belousov navio de resgate eo Viktor Konetsky rebocador de resgate está sendo concluída", disse o chefe do serviço de busca e salvamento da Marinha, o capitão primeira classificação Damir Shaikhutdinov.
De acordo com Shaikhutdinov, a Frota do Báltico vai receber quatro embarcações de salvamento avançadas, enquanto três navios de resgate multiuso será comissionado pela Frota do Mar Negro.
"A Flotilha Caspian em breve receberá um barco de SB-45 de resgate", disse o funcionário.
Desde a tragédia do submarino nuclear Kursk , em 2000, quando a Rússia teve que contar com a ajuda de mergulhadores noruegueses para chegar ao navio enterrado no fundo do oceano a uma profundidade de 108 metros, a Marinha russa adquiriu uma série de de fabricação estrangeira em alto-mar Equipamento de salvamento.
No momento, todas as frotas russas têm Britânico-construído Panther Plus e Tiger submersíveis em serviço.
SNB

Ministério da Defesa da Índia assina contrato para T-90 mísseis

RIA Novosti) - O Ministério da Defesa da Índia, assinou um contrato com a Bharat Dynamics Limited para entrega de T-90 mísseis de tanques fabricados sob licença russa para o exército indiano, o jornal The Hindu diariamente nesta terça-feira.
Nos termos do contrato, estimado em 470 milhões dólar, as entregas dos mísseis Invar, para ser colocado em tanques T-90, devem ser concluídas dentro dos próximos cinco anos.
Invar é um míssil antitanque guiado por laser com alcance de cinco quilômetros (três milhas) e capacidade de penetrar a armadura explosivo reativo.
Bharat Dynamics tem vindo a fabricar os mísseis, em colaboração com o exportador de armas estatal russa, Rosoboronexport, afirmou o jornal.
De acordo com relatos da mídia, a Índia está planejando para adquirir 25 mil mísseis Invar para seus tanques T-90, incluindo 10 mil para ser comprado diretamente da Rússia e 15.000 a ser fabricados internamente sob licença russa.
SNB

Russa 'Terminator', robôs de combate e veículos de Operações Especiais em Defesa Mostrar


SNB RIA Novosti

Arquivo do blog segurança nacional