sexta-feira, 12 de abril de 2013

F-35 Joint Strike batalhas lutador para o futuro


O F-35 Lightning II, mais conhecido como Joint Strike Fighter , é o mundo o mais caro programa de armas militares.
A caça de quinta geração furtivo, construído pela Lockheed Martin, é projetado para penetrar as defesas aéreas estrangeiras e reforçar EUA superioridade militar - e de seus aliados - nos anos que virão. Junto com a sua capacidade de escapar do radar, o Strike Fighter supersônico conjunta ostenta o mundo é turbofan lutador "mais poderoso", um display montado no capacete que é projetado para dar ao piloto uma visão de 360 ​​graus virtual com sensor e dados de voo, e eletrônico avançado matrizes que lhe permitam escolher alvos aéreos e terrestres.
Mas a jóia da coroa do investimento da tecnologia militar dos EUA portfolio agora está se tornando uma monstruosidade gritante para os planejadores do Pentágono que são forçados a defender seus custos inflados e atrasos enquanto os militares estão enfrentando através dos cortes de tabuleiro.
Para agravar o problema tem sido uma série de problemas técnicos de obter a exibição montado no capacete alardeada a trabalhar para descascar no revestimento da aeronave stealth. Outros problemas classificados também foram identificados. 
Mas as autoridades militares que trabalham no programa tem uma mensagem simples: quando se trata de chamadas militares megaprojetos, esses tipos de problemas estão prestes a acontecer. "Nunca é tão ruim, nem quase como boa como parece à primeira vista", o vice-almiranteDavid Dunaway , o comandante do Comando Naval de Sistemas Air, em Patuxent River, Maryland, disse a uma audiência em um comércio da Marinha mostrar esta semana em Washington área de DC. 
Enquanto divulgando progresso, Dunaway teve o cuidado de moderar as expectativas sobre os aviões, chamando o F-35 um "veículo aéreo bastante madura". O maior problema agora o programa enfrenta é a tentativa de mudar os requisitos para o avião, algo que normalmente acontece com as armas do Pentágono, onde o desenvolvimento pode esticar ao longo dos anos e até mesmo décadas.
Tais mudanças, que inevitavelmente adicionar complexidade, muitas vezes são feitas sem considerar os custos potenciais. "A mudança vai matar o programa", disse Dunaway enfaticamente.
"Trilhões de dólares fighter '
O F-35 está sendo desenvolvido em três variantes que venham a ser utilizados pela Força Aérea dos EUA, Marinha, Corpo de Fuzileiros Navais, bem como outros oito países que se comprometeram a compra da aeronave e estão ajudando a pagar para o seu desenvolvimento. A teoria era de que ter uma estrutura básica comum entre os três serviços que ajudam a manter os custos baixos.
Os EUA da Força Aérea vai voar o F-35A, que decola e pousa como um avião convencional, enquanto a Marinha vai ter o F-35C, que pode operar a partir de porta-aviões. A mais complexa das três variantes é a decolagem curta e aterragem verticais (STOVL) da aeronave que é suposto ser capaz de operar sem a necessidade de uma pista tradicional.
Que a versão da aeronave, conhecido como F-35B, tem o que é chamado um "bico de vectorização de impulso", que desvia de escape do motor para obter a elevação vertical que permite que a aeronave a pairar. A versão do STOVL primeiro a entrar em serviço - será usado pela Marinha dos EUA Corps e da Royal Navy.
Embora os primeiros aviões há muito que foi entregue para testes, a aeronave do futuro continua a bater turbulência. O motor de um F-35A desenvolveu uma rachadura que temporariamente terra toda a frota no início deste ano, o gancho de cauda para o F-35C, o que lhe permite pousar em um porta-aviões, teve de ser redesenhado por fabricante de aviões Lockheed Martin, e existem preocupações de que o calor intenso do motor da aeronave pode pôr em perigo a tripulação e equipamento de porta-aviões a bordo (funcionários que falam no show disse que eles estão olhando para os revestimentos de proteção).
BBC NEWS...SNB

Microsoft divulga solução para problema com atualização do Windows 7


Três dias após liberar uma atualização de Windows 7 que travou computadores de usuários brasileiros, a Microsoft publicou, nesta sexta-feira, instruções de como desinstalar o pacote e resolver o problema.
Segundo a empresa, o erro acontece quando a atualização de segurança 2823324, criada para resolver uma brecha do sistema, é "colocada lado a lado com certos software de terceiros", sem especificar quais seriam estes softwares.
Na nota publicada em seu blog, ainda afirma que o problema não causa perda de dados nem afeta todos os usuários do Windows 7.
ERRO
Após a instalação do pacote que foi liberado na última terça-feira, usuários relataram que a máquina deixava de iniciar. A animação com o logotipo do Windows chega a ser exibida, segundo relatos, mas volta à etapa zero logo em seguida, ficando em "loop" permanente, e o sistema nunca era acessado.
Valério Kürten Baratter foi um dos afetados e recorreu a um profissional para a solução. "Acabei de pagar R$ 80 para um técnico para solucionar o problema", diz.
Pelo Facebook, o usuário José Maria disse que restaurou o sistema e perdeu arquivos no processo.
INCOMPATIBILIDADE
Segundo o especialista em segurança digital Marcos Tupinambá, o erro acontece devido a uma incompatibilidade da atualização com um programa chamado GBPlugin, requerido por alguns sites de bancos para acesso aos serviços on-line ("internet banking").
"Esta incompatibilidade é mais assustadora pois este módulo é utilizado por diversos grandes bancos brasileiros como o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander", disse Tupinambá à Folha.
"Agora fica, por enquanto, a dura escolha para o usuário entre o importante sistema de segurança dos bancos e a tão importante quanto atualização de segurança da Microsoft."
SOLUÇÃO
Veja como a Microsoft recomenda que o problema seja resolvido:
  • Se a atualização 2823324 já foi instalada, mas o computador ainda não foi reiniciado, há três opções:
Opção 1: Desinstalar manualmente a atualização
  1. No Painel de Controle, abra "Programas" e depois "Atualizações instaladas de modo de exibição"
  2. Selecione "Atualização de Segurança para Microsoft Windows (KB2823324) e clique em "Desinstalar".
Opção 2: Incorporar uma linha de comando de desinstalação num script personalizado
Se vários computadores foram afetados e você quiser rodar um script remotamente para remover a atualização, pode usar o seguinte comando para fazê-lo silenciosamente:
wusa.exe /uninstall /kb:2823324 /quiet /norestart
Opção 3:Rodar um script de remoção remotamente usando PSEXEC
Se vários computadores foram afetados e você quiser rodar um script remotamente para remover a atualização, pode usar o seguinte comando para fazê-lo:
Psexec -d -s \\remotemachine wusa.exe /uninstall /kb:2823324 /quiet /norestart
  • Se a atualização já foi instalada e está impedindo que o Windows seja iniciado, também há três opções:
Opção 1: Recuperar o último ponto de restauração
  1. Pressione a tecla F8 repetidas vezes durante a inicialização
  2. Selecione "Reparar seu computador"
  3. Escolha o idioma and faça login. (Se não souber a senha, precisará iniciar o sistema através de um DVD do Windows ou de um disco de inicialização USB)
  4. Escolha "restauração de Sistema" no menu.
  5. Restaurar o último ponto de restauração. Isso desinstala a atualização de segurança.
  6. Reinicie o computador normalmente
Opção 2: Recuperar o último ponto de restauração
  1. Pressione a tecla F8 a inicialização
  2. Selecione "Reparar seu computador"
  3. Escolha o idioma and faça login. (Se não souber a senha, precisará iniciar o sistema através de um DVD do Windows ou de um disco de inicialização USB)
  4. Selecione "Prompt de Comando" no menu
  5. Na janela do Prompt de Comando, rode o seguinte comando:
  6. dism /image:C:\ /cleanup-image /revertpendingactions
  7. Reinicie o computador normalmente
Opção 3: Desinstalar a atualização de segurança 2823324 pela linha de comando
  1. Pressione a tecla F8 durante a inicialização
  2. Selecione "Reparar seu computador"
  3. Escolha o idioma and faça login. (Se não souber a senha, precisará iniciar o sistema através de um DVD do Windows ou de um disco de inicialização USB)
  4. Selecione "Prompt de Comando" no menu
  5. Na janela do Prompt de Comando, rode o seguinte comando:
  6. dism /image:C:\ /get-packages
  7. Procure nos resultados a atualização 2823324.
  8. Copie o nome do pacote e cole como é mostrado abaixo:
  9. dism /image:C:\ /remove-package /PackageName:Package_for_KB282332431bf3856ad364e35x86~~6.1.1.1
  10. Você vai receber uma mensagem avisando que a desinstalação foi bem-sucedida
  11. Reinicie o computador normalmente
 FOLHA DE S PAULO ...SNB

Brasil compra arma antiaérea para Copa das Confederações e Papa

Tahiane Stochero
Do G1, em São Paulo


O Brasil comprou um sistema de artilharia antiaérea alemão, composto por 34 carros de combate Gepard capazes de abater mísseis, aviões, helicópteros ou drones (aviões não tripulados) a até 15 km de distância e até 3 km de altitude, para garantir a segurança dos grandes eventos.
Os blindados são usados, pertencem ao Exército da Alemanha, e sofreram uma remodelação, tendo sido "recuperados" em 2010, recebendo novas tecnologias que podem operar até 2030.
"O contrato será assinado ainda nesta semana ou, no máximo, na próxima (até o dia 19)", afirmou o comandante da Brigada de Artilharia Antiaérea, general Marcio Roland Heise, ao G1.
Oito blindados chegarão ao país em caráter emergencial até junho e ficarão em Brasília, para a abertura Copa das Confederações - o Brasil enfrenta o Japão no dia 15, no Estádio Nacional.
“Pretendo estar com toda a tropa preparada e treinada para atuar com o novo sistema na abertura e no encerramento da Copa das Confederações e na visita do Papa, para garantir a segurança de quem estiver nos estádios”, disse.

“As duas baterias antiaéreas, com 16 carros cada uma, não virão imediatamente. Os oito primeiros queremos que cheguem rápido. Passarão por ajustes no Brasil para a Copa das Confederações. Os demais serão enviados até 2015”, acrescentou ele. Outros dois outros carros ficarão em uma escola militar, para instrução.
Os blindados Gepard 1A2 pesam 47,5 toneladas, possuem 7,7 metros de altura e 3,7 de comprimento. São equipados com dois canhões Oerlikon de 35 mm, que trabalham em conjunto um sistema de radares com campo de visão de até 15 km de raio. A fabricante informa que eles atingem alvos até 5,5 km de altura, mas, no Brasil, serão usados a baixa altitude (até 3 km).
O Exército informou oficialmente que o contrato será assinado "nos próximos dias (com o Ministério da Defesa da Alemanha), com base em valores que ainda estão sendo negociados".
Em fevereiro, o vice-presidente, Michel Temer, assinou uma intenção de compra para adquirir um sistema de artilharia antiaérea da Rússia que tem capacidade de atingir alvos a até 15 km de altitude. O Brasil não tem atualmente esta tecnologia, que é uma exigência da Fifa para a Copa do Mundo. Em 2012, o G1 mostrou a situação do sucateamento do Exército, que possui armas antiaéreas da década de 70, classificados pelo general Heise na época como “defasados tecnologicamente”.
Carros são usados e reformuladosSegundo o oficial, o valor da negociação só será divulgado após a assinatura do contrato. “Foi uma proposta muito boa que recebemos pela qualidade altíssima do material”, diz.
Notícias divulgadas pela imprensa alemã apontam que a oferta da empresa Krauss-Maffei Wegmann (KMW), que vende o sistema, seria de 30 milhões de euros (cerca de R$ 77 milhões). O representante da empresa no Brasil informou que, como a negociação é entre os Exércitos de Brasil e Alemanha, só iria se manifestar após a assinatura do contrato.
“Os carros foram reformulados, receberam novo sistema de radares e computadores, canhões de 35 mm e tecnologia de guiamento, que seguem o alvo mesmo se ele desviar. O Exército alemão iria o usar os blindados, mas a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) mudou algumas diretrizes em relação à defesa antiaérea e eles tiveram que deixá-los de lado”, afirmou o general.
Em 15 de março deste ano, o Boletim do Exército publicou uma portaria aprovando critérios para a aquisição e implantação do sistema antiaéreo Gepard. O texto apresentava como argumentos para a compra a proteção das duas brigadas do país que abrigam blindados e também de estruturas estratégicas, como usinas hidrelétricas, e que seriam essenciais para uma eventual guerra.
Elas estão localizadas em Ponta Grossa (PR) e em Santa Maria (RS). Entre 17 e 20 de março, 20 militares já receberam instruções em Hardheim, na Alemanha, para conhecer as novas armas.
O documento do Exército cita o Gepard como "um sistema de armas autônomo e altamente móvel, com alta prontidão operacional, pequeno tempo de reação e capaz de fazer frente a uma variada gama de ameaças".
Em 2011, o Exército realizou um teste em Formosa (Goiás) para avaliar as capacidades dos canhões. “Nas nossas avaliações, ele foi o único que conseguiu destruir um aeromodelo na distância para o qual é habilitado”, argumentou o general Heise.
A oferta da KMW inclui ainda peças de reposição, suporte técnico, treinamento e transferência de tecnologia. Durante a Copa das Confederações e a visita do Papa, os blindados não ficarão "à vista do público", mas serão colocados em locais estratégicos em que possam ter visão de possíveis alvos.

Artilharia para a CopaA compra dos equipamentos alemães não supre a necessidade do Brasil para a Copa, pois eles não possuem a capacidade de atingir alvos a até 15 km de altitude, uma das exigências da Fifa. Atualmente, o Brasil não possui esta capacidade.
Para ter uma ideia da importância da artilharia de médio alcance, todos os países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) têm esta capacidade de abate nesta altura. Nenhum na América Latina conta com o instrumento.
Em fevereiro, a presidente Dilma Rousseff recebeu em Brasília o primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev, para negociar a aquisição deste sistema a médio alcance e uma carta de intenção de compra foi assinada. Brasil pretende comprar duas baterias antiaéreas do modelo Igla, de baixo alcance, e três do modelo Pantsir-S1, de médio alcance. O valor da negociação não foi informado pelo governo.
Segundo o general Heise, as negociações com a Rússia estão ainda em andamento. “A Copa do Mundo está em cima da hora, temos menos de um ano e meio para nos prepararmos, mas acredito que dará tempo para chegar tudo e prepararmos a tropa para operar os equipamentos”, disse ele.
Uma proposta para modernização do sistema brasileiro apresentada pelo Exército tinha o custo de R$ 2,354 bilhões. Contudo, o Livro Branco de Defesa Nacional, divulgado em 2012 pelo Ministério da Defesa, estimava em R$ 859,4 milhões a previsão de investimentos na área até 2023.
G-1..SNB

Grupo de elite da Marinha acaba de receber modernos minissubmarinos

Raphael Gomide
do iG Rio


Rio - Em 1941, na 2ª Guerra Mundial, seis ‘homens-rãs’ da Marinha italiana, com garrafas de oxigênio que duravam até 6h, saíram de um submarino perto de Alexandria e entraram em minissubmarinos com torpedos. A embarcação, de 1,5 tonelada e 6,7 metros, tinha velocidade de 2 nós (3,7 km/h) e comportava dois militares sentados.
Eles entraram no porto sem ser detectados e plantaram explosivos que afundaram dois navios de guerra e um navio-tanque britânicos, total de 80 mil toneladas. A história é analisada em detalhes no livro “Spec Ops” (Operações Especiais, em tradução livre), do almirante William McRaven, titular do Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos e chefe do Comando Conjunto de Operações Especiais quando os Seals norte-americanos mataram Bin Laden, em 2011.
O Grumec (Grupamento de Mergulhadores de Combate), unidade de elite da Armada da Marinha Brasileira, acaba de receber minissubmarinos americanos da Stidd Systems, expostos na LAAD (Feira Internacional de Defesa e Segurança), no Rio. Os equipamentos navegam a 8 nós (15km/h), “muito rápido debaixo d’água”, explica o capitão de corveta Cláudio Pereira da Costa.
No Brasil, a unidade da Marinha é a designada para fazer retomadas de plataformas de petróleo e navios e combate à pirataria naval, além de contraterrorismo e abordagem a navios hostis. Um destacamento integra a força naval da Missão da ONU no Líbano.
BLINDADOS
Será assinado até o dia 19 o contrato de compra pelo Brasil de 34 carros de combate Gepard, da artilharia antiaérea alemã. Os equipamentos já foram usados pelo exército alemão e remodelados. Oito chegarão neste semestre para a Copa das Confederações e a visita do Papa Francisco. Eles derrubam alvos a 15 km e até 3 km de altitude.
O DIA ...SNB

Dilma vai fazer rara visita de Estado aos Estados Unidos, diz agência

BRIAN WINTER
DA REUTERS, EM SÃO PAULO


A presidente da República, Dilma Rousseff, vai realizar a primeira visita de Estado formal de um líder brasileiro aos Estados Unidos em quase duas décadas, um marco diplomático para uma potência emergente que já entrou em conflito com Washington mas está ansiosa por laços mais próximos e reconhecimento de seu crescente prestígio.
O presidente Lula esteve no país, mas sua viagem não teve o mesmo status.
A viagem ocorrerá daqui a alguns meses, provavelmente em outubro que vem, disseram autoridades à agência de notícias Reuters sob condição de anonimato porque a Casa Branca ainda não anunciou a visita. Uma porta-voz da Casa Branca recusou-se a comentar.
Uma visita de Estado, que inclui elaboradas formalidades como um jantar formal e uma cerimônia militar no momento da chegada, é geralmente reservada para os parceiros estratégicos mais próximos de Washington.
"São ótimas notícias, há muito esperadas", disse o diretor do Instituto Brasil do Wilson Center, em Washington, Paulo Sotero. "Mostra que os Estados Unidos realmente valorizam a relação, que é o que o Brasil mais quer ouvir.A melhora nos laços diplomáticos provavelmente vai reacender esperanças por um tratado amplamente desejado para evitar dupla taxação sobre empresas norte-americanas e brasileiras, além da chance de maior comércio entre as duas maiores economias do Hemisfério Ocidental.
O comércio bilateral totalizou cerca de US$ 59 bilhões no ano passado, mas a economia brasileira permanece relativamente fechada a importações e sua população de 200 milhões é considerada um mercado de grande crescimento potencial para companhias dos EUA.
A recepção de tapete vermelho também é uma grande vitória para Dilma, uma líder de esquerda porém pragmática. Ela buscou relações mais próximas com os EUA mas sentiu-se esnobada quando o presidente dos EUA, Barack Obama, não a recebeu com uma cerimônia mais elaborada durante uma visita à Casa Branca em abril de 2012.
As relações têm sido cordiais, porém marcadas por desacordos.
O Brasil tem se sentido frustrado pela aparente falta de apoio de Washington em sua campanha por uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e outras demonstrações de reconhecimento de sua crescente influência global após forte expansão econômica na última década.
PROBLEMAS
O antecessor de Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, irritou Washington ao bloquear discussões sobre o comércio no continente e ao tentar alcançar um acordo para dar fim a um impasse global sobre o programa nuclear iraniano em 2010, último ano de sua Presidência.
Dilma, em contraste, tem evitado lidar com o Irã, dando mais ênfase a direitos humanos nas relações estrangeiras brasileiras e também assumiu uma distância relativa da Venezuela, antagonista mais vocal de Washington na América latina.
Sotero disse que a visita de Obama a Brasília em março de 2011 marcou o início de um "recomeço" nas relações. "Por um tempo, houve muito pouco diálogo", disse Sotero. "Essa (visita de Estado) me dá mais otimismo de que nos afastamos completamente disso".
Não está claro se Dilma será um parceiro mais entusiasmado em questões comerciais do que era Lula.
A recente desaceleração econômica no Brasil e o tensionamento dos laços de Brasília com a Argentina, um importante parceiro econômico, alimentaram especulações de que Dilma pode estar disposta a pressionar por laços comerciais com os EUA ou a União Europeia.
No entanto, ela também implementou aumentos tarifários específicos para proteger indústrias brasileiras do que ela chama de uma "guerra cambial" travada por países ricos para depreciar suas moedas.
O último presidente brasileiro a fazer uma visita de Estado aos EUA foi Fernando Henrique Cardoso em 1995.
FOLHA DE S PAULO  REUTERS, 
SNB

Atualização do Windows 7 trava PCs no Brasil


Foto: Reprodução/Clube do Hardware
Anna Carolina Papp
Mariana Congo

SÃO PAULO – Uma atualização do Windows 7 disponibilizada pela Microsoft nesta terça-feira, 9, está causando transtornos aos usuários brasileiros. Depois de executada, a atualização de segurança KB2823324 impede a inicialização do computador.
—-
• Siga o ‘Link’ no Twitter, no Facebook, no Google+ no Tumblr e no Instagram
Na tela, um aviso solicita repetidamente a realização de um reparo, que não funciona. Logo depois, computador é reiniciando automaticamente. A atualização foi distribuída para corrigir uma falha de segurança no código do Windows responsável pelo sistema de arquivos.
A Microsoft informou que está ciente do erro e que o problema está localizado apenas no Brasil. A empresa diz estar trabalhando para resolvê-lo. “Nós estamos cientes de que clientes podem estar enfrentando dificuldades após executarem ontem a atualização de segurança KB2823324 do Windows 7″, disse a empresa em nota. “Nos desculpamos por qualquer inconveniente que possa ter sido causado aos nossos clientes.”
Consumidor. O Procon-SP notificou a Microsoft nesta quinta-feira para que a empresa detalhe o problema ocorrido e apresente uma solução aos clientes.
Segundo o diretor de fiscalização do Procon-SP, Márcio Marcucci, os consumidores que sofreram algum dano econômico em função da falha de atualização do Windows 7 têm direito a acionar a Microsoft judicialmente. “Se a pessoa usa o equipamento para trabalhar, é possível mensurar o prejuízo e pedir o ressarcimento para a empresa”, exemplifica Marcucci.
Por enquanto, a empresa ainda não divulgou uma solução oficial para o problema. Enquanto isso, alguns usuários publicaram dicas e vídeos com algumas opções de solucionar o problema. Veja se algumas destas opções se aplica a você:
Prompt de Comando
1) Pressione F8 várias vezes enquanto o Windows estiver iniciando;
2) Selecione a opção “Prompt de Comando”;
3) Digite dism.exe /image:C:\ /cleanup-image /revertpendingactions;
4) Aperte Enter.
Se o comando não funcionar:
1) Digite cd C:\windows\winsxs e aperte Enter;
2) Digite o comando rename pending.xml pending.xml.bak
3) Aperte Enter.
Restauração do Sistema
1) Pressione F8 várias vezes enquanto o Windows estiver iniciando;
2) Escolha “Reparar seu computador”;
3) Digite a senha de administrador do sistema (se não souber, tente uma senha vazia ou a senha do seu usuário);
4) Selecione “Restauração do Sistema”;
5) Opte por uma data anterior à instalação da atualização (que deve ser de 9 ou 10 de abril);
6) Quando retornar à tela anterior, selecione “Reparo de Inicialização” e depois reinicie o PC.
Caso não haja a opção “Reparar seu computador”:
1) Pressione F8 repetidamente enquanto o programa estiver iniciando;
2) Selecione “Prompt de Comando”;
3) Digite o comando “rstrui” e aperte Enter;
4) Escolha uma data anterior à instalação da atualização (que deve ser de 9 ou 10 de abril);
5) Quando retornar à tela anterior, selecione “Reparo de Inicialização” e depois reinicie o computador.
Substituição de arquivo
1) Inicie o computador com a mídia de instalação do Windows
2) Entre no console de recuperação
3) Abra o “Command Prompt”
4) Abra o “Notepad.exe”  (para facilitar a navegação no Explorer)
5) Vá na pasta %windir%\system32\drivers e verifique se a versão do arquivo “ntfs.sys” que está instalada é a mesma do KB: http://support.microsoft.com/kb/28233246) Se sim, renomeie o arquivo ntfs.sy” para ntfs.sys_old7) Vá na pasta %windir%\winsxs e localize um arquivo ntfs.sys em versão mais antiga
8) Copie o arquivo mais antigo para a pasta %windir%\system32\drivers9) Reinicie o sistema.
Última configuração
1) Pressione F8 várias vezes enquanto o Windows estiver iniciando;
2) Selecione “Última configuração válida”.
É possível encontrar outras sugestões em fóruns e sites, como aqui, aqui e aqui.
Alguma dessas opções funcionou com você? Tem outra dica? Dê o seu relato nos comentários
ESTADO DE S PAULO ..SNB

Lançamento do CBERS-3 fica para outubro

Herton Escobar

O lançamento do satélite sino-brasileiro CBERS-3 foi agendado para outubro, segundo informações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), confirmadas hoje pelo Estado.
A nova data, que ainda não foi anunciada oficialmente, foi citada ontem (terça-feira, 9) pelo ministro Marco Antonio Raupp em um encontro com lideranças da comunidade científica na sede da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) em São Paulo.
O lançamento do satélite, que é peça crucial no planejamento do Programa Espacial Brasileiro, estava previsto para ocorrer no fim do ano passado. Problemas técnicos detectados em algumas peças (conversores de energia) compradas de uma empresa norte-americana, porém, forçaram um adiamento. Em entrevista ao Estado em 17 de janeiro, o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Leonel Perondi, disse que a nova previsão era de lançar o CBERS-3 em meados deste ano, por volta de maio ou junho — desde que novos testes confirmassem a segurança de operação dos conversores. (Para mais detalhes, veja a reportagem anterior sobre o tema, publicada em janeiro.)
O novo cronograma, com lançamento previsto para outubro, foi acertado com os chineses na semana passada, durante uma viagem de Perondi e do presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Coelho, ao país asiático. O projeto é desenvolvido em parceria pelo Brasil e a China, dentro de um programa conjunto de desenvolvimento e lançamento de satélites de observação da superfície terrestre, iniciado em 1988 (histórico completo na página do Inpe). O CBERS-3 é o quarto da série, depois do CBERS-1, CBERS-2 e CBERS-2B. O custo do satélite é de US$ 125 milhões para cada país, aproximadamente.
O Inpe e a AEB foram procurados pelo Estado, mas não confirmaram (nem desmentiram) a nova data de lançamento, apesar da confirmação dada pelo MCTI ao jornal.
notimp...SNB


LAAD (FAB TV) - KC-390 é estratégico para a nossa soberania, afirma chefe do EMAER

O programa de desenvolvimento do avião cargueiro e reabastecedor KC-390 recebeu sinal verde para a fase de construção dos protótipos após a revisão crítica do projeto, finalizada em março. O projeto é considerado estratégico para a soberania do espaço aéreo e dará mais mobilidade militar, afirma o chefe do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), Tenente-Brigadeiro do Ar Aprígio Eduardo de Moura Azevedo. Veja:

Fonte: Agência Força Aérea
SNB

Arquivo do blog segurança nacional