quarta-feira, 3 de abril de 2013

Farcs têm mísseis capazes de derrubar aviões


Bogotá - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farcs) teriam adquirido mísseis terra-ar capazes de derrubar aviões, segundo o general John Kelley, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos (EUA).A informação foi divulgada em estudo apresentado pelo general nesta terça-feira (2), ao Congresso norte-americano. O exército colombiano confirmou hoje ter conhecimento da existência do armamento.
Embora não tenha tido acesso ao documento dos EUA, o general Alejandro Navas, comandante das Forças Armadas da Colômbia, disse que ano passado, o exército colombiano encontrou pedaços dos mísseis.
"Não sabemos aonde e nem de quem os mísseis foram adquiridos, mas é certo que passaram por muitas mãos. São armas da Segunda Guerra Mundial e foram usados no Afeganistão", acrescentou Navas, em entrevista ao jornal colombiano El Tiempo.
Segundo o general, os mísseis não podem ser subestimados. "É preciso estar em alerta, mas sabemos que este armamento nunca foi usado pelas Farcs", declarou.
O ministro da Defesa do país, Juan Carlos Pinzón, falou sobre os mísseis, em tom diferente, desqualificando o potencial do arsenal. "Nossa inteligência encontrou este tipo de material bélico inútil, que já está destruído", afirmou na manhã de hoje.
O estudo apresentado nos Estados Unidos disse que os mísseis teriam sido adquiridos pelas Farcs na tentativa de "equilibrar" o conflito, porque o exército colombiano tem levado vantagem aérea nos combates.
"Os bilhões de dólares que as Farcs arrecadam com o tráfico de drogas permite a compra deste tipo de mísseis e financiar a construção de submarinos para o transporte da cocaína", disse John Kelley durante a audiência.
Quanto ao processo de paz entre as Farcs e o governo colombiano, o general americano mostrou ceticismo. "O conflito interno está longe de terminar e um acordo na mesa de negociação não está garantido", opinou Kelley.
SNB

Arábia Saudita compra drones armados da África do Sul


A Arábia Saudita está adquirindo aeronaves não tripuladas da África do Sul após a administração Obama se recusar a vender ao reino as aeronaves não tripuladas de combate Predator ou Reaper. A empresa estatal sul-africana Denel Dynamics está trabalhando secretamente com os sauditas para desenvolver o drone Seeker 400 num sistema de combate armado para os militares da Arábia Saudita, conforme reportou no dia 27 de março a publicação  sediada em Paris.
O Seeker 400 é uma versão avançada armada da aeronave de vigilância Seeker II da empresa sul africana.
A publicação afirmou que a Arábia Saudita seria a primeiro cliente a comprar o drone armado Seeker 400 e que engenheiros da Denel estão no reino, como parte do programa secreto.
Se concluída, a venda permitirá que a Arábia Saudita possa se juntar ao crescente número de militares que operam drones armados com mísseis – a arma mais avançada atualmente em uso para lançar ataques de precisão sobre terroristas.
Os drones de combate tornaram-se a marca registrada da CIA, que está intensificando os ataques com mísseis guiados aos terroristas no Afeganistão, na região de fronteira do Paquistão, no Iêmen, no Chifre da África, e em outros lugares.
O novo drone será equipado com mísseis ar-solo Mokopa da África do Sul que estão atualmente sendo usados com helicópteros argelinos. O drone também pode ser equipado com mísseis guiados por laser IMPI com alcance de 10 quilômetros.
Os drones deverão ser usados pelos sauditas para uso contra o grupo terrorista Al Qaeda na Península Arábica, que está operando atualmente no Iêmen e já realizou operações internacionais contra os Estados Unidos.
Riad já tentou comprar drones armados com mísseis dos Estados Unidos, mas até agora os pedidos foram negados.
Os Emirados Árabes Unidos estão adquirindo uma versão de exportação desarmada do Predator, chamada de Predator XP, produzida pela General Atomics.
De acordo com o boletim, os sauditas têm procurado drones armados por vários anos e querem as armas para combater veículos de combate não-tripulados do Irã conhecidos como a Karrar e Shahed 129, que estão equipados com mísseis Shahid-1.
“Como o reino não poderia adquirir aviões da China, que é aliada ao Irã, nem de Israel, Riyadh virou-se para a África do Sul”, afirmou o boletim.
No entanto, a Arábia Saudita não tem a infra-estrutura necessária para operar drones. Os sistemas requerem comunicações por satélite que permitem comunicações remotas de vídeo que permitem que os drones possam ser pilotados.
O Seeker 400 pode voar por 16 horas e tem um alcance de 250 km com uma carga de 100 kg.
O Instituto de Pesquisas em Tecnologias Avançadas Príncipe Sultão da Arábia Saudita (PSATRI), um projeto conjunto entre a força aérea saudita e a Universidade Rei Fahd, também está desenvolvendo drones de vigilância para uso ao longo da fronteira sul da Arábia, afirma o boletim.
Porta-vozes da Denel e da Embaixada da Arábia não foram encontradas para comentar.
Reportagens em fevereiro revelaram que a Arábia Saudita está hospedando uma base de drones de ataque dos EUA no sul do país, revelada em imagens de satélite.
Estas imagens de satélite mostram uma pista de pouso remota no interior do deserto da Arábia Saudita. Pode ou não pode ser a base de drones secreta dos EUA revelada por jornalistas no início desta semana.
No entanto, os hangares da base têm uma semelhança notável com estruturas similares encontradas em outras bases de drones americanas. E seu controle remoto numa localização à dezenas de quilômetros da estrada mais próxima, e mais ainda da cidade mais próxima, sugere que este pode ser mais do que a pista média de pouso civil.
A base foi mantida em segredo por dois anos até ser divulgada em relatórios do Washington Post e do New York Times, em fevereiro.
SNB

Exército norte-coreano diz que 'ratificou' ataque nuclear contra os EUA


AE - Agência Estado
(Texto atualizado às 18h28) PYONGYANG - O exército da Coreia do Norte disse nesta quarta-feira, 3, que tem a aprovação final para lançar "impiedosos" ataques militares contra os Estados Unidos, envolvendo o possível uso de armas nucleares "de ponta"Informamos formalmente à Casa Branca e ao Pentágono que a política hostil cada vez mais crescente dos Estados Unidos em direção à Coreia do Norte e sua imprudente ameaça nuclear serão esmagadas pela firme vontade das tropas e o povo por meio de ferramentas nucleares de vanguarda mais leves e diversificadas", disse um porta-voz do Exército norte-coreano em comunicado publicado em inglês pela agência de notíciasKCNA.
"A operação impiedosa das forças armadas revolucionárias... foi finalmente examinada e ratificada", completou o porta-voz.
Defesa ..Mais cedo, os EUA disseram que vão enviar nas próximas semanas um sistema avançado de defesa antimísseis balísticos para a ilha de Guam, no Pacífico. O Pentágono descreveu a decisão como medida de precaução contra as ameaças da Coreia do Norte de realizar ataques regionais.
"Os Estados Unidos continuam vigilantes em face das provocações norte-coreanas e estão prontos para defender o território dos EUA, nossos aliados e nossos interesses nacionais", disse uma porta-voz do Pentágono.
Com informações da Dow Jones e da Reuters
SNB

Caça sírio atacou Líbano


Um caça da Força Aérea da Síria penetrou, nesta quarta-feira, a 20 quilômetros no interior do território do Líbano e disparou dois ou três mísseis contra os arrabaldes da cidade libanesa de Arsal. De acordo com dados preliminares, ninguém ficou ferido.

Em meados de março, aconteceu um incidente similar: uma aeronave militar síria bombardeou o território do Líbano. O presidente libanês, Michel Suleiman, qualificou o sucedido como "violação inaceitável " da soberania do Líbano.
SNB

Chile encomenda 2.000 carabinas Colt M4


O corpo dos fuzileiros navais do Chile encomendou à companhia estadunidense Colt 2.000 carabinas automáticas M4, de calibre 5,56. O valor da transação não foi precisado. O cliente deverá receber a primeira remessa de carabinas em 2014.

A Marinha chilena escolheu as carabinas estadunidenses após uma série de testes, no âmbito do programa “Titânio”. Da licitação participaram também as espingardas automáticas alemãs HK416 e as SCAR-L belgas fabricadas pela companhia FN Herstal.
VOZ DA RUSSIA ...SNB

Buraco negro absorve planeta 15 vezes maior que Júpiter


Imagem mostra a ação do buraco negro sobre o planeta  (à esquerda)
Foto: ESA / DivulgaçãoUm grupo de astrofísicos detectou um planeta com uma massa 15 vezes maior que a de Júpiter e que foi absorvido por um buraco negro em uma galáxia situada a 47 milhões de anos-luz da via Láctea, informou nesta terça-feira a Universidade de Genebra.Os cientistas notaram um sinal luminoso que vinha de um buraco negro situado no centro da galáxia NGC 4845, cuja massa é 300 mil vezes superior à do Sol. O buraco estava "adormecido" há mais de 30 anos, segundo a Universidade em um comunicado.
"Foi uma observação totalmente inesperada em uma galáxia que esteve tranquila durante ao menos 20 ou 30 anos", afirmou Marek Nikojuk, da Universidade de Bialystok, na Polônia, o principal autor de um artigo publicado na revista Astronomy & Astrophysics, em declarações difundidas pela Agência Espacial Europeia (ESA).
Segunda a revista, o buraco negro demorou três meses para desviar o planeta de sua trajetória e absorver 10% de sua massa total. O resto permaneceu em órbita.
O satélite europeu Integral, com o qual também colaboram a agência espacial americana (Nasa) e a Rússia, tornou possível a observação.
AFP.....SNB

Apesar da retórica, Coreia do Norte não deve atacar

SNB

Navio lançador de mísseis vigia espaço entre os dois países


O Estado de S.Paulo
Cenário: Roberto Godoy
O principal elemento de reforço à estrutura de Defesa da Coreia do Sul enviado pelos Estados Unidos é o formidável destróier USS Decatur. O navio é um lançador de mísseis que pode funcionar ele próprio como uma espécie de escudo antimíssil embarcado. Além disso, age poderosamente como disparador de armas guiadas de precisão - a nova geração do grande Tomahawk, por exemplo. Construído em três anos, a partir de 1993, entrou em operação em 2000 como a 5.ª unidade da classe de navios armados com vários tipos de mísseis. Deslocando 6,7 mil toneladas, mede 154 metros e é tripulado por 281 militares. O arsenal é vasto: leva cerca de 90 mísseis convencionais e um número estimado em 80 armas guiadas, de disparo vertical, com capacidade para interceptar alvos aéreos a grande altura e alta velocidade - mísseis em rota de chegada, aviões e drones. Recheado de avançados sistemas eletrônicos - 12 deles -, o Decatur está cumprindo missões de vigilância nas águas internacionais do Mar do Japão/Mar da Coreia, com ordens de responder a "qualquer fogo agressivo".
As forças envolvidas na crise coreana são bem treinadas e abrangentes. A tropa de Pyongyang é uma das maiores do mundo - soma 1,2 milhão de homens e mulheres. As reservas de mobilização em 72 horas acrescentam 850 mil combatentes ao contingente. Em Seul, são 650 mil soldados e 450 mil reservistas. A frota de tanques é de cerca de 4 mil no norte e 2,7 mil no sul, onde os modelos K-1 são versões do americano Abrams, armados com canhões de 120 milímetros. A aviação da Coreia do Sul leva vantagem, alinhando 700 aeronaves, entre as quais os modernos F-15 Silent Eagle, da Boeing. Não há nada parecido entre os 570 aviões acima da zona desmilitarizada.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional