terça-feira, 30 de abril de 2013

Como um hacker pode matar você


Você já parou para pensar na quantidade de eletrônicos que estão conectados durante todo o tempo e o quanto isso influencia nossas vidas? Isso não é referente apenas aos gadgets que utilizamos diariamente para nos conectarmos à internet, mas também a outras centenas de aplicativos, objetos e equipamentos (como marca-passos, carros com computadores de bordo e até mesmo redes elétricas).
É claro que esses exemplos não podem ser utilizados para que acessemos o Facebook ou algo parecido, mas eles trabalham com energia elétrica e frequências que podem ser afetadas por outros aparelhos. E é por isso que hackers podem matar pessoas. Não que isso signifique perigo constante, mas é necessário saber que a possibilidade realmente existe. Quer saber como? Então confira!

1. Desafiando a saúde eletrônica

Um coração que tenha problemas para controlar sozinho os seus batimentos pode ganhar o auxílio de um marca-passo. Esse aparelho tem a função de regular o ritmo cardíaco por meio de estímulos elétricos — pequenos e leves choques que forçam o coração a realizar as contrações necessárias para o bombeamento do sangue. E para que o dispositivo mantenha uma uniformidade, há um chip de controle central.Para evitar que tenham que ser feitas cirurgias para a troca de baterias nos marca-passos, já começam a serem estudadas formas de utilizar recarregadores wireless. E para que configurações também possam ser feitas sem novas invasões cirúrgicas, eles também possuem funções de controle remoto. Mas, se esses comandos caírem em mãos erradas, o que pode acontecer?
Segundo a SC Magazine, pesquisadores já descobriram que é possível fazer com que o firmware dos marca-passos seja modificado remotamente por pessoas que não possuem acesso a eles — e isso acontece em distâncias de até nove metros. Com essa invasão, torna-se possível ordenar descargas elétricas de 830 volts, o que , na maioria das vezes, causa a morte instantânea do portador.
O mais estranho é que essa descarga tão alta é possível graças a uma função escondida na maioria dos marca-passos. Ainda não é claro qual o real motivo dessa função, mas estima-se que ela seja programada para agir como um desfibrilador em casos de parada cardíaca. O pesquisador responsável pela descoberta afirma que é necessário “mostrar o lado mais escuro” do recurso para que as pessoas saibam com o que estão lidando.

2. Diabéticos também são ameaçados

Sendo ainda mais fácil do que acessar equipamentos que estão no interior do corpo de alguém, há técnicas que permitem a invasão de equipamentos que estão instalados externamente. É o caso de bombas eletrônicas de insulina, que são utilizadas para suprir a demanda da substância, que deixa de ser produzida pelo pâncreas de diabéticos.
Como um hacker pode matar você (
O problema é que, assim como no exemplo anterior, essas bombas podem ser controladas remotamente, caso um hacker consiga ter acesso aos comandos do aparelho. E isso poderia resultar no bloqueio do envio ou no envio excessivo de insulina para o corpo humano — causando lesões sérias em ambos os casos.
Algo que deixa o processo da insulina mais simples de ser resolvido é o fato de que o diabético pode perceber que está sendo atacado e desligar o aparelho ou desconectá-lo. No marca-passo, a descarga fulminante não permite que algo seja feito para interromper o processo.

3. Sabotagem online de carros

Há uma série de equipamentos de segurança para veículos que permitem o bloqueio remoto de todas as funções deles — forçando bandidos a abandonar os carros, pois eles podem ficar completamente imóveis. Mas esses mesmos sistemas de acesso remoto podem fazer com que hackers obtenham acesso a funções que não deveriam cair em mãos erradas.
Como um hacker pode matar você (
PopSci mostra que já houve comprovações de que sistemas como o OnStar podem ser acessados por redes comuns de telefonia, desde que sejam usados os equipamentos corretos. E depois que o acesso for realizado, é possível fazer com que uma série de funções dos veículos seja alterada. Infelizmente, isso inclui o sistema de freios, motores e luzes.
Com isso, podem realmente ser realizadas sabotagens enquanto os carros estão em movimento. É importante dizer que isso exige a utilização de grandes equipamentos de identificação e corrupção de frequências, mas não podemos garantir que no futuro isso não seja mais facilmente conseguido.

4. Invasão e derrubada de aviões

Existe uma quantidade imensa de comandos realizados por equipamentos eletrônicos nos aviões. A existência de qualquer interferência pode causar danos complicados ao funcionamento deles, e é por isso que devemos desligar nossos aparelhos eletrônicos durante pousos e decolagens — e os sistemas de emissão de frequência durante todo o voo.
Como um hacker pode matar você 
Mas será possível invadir um sistema desses com um smartphone? Segundo um pesquisador alemão contou ao The Week, a resposta é “sim”. Ele afirma ter criado um aplicativo capaz de identificar frequências do sistema de controle central das aeronaves, utilizando o acesso para modificar diversas orientações que os pilotos atribuem aos aviões. Isso inclui altitude e velocidade, segundo o responsável pelo sistema.
Para o Information Week, um porta-voz da Honeywell (uma das maiores empresas de sistemas para aviões do mundo) disse que o hacker só conseguiu realizar as invasões em seus testes, pois utilizava redes simuladas. Ele afirmou ainda que em aviões reais o acesso por esse tipo de aplicativo é completamente impossível. Mesmo assim, vale a pena ficar de olho bem aberto.

5. Derrubando redes elétricas

Quedas de luz podem ser muito problemáticas em diversas situações. Quando acontecem de uma maneira mais generalizada, forçam estabelecimentos comerciais a fechar as portas mais cedo, hospitais precisam ligar seus geradores e uma série de outros locais também é afetada — o que inclui até mesmo a sua casa e os alimentos da sua geladeira.
Como um hacker pode matar você 
Em muitos casos, as consequências disso podem ser mortais. Um cruzamento movimentado não pode ficar sem semáforos, e a ausência de energia elétrica causa exatamente isso. O caos pode ser instaurado em pouco tempo e isso gera violência — assim, as mortes não devem ser descartadas do leque de possibilidades. E você pode não saber, mas há como hackers causarem quedas de energia elétrica.
Como foi publicado no CNET, já houve casos de “redes inteligentes” que foram acessadas por pessoas não autorizadas, causando alguns problemas para a estabilidade dos sistemas. E após o primeiro acesso, torna-se muito fácil fazer com que a transmissão de energia seja afetada em larga escala — afinal de contas, as conexões são feitas de uma maneira bem complexa e integrada.
.....
Pois é, há formas de os hackers assassinarem pessoas e nós nem imaginamos. É claro que isso foge da escala de crimes virtuais e torna-se um crime comum, mas a identificação dos ataques pode ser muito mais difícil. Quais serão as melhores formas de se defender desses tipos de criminosos? Temos que esperar novas soluções de segurança para saber.
Fonte: SC Magazine
SNB

Ao estilo Pong, vídeo mostra como um ataque DDoS funciona


Os ataques DDoS são usados por hackers para derrubar servidores do ar, impossibilitando que os internautas acessem sites e serviços específicos. Geralmente, esse tipo de investida tem como objetivo principal a intimidação, já que os sistemas não são invadidos.
Ontem (25), os servidores da VideoLAN, companhia que mantém o famoso reprodutor multimídia VLC Media Player, foram alvo de um ataque dessa natureza.
Com a ajuda de um programa chamado Logstalgia, o qual oferece o recurso de visualização do fluxo de logs de um sistema a partir de animações ao melhor estilo Pong (sim, o clássico jogo de rebater bolinha das décadas de 70 e 80), a empresa foi capaz de gravar de forma lúdica como ocorre esse processo malicioso.
Como você pode observar no vídeo acima, postado por Ludovic Fauvet, funcionário da companhia, a técnica utilizada pelos hackers cria um fluxo intenso e contínuo de solicitações aos servidores da VideoLAN, sendo que todas elas são redirecionadas para uma única entrada. Essa sobrecarga é a responsável por derrubar o sistema e tirar o site ou serviço do ar.

SNB

AMD anuncia memória heterogênea


Você já ouviu falar sobre memória heterogênea? Trata-se de um tipo de memória RAM capaz de ceder dados e informações para processadores centrais e gráficos ao mesmo tempo. E a AMD acaba de anunciar um sistema que pode trazer isso aos consumidores de uma maneira ainda mais interessante do que era esperado por especialistas e consumidores apaixonados por tecnologia.
A empresa de chips anunciou que está trabalhando na memória hUMA (Heterogeneous Uniform Memory Access). Em português, isso significa que se trata de uma “Memória de Acesso Heterogêneo e Uniforme”. Ou seja, ela permite que as várias unidades de processamento possam acessar os dados ao mesmo tempo e da mesma maneira, não favorecendo uma ou outra fonte de requisição.
Atualmente, a memória precisa duplicar as informações antes de disponibilizá-las para CPU e GPU ao mesmo tempo. Isso torna o processo um pouco mais lento do que deveria ser, mas o problema será completamente sanado com a chegada da hUMA, que pode estar presente na próxima geração de APUs da AMD —a  Kaveri, mostrada na CES, mas ainda sem muitos detalhes.O grande trunfo do novo sistema está na utilização de memória “bidirecional coerente”. Isso significa que as duas metades (CPU e GPU) do chip levam menos tempo para rastrear modificações de dados. Isso ainda se alia a um melhor gerenciamento da memória, fazendo com que todo o processo fique mais dinâmico e inteligente.
Fonte: Hot Hardware,...SNB

Primeiro centro de robótica do Brasil visa ampliar chances na área


Previsto para ser inaugurado este ano, o primeiro centro de robótica brasileiro só deve estar concluído dentro de dois anos, numa perspectiva otimista. A estimativa é do professor Marco Henrique Terra, coordenador do Núcleo de Apoio à Pesquisa da Universidade de São Paulo (USP). A cidade de São Carlos, no interior do estado de São Paulo, abrigará a unidade, projetada como futura referência nacional na tecnologia da construção de robôs.
A criação do centro foi anunciada em 2011 pela USP. Inicialmente, ele deveria dividir uma única sede com outras áreas de conhecimento. "Só percebemos que isso não funcionou no meio do caminho. Tivemos de redefinir o procedimento de construção de maneira individualizada", admite Marco Terra. Apesar da redefinição do prazo de conclusão, o local da sede se manteve. A qualidade da proposta e a quantidade de professores envolvidos pesaram na decisão pela cidade de São Carlos.
"O centro é uma necessidade. Essa iniciativa vai aumentar a sinergia entre os pesquisadores e otimizar a aplicação dos recursos, que ainda são bastante limitados no País", vislumbra o professor Guilherme Augusto Silva Pereira, do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que concluiu o doutorado na área de robótica.
Pesquisas para a sociedade
O projeto abarca desde a pesquisa básica nas universidades até a relação com institutos e empresas do exterior. Além de estimular o intercâmbio entre os pesquisadores, o primeiro centro brasileiro de robótica promete favorecer a criação de empresas para o desenvolvimento de produtos nacionais na área de robótica, apontam os especialistas. "Essas empresas gerariam empregos e seriam responsáveis por substituir parte dos robôs importados, presentes no País, por sistemas desenvolvidos com tecnologia nacional", antecipa Guilherme Pereira.​Pesquisadores da robótica acreditam que essa tecnologia possa contribuir para tornar melhor a vida das pessoas, ao apresentar soluções para problemas universais. Entre as pesquisas desenvolvidas pela USP, estão a produção de carros autônomos, dotados de sensores e softwares, que possam ser conduzidos sem intervenção humana. Entre as principais vantagens do sistema, estariam a diminuição do número de acidentes em ruas e rodovias, e uma maior eficiência do trânsito em geral.
As pesquisas na área de reabilitação de membros inferiores e superiores para portadores de deficiência física são outro exemplo as atividades desenvolvidas na USP com foco na melhoria da qualidade de vida. Embora os avanços da robótica permitam contribuições decisivas, essa ainda é uma tecnologia cara.
"Mas as experiências mostram que a médio e longo prazo ela pode ser barateada. Além disso, é muito provável que esteja no mercado mundial com bastante intensidade nos próximos anos", avalia o professor da UFMG. "Se não temos condições de ter uma ação de desenvolvimento absolutamente de ponta, pelo menos estamos conseguindo contribuir e acompanhar a evolução dessa tecnologia."
Cenário promissor
Os especialistas são unânimes na expectativa de que o novo centro sirva para potencializar as pesquisas na área. No entanto, o coordenador do projeto, Marco Henrique Terra, reconhece que o Brasil chega com certo atraso a essa discussão. "Temos limitações para correr no mesmo ritmo que os países desenvolvidos rumo à inovação e ao desenvolvimento tecnológico. Estamos no ritmo que o Brasil permite", justifica.
Apesar do atraso, a robótica no Brasil está em fase de considerável crescimento, na opinião do professor Guilherme Pereira, da UFMG. Ele aponta que, até poucos anos atrás, grande parte das pesquisas estava concentrada em universidades, de forma isolada.
"Tínhamos pequenos grupos de pesquisa com um único professor e seus alunos de graduação e pós-graduação. Mais recentemente, com a formação desses primeiros alunos e a chegada de novos pesquisadores formados no exterior, estes grupos têm crescido rapidamente." O aumento do número de laboratórios, das áreas pesquisadas e da qualidade das publicações científicas originárias de pesquisadores brasileiros foi uma consequência desse processo.
O projeto de implantação do primeiro centro de robótica do Brasil ainda não tem o apoio do Governo Federal, aponta o coordenador e professor da USP Marco Henrique Terra. Mas a intenção é buscar esse incentivo. "A área de robótica é muito importante em diversos segmentos. Se isso for reconhecido pelo governo, uma boa política seria investir nesse centro, e também na criação de outros em regiões diferentes do País", sugere Guilherme Pereira.
Sobre a robótica
O termo "robô" vem do tcheco robota (trabalho forçado), e foi usado pela primeira vez em 1920 por Karel Čapek na peça de teatro R.U.R. (Rossum's Universal Robots). O autor de ficção científica russo-americano Isaac Asimov foi responsável por popularizar o termo, com o livro Eu, robô.
A robótica é a ciência que busca dar autonomia para as máquinas, de forma que possam tomar decisões e executar, sem intervenção externa, tarefas que anteriormente estariam sob a responsabilidade de seres humanos.
DW...TERRA ....SNB

Nasa divulga imagens de furacão gigantesco que atinge Saturno


Novas imagens divulgadas por uma nave espacial da Nasa (agência espacial americana) na órbita de Saturno revelam detalhes de um enorme furacão atingindo o polo norte do planeta. As fotos da sonda Cassini mostram o olho do furacão, com cerca de 2 mil quilômetros de largura - aproximadamente 20 vezes maior que um fenômeno típico na Terra. O turbilhão no planeta dos célebres anéis também é mais forte que na Terra, com ventos em sua borda exterior chegando aos 530 quilômetros por hora.
"Checamos duas vezes quando vimos o vórtice porque se parece muito com um furacão na Terra", afirmou em um comunicado o cientista Andrew Ingersoll, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos. "Mas ali está, em Saturno, em uma escala muito maior, e de alguma forma está permanecendo ativo mesmo com a pequena quantidade de vapor de água na atmosfera."Nuvens finas e brilhantes viajam a 150 metros por segundo no limite externo do furacão, que se move dentro de um vórtice imenso e misterioso em formato de hexágono. Cientistas vão estudar o furacão para obter mais conhecimento sobre esse tipo de fenômeno na Terra, onde se alimenta da água quente dos oceanos. Apesar de não haver extensão de água nas proximidades dessas nuvens no topo da atmosfera de Saturno, aprender como o vapor de água é utilizado na formação de tempestades naquele planeta pode ajudar a entender melhor a geração e permanência de furacões terrestres.
Tanto o furacão na Terra quanto o vórtice saturniano possuem um olho central sem nuvens - ou com muito poucas delas. Outras características similares incluem a formação de nuvens altas e a rotação em sentido antihorário.
TERRA... SNB

Arquivo do blog segurança nacional