segunda-feira, 1 de abril de 2013

Celso Amorim Fala Sobre o VLS-1 Durante Visita ao ITA

SNB

Irritação chinesa com Coreia do Norte supera temores com caças dos EUA


BEN BLANCHARD - Reuters
A demonstração de poderio aéreo dos EUA na Coreia do Sul causa apenas leve preocupação na China, num sinal de que Pequim culpa a aliada Coreia do Norte pela atual tensão na região, e considera que um conflito armado não é iminente.
A presença militar dos EUA em lugares como a Coreia do Sul e o Japão tradicionalmente preocupa o governo chinês, temeroso de ficar cercado e "contido" por Washington e seus aliados, especialmente depois do "giro estratégico" dos EUA na direção da Ásia.
O uso de aviões B-2 e F-22 indetectáveis por radares em exercícios conjuntos com a Coreia do Sul deixou os EUA praticamente às portas da China em termos militares, mas não gerou nenhuma reação forte de Pequim, além de um genérico pedido de calma e moderação.
Da mesma forma, a China já havia reagido com tranquilidade no mês passado ao anúncio de que os EUA iriam reforçar sua defesa antimísseis por causa das ameaças norte-coreanas.
"Todas essas novas sanções por parte dos EUA não têm a China como alvo", disse Ni Lexiong, especialista em assuntos militares da Universidade de Ciência Política e Direito de Xangai. "Não há ameaça possível à China."
Outro especialista chinês em assuntos militares disse, pedindo anonimato, que a China considera que a presença militar reforçada dos EUA na Coreia era uma medida necessária para conter a ameaça norte-coreana, e que por isso não houve críticas.
Nos sites chineses, críticas são frequentes -- não contra os EUA, e sim contra o líder norte-coreano, Kim Jong-un, tratado como "Gordinho Kim" ou "Gordinho Terceiro", por ser o sucessor do seu avô e do seu pai como dirigente do recluso regime comunista.
A maioria acusa Kim de estar levando seu país a um desastre, além de deixar a região perto de uma guerra. "Gordinho Kim, enquanto você fica jogando, as pessoas estão morrendo de fome", escreveu um usuário do site Sina Weibo, espécie de Twitter chinês.
Mas críticas incisivas demais à Coreia do Norte podem acarretar consequências na China. O jornal sul-coreano Chosun Ilbo disse na segunda-feira que um editor da publicação chinesa Study Times foi suspenso depois de argumentar, em artigo no Financial Times, que a China deveria abandonar a Coreia do Norte.
Para muitos, porém, a situação não é de preocupação. Uma pesquisa realizada no fim de semana na internet pelo tabloide Global Times mostrou que 80 por cento dos participantes não consideram séria a situação da península da Coreia -- apesar das ameaças norte-coreanas de atacar os EUA e a Coreia do Sul em retaliação por recentes sanções da ONU.
"Não é a primeira vez que a Coreia do Norte usa termos tão fortes. Eles costumam dizer isso. Acho que eles provavelmente estão jogando um jogo. Tem a ver com o tipo de pessoa que Kim Jong-un é, e com sua idade (cerca de 30 anos)", disse Jia Qingguo, professor de relações internacionais da Universidade de Pequim.
"Realmente não acho que eles irão recorrer ao uso de armas. A possibilidade é muito pequena."
(Reportagem adicional de Sally Huang) 
SNB

Presidente sul-coreana ordena "responder com força" caso Norte ataque



A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, ordenou nesta segunda-feira ao Exército de seu país "responder com força", sem levar em conta "considerações políticas", no caso de um ataque da Coreia do Norte, que protagoniza estes dias uma intensa campanha de ameaças.
Park fez a declaração em reunião com o ministro da Defesa do país, Kim Kwan-jin.
"A razão de ser das Forças Armadas é proteger o país e o povo das ameaças", argumentou a presidente, que apenas um mês depois de assumir oficialmente o cargo em fevereiro está enfrentando uma das maiores crises dos últimos anos nas relações entre Sul e Norte.
Park Geun-hye, primeira mulher a alcançar a Presidência da Coreia do Sul, já advertiu em algumas ocasiões anteriores que responderá com dureza a hipotéticos ataques do Norte, embora mantenha a postura de melhorar as relações com o país vizinho e inclusive prestar-lhe ajuda humanitáriaMais cedo, a Coreia do Norte informou sobre a nomeação como ministro de segurança do país Choi Bu-il, homem de confiança de Kim Jong-un, em um movimento que indica a determinação do jovem líder de continuar consolidando sua liderança.
A nomeação de Choi à frente do Ministério encarregado dos serviços nacionais de segurança norte-coreanos, aconteceu no mês de fevereiro, mas só foi revelado hoje pelo jornal estatal "Rodong", habitual porta-voz do hermético regime norte-coreano.
Em todo caso, fontes de inteligência de Seul já especularam no final de fevereiro que Choi teria sido designado para o posto em substituição do anterior ministro, o general Ri Myong-su.
"A nomeação pode fazer parte dos atuais esforços de Kim para consolidar seu poder ao designar pessoas de confiança para postos-chave e substituir quem serviu a seu pai", avaliou uma fonte oficial em Seul, em declarações publicadas pela agência local "Yonhap".
Nascido em 1944, Choi Bu-il se graduou na prestigiada Universidade Kim Il-sung e se tornou oficial militar de carreira, alcançando o posto de vice-chefe do Estado-Maior do Exército Popular norte-coreano.
O anúncio da nomeação de Choi aconteceu no mesmo dia no qual está planejada a reunião da Assembleia Popular Suprema (Parlamento) da Coreia do Norte, uma importante reunião que poderia trazer decisões políticas sobre o futuro do regime.
EFE FOLHA SNB

Arquivo do blog segurança nacional