segunda-feira, 6 de maio de 2013

Colômbia receberá sistemas de mísseis anticarro Rafael Spike NLOS

Por Ivan Plavetz

A aquisição do Spike NLOS faz parte do conjunto de sistemas adotados para o programa de  modernização dos helicópteros Arpia III (Sikorsky U/AH-60A/L Black Hawk) da Força Aérea da Colômbia (acima) , os quais passarão para o padrão Arpia IV (abaixo). Fotos Força Aérea da Colômbia e Rafael/IDF/AF


Fontes militares locais dão conta que a Força Aérea da Colômbia (FAC) receberá em breve sistemas de mísseis anticarro de longo alcance Spike NLOS fabricados pela israelense Rafael Advanced Defense Systems. A aquisição do Spike NLOS faz parte do conjunto de sistemas adotados para o programa de modernização dos helicópteros Arpia III (Sikorsky U/AH-60A/L Black Hawk) da FAC, os quais serão elevados para o padrão Arpia IV, com superior capacidade de combate tático.
Um lote de 12 Black Hawk da FAC serão submetidos a esse programa de modernização, incluindo a integração de novas armas, sistemas de comunicações por datalink e sistemas eletro-ópticos Rafael Toplite para vigilância, observação e aquisição de alvos.
O Spike NLOS (Non-Line Of Sight) é uma versão de exportação avançada do míssil Tamuz, com alcance de 25 km. Pesando cerca de 70 kg antes do lançamento, o Spike NLOS é capaz de portar todos os tipos de ogivas desenvolvidas para a família Spike. O modelo já esta sendo empregado pelas Forças de Defesa de Israel (IDF).


 tecnodefesa....SNB

israelense atinge Damasco , tem como alvo expedição arma Hezbollah

SNB

Rocha granítica no meio do oceano pode ser sinal de 'Atlântida brasileira'


Giovana Girardi - O Estado de S. Paulo
Um pedaço de rocha encontrado no meio do oceano Atlântico, no meio do caminho entre África do Sul e Brasil, pode ser o indicativo de um continente perdido na história do planeta Terra. A expectativa do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que anunciou a descoberta nesta segunda-feira, dia 6, é que possa ser uma lasca de continente que se perdeu quando América e África se separaram, há cerca de 200 milhões de anos. Para entendimento do público, os geólogos já brincam que seria uma espécie de “Atlântida” brasileira.

De acordo com Roberto Ventura Santos, diretor de geologia de recursos minerais do (CPRM), o material foi coletado no ano passado a cerca de 1500 km da costa do Rio de Janeiro e a 2500 metros de profundidade, em uma região conhecida como Alto do Rio Grande. Trabalhos de dragagem do fundo do mar trouxeram à tona uma rocha “inusitada”, como define Ventura.
“Inusitada porque é uma rocha granítica. E não se encontra granito no fundo do mar. O normal é achar no continente. Para se ter uma ideia, os arquipélagos de Fernando de Noronha e de São Pedro e São Paulo são de origem vulcânica”, conta. Segundo ele, já de cara os pesquisadores imaginaram se tratar de um crosta continental. “Mas também poderia ser um lastro de navio. Era tudo tão inusitado que poderia ser qualquer coisa.”
O reforço de que pode se tratar mesmo de um pedaço de continente veio agora com uma expedição do navio japonês Yokosuda dentro do projeto “Busca pelos Limites da Vida” – uma iniciativa da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia da Terra e do Mar (Jamstec), que tem a cooperação científica de pesquisadores de universidades brasileiras e do CPRM.
Durante a viagem realizada no mês passado entre a África do Sul e o Rio de Janeiro, onde o navio aportou no final de semana, foi feita uma observação de um “morrete” bem onde o CPRM fez a dragagem da rocha misteriosa. A bordo de um minissubmarino – o Shinkai 6500 –, que desceu à profundeza de 2500 a 3000 metros – os pesquisadores visualizaram um monte com “rochas com feições semelhantes a rochas graníticas”, conta Ventura. Eles não fizeram, porém, nenhuma coleta e ainda não se tem certeza se a rocha dragada anteriormente tenha vindo exatamente desse morrete.
Para saber com certeza, explica Ventura, o próximo passo é fazer perfurações nesse local, para fazer uma amostragem e novas análises. “Falamos em Atlântida mais pelo simbolismo. Obviamente não esperamos encontrar nenhuma cidade perdida no meio do Atlântico”, brinca o geólogo. “Mas se for verdade que encontramos um continente no meio do oceano, será uma descoberta muito grande, que pode ter várias implicações, em relação à extensão da plataforma continental”, diz.
SNB

Impressoras 3D já são usadas para produzir armas


A primeira arma do mundo feita com a tecnologia de impressão 3D foi testada com sucesso nos Estados Unidos. A notícia foi dada pela BBC, que divulgou um vídeo mostrando como a arma foi produzida por um estudante de direito americano de 25 anos.
O estudante e seu grupo defendem a liberdade das pessoas de utilizarem a tecnologia para desenvover armas de fogo em casa. Eles pretendem compartilhar as informações sobre a primeira experiência feita no sábado, 4.

Os defensores de programas de desarmamento criticam o projeto. Autoridades policiais informam que acompanham de perto os passos dos administradores do grupo.O problema é que a Primeira Emenda da Constituição americana garante a liberdade de expressão e a Segunda Emenda, o direito de portar armas. 

As impressoras 3D podem ser usadas com finalidade industrial e também são capazes de imprimir qualquer tipo de objeto dentro de casa.
Victoria Baines, do centro de cibercrime da Europol, declarou à BBC que os criminosos sempre buscaram rotas tradicionais para obter armas de fogo, mas agora as coisas começam a mudar: "Com essa tecnologia de fácil utilização, novos riscos começam a surgir".

Cody Wilson, o estudante da Universidade do Texas, foi quem divulgou a informação de que a arma impressa em 3D funcionou como uma arma normal: "Muita gente não acreditava que isso pudesse ser feito", declarou.

A arma foi feita em uma impressora 3D que custou US$ 8.000 no site de leilões online eBay, informou ele à BBC.

A arma foi montada a partir de componentes impressos separados feitos de plástico ABS - somente o pino de disparo foi feito a partir de metal.

O estudante, que se define como 'cripto-anarquista', disse que seus planos para tornar o projeto disponível eram um exemplo de liberdade.

Ele disse à BBC: "Existe uma demanda por armas, mas no mundo inteiro há países que proibem as pessoas de ter uma arma de fogo. Agora isso não é mais verdade. Estamos em um mundo com tecnologia onde se pode fazer o que quiser. Não cabe aos políticos definir mais nada."

Para fazer a arma, ele recebeu uma licença de fabricação e do vendedor do Bureau de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos dos EUA.

Donna Sellers, da ATF, disse à BBC News que a arma impressa em 3D é uma arma legal nos EUA.
"Uma pessoa pode fabricar uma arma de fogo para uso próprio, mas a produção para venda exige uma licença", explicou.

As impressoras 3D imprimem produtos de plástico, mas as industriais também imprimem em metal.  Fios de plástico de diferentes cores são enrolados e colocados dentro de impressoras como se fossem as tintas de uma de papel.  O plástico é derretido a altas temperaturas e o líquido é pingado sobre uma superfície para dar forma tridimensional ao objeto.

As impressoras 3D custam pouco menos de US$ 2 mil, e servem especialmente para arquitetos e engenheiros construírem maquetes em seus escritórios. Eles podem imprimir imagens em três dimensões de projetos no Autocad.

O grande temor envolvendo as impressoras 3D é o seu uso para a fabricação de armamentos.  Um grupo de estudantes da Universidade do Texas lançou um projeto chamado Defense Distributed para criar arquivos na internet que podem ser baixados por qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo e impressos em uma impressora 3D.
BBC NEWS...SNB

VISIONA - PRÉ-SELECIONADOS FORNECEDORES PARA O SATÉLITE BRASILEIRO


VISIONA Tecnologia Espacial S.A. divulgou hoje que, como parte de suas atribuições no projeto do sistema do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), pré-selecionou três empresas para o fornecimento do satélite do sistema:
- Mitsubishi Electric Corporation – MELCO;
- Space Systems/Loral ,e,
- Thales Alenia Space.
A partir desta pré-seleção, que se baseou em requisitos técnicos, operacionais, econômicos e de transferência de tecnologia, partirá para a etapa final do processo de seleção, em conformidade com as especificações da TELEBRAS, operadora do satélite, bem como do Termo de Referência elaborado pelos Ministérios das Comunicações, da Defesa e de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Sobre a Visiona 

Criada em maio de 2012, a Visiona é uma associação entre a Embraer S.A., que detém 51% do capital, e a Telecomunicações Brasileiras S.A. (Telebras), que possui 49% das ações. A empresa atua como integradora do sistema SGDC, que visa atender às necessidades de comunicação satelital do Governo Federal, incluindo o Programa Nacional de Banda Larga e um amplo espectro de transmissões estratégicas na área de defesa.
DEFESA NET ...SNB

Teste da bomba inteligente SMKB 82

SNB

Arquivo do blog segurança nacional