sábado, 27 de abril de 2013

EUA recusam vender bombas anti-bunker a Israel


Os EUA não são apenas um parceiro estratégico de Israel, mas também o seu melhor amigo". Quem o afirma é o ministro da Defesa israelense, Moshe Yaalon, que se avistou há dias com o chefe do Pentágono, Chuck Hagel, a fim de acordar o fornecimento de armas norte-americanas.V D RU

Mas, pelos vistos, o melhor amigo não pode vender tudo o que o seu parceiro quer. Da lista de armas destinadas à venda não constam bombas potentes para betão, almejadas por Israel desde há muito.
Trata-se da Massive Ordnance Penetrator (MOP), ou seja, a bomba anti-bunker, de elevada perfuração, com um peso de 30 mil libras (13.608 kg). Uma vez lançada de avião, voam até ao alvo guiadas por GPS, podendo atingir abrigos de betão à profundidade de 60 metros. É, de fato, um tipo único de armas, capaz de aniquilar a empresa de enriquecimento de urânio em Fordo, situada na rocha. Segundo avaliações de peritos, sem tal bomba, qualquer operação aérea contra as instalações nucleares iranianas perde o sentido. Caso contrário, para acabar com o programa nuclear do Irã será necessário enviar para lá um contingente militar das forças aliadas.
Uma parte de políticos israelenses opina que Teerã está prestes a criar sua bomba atômica. Na avaliação do ex-chefe do Serviço de Inteligência Militar, Amos Yadlin, para que o objetivo seja alcançado faltam 2-6 meses. Em face disso, o "penetrador" na posse de Israel seria um argumento de peso na eventual guerra, afirma o professor associado da Cadeira de Pesquisas Orientais do Instituto de Relações Internacionais, Nikolai Surkov:
"Os EUA não têm interesse em nova guerra regional. A região do Oriente Médio se mantém instável. Por isso, uma operação de Israel militar contra o Irã criará grandes problemas para os EUA e seus aliados no Golfo Pérsico. O Irã declarou reiteradas vezes que, se necessário, poderá assestar um golpe de mísseis contra as bases norte-americanas situadas nas monarquias arábicas. As consequências de tal ataque serão graves. Eis porque os EUA pretendem excluir a possibilidade de ações unilaterais por parte de Israel".
Há um ponto de vista diferente: mesmo a hipotética posse da bomba não adianta nada, dado que Israel não tem bombardeiros que sejam capazes de carregá-la. Uma bomba de 30 mil libras poderá caber apenas no B-52 obsoleto que, pelos vistos, não será enviado para a zona de conflito ou num B-2, com a tecnologia furtiva stealth.Este último deverá ser igualmente solicitado por Israel. Se algum dia os EUA derem a luz verde à operação militar, deverão ainda fornecer todos os meios técnicos necessários, esclarece o investigador sênior do Instituto de Orientalismo, Dmitri Mariasis.
"Quando Israel tiver acesso à bomba, este será um sinal importante de haver consenso quanto à necessidade de proceder a uma operação militar contra o Irã".
Mas tal situação não poderá vir a surgir antes do outono. Até essa altura, no Irã terão decorrido as eleições presidenciais, cabendo já ao novo presidente tentar solucionar o problema nuclear. A propósito, para 15 de maio, está agendada uma nova ronda de conversações de Teerã com a AIEA. "É preciso dar mais uma chance à diplomacia, sanções ou aos outros mecanismos enquanto estes não esgotarem seu potencial", anunciou Moshe Yaalon em coletiva de imprensa com Chuck Hagel. Que "instrumentos" se têm em vista – não é difícil de adivinhar se recordarmos as ações de sabotagem nas instalações nucleares iranianas, os ciberataques e o assassínio de especialistas iranianos, se bem que Israel tenha negado a sua conivência naquele crime.
Uma opção militar, dizem os aliados, deve permanecer em cima da mesa como uma "variante extrema". A decisão dos EUA de fornecer a Israel outros tipos de armas – aviões-bomba e mísseis "inteligentes", capazes de superar sistemas da DAA – pode ser encarada como um aviso para o caso de guerra.
SNB

Capitão Beto agora no espaço

Com uma homenagem a Flaco Spinetta, foi colocado em órbita o primeiro nanosatélite 
argentino.

Argentina colocou hoje em órbita a primeira história nanosatélite. É um desenvolvimento nacional financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e produzido pela empresa em colaboração com INVAP Satellogic. O lançamento ocorreu no horário local de 01:15 centro espacial de Jiuquan, na China, juntamente com outros Equador por satélite.
O argentino é chamado de "capitão Beto" - o nome técnico é CubeBug-1 - é um satélite que pesa dois quilos, projetado e fabricado no país.Software e plataforma de hardware estão abertos e disponíveis para os fãs, universidades e institutos de pesquisa. É o primeiro de uma nova plataforma nanosatélite da indústria nacional, para fins educacionais e científicos e servem para demonstrar o desempenho desta tecnologia em órbita.
O lançamento foi realizado por foguete não-tripulado chinês Longmarch 2 e Capitão Beto será monitorado a partir do Rádio Clube Bariloche, naquela cidade. A 650 km, as antenas de satélite e implantar a sua órbita em torno da Terra. Capitão Beto não tem componentes nanotecnológicos: a nomeação de nanosatélite devido a uma convenção internacional, que categoriza e artefatos de dez quilos. Na América Latina, o Brasil é o país que tem mais satélites em órbita (13), seguido por Argentina (9) México (7), Chile e Venezuela, com dois cada, e, finalmente, Colômbia e Equador com um.
Segundo Emiliano Kargieman (37), CEO da Satellogic e gerente do projeto, explicou, "é menor do que uma caixa de sapatos. Vai dar um retorno à Terra a cada 93 minutos, e qualquer amador no mundo podem se conectar a ele e download de dados, porque não tem fins comerciais. " Quase formado em Matemática e estudos de Filosofia, explicou que, para reduzir os custos dessa atividade, a empresa segue dois caminhos: usar componentes mais baratos, que já são usados ​​em eletrônicos de consumo, e torná-satélites menores e mais leves , que o transporte muito mais barato. "Muitos dos componentes utilizados na fabricação são de tecnologia de fácil acesso, como a usada para fazer telefones celulares e computadores, que modificar a construir componentes espaciais como um computador de bordo, um volante de inércia e baixa resolução da câmera para tirar fotos da Terra e as estrelas. "
Kargieman disse que o satélite é chamado de capitão Beto homenagem a Luis Alberto Spinetta, que morreu em 2012, quando os engenheiros trabalharam em seu desenvolvimento:. "Sim, é uma homenagem ao magro Além disso, como fã eu não gosto de letras milionário Pennant menciona River ".
Clarin.com  ...SNB
NOTA DO BLOG.. veja  Argentina não brinca com latinha de serveja ja o brasil só fica perdendo tempo não e uma vergonha que ate o equador ja fez o  lançamento de um nanosatelite ..agora tá esplicado por que o VLS não decola não e falta de verba e burrice mesmo mais uma o brasil tem 13 satelite com o brasil sate b1...?

Arquivo do blog segurança nacional