Wikipedia

Resultados da pesquisa

domingo, 23 de junho de 2013

Polícias e órgãos de inteligência do governo trabalham em estratégias para identificar e punir os grupos ou pessoas que promovem ações de vandalismo no país


Atingidos por rojões, os policiais militares posicionados em frente ao Congresso Nacional, na última quinta-feira, observavam os agressores, sem reagir. A aparente passividade é uma das estratégias para o que, agora, tornou-se uma prioridade para os órgãos de segurança pública: concentrarem-se na identificação dos vândalos e mostrar que eles não ficarão impunes pelos atos durante os protestos por todo o país. A meta é que os casos solucionados se tornem exemplo e, assim, espantem os "arruaceiros" dos movimentos, como a presidente Dilma Rousseff os definiu, no discurso em cadeia nacional de rádio, na sexta-feira.
A Polícia Militar do Distrito Federal usou câmeras durante a manifestação na Esplanada dos Ministérios para tentar gravar os atos de violência. Assim, ainda que pudessem deter os agressores, os policiais em ação preferiram não agir. Com receio de que as prisões fizessem com que os manifestantes pacíficos se voltassem contra a polícia e também partissem para a agressão, ou que falhassem no momento de captura dos agressores, os agentes, estrategicamente, ficaram de braços cruzados diante dos rojões atirados, enquanto os rostos dos arruaceiros eram filmados.
O chefe do centro de comunicação da PM-DF, coronel Zilfrank Antero, disse que as filmagens foram feitas para que sejam planejadas as ações dos policiais nos próximos protestos. "Vamos ver se a nossa atuação foi eficaz, como podemos melhorar e como os manifestantes agiram", relata o coronel. As imagens servirão para outro fim também. Foram enviadas à Secretaria de Segurança Pública do DF, que, a partir delas, já identificou pelo menos sete suspeitos de atos de vandalismo.
É uma das ações das equipes de investigação. Além das imagens gravadas pela própria PM, os policiais terão acesso também às cenas gravadas por um avião não tripulado que sobrevoou a Esplanada durante o protesto de quinta-feira passada. O aparelho é de uma empresa particular, cujo nome não foi informado pela Polícia Militar, que se ofereceu para filmar as manifestações e fornecer as gravações para a polícia. A intenção da empresa é vender uma dessas aeronaves à corporação, que não informou se tem interesse na compra.
Os investigadores usarão também imagens publicadas pela imprensa para identificar os agitadores. Esse procedimento de usar gravações e fotos das manifestações repete-se em órgãos de investigação de todo o país como principal método de identificaçãos dos autores de ações violentas. As polícias usarão também cenas capturadas por câmeras fixas das administrações públicas e estabelecimentos comerciais, colocadas para monitorar o trânsito e a segurança das cidades. As autoridades reafirmam em discursos e entrevistas coletivas que os arruaceiros serão punidos.
Exemplo
Para o professor de ciências sociais da PUC Minas e especialista em segurança pública, Luís Flávio Sapori, é preciso ter exemplos de coibição da violência. "A polícia precisa focar na prisão dos vândalos. A prisão deles pode ser muito pedagógica", avalia. É a mesma opinião do ex-secretário nacional de Segurança Pública, coronel José Vicente da Silva Filho. "Estamos falando em dano doloso (quando o autor prevê o resultado de sua ação). É um crime. Essas pessoas precisam entender que serão punidas."
Para o coronel, o trabalho preventivo dos PMs está comprometido pela falta de preparação e de efetivo das corporações, além da ausência de liderança para negociações, como o trajeto das manifestações. Ele avalia que houve erro dos órgãos de inteligência do Executivo. "Está muito claro que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) falhou enormemente. Não conseguiu identificar o movimento e alertar as autoridades para que elas tomassem decisões antecipadamente", critica.
Surpreendida pela extensão dos protestos, a Abin estruturou às pressas uma equipe para monitorar a internet, em especial as redes sociais. Facebook, Twitter e Instagram estão sendo vigiados por oficiais de inteligência. Nas cidades da Copa das Confederações, os agentes tentam classificar os objetivos dos movimentos e suas possíveis lideranças.
Para o delegado aposentado da Polícia Federal Daniel Sampaio, embora não haja uma liderança aparente dos movimentos, não se pode descartar, durante as investigações, a hipótese de que hajam ações orquestradas (com objetivos de derrubar a ordem social). Ele diz que as primeiras identificações podem levar a outras a partir dos interrogatórios.
Três perguntas para
Luís Flávio Sapori, professor de ciências sociais da PUC Minas e especialista em segurança
É possível para as polícias fazerem um trabalho preventivo contra a ação de vândalos, em protestos?
Entendo que, com as caraterísticas desse movimento, que é de massa, fica muito difícil fazer um trabalho preventivo. A única maneira de lidar com a situação é a repreensão, dentro de protocolos técnicos já conhecidos em todas as democracias. Nesse caso, a repreensão policial não é autoritária nem antidemocrática.
É possível traçar um perfil do agitador?
É precipitado fazer essa análise. Podem haver eventuais vândalos costumazes. Mas parece que ocorre também um vandalismo de forma aleatória. O movimento de massa, sem líderes, perde o controle dos impulsos individuais.
Como o senhor avalia a repetição desses atos?
O vandalismo é previsível em todas as grandes manifestações. Vejo com muita preocupação o que está ocorrendo, porque esses atos têm crescido com os movimentos. É uma grande ameaça a esse movimento popular, porque, na medida que a bagunça for crescendo, o governo federal pode ser pressionado a usar as Forças de Segurança Nacionais.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional