segunda-feira, 20 de maio de 2013

Irã enforca acusados de espionar para EUA e Israel


DUBAI - O Estado de S.Paulo
O governo do Irã anunciou ontem a execução por enforcamento de dois homens presos por espionagem. De acordo com uma rádio estatal iraniana, os condenados foram condenados por terem sido pegos trabalhando para o Mossad, serviço de inteligência israelense, e para a CIA americana.
Os dois condenados iranianos, Mohammad Heidari, acusado de trabalhar para os israelenses, e Kourosh Ahmadi, que teria passado informações para os americanos, foram enforcados na madrugada de ontem.
Heidari teria vendido a agentes do Mossad segredos "sobre segurança". Ahmadi foi acusado de manter reuniões para informar os americanos sobre o regime dos aiatolás. Ambos foram condenados como "mohareb" ("inimigos de Deus").
O Irã acusa os governos de Israel e dos Estados Unidos de usarem redes de espionagem para planejar atos contra seu programa nuclear.
Em janeiro do ano passado, uma explosão matou Mostafa Ahmadi Roshan, um dos diretores da Usina de Natanz. O local é um dos utilizados pelo regime de Teerã para enriquecimento de urânio.
Outros dois cientistas ligados ao programa nuclear iraniano já tinham sido mortos nos dois anos anteriores. Tanto americanos quanto israelenses negam qualquer participação nas mortes. / REUTERS
SNB

Pesquisa indica fragilidade da América Latina na proteção contra ciberataque


Roberto Simon, de O Estado de S. Paulo
Um estudo inédito sobre cibersegurança na América Latina, publicado este mês, concluiu que a região é uma das mais vulneráveis do mundo a crimes, atos de sabotagem e mesmo espionagem na rede. O pior, dizem especialistas, é que a maior parte dos governos e empresas latino-americanos não está preparada para lidar com essas ameaças. 
 A pedido da Organização dos Estados Americanos (OEA), a consultoria Trend Micro fez o primeiro levantamento extensivo sobre cibersegurança do México à Patagônia. A conclusão é que aumentaram tanto o número de ataques detectados quanto os tipos de ameaça. 
Há desde esquemas de lavagem de dinheiro e outros crimes financeiros, até ofensivas online com motivação política. Nesta segunda categoria, enquadram-se o chamado “hacktivismo” - protestos com ataques virtuais -, agressões a sistemas de infraestrutura, como de transportes e energia, ou roubo de dados sigilosos e informações estratégicas. 

“Ataques cibernéticos são cada vez mais frequentes e ameaçadores nas Américas, principalmente em razão dos avanços da tecnologia”, disse ao Estado Neil Klopfenstein, chefe do Secretariado de Segurança Multidimensional da OEA, escritório responsável pela pesquisa. Desde que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da entidade questionou a construção da Usina de Belo Monte, o Brasil vem mantendo relações frias com a OEA e não forneceu seus dados para a pesquisa.

Klopfenstein cita outras duas causas que explicam a escalada nos ciberataques. Primeiro, na última década o número de internautas subiu mais de 1.000%. Atualmente, analistas estimam que 43% da população latino-americana se conecte regularmente à rede (no Brasil, seria cerca de 45%). Segundo, aumentaram também as detecções de contravenções online, embora muitas ainda passem despercebidas.
Todos os 20 governos que participaram do estudo registraram o crescimento dos ciberataques entre 2011 e 2012. Os dados fornecidos à OEA são confidenciais e os países não podem ser identificados. Mas a pesquisa indica que o aumento dos ataques variou de 8% a 40%. Esses números podem ser bem maiores, conclui o estudo, pois muitas entidades privadas e públicas ainda hesitam admitir que foram alvo de invasões e roubo de dados.

Há relatos de casos graves. Um governo, por exemplo, admitiu à OEA ter sido alvo de um programa espião. O software que roubava informações secretas teria sido instalado em uma agência de segurança do Estado. Outro país afirmou que 80% dos crimes investigados tinham ligação com algum tipo de contravenção eletrônica.

Embora não tenha sido contemplado no estudo, o Brasil é um dos alvos mais frequentes de ciberataques. Em 2009, o programa 60 Minutes, citando fontes americanas, disse que um ataque de hackers teria causado um apagão no Espirito Santo dois anos antes, no que seria o primeiro “atentado online” da história - Brasília nega a informação. 

Johanna Mendelson Forman, especialista do Center for Strategic and International Studies (CSIS), afirma que o Google brasileiro já foi derrubado pelo menos 190 vezes.

Ciberguerra. Um dos formuladores da estratégia de proteção eletrônica do Departamento de Segurança Interna dos EUA, Paul Rosenzweig aponta que governos e empresas da América Latina ainda veem cibersegurança como um “custo desnecessário”, principalmente por se tratar de uma região onde a possibilidade de uma guerra entre Estados, com o uso de ataques online, é remota. A ciberguerra foi empregada em conflitos na Líbia, Gaza e Geórgia.

“Essa ideia de imunidade é um erro”, disse ao Estado o especialista. “Vemos que hackers chineses têm ido atrás de propriedade intelectual e dados. Houve casos desse tipo na África e mesmo no México”.

A China é, de longe, a origem da maioria dos ataques (veja o quadro acima). Para Adam Segal, pesquisador do Council on Foreign Relations, todas as empresas que operam em setores estratégicos, como aviação e petróleo, “estão na mira dos chineses, e a América Latina não é exceção à essa regra”. O pesquisador esteve na semana passada no Brasil a convite do governo federal para discutir cibersegurança com militares e autoridades da Anatel. “O governo brasileiro está empenhado, mas ainda é o começo de um longo caminho”, concluiu Segal.
SNB

ÁGATA 7 – (Vídeo) FAB transporta militares do Exército Paraguaio e Brasileiro para o Haiti

Mesmo com a participação nas ações desenvolvidas pelas Forças Armadas na Operação Ágata 7, a Força Aérea Brasileira (FAB) segue realizando inúmeras atividades. Uma delas ocorreu na manhã deste domingo (19/5), quando Militares do Exército e da Força Aérea Paraguaia (FAP), além de integrantes do Exército Brasileiro, decolaram a bordo de uma aeronave KC-137 da FAB, rumo ao Haiti.
O embarque ocorreu na Base Aérea de Campo Grande (BACG). De lá, a aeronave seguiu até a cidade de Boa Vista/RR, onde os militares pernoitaram. A previsão de chegada ao país da América Central é para esta segunda-feira (20/5).
Do Exército Paraguaio embarcaram 32 militares. Já do Exército Brasileiro foram 55. Na ocasião, familiares e amigos se despediram dos militares de Campo Grande, que ficarão no Haiti durante seis meses.
O Major do Exército Brasileiro Leônidas Domingues Teixeira Neto, que serve no Comando da 9ª Região Militar, em Campo Grande/MS, reforçou o treinamento realizado para cumprir a missão: “Nós estamos trabalhando há bastante tempo na preparação da tropa e temos a convicção de que faremos um bom serviço no Haiti”.


Já o Major de Cavalaria do Exército Paraguaio Julio Aveiro espera, juntamente com os militares do seu país, contribuir nas atividades que serão realizadas no Haiti. “Nossa expectativa é trabalhar em conjunto com o Exército Brasileiro e, dessa maneira, apoiar as ações desenvolvidas pelas Nações Unidas naquele país”, afirmou.
O Chefe do Estado-Maior do Comando Militar do Oeste (CMO), General-de-Brigada do Exército Brasileiro Samuel da Silva Ricordi, o Comandante da 9ª Região Militar do Exército Brasileiro, o General-de-Brigada Edson Henrique Ramires e o Comandante da Base Aérea de Campo Grande (BACG), Coronel Aviador Flávio Eduardo Mendonça Tarraf, participaram da solenidade de despedida e embarque, realizada no hangar do 1º/15º GAV (Esquadrão Onça).
FAB ..SNB

Arquivo do blog segurança nacional