terça-feira, 9 de abril de 2013

Boeing revela atualizados F / A-XX sexta-gen conceito lutado


Boeing conceito também possui canards, o que é um pouco de uma surpresa, porque o movimento dessas superfícies de controle montados em frente é geralmente aceite que comprometer radar frontal de uma aeronave furtiva de seção transversal. Mas a falta de superfícies verticais da cauda sugere a aeronave seria otimizado para todo o aspecto invisível de banda larga, o que seria necessário para operações em ambientes mais desafiadores anti-access/area negação.
Também de nota, na versão tripulado de F da empresa / A XX-conceito é a colocação da visibilidade do cockpit retaguarda parece estar restringido, sem o auxílio de um aparelho sensor semelhante aoF-35 do sistema de abertura da distribuição de seis infravermelho câmeras.
O Boeing F / A-XX conceito é uma resposta a um pedido de informações USN (RFI) a partir de abril 2012 solicitando dados para um substituto para o serviço do Boeing F/A-18E/F Super Hornet e frotas EA-18G em 2030 . Super Hornet da frota está prevista para começar a atingir o fim do jato 9000h vida útil durante esse período de tempo.
"A intenção desta pesquisa é o de solicitar insumos sobre soluções candidatos para CVN [de propulsão nuclear porta-aviões] aviões baseados fornecer supremacia aérea com uma capacidade de ataque multi-função em um anti-access/area negado (A2AD) ambiente operacional, "o RFI marinha indicado. "Missões primárias incluem, mas não estão limitados a, guerra aérea (AW), a guerra de greve (STW), superfície guerra (RSU), e apoio aéreo aproximado (CAS)."
Os líderes da Marinha havia dito na época que eles esperam que qualquer novo F / A XX-projeto a têm aumentado muito ampla e oferecer muito superior em comparação com o desempenho cinemático aeronaves táticas existente.
flightglobal.com/..SNB

Embraer eleva negócios com Super Tucano

Virgínia Silveira
Para o Valor, de São José dos Campos

A Embraer vendeu mais nove turboélices de ataque leve Super Tucano para dois países, um da América Central e outro da África. Segundo o Valor apurou, um desses países é a Guatemala, mas a empresa informou que só revelaria o nome dos novos clientes do Super Tucano hoje, durante a Laad, feira internacional de defesa e segurança, que acontece no Rio de Janeiro.
A fabricante brasileira também negocia a venda de Super Tucano para vários países da África e o Senegal é um dos clientes onde a negociação estaria mais avançada, segundo o Valor apurou.
O presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar, disse que a novidade de um dos novos contratos do Super Tucano é que, pela primeira vez, a Embraer estará exportando, junto com a aeronave, um software inteligente, do sistema de apoio a decisão do centro de comando e controle de informações estratégicas daquele país. Esse sistema inteligente será desenvolvido pela Atech, empresa do grupo Embraer.
A Embraer já vendeu um sistema similar para o México, mas estava relacionado à venda de cinco aeronaves de vigilância. "A principal diferença é que no México a Embraer precisou subcontratar várias empresas estrangeiras para o desenvolvimento do software e agora apenas a Atech será responsável por todo o trabalho", explica o executivo.
O contrato com a Guatemala já vinha sendo negociado há mais de dois anos, mas ainda aguardava ser aprovado pelo Congresso da República Guatemalteca. Da mesma forma, o sistema de financiamento da compra também estava sendo analisado pelo Ministério de Finanças Públicas do país.
As novas vendas do Super Tucano, segundo Aguiar, já são um reflexo da vitória da empresa na concorrência da Força Aérea dos EUA (da sigla em inglês Usaf), que abriu portas para o produto brasileiro. Tanto que a Embraer acaba de refazer as estimativas das vendas potenciais do avião, de US$ 3,5 bilhões para US$ 4,1 bilhões até 2025. Este número, de acordo com Aguiar, representa 344 unidades, ante as 300 anteriormente previstas.
"A vitória no processo chamou a atenção do mundo para o nosso produto. O nível de interesse aumentou em vários países e acreditamos que a tendência é de ampliarmos as vendas cada vez mais", disse o executivo.

O fornecimento de 20 Super Tucano para os EUA foi anunciado em janeiro. O contrato, a primeira venda de um produto militar da empresa para o governo americano, tem valor inicial de US$ 427,5 milhões, mas poderá alcançar a cifra de US$ 1 bilhão, com a encomenda de mais 30 aeronaves.
O Super Tucano acumula até o momento um número superior a 210 encomendas, das quais mais de 170 já foram entregues. Além dos dois novos clientes que serão anunciados hoje, a aeronave já foi vendida para cinco países da América Latina (Brasil, Colômbia, Equador, Chile, e República Dominicana), três da África (Burkina Faso, Mauritânia e Angola), Indonésia e EUA.
A Embraer também vai mostrar na Laad todos os indicadores de performance do cargueiro KC-390 e as novas estimativas de vendas da aeronave, que já começou as campanhas de venda pelo mundo, com a conclusão do desenvolvimento da configuração do avião. A empresa também já deu início à produção dos dois primeiros protótipos. A primeira venda será anunciada no primeiro trimestre de 2014.
Aguiar afirmou ainda que a Embraer fez uma atualização do mercado potencial do KC-390, tendo em vista que mais aviões dessa categoria estão sendo aposentados e precisam ser substituídos. A última estimativa da empresa revelou que o KC-390 teria potencial para disputar um mercado de 700 aeronaves, num prazo de 10 anos, o que representa um volume de negócios da ordem de US$ 13 bilhões.
SNB

LAAD - Conheça os projetos que a FAB apresenta na maior feira de defesa da América Latina


Os três maiores projetos em desenvolvimento pela Força Aérea Brasileira (FAB) são o destaque na LAAD Defence e Security, a maior feira de defesa e segurança da América Latina, realizada no Rio de Janeiro de dois em dois anos. A FAB expõe nos estandes no Riocentro a modernização dos caças subsônicos A-1, imagens exclusivas da nova aeronave de transporte e reabastecimento em voo KC-390 e os veículos aéreos não-tripulados, chamados de ARP (aeronave remotamente pilotada).
Conhecido como AMX, o primeiro A-1 modernizado deve deixar a fábrica da Embraer em Gavião Peixoto, no interior paulista, até o final de abril. O KC-390 também fabricado pela empresa brasileira, a partir de requisitos da FAB, tem voo inaugural previsto para 2014. Os dois ARP’s israelenses comprados recentemente têm estreia marcada nas operações de fronteira do Ministério da Defesa e em junho, na Copa das Confederações. O Esquadrão Hórus emprega o modelo desde 2011 em operações realizadas no Brasil inteiro.
Para o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, a feira que vai reunir 700 expositores e mais de 30 mil visitantes, entre eles 60 delegações estrangeiras, é uma oportunidade de transformar demandas em produtos, necessidades em ofertas e objetivos em soluções. Ele ressalta que a preocupação da FAB é fomentar projetos que estejam ligados ao desenvolvimento da indústria nacional de defesa. “Os nossos projetos comprovam que as Forças Armadas têm compromisso em fomentar a tecnologia e a inovação no país”, afirma.
Além dos três projetos, a FAB apresenta sistemas adotados a partir de experiências, pesquisas e tecnologias desenvolvidas na área de logística, comunicações, controle do espaço aéreo e tecnologia aeroespacial. O robô Pioneer III Aria, por exemplo, do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) de São José dos Campos, estará exposto na feira.

Segundo o diretor-geral da organizadora da LAAD, Sérgio Jardim, a participação da indústria nacional é a que mais cresceu nas duas últimas edições. “Neste ano, 30% do espaço será ocupado pelos fabricantes brasileiros”, revela. De acordo com a Associação Brasileira que reúne as indústrias de materiais de Defesa e Segurança, o mercado gera cerca de 30 mil empregos diretos, 120 mil indiretos e movimenta mais de US$ 4 bilhões por ano.
SERVIÇO
Evento: LAAD Defence & Security 2013
Local: Riocentro, Rio de Janeiro - RJ
Datas e horários: 9, 10 e 11 de abril: das 10 às 18 horas
12 de abril: das 10 às 17 horas
Website: www.laadexpo.com.br
Credenciamento de visitantes à exposição:
Entrada franca somente para profissionais do setor
Via website do evento: até 8 de abril de 2013
No local: de 9 a 12 de abril de 2013
Fonte: Agência Força Aérea
SNB

Helibrás vai desenvolver helicóptero brasileiro, diz executivo


A Helibrás vai desenvolver e fabricar um helicópero brasileiro e até o fim de 2013 decidirá que classe de aeronave vai ser desevolvida em sua fábrica em Itajubá, Minas Gerais. Eduardo Marson, presidente da empresa, disse nesta segunda-feira (8) que o modelo deverá ser apto tanto ao uso civil como militar e deve ser capaz de atrair compradores no Brasil e no exterior.
Segundo o executivo, o investimento no helicópero brasileiro, dependendo do modelo a ser desenvolvido, vai variar de € 300 milhões a € 600 milhões. A escolha do Brasil para a criação de uma nova aeronave se deu principalmente pela "disponibilidade de engenharia e pelas escolas fortes", disse Marson.A Universidade Federal de Itajubá criou um curso de engenharia de aeronáutica voltado para helicópteros  e tem ainda um centro de tecnologia de helicópteros", explicou o executivo, que está no Rio de Janeiro para participar da Latin America Aerospace and Defence (Laad), que começa na terça-feira (9) no Riocentro reunindo empresas do setor de defesa e segurança.
Com uma encomenda de 50 helicópteros para as Forças Armadas – sete deles já entregues e os demais com prazo de entrega até 2017 – a Helibrás espera estar faturando em três anos R$ 1 bilhão. Hoje o faturamento da empresa, que há 35 anos está no Brasil, é de R$ 200 milhões. A empresa vai investir mais forte no setor de serviços, que pesa 30% em seu faturamento.
"Temos que crescer mais no setor de serviços porque  o offshore é um heavy user", disse Marson. 
O executivo calcula que a indústria de óleo e gás tem um décit de cem helicópteros para o trabalho no offshore brasileiro. E o cenário para a empresa é promissor. Segundo Marson, existe ainda um memorando de entendimento com a Líder para a compra de 14 helicópteros.
A Helibrás é uma das divisões do Grupo Eads e é a única fabricante sul-americana de helicópteros e única subsidiária integral da EurocopterA empresa, que em 2009 tinha 260 funcionários, hoje tem 769 e vai terminar 2013 com 850, chegando aos mil funcionários em 2014. De sua fábrica saem por ano 40 novos helicópteros pequenos, tipo Esquilo, e 13 de grande porte. Marson adiantou que em 2015 a Helibrás estará produzindo 16 helicópteros de grande porte por ano.
O Grupo Eads considera o Brasil um país estratégico para o desenvolvimento de seus negócios não apenas para atender ao mercado interno, mas também para exportar seus equipamentos, disse Marson.
"Estamos aqui há muito tempo. E estamos alinhados com a estratégia do Brasil no desenvolvimento da defesa e de uma indústria sustentável. O Brasil pode ser  um hub", comentou Anne Tauby, vice-presidente sênior para a América Latina da Eads.
A executiva disse que é importante a perspectiva do grupo na América Latina, que representa 11% do total dos negócios da Eads, quando cinco anos atrás sua representação era de 5%. A Eads é líder mundial nos segmentos aeroespacial e de defesa e inclui as empresas Airbus, Astrium, Cassidian e Eurocopter. O grupo tem mais de 140 mil funcionários e registrou uma receita de € 56,6 bilhões em 2012.
G-1..SNB

Marinha americana prepara sistema de laser para neutralizar inimigos


A Marinha dos Estados Unidos anunciou que está desenvolvendo um sistema de laser no mar capaz de neutralizar pequenos barcos inimigos e derrubar drones (veículos aéres não-tripulados) de vigilância. O sistema será utilizado a partir de 2014, dois anos antes do previsto, a bordo do USS Ponce, um navio de transporte anfíbio, anunciou a Marinha.
O almirante Matthew Klunder, diretor de pesquisa naval (ONR), informou que o custo de um disparo laser de "energia dirigida" poderia ser inferior a um dólar. "Comparem isto com as centenas de milhares de dólares que custa um disparo de míssil e verão os méritos do sistema", disse o almirante.
A Marinha já testou com sucesso o sistema contra alvos móveis no mar e contra um drone
AFP........SNB

Arquivo do blog segurança nacional