terça-feira, 18 de junho de 2013

Embraer e Boeing fazem parceria para promover cargueiro militar KC-390

A Embraer e a Boeing anunciaram nesta terça-feira (18) uma parceria para a promoção e a venda da aeronave multi-missão de transporte militar de médio porte e reabastecimento aéreo, o KC-390, da fabricante brasileira.
A Boeing vai liderar as campanhas de vendas, oferecendo também suporte e treinamento, nos Estados Unidos, no Reino Unido e em mercados selecionados do Oriente Médio. Já a Embraer irá fabricar a aeronave e colaborar nas vendas, suporte e treinamento.
As estimativas iniciais do mercado potencial para o KC-390 são de aproximadamente 700 aeronaves, mas esse número poderá aumentar com a inclusão de novos mercados, segundo a Embraer.
"O anúncio feito hoje reforça o amplo acordo de cooperação que a Boeing e a Embraer firmaram em 2012. As empresas estão colaborando nas áreas de eficiência e segurança de voo, pesquisa e tecnologia, produtos de defesa e biocombustíveis sustentáveis para a aviação", informou a fabricante brasileira, em comunicado.
A fabricante está desenvolvendo o KC-390 sob contrato com a Força Aérea Brasileira e espera fazer o primeiro voo teste no segundo semestre de 2014.ENCOMENDAS
A Embraer também informou nesta terça-feira ter recebido encomendas de aviões feitas por companhias aéreas da Venezuela, Japão, Índia, e também da Lituânia.
A fabricante afirmou ter assinado contrato com o Consórcio Venezolano de Indústrias Aeronáuticas y Servicios Aéreos (Conviasa) para a compra de mais sete jatos E-190. O acordo confirma opções contratadas em uma negociação anterior que contemplava seis pedidos firmes e 14 opções.
Assim, a Conviasa passa a ter 13 pedidos firmes do E-190, além de manter opções adicionais para outras sete aeronaves do mesmo modelo.
Já a Japan Airlines (JAL)(fez um pedido firme para mais quatro E-170, sendo esta uma encomenda que já está incluída na carteira de pedidos da Embraer como "cliente não divulgado". Com este novo acordo, o pedido total da JAL para o E170 soma 15 aeronaves.
Ainda na Ásia, a Air Costa, da Índia, adquiriu três E-Jets para o lançamento de um serviço regular de rotas regionais. Dois E-170 foram arrendados junto à ECC Leasing, subsidiária da Embraer, enquanto uma unidade do E-190 foi adquirida diretamente da fabricante. A encomenda também já está incluída na carteira de pedidos da Embraer como "cliente não divulgado".
Por fim, a Air Lituanica, da Lituânia, adquiriu dois aviões da Embraer e irá lançar seus serviços regulares em 30 de junho, com um E-170 arrendado de terceiros. Em julho, a companhia aérea adicionará outro E-Jet ao acordo, um E-175, arrendado da ECC Leasing Company.
NOVOS JATOS

Na segunda-feira, a Embraer anunciou investimentos de US$ 1,7 bilhão nos próximos oito anos para reformular sua linha de aviões E-Jets.
A fabricante brasileira também disse ter recebido encomendas potenciais de centenas de aeronaves estimadas em US$ 18 bilhões.
FOLHA...SNB

Lutador ambições brasileiras FX lutador -2

por  REUBEN JOHNSON
O Brasil tem sido conhecida como a casa da Embraer, que continua a disputar o posto de terceiro maior produtor de aeronaves comerciais do mundo, atrás da Boeing e da Airbus. Embora o resto da indústria aeroespacial do país e do setor de defesa tende a ficar bem atrás o EUA e na Europa, a situação pode estar prestes a mudar.Como no resto do mundo, a indústria do Brasil tem sido um processo de consolidação por vários anos. Isso tem visto uma série de empresas menores puxados para tornar-se divisões de consórcios maiores, que têm uma pegada significativa em mais de um setor da economia.

"O negócio de defesa aqui é agora um jogo que está sendo jogado por um número menor de jogadores maiores", disse um analista de defesa brasileiro, falando a AIN sob condição de anonimato. "E o nome do jogo agora é para esses agrupamentos maiores de empresas para o desenvolvimento de ativos, parcerias de trabalho fora do Brasil."
Um dos exemplos mais visíveis foi a aquisição de 2011 do ar lançado armas fabricante Mectron pelo conglomerado brasileiro Odebrecht. A empresa, ainda usando o rótulo Mectron em sua linha de produtos, agora comercializa-se como Odebrecht Defesa e Tecnologia.
Desde a aquisição, a empresa se ​​ramificou para além de algumas de suas parcerias tradicionais com mísseis fabricante Denel da África do Sul, e fez um acordo para produzir sob licença o russo projetado KBP Pantsir-S1 ( NATO designador SA -22) ar de curto alcance sistema de defesa, juntamente com um grupo de empresas brasileiras que fabricam os principais componentes do subsistema. Este projecto com a Rússia KBPilustra a outra tendência agora na indústria aeroespacial brasileira: um impulso para encontrar projetos que as empresas do país podem cooperativamente melhorar no projeto e / ou desenvolver, juntamente com uma empresa estrangeira antes de fabricação desse produto para o Brasil ea terceira Unidas.
A defesa altamente diversificada produtora de sistemas, Avibras, está envolvido em apenas um projeto como este, envolvendo a re-engining da MBDA Exocet míssil, especificamente a MM 38, MM 40 Bloco 2 e AM 39. O programa deve começar com a re-engining para o Brasil da MM 40 Bloco 2 modelos e, posteriormente, a PM 39s, que será usado nos helicópteros Super Puma brasileiros. Avibras ea Marinha do Brasil realizou um teste de fogo no ano passado usando um Exocet com um de seus motores de foguete com a seção de ogiva substituído por uma unidade de telemetria da Mectron, que também foi igualmente envolvido no desenvolvimento.
Uma das parcerias mais recentes é o mais recente link-up do Brasil entre Santos Lab (Hall 3 Suporte C/D30) ea controlada Insitu Boeing. Ambas as empresas produzem uma linha de pequenos UAV s, alguns dos quais podem ser lançados no campo por um soldado indivíduo que lança o veículo para o ar como se fosse um avião de papel, como seu sistema de propulsão é ligado.
No entanto, uma parceria muito maior gira em torno do concurso com muito atraso para a planejada FX lutador -2, que está sob consideração de uma forma ou de outra, desde 1997. A mais recente iteração teve três finalistas da-Suécia Saab Aerospace JAS-39E / F Gripen, o francês Dassault Rafale e Boeing F/A-18E/F como o EUA  de entrada.
Projetado para substituir uma frota de envelhecimento caças da Força Aérea para a Força Aérea Brasileira ( FAB ), o FX -2 veria a aquisição de 36 novas aeronaves a ser licença-produzido no Brasil. O pressuposto do programa foi com follow-on aquisições, o número total de qualquer modelo deve ser selecionado pelo FAB viria para 120 aeronaves.
O objetivo a longo prazo do FX programa -2 foi para própria indústria do Brasil a produzir um lutador que poderia ser vendido para fora do Brasil, além de FAB própria exigência 's. A dificuldade é que o programa de longo diferido parece estar a atingir o ponto de ruptura, tanto para os potenciais compradores e vendedores.
Falando off the record, os executivos com as três empresas em licitação para o programa têm-se queixado de "fadiga do Brasil" sobre quanto tempo o processo continua a rolar sem uma decisão ter sido tomada. A validade das propostas comerciais que acompanham cada um dos lances dos três empresas, que incluem a participação da indústria e acordos de preços, tiveram de ser repetidamente prorrogado para além de cada período de validade planejada desde 2009. A última prorrogação expira em setembro e licitantes parecem relutantes em ir junto com a procrastinação ainda mais político.
FAB não é menos frustrado com os atrasos. A Força Aérea concluiu a avaliação das três propostas há algum tempo e tem estado à espera que os políticos eo presidente Dilma Rousseff a tomar uma decisão.
Pouco antes do abril 2013 LAAD defesa show no Rio de Janeiro, Brig. Gen. Carlos Baptista Júnior, o chefe cessante da FAB 's Comissao Coordenadora que Programa de Aeronave de Combate, que é responsável por administrar a aquisição lutador, fez um discurso no qual ele alertou que os atrasos intermináveis ​​da FX decisão -2 foram começando a comprometer a capacidade de força para realizar até mesmo suas missões mais básicas.
De acordo com o brigadeiro, o "ponto focal do problema" que precisa ser abordada peloFX aquisição -2 é a FAB "diminuir a capacidade operacional" 's e "não a qualquer outro aspecto." Na sua opinião, muita atenção tem sido dada às ambições não cumpridas para a transferência de tecnologia para a indústria de defesa do Brasil, em detrimento de alcançar a decisão final a FAB precisa para renovar sua frota de caças.
Claramente, esta aquisição vai ser a mais transformadora de todos na história do setor aeroespacial do Brasil. A questão é se a decisão virá tarde demais para alguns dos benefícios esperados que este programa deve trazer para a indústria brasileira a ser realizado.
Há 20 expositores brasileiros aqui no Paris Air Show, em grande parte concentrada no Hall 3. Além da Embraer, o ponto focal da presença do país sul-americano esta semana é o da Defesa do Brasil e da Segurança Industries Association ( ABIMDE ).
.ainonline.com..SNB

Rússia para iniciar a construção do protótipo do novo pesado ICBM em 2014

RIA Novosti) - A Rússia vai começar a construção de um protótipo de um pesado de combustível líquido míssil balístico intercontinental (ICBM), em 2014, informou uma fonte do Ministério da Defesa, disse terça-feira.
Em 2011, o exército russo anunciou planos para construir o míssil até 2018. Espera-se para substituir o Voyevoda (SS-18 Satan) ICBM, o que tem sido em serviço desde 1967.
"A construção de um protótipo em tamanho real desse míssil terá início no próximo ano", disse a fonte, acrescentando que o projeto do míssil foi aprovado em 2012.
Até agora, todos os recentes projetos de ICBM da Rússia, tanto mar-launched (Bulava) e terrestres (Topol-M, Yars), foram de combustível sólido.
Forças de Mísseis Estratégicos comandante coronel-general Sergei Karakayev da Rússia disse no ano passado que o novo ICBM teria uma massa de lançamento de cerca de 100 toneladas, com uma melhor relação carga-to-lançamento de peso do que um míssil de combustível sólido.Como resultado, o míssil poderia levar ogivas mais potentes, incluindo MIRVs com elementos chamariz.
Combinado com o avançado sistema de metas de ICBM, que está sendo desenvolvido na Rússia, o míssil será capaz de penetrar as defesas de mísseis mais sofisticados em qualquer lugar do mundo, especialistas russos e funcionários acreditam.
SNB

Rússia vai lançar mais de 100 projetos de alta tecnologia no Air Show

RIA Novosti) - A estatal russa empresa de alta tecnologia vai rolar mais de 100 novos desenvolvimentos militares e civis no Paris Air Show, Russian Technologies (Rostec) alto executivo nesta segunda-feira.
Estes incluem o avançado Ka-52 Alligatorhelicóptero de ataque e um helicóptero civil, Mi-171A2 modernizados, bem como aviônicos militares e civis, Rostec vice-chefe Vladimir Artyakov disse à RIA Novosti no show, que estreou segunda-feira e vai até domingo no aeroporto Le Bourget na França.
O Ka-52 é devido a ser certificada em 2014 e entrar em produção a partir de 2015, disse ele.
Radioelectronic Technologies exploração, parte de Rostec, disse que vai usar o show aéreo para desvendar a sua multirole Sukhoi Su-35S lutador equipado com a mais rígidos sistema de navegação inercial PECADOS-SP2.
O sistema, que determina a localização de uma aeronave na ausência de navegação por satélite e links de comunicação com os serviços terrestres, serão utilizados na a quinta geração T-50 lutadorcomo parte do PAK-FA (futura aeronave de combate tático) programa.
Artyakov também disse segunda-feira que o russo aeronaves motor fabricantes Salyut e Saturno ter concluído o desenvolvimento da segunda fase de um motor de avião de quinta geração, embora ele não ofereceu nenhuma indicação de quando o desenvolvimento do novo motor seria finalizado. T-50 aviões estão voando com o que é conhecido como um motor de 4 + + geração.
T-50 caças são devidos a entrar em serviço com as forças armadas do país, em 2016, e não 2015, como foi anunciado anteriormente, o presidente Vladimir Putin disse em um Q & A sessão ao vivo com o público russo em abril.
O T-50 fez seu primeiro vôo em janeiro de 2010 e foi apresentado ao público no Moscow Air Show em 2011. O T-50, que será o núcleo da frota de caças futuro da Rússia, apresenta elementos de tecnologia stealth, super-manobrabilidade, capacidade de super-cruzeiro (vôo supersônico sem uso de pós-combustor) e um avançado conjunto de aviônicos, incluindo um X-band ativa phased array radar.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional