terça-feira, 23 de abril de 2013

PARA OS AMIGOS DO GOOGLE +

                    
                         segurança nacional blog 
                         blog de defesa nacional
        google.com.br www segurança nacional blog             


EUA vendem US$ 10 bilhões em equipamento militar a Israel

DIOGO BERCITO DE JERUSALÉM

Chuck Hagel, secretário de Defesa dos EUA, anunciou no domingo durante visita a Israel a venda de equipamento militar em valor estimado em US$ 10 bilhões (R$ 20 bilhões).
Os armamentos, que incluem helicópteros de transporte e de reabastecimento, têm como intuito "garantir a superioridade aérea" do país, no que foi entendido como uma mensagem clara ao Irã.
O pacote inclui as aeronaves V-22 Osprey, até então não exportadas para fora dos EUA. Capazes de decolar e pousar verticalmente, são um equipamento considerado avançado na área, e devem garantir que Israel esteja na vanguarda aérea na região.
O número de aeronaves não foi divulgado oficialmente.
"Os EUA e Israel estão lidando com os desafios dessa nossa dura vizinhança, em primeiro lugar e principalmente o Irã", afirmou Moshe Yaalon, ministro da Defesa de Israel, durante o evento.
Questionado sobre um possível ataque israelense ao Irã, Hagel afirmou crer que esse cálculo deve ser feito por Israel --"toda nação soberana tem o direito de defender-se".
A administração americana demonstrou no entanto, em outras ocasiões, receio de que uma ofensiva israelense acenda uma guerra regional, tragando outros países ao confronto.
De maioria xiita, o Irã tem como aliados o regime de Bashar Assad, na Síria, e o grupo radical Hizbollah, no Líbano.
Analistas têm apontado que, com a proximidade das eleições presidenciais iranianas, em junho, Israel está desacelerando a retórica contra Teerã, dando tempo aos esforços de negociação --por enquanto, sem resultado.
O Irã insiste em seu direito de enriquecer urânio, afirmando fazê-lo para uso doméstico de energia. A comunidade internacional, no entanto, teme que o objetivo do país persa seja o bélico. Acredita-se que, hoje, Israel seja o único país no Oriente Médio a possuir um arsenal nuclear.
VOLTA
Hagel iniciou anteontem um giro de uma semana pela região, com foco na ameaça iraniana e na guerra civil síria. Durante a viagem, irá tratar da venda de armamentos não apenas a Israel, mas também à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos.
Após Israel, o secretário de Defesa americano irá a Amã. De lá, seguirá para Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes --onde deve finalizar a venda de caças F-16, em acordo que inclui o treinamento de pilotos emirados.
Enquanto Hagel realiza seu giro pelo Oriente Médio, John Kerry anunciou no domingo, em Istambul, que irá dobrar o auxílio repassado à insurgência síria na aquisição de "suprimentos não letais". Com isso, serão US$ 123 milhões (R$ 247 milhões) adicionais.
Não está claro de que equipamentos se trata, mas a administração americana já havia sinalizado ter a intenção de auxiliar com vestes de proteção e visores noturnos. 
FOLHA...........SNB

Nós abatemos o avião ultrassecreto da Força Aérea dos EUA"

Konstantin Katchalin

O comando da OTAN em Bruxelas ficou muito abalado no dia 27 de março de 1999. Pela primeira vez na história das operações militares do F-117А, o avião mais “secreto” da FA dos EUA, ele não só foi detectado pelos radares antiaéreos da Iugoslávia, mas foi inclusive abatido perto de Belgrado.

Este foi um rude golpe no prestígio do complexo militar-industrial norte-americano e da corporação Lockheed. O Pentágono afirmou que teria havido um erro técnico e que o “avião invisível” se teria simplesmente despenhado algures nas florestas da Sérvia. Os militares dos EUA não reconheceram, senão a 25 de novembro, que o F-117A tinha sido destruído por um míssil soviético.
A verdade não foi apenas ocultada aos americanos comuns, mas também aos muitos clientes que já tinham assinado contratos com aLockheed. O “avião invisível” era na altura muito popular em todo o mundo.
O orgulho da aeronáutica estadunidense, no valor de cerca de 50 milhões de dólares, foi destruído por um sistema de mísseis terra-ar com a chancela Made in USSR. O primeiro a carregar no botão de lançamento foi Dragan Matic. Na altura, ele me contou detalhadamente as particularidades dessa operação:
“No dia 24 de março de 1999, nós abandonámos a nossa unidade posicionando-nos numa área periférica de Belgrado. Passamos três dias relativamente calmos. Nós trabalhamos em equipe, com os procedimentos habituais que executávamos às ordens do nosso comandante. O principal era não sermos detectados pelos radares dos AWACS que habitualmente acompanhavam os aviões da OTAN. Especialmente os F-117A.
“Nós estávamos estacionados junto à aldeia de Simanovci. No dia 27 de março, quase ao anoitecer, toda a nossa brigada estava de serviço. O colega do serviço de seguimento informou que havia fortes interferências e que o sinal estava mais próximo das nossas posições. Praticamente 5 minutos depois, a pesquisa de rádio transmitiu que um alvo se dirigia para a nossa bateria. O comandante analisava a tela e recebia as indicações da pesquisa de rádio. O alvo se dirigia contra nós. Nós detectamo-lo. Eu olhei para a tela e vi claramente a marca do alvo. Começamos a fazer o seguimento do alvo, ele estava perfeitamente visível.
“Eu relatei ao comandante que o alvo estava fixado pelos nossos instrumentos e que estávamos prontos para abatê-lo. Dezassete segundos depois da ordem de “Fogo!”, o alvo foi atingido pelo nosso míssil. O primeiro míssil arrancou a asa ao avião furtivo e o segundo abateu o próprio avião. O piloto se catapultou e o avião caiu.
“É uma fantasia dos engenheiros e pilotos estadunidenses que o F-117A é invisível. Todas as tecnologias furtivas garantem a sua “invisibilidade” apenas no diapasão de rádio de alta frequência. Ele é bastante visível nos radares que trabalham com baixas frequências. Foi por isso que nós detectámo-lo ainda a 50 quilômetros e esperámos até ele passar perto da nossa bateria para abatê-lo.
“É verdade que ele tem um sinal mais fraco que os aviões normais, mas mesmo assim ele aparece nas telas dos radares. Pode ser que o piloto se tenha enganado, ou que se tenha perdido, mas ele voava apenas a 5 quilômetros de altitude e se tornou num alvo nosso.
“Nós abatemos um aparelho terrível e fantástico, o avião ultrassecreto da Força Aérea dos Estados Unidos. O piloto catapultou-se e se escondeu na floresta. Cinco horas depois, chegou em vários helicópteros um grupo de resgate de operações especiais norte-americano que o levou. No dia seguinte, ele já estava na base aérea de Aviano, perto de Veneza.
“Quando conseguimos abater o avião, abandonamos imediatamente o local juntamente com o equipamento. Quanto mais depressa mudarmos de posição, mais hipóteses de sobreviver tem a bateria. Nós fizemos isso 24 vezes durante estes três meses de agressão e foi o que salvou a nossa bateria. Não tivemos vítimas entra a nossa equipe. No entanto, a nossa brigada antiaérea teve 9 mortos.”
VD RU.......SNB

NASA lança com sucesso três satélites Smartphone

WASHINGTON -. Três smartphones destinados a se tornar satélites de baixo custo, montados domingo ao espaço a bordo do vôo inaugural da Orbital Ciência Corp 's Antares foguete de Wallops Island Voos Facility da NASA na Virgínia O trio de "PhoneSats" está operando em órbita, e Pode revelar-se os satélites de menor custo já percorridos no espaço. O objectivo da missão PhoneSat da NASA, é determinar se um aparelho consumidor da classe podem ser usadas como o principal aviónica aéreas de um capaz, ainda muito barato, por satélite. transmissões de todas as três PhoneSats ter sido recebida pelo múltiplas estações terrestres na Terra, o que indica que eles estão a funcionar normalmente. A equipe PhoneSat do Centro de Pesquisa Ames, em Moffett Field, na Califórnia, vai continuar a monitorar os satélites nos próximos dias. Os satélites deverão permanecer em órbita por até duas semanas. "É sempre bom ver uma missão tecnologia espacial fazê-lo em órbita - o alto fronteira é o campo de teste final para novas e inovadoras tecnologias espaciais do futuro" disse Michael Gazarik, administrador associado da NASA para a t
ecnologia espacial em Washington. "Os smartphones oferecem uma riqueza de recursos potenciais para voar pequenos de baixo custo, satélites, poderosas para a atmosfera ou a ciência da Terra, comunicações, ou outras aplicações espaço-nascidos. Eles também podem abrir espaço para toda uma nova geração de usuários comerciais, acadêmicos e cidadãos-espaço ". Satélites constituídas principalmente dos smartphones vai enviar informações sobre sua saúde através do rádio de volta para a Terra, em um esforço para demonstrar que pode funcionar como satélites no espaço. A sonda também vai tentar tirar fotos da Terra usando suas câmeras. Operadores de rádio amador em todo o mundo podem participar da missão, monitorando transmissões e recuperação de dados de imagem a partir dos três satélites. Grande imagens serão transmitidos em pequenos pedaços e vai ser reconstruído por meio de uma rede de estações de base distribuídas. Mais informação pode ser encontrada em:PhoneSats off-the-shelf da NASA já tem muitos dos sistemas necessários para um satélite, incluindo processadores rápidos, sistemas operacionais versáteis, múltiplos sensores em miniatura, câmeras de alta resolução, receptores GPS e diversas rádios. engenheiros da NASA manteve o custo total dos componentes para os três satélites protótipo no projecto PhoneSat entre 3,500 $ e $ 7000 por meio de hardware principalmente comercial e mantendo os objectivos de concepção e de missão para um mínimo. . O hardware para esta missão é o Google, HTC Nexus One, smartphone rodando o sistema operacional Android NASA acrescentou itens de um satélite necessita que os smartphones não têm - um maior, banco de baterias de lítio-ion externa e uma mais potente de rádio para mensagens que envia a partir do espaço. A capacidade do smartphone para enviar e receber chamadas e mensagens de texto foi desativado. Cada smartphone está alojado em uma estrutura cubesat padrão, medindo cerca de 4 centímetros quadrados. O smartphone funciona como computador de bordo do satélite. Seus sensores são utilizados para a determinação de atitude e sua câmera para observação da Terra. Para saber mais sobre informações sobre o Programa de Pequenas nave espacial da NASA Tecnologia ea missão PhoneSat, visite:..
A missão PhoneSat é um projeto de demonstração de tecnologia desenvolvida através de Pequeno Programa de Tecnologia da nave espacial da agência, parte da Direcção Missão Tecnologia Espacial da NASA. A Direcção é inovar, desenvolver, testar e voar hardware para uso no futuro da ciência e missões de exploração. Investimentos em tecnologia da NASA fornecer soluções de ponta para o futuro da nossa nação. Para mais informações sobre Mission Directorate Tecnologia Espacial da NASA, visite:
NASA...SNB

Lançamento bem sucedido para Antares


NASA..SNB

ISS Atualização: Bruce Manners fala sobre o teste de lançamento Antares


NASA ...SNB

Arquivo do blog segurança nacional