quarta-feira, 15 de maio de 2013

FAB TV -- Especialistas da FAB -- Conheça os especialistas da Infantaria


FAB TV...SNB

Petrobrás lidera disputa por áreas licitadas pela ANP


RIO - A Petrobrás, mais uma vez, liderou a disputa por áreas licitadas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). A estatal arrematou 34 blocos, 12 deles como operadora - sete atuando sozinha. O total investido junto com seus parceiros, na 11ª rodada, foi de R$ 1,46 bilhão, dos quais R$ 537,9 milhões caixa próprio da companhia. Petrobrás, Total e BP estão entre as que concentrarão mais investimentos nas áreas licitadas. Em relatório, o Credit Suisse disse que os 34 blocos arrematados pela Petrobrás mostraram mais apetite da empresa do que o esperado pelo mercado, embora boa parte deles tenha sido feita em parceria.
Multinacionais de peso, como Repsol, Shell e Conoco estão entre as que nada levaram. Fizeram lances por poucos blocos (7, 6 e 2 blocos, respectivamente), mas não ganharam. A brasileira HRT nem tentou. Barra Energia tampouco, mas informou que seu foco será no leilão do pré-sal em novembro.
Petra Energia, com foco em blocos menores em terra, foi a segunda a arrematar o maior número de áreas, 27. A BP levou oito blocos em águas profundas. A empresa está no consórcio responsável pela maior oferta do leilão, R$ 345,9 milhões pelo bloco em mar do Foz do Amazonas número 57 que compartilhará com a operadora Total (40%) e Petrobrás (30%).
Também participa do consórcio, de mesma composição, que pagou R$ 214,4 milhões pelo bloco 88 da mesma bacia. "A BP está muito satisfeita com o resultado. Com essas aquisições, aumentaremos nossa presença exploratória em áreas de fronteira ao longo da margem equatorial brasileira", afirmou, em nota, Mike Daily, vice-presidente executivo de exploração da BP.
A OGX levou sete blocos na margem equatorial. Fez lances por 33 blocos e acabou investiu R$ 376 milhões por sua participação em 13 blocos. Em dez deles, estará sozinha, sem parceiros. É bem menos dos R$ 1,4 bilhão investidos pela OGX em 21 blocos na 9ª Rodada, em 2007, quando a petroleira de Eike Batista despontou no mercado. Apenas em um deles, na Bacia de Santos, a OGX ofertou R$ 344 milhões. Acabou não encontrando petróleo e tendo que devolver a área à União.
Desta vez, o maior lance que teve sucesso foi de R$ 80 milhões, para um bloco em Barreirinhas. A participação da petroleira, embora menos agressiva, surpreendeu, pois a companhia enfrenta restrições de caixa e produção abaixo do esperado. A OGX comprou sete blocos em águas profundas e dois em águas rasas localizados na Margem Equatorial, além de 4 blocos terrestres situados na Bacia do Parnaíba. Em dois deles, terá parceria com a ExxonMobil, que será operadora.
Bacias
Duas bacias sedimentares do Norte do País, de um total de 11 ofertadas, concentrarão cerca da metade da arrecadação e dos R$ 7 bilhões de investimentos da 11.ª rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Foz do Amazonas, na costa de Amapá e Pará, e Barreirinhas, na costa de Maranhão e Piauí - áreas tidas como nova fronteira na exploração de petróleo - arrecadaram R$ 1,589 bilhão de bônus pela concessão de 33 blocos. O total arrecadado no leilão em bônus para 142 blocos foi de R$ 2,8 bilhões. Foram R$ 802,7 milhões na Foz e R$ 786,9 em bônus no Maranhão.
As duas bacias demandarão mais de R$ 3 bilhões de investimentos mínimos por cinco anos na fase de exploração, quase metade de todo o investimento previsto após a rodada. As 30 empresas que levaram ao todo 142 blocos ontem terão que investir ao todo, no mínimo, R$ 7 bilhões, segundo a ANP.
Em média, as empresas pagaram nessa região cerca de R$ 48 milhões pelo direito de explorar cada bloco, dando a dimensão de que a região ganha relevância no mapa exploratório. A diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, disse que a rodada tinha como um de seus objetivos descentralizar investimentos no País, hoje focados no Sudeste
SNB

Marinha russa aumenta controle do Mediterrâneo

Nikita Sorokin

A esquadra do Mediterrâneo da Marinha de Guerra russa irá incluir submarinos e porta-aviões. Na prática, se trata do ressurgimento da 5ª Esquadra do Mediterrâneo.

Em janeiro deste ano, no Mar Negro e no Mediterrâneo tiveram lugar grandes manobras aeronavais da Marinha de Guerra Russa com a participação da aviação estratégica. Algum tempo depois, o ministro da Defesa Serguei Shoigu se pronunciou a favor da formação de um comando operacional independente da Marinha de Guerra para o Mediterrâneo com caráter permanente. Em fevereiro foi divulgado que o Estado-Maior General russo estava a estudar o estacionamento no Mediterrâneo até 2015 de uma formação operacional permanente da Marinha de Guerra.
Há dias, o comandante da Marinha russa, almirante Viktor Chirkov, anunciou que a força prevista para a Esquadra do Mediterrâneo iria consistir em cinco ou seis navios. O almirante não especificou se esse número incluía apenas os navios de guerra ou se também abrangia os navios de apoio como petroleiros e navios-oficina. Está garantido que a esquadra irá incluir submarinos e não se descarta a possibilidade de vir a englobar porta-helicópteros da classeMistral,comprados pela Rússia em França.
De acordo com Chirkov, a esquadra do Mediterrâneo será formada com base na rotação dos navios de combate e auxiliares das frotas do Mar Negro, do Norte, do Báltico e do Pacífico da Marinha russa. Neste momento já arrancou o programa de formação dos oficiais de estado-maior que irão ocupar permanentemente as funções de comando operacional da Esquadra do Mediterrâneo.
A presença permanente no Mediterrâneo de uma força naval russa é uma decisão plenamente justificada por vários motivos, referiu à Voz da Rússia o editor principal da revista Export Vooruzheny (Exportação de Armamento) Andrei Frolov:
“O primeiro é a Rússia continuar a ter interesses na bacia do Mediterrâneo, que é uma região em ebulição. Surge com frequência a necessidade de reagir de uma forma rápida e operacional e, se for necessário enviar navios das frotas do Norte, do Báltico ou do Mar Negro, isso pode demorar bastante tempo. Já quando os navios se encontram nessa área de forma permanente, as margens de manobra, políticas inclusivamente, são muito maiores. O segundo motivo são as razões políticas, mostrar a bandeira, ou seja as capacidades da Rússia. Isso é válido não só para os países do Oriente Médio, mas também para os Estados europeus.”
Além disso, os navios de guerra russos patrulham, já há vários anos, as zonas mais perigosas junto às costas africanas, protegendo dos piratas as rotas de navegação comercial, nomeadamente, junto à Somália. De acordo com Andrei Frolov, a esquadra do Mediterrâneo poderá funcionar como uma reserva para as missões de combate à pirataria nos Oceanos Pacífico e Índico.
O perito duvida, no entanto, que uma presença permanente da Marinha russa, em particular, no mar Mediterrâneo seja capaz de reduzir ou evitar situações de conflito. Os planos de Moscou para criar uma força naval na região não ameaçam, por enquanto, envolver a Rússia em qualquer conflito armado localizado, visto que a presença ou ausência de uma esquadra não irá influenciar de maneira nenhuma a tomada pelo Kremlin de decisões fundamentais.
Simultaneamente, considera Frolov, um destacamento de navios de guerra russos no Mar Mediterrâneo pode, sem dúvida, ser encarado como um elemento integrante dos esforços internacionais para o aumento da estabilidade na região.
Uma presença permanente de navios russos no Mediterrâneo irá ter elevados custos materiais, intelectuais e outros, refere o copresidente da Associação de Cientistas Políticos e Militares, Vasili Belozerov:
“Esses custos serão justificados se for evidente quais são os interesses do nosso país nessa região e que eles devem ser defendidos com o uso de uma força naval. Quanto aos porta-helicópteros Mistrale à sua inclusão nessa esquadra, há que considerar que estes são navios de desembarque. Se a Rússia planejar possíveis operações de desembarque, é possível que eles sejam necessários. De qualquer forma, a presença dessa esquadra na região não será barata e é necessário esclarecer com que finalidade o país e os contribuintes irão ter essa despesa.”
É do conhecimento geral a situação na Síria, onde, no porto de Tartus, está localizado o único ponto de apoio técnico e de abastecimento da Marinha russa no Mediterrâneo. O comando-geral russo não esconde que a formação desta força naval moderna no Mediterrâneo será inspirada na 5ª Esquadra da Marinha soviética. A ideia da sua criação em 1965 foi apresentada pelo então comandante da Marinha de Guerra da URSS, almirante Serguei Gorshkov.
Imediatamente antes da Guerra dos Seis Dias israelo-árabe de 1967, no Mediterrâneo estavam concentradas dezenas de navios de guerra de superfície, submarinos e navios de apoio soviéticos. Até essa altura, tinha sido desenvolvido o padrão de formação e de comando dessas esquadras: as quatro frotas soviéticas destacavam para a região três a quatro navios que aí formavam uma esquadra, recebendo esta a respetiva designação e número de ordem.
A base para a formação da 5ª Esquadra, criada a 14 de julho de 1967, foi a 14ª Esquadra Mista. A sua presença e as ações dos seus navios e destacamentos na monitorização da esquadra britânica e da 6ª Esquadra dos EUA não permitiram aos aliados participar na Guerra dos Seis Dias do lado de Israel.
Como recorda o capitão de mar-e-guerra e candidato a Doutor em Ciências Políticas Serguei Gorbachov, uma avaliação rigorosa do papel da 5ª Esquadra nos anos da Guerra Fria foi feita por um dos seus últimos comandantes, o almirante Yuri Sysuev: “Estando no epicentro das guerras e conflitos armados de 1967 e 1973 entre Israel e os países árabes, dos confrontos no Chipre em 1974 e no Líbano em 1982, e do uso da força militar pelos EUA contra a Líbia em 1986, os navios da esquadra foram um importante fator dissuasor para os planos e tendências de agressão”.
SNB

Rússia na feira SITDEF 2013: novos equipamentos e esquemas de interação

Oleg Nekhai .....  VOZ DA RU

A Rússia apresenta mais de 300 tipos de armamentos promissores para tropas terrestres, aviação e marinha na feira internacional de tecnologias defensivas SITDEF 2013, a decorrer na capital do Peru entre 15 e 19 de maio, entre eles o tanque T-90S, a bateria antiaérea Pantsyr S1, o caça Su-30MK2 e o sistema de lança-foguetes múltiplo mais potente no mundo Smerch.

A América Latina é um grande e promissor mercado para armamentos russos. Ultimamente, a Rússia enfrenta problemas em mercados clássicos, aos quais fornecia material bélico nos anos 90 – inícios dos anos 2000. Tal, em primeiro lugar, diz respeito, ao mercado chinês, porque a China produz independentemente a maioria de sistemas de armamentos, aponta Serguei Denisentsev, perito do Centro de Análise de Estratégias e Tecnologias:
“Em parte considerável, isso também diz respeito ao mercado indiano. Embora continuem a ser fornecidos grandes volumes de equipamentos militares, a Rússia, no entanto, depara-se aqui com sensível concorrência. Nestas condições, ganham grande importância os mercados de armamentos do Sudeste Asiático e da América Latina. Anteriormente, o principal parceiro nesta área foi a Venezuela. O Peru é também um mercado bastante importante. Um surto da cooperação militar-técnica está ligado, inclusive, à feira em Lima, em que a Rússia prevê propor o tanque T-90S ao Peru”.
O parque de tanques do Peru, composto principalmente por T-55 de produção soviética, tornou-se antiquado e está previsto renová-lo. Para além de T-90S, estuda-se a possibilidade de adquirir máquinas americanas Abrams e tanques Leopard de produção alemã. Contudo, a máquina russa ultrapassa os concorrentes pela fórmula eficácia-preço, aponta o porta-voz da empresa Rosoboronexport, Viacheslav Davydenko:
“Hoje em dia, o T-90S é o tanque mais competitivo. Suas caraterísticas, a potência do fogo, a capacidade de manobras e o grau de proteção foram avaliadas dignamente em todo o mundo. Mais de um milhar de T-90 já foi fornecido a clientes estrangeiros”.
Na feira em Lima, a Rússia apresenta o último modelo de helicóptero militar de transporte Mi-171Ch. Na América Latina estão a ser explorados na totalidade 500 helicópteros russos, assim como aviões de transporte e de combate, diz Serguei Denisentsev:
“Os helicópteros da família Mi-8, da qual faz parte também o Mi-171Ch, têm grande popularidade no mercado mundial, inclusive na América Latina. Naquela região, restam não muito grandes países, aos quais não foram fornecidas máquinas dessa família. O Mi-171Sh continua esta linha e é lógico grande interesse manifestado a este helicóptero”.
A Rússia propõe aos parceiros peruanos abrir um centro de serviços pós-venda de helicópteros russos. Deste modo, a Rosoboronexport não apenas fornece equipamentos militares ao mercado do Peru, mas também propõe uma cooperação mais larga, destaca Viacheslav Davydenko:
“A abertura de um centro de serviços é condicionada pelo fato de muitos países da América Latina terem explorado estes tipos de helicópteros e suas modificações. Por esta causa, seria justo organizar a manutenção no local”.
Este centro permitirá utilizar tecnologias de produtores de helicópteros russos, assim como criar no Peru novos postos de trabalho. A Rosoboronexport tem a certeza de que a participação da SITDEF 2013, encontros e conversações no âmbito da feira permitirão que a companhia alcance um novo nível da cooperação militar-técnica na América Latina.
SNB

Voo não tripulado: China avança e mostra maturidade

 Por Ivan Plavetz

Enquanto os Estados Unidos experimenta o inovador  demonstrador de conceito sem piloto NorthropGrumman X-47B a bordo de navios aeródromos de sua Marinha e o consórcio europeu desenvolvedor do veiculo aéreo não tripulado nEUROn esforça-se para superar as barreiras e prosseguir com seu projeto, a China mais uma vez demonstra maturidade nessa área, avançando rapidamente no domínio dessa tecnologia. A última novidade revelada pela internet chinesa diz respeito a uma aeronave de formas e tamanho semelhantes aos ocidentais  X-47B, nEUROn, Boeing Phantom Ray e Lockheed Martin RQ-170. O modelo é bastante diferente daqueles até agora exibidos pela potência asiática e sugere tratar-se de um jato dotado de características parcialmente “stealth” em aparente fase de preparação para um primeiro voo.
Analistas militares que estudam a evolução da tecnologia aeroespacial da China estão identificando o novo projeto com a designação “Lijian” (Espada Afiada), e suas características indicam que ele seja um protótipo de Veículo Aéreo Não Tripulado de Combate (UCAV) construído para demonstrar  tecnologias. Segundo as mesmas fontes, o projeto é resultado da colaboração entre a Hongdu, fabricante de jatos militares de treinamento, e Shenyang, um dos dois principais fornecedores de aviões de combate de primeira linha para a Força Aérea e Marinha do país.
A despeito das formas análogas aos modelos ocidentais, o “Lijian” não foi, aparentemente, desenhado para oferecer baixa assinatura radar em muitos aspectos, pelo menos no presente estágio do projeto. A saída de gases da turbina propulsora, por exemplo,  são grandes e possivelmente dotadas de pós-combustão, sendo que sua instalação expõe abertamente algumas  partes significativamente refletoras de ondas de radar . As mesmas limitações foram constatadasem outros projetos de aeronaves “stealth” revelados até hoje pela China, incluindo os recentes Chengdu J-20 e Shenyang J-31.
Por outro lado, as imagens do “Lijian” exibem novos e surpreendentes avanços na engenharia chinesa aplicada na concepção de aeronaves . Ao projetar o “Lijian” como uma asa voadora “tailles” (sem cauda ou derivas verticais), os chineses declararam-se prontos para enfrentar um dos problemas mais difíceis da aerodinâmica e de controlabilidade de vôo. Asas voadoras constituem-se em um grande desafio para os especialistas em aerodinâmica que perseguem a melhor performance em termos de sustentação, bem como para os engenheiros que atuam na área  de “furtividade aos radares” buscando minimizar os reflexos das ondas de radar nos pontos críticos dessas estruturas aerodinâmicas . Ao mesmo tempo, a forma “asa voadora”  produz efeitos aerodinâmicos que são de difícil controle, como por exemplo, um fenômeno chamado "pitchtumble ", o qual acontece em  baixas velocidades e resulta na perda  de controle repentino da aeronave terminando por vezes em situação irrecuperável.
A indústria aeroespacial chinesa tem focado sua atenção nos problemas da configuração “tailles” testando soluções ao longo dos últimos anos. Engenheiros da Shenyang, por exemplo, elaboraram em 2007 um estudo entitulado Aplicações da Configuração de Asa Voadora em UCAVde Reconhecimento, o qual  coloca a configuração aerodinâmica “tailles” como uma escolha optimizada.
SNB

EXÉRCITO NIGERIANO INICIA GRANDE OFENSIVA CONTRA EXTREMISTAS ISLÂMICOS


A Nigéria lançou uma campanha militar nesta quarta-feira para expulsar militantes islâmicos de suas bases em áreas de fronteira, depois que o presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, declarou estado de emergência no nordeste do país.
Um grande número de soldados nigerianos se deslocou para a região, como parte de um plano governamental para derrotar a insurgência do grupo islâmico Boko Haram, que assumiu o controle de parte significativa do território.

"As operações, que envolvem o envio massivo de homens e recursos, são destinadas a assegurar a integridade territorial do país e aumentar a segurança de todos os territórios dentro das fronteiras da Nigéria", disse um comunicado na sede da Defesa.
Jornalistas da Reuters e moradores viram caminhões transportando soldados do Exército entrar nas localidades de Yola e Maiduguri após Jonathan declarar estado de emergência na terça-feira em três Estados - Borno, Adamawa e Yobe -, depois dos ataques de militantes do Boko Haram.
Desde seu início, em 2009, a insurgência tem custado milhares de vidas e desestabiliza a Nigéria, maior produtor de energia da África. O Boko Haram tem como alvo as forças de segurança, cristãos e políticos no norte do país, cuja população é, na maioria, muçulmana.
O envio de tropas provavelmente vai aplacar alguns dos críticos de Jonathan, que o acusam de não estar à altura da gravidade da crise, mas alguns políticos do norte já manifestaram o temor de que a ação militar eleve a tensão na região.
Também não está claro se o maior poderio militar pode vencer uma batalha contra um adversário que se mostrou ser mestre em desaparecer quando está sob pressão, apenas para ressurgir novamente em outro lugar.
Autoridades militares no Nordeste e na sede da capital, Abuja, não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto.
Um repórter da Reuters viu seis caminhões transportando soldados entrando em Yola, capital do Estado de Adamawa. Na capital do estado de Borno, Maiduguri, a maior cidade da região e berço da revolta, os moradores também informaram que houve afluxo de tropas. O clima é tenso na cidade. A maioria das lojas fechou e há poucas pessoas nas ruas. Escolas foram fechadas.
"O que eu vi hoje de manhã me assustou", disse um homem em Maiduguri, Ahmed Mari. "Nunca vi soldados em movimento assim antes."
Outro entrevistado, Kabir Laoye, expressou temores generalizados de que civis poderiam ser apanhados no conflito: "As pessoas estão muito apreensivas em relação ao estado de emergência", afirmou.
SNB

S-BR - SEÇÕES DO NOVO SUBMARINO BRASILEIRO EMBARCAM EM CHERBOURG

Marinha do Brasil tem dado passos largos no processo de construção dos novos submarinos convencionais (S-BR1), que serão construídos nacionalmente. Hoje, dia 14 de maio de 2013, as seções de vante (S3 e S4) do primeiro submarino da classe “Scorpène” foram embarcadas no Navio Mercante “Tracer”, em Cherbourg, França, e já estão a caminho de Itaguaí, no Rio de Janeiro, para o início da construção desse submarino.

A construção desse submarino faz parte do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), que prevê a fabricação de cinco submarinos, sendo quatro deles convencionais e um com propulsão nuclear.
 
Desde maio de 2010, quando as seções de vante tiveram sua construção iniciada, aproximadamente, 365 pessoas, entre funcionários, engenheiros, técnicos e especialistas da Marinha do Brasil, da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A (NUCLEP) e da Itaguaí Construções Navais (ICN) foram treinados para serem os multiplicadores de conhecimento a todos aqueles que irão trabalhar na fabricação e construção dos submarinos no Brasil.

Progredindo em tecnologia e investindo em conhecimento, a Marinha do Brasil vem solidificar o sonho de projetar e construir, no Brasil, nosso submarino com propulsão nuclear.
DEFESA NET SNB

Arquivo do blog segurança nacional