segunda-feira, 11 de março de 2013

Segurança Nacional Blog - YouTube

PC vai dividir espaço com outros tipos de dispositivo

EMERSON KIMURA..O computador pessoal em seus formatos mais tradicionais --desktop e laptop-- dificilmente deixará de existir. Ele apenas dividirá espaço com um número cada vez maior de dispositivos.
"A mobilidade e a facilidade para acessar informações a qualquer hora e de qualquer local têm impulsionado a demanda por tablets e smartphones", diz Ronaldo Miranda, gerente-geral da AMD Brasil. "Mas não acho que o PC morrerá. Ele evoluirá e continuará a ter utilidade."
Daniel Almeida/Editoria de Arte/Folhapress
"Para algumas funções, como digitação, ele é ainda imbatível", diz Paulo Iudicibus, diretor de novas tecnologias e inovação da Microsoft.
"Não enxergamos canibalização, mas sim multiplicação de equipamentos", afirma Carlos Rabello, gerente de produto da Dell. Os usuários não estariam substituindo o PC pelo tablet ou pelo smartphone, mas sim adquirindo estes sem eliminar aquele. A oferta cada vez maior de alternativas ao PC permitirá aos usuários escolher o melhor equipamento para cada necessidade ou circunstância, diz Rabello.
A ARM, que desenvolve os chips que equipam a grande maioria dos aparelhos móveis no mundo, vê um cenário mais favorável para ela.
"Os consumidores rapidamente adotaram a ideia de que tablets e smartphones podem ser usados como o principal dispositivo de computação", diz Antonio Viana, vice-presidente-executivo da empresa. "Hoje realmente vivemos em um mundo pós-PC."
Marcel Campos, diretor de produtos da Asus Brasil, acredita que a migração do PC para outros aparelhos pode até ocorrer, mas hoje é limitada pela interface e pelo software destes. Para ele, ainda há muito a evoluir em diversas áreas --como realidade aumentada e reconhecimento de fala e de gestos. "Antes de abandonarmos por completo o PC como o conhecemos, o que talvez ocorra daqui a 15 ou 30 anos."
"Se eu tenho um trabalho maior para fazer", conta Steve Furber, professor da Universidade de Manchester, "pego meu laptop, porque gosto do teclado completo e da tela maior para isso". Falta uma ferramenta melhor para inserir dados em dispositivos móveis, diz Furber, um dos criadores do processador ARM. "Talvez, quando um sistema de voz que funcione seja realidade, o problema desapareça e eu faça esse trabalho no meu iPad."
FOLHA DE S PAULO....SNB

Reino Unido pede que Argentina respeite resultado de plebiscito nas Malvinas


O governo do Reino Unido pediu à Argentina que respeite o resultado do plebiscito que começou ontem e termina nesta segunda-feira nas Ilhas Malvinas.
Os habitantes do arquipélago vão decidir se querem ou não seguir sendo um território ultramar do Reino Unido.
"Os argentinos devem respeitar o princípio de autodeterminação", diz um comunicado, que acrescenta ainda que o referendo é o melhor exemplo de autodeterminação.
A postura do Executivo britânico conta com o apoio do Comitê de Assuntos Exteriores da Câmara dos Comuns. O presidente do comitê, o deputado Richard Ottaway, pediu que o resultado da votação seja respeitado por todos e disse que o direito de realizar um plebiscito como o dos kelpers é "um direito humano fundamental em todo o planeta".
Segundo o governo argentino, o referendo não tem valor legal e é uma manobra midiáitca.
"É uma manobra sem nenhum valor legal, [o plebiscito] não foi convocado nem supervisionado pelas Nações Unidas", disse a embaxiadora da Argentina em Londres, Alicia Castro, à rádio La Red, de Buenos Aires.
"Respeitamos seu modo de vida, sua identidade. Respeitamos que queiram seguir sendo britânicos, mas o território que habitam não é", comentou Castro.
O senador Aníbal Fernández, ex-chefe de gabinete de Cristina Kirchner, também comentou o plebiscito que, segundo ele, é uma manobra de publicidade do primeiro-ministro britânico, David Cameron, e sem nenhum valor.
"Nunca haverá o direito de autodeterminação, porque estamos falando sobre uma população implantada nas ilhas logo que o Reino Unido ocupou o arquipélago", disse Fernández em entrevista à emissora Telefé.
O governo da Argentina, que reivindica que Londres abra negociações sobre a soberania das ilhas --ocupadas pelos britânicos desde 1833--, assinalou em reiteradas oportunidades que o referendo carece de validade legal para o direito internacional.
O conflito bélico entre os dois países pelas ilhas começou depois que a junta militar da Argentina decidiu ocupar pela força o arquipélago em 2 de abril de 1982. Em 14 de junho do mesmo ano, o país latino se rendeu após a morte de 649 argentinos, 255 britânicos e três ilhéus.
FOLHA ..SNB

Embraer projeta lançamento de nova geração de jatos em junho


ORLANDO (EUA) - A nova geração dos jatos regionais da Embraer provavelmente será lançada em junho, durante um evento do setor em Paris, disse hoje Paulo Cesar de Souza e Silva, diretor da divisão comercial da empresa.
A companhia espera conseguir aprovação do conselho de administração para começar a vender a segunda geração dos E-Jets “nos próximos meses”, afirmou o executivo, durante conferência em Orlando, no Estado americano da Flórida.
A meta do grupo é conseguir pedidos para já mostrar as novas aeronaves em junho. O objetivo é conseguir vender 800 jatos dos modelos já existentes até 2018, quando acredita que começará a entregar as unidades atualizadas.
A Embraer optou não seguir a rival canadense Bombardier, que está produzindo uma aeronave totalmente nova. A brasileira vai remodelar três modelos já existentes, que possuem de 75 a 105 assentos, com uma cabine de comando melhorada, uma nova asa de alumínio e motores que economizam combustível.
Na semana passada, a canadense revelou seu novo jato da CSeries, que compete com os menores aviões de corredor único da Airbus e da Boeing. “Não queremos dançar nos pés dos gigantes”, disse John Slattery, diretor comercial da Embraer.
A brasileira informa que a nova geração de E-Jets terá uma versão um pouco maior do E-195, levando-o ao mesmo patamar das outras unidades da família.
(Dow Jones Newswires)
VALOR.... SNB

Família Schürmann seguirá a rota dos chineses

VALOR ..SNB

Ministro da Defesa da Espanha chega ao Brasil na terça-feira


O ministro da Defesa da Espanha, Pedro Morenés, inicia na segunda-feira uma viagem pela América Latina com o objetivo de reforçar as relações bilaterais.
O ministro visitará Brasil, Peru e Chile, países considerados de enorme potencial econômico, político e militar, informou o ministério em comunicado.
Antes de pisar em continente americano, Morenés fará uma escala em Cabo Verde na segunda-feira, onde se reunirá com o titular da Defesa deste país, Jorge Omero Tolentino.
Na terça-feira chegará ao Brasil, onde manterá uma reunião com o ministro da Defesa, Celso Amorim.
Na quarta-feira aterrissará no Peru e também deve reunir-se com o titular da Defesa, Pedro Cateriano. Morenés fechará sua viagem na quinta-feira no Chile com uma reunião de trabalho com o ministro da Defesa, Rodrigo Hinzpeter.
Além da cooperação bilateral em matéria de Defesa, a venda de aviões de combate europeus Eurofighter e de carros de combate Leopard são alguns dos assuntos que centrarão as conversas.
Além disso, o ministro espanhol divulgará o modelo da Unidade Militar de Emergências (UME) como exemplo de unidade de elite das Forças Armadas contra catástrofes naturais.
Vários países latino-americanos se interessaram em implantar uma unidade deste tipo e a Espanha ofereceu sua ajuda.
YAHOO NOTÍCIAS ..SNB

Força Aérea dos EUA defende contrato vencido por Embraer


Reuters
WASHINGTON, 11 MAR - A Força Aérea dos Estados Unidos defendeu nesta segunda-feira sua decisão de conceder à Embraer e sua sócia Sierra Nevada um contrato de 428 milhões de dólares para a entrega de 20 aviões de ataque leve, apesar de enfrentar protestos renovados da Beechcraft.
"Estamos confiantes que esta decisão é bem fundamentada e que as propostas dos ofertantes foram total e justamente consideradas dentro do critério de avaliação", disse o porta-voz da Força Aérea, Ed Gulick, que não tinha nenhum comentário imediato sobre se seria emitida uma ordem de paralisar as encomendas.
A Beechcraft, conhecida anteriormente como Hawker Beechcraft, afirmou na sexta-feira passada que vai protestar contra a decisão, que se seguiu após uma nova concorrência realizada no ano passado.
A Embraer e a Sierra Nevada venceram um contrato inicial de 355 milhões de dólares em dezembro de 2011 para o fornecimento de aviões Super Tucano a serem usados no Afeganistão, mas a licitação foi suspensa após ser contestada pela Hawker Beechcraft.
O novo protesto é o capítulo mais recente de uma saga sobre a aquisição de equipamento militar envolvida com política. Representantes brasileiros expressaram desânimo no ano passado quando o contrato original com a Embraer foi suspenso, e consequências políticas do caso também surgiram na campanha eleitoral presidencial dos EUA.
A Força Aérea norte-americana desistiu de conceder o contrato inicial à Sierra Nevada e Embraer depois que encontrou "deficiências no processo de documentação que não poderia confirmar a adequação da decisão anterior", disse Gulick.
Nesta segunda-feira, ele disse que o mais recente contrato concedido à Sierra Nevada e Embraer envolveu um novo "time de avaliação, conselheiros internos e externos e uma nova autoridade para seleção".
Um órgão do governo norte-americano que supervisiona compras federais questionadas tem até 100 dias para decidir sobre o assunto.
A Beechcraft saiu de um processo de concordata no mês passado. A fabricante disse em um comunicado que a decisão da Força Aérea coloca 1.400 empregos em risco no Estado do Kansas e outros locais nos EUA.
Na noite de sexta-feira, a Embraer e Sierra Nevada disseram que sua oferta na competição dá garantia a manutenção de mais de 1.400 empregos nos EUA e acrescentou que o Super Tucano será montado em Jacksonville, na Flórida.
A Sierra Nevada conta com 2.500 trabalhadores e a Embraer tem 1.200 funcionários nos EUA.
(Por Andrea Shalal-Esa) 
SNB
Ilia Kramnik..

A questão do desenvolvimento de um novo bombardeiro de longo alcance (PAK DA, na sigla em russo), que entre 2020 e 2030 irá substituir as aeronaves Tu-95MS e Tu-22M3 (os bombardeiros mais modernos Tu-160 permanecerão em operação), volta novamente a ser discutido na imprensa.

Segundo algumas fontes, a Força Aérea já determinou o perfil da nova máquina. Será uma aeronave subsónica de grande raio de ação e quase invisível. De acordo com dados da mídia, a aeronave está sendo desenvolvida pela empresa de construção aeronáutica Tupolev.
Cortina de fumo de secretismo
No entanto, é bem possível que a informação divulgada na imprensa não corresponda totalmente à verdade. Os militares e os serviços secretos russos sabem esconder seus verdadeiros planos de forma profissional. Alguns dados publicados na imprensa suscitam dúvidas entre os especialistas. Antes de mais nada, devido à situação atual da empresa Tupolev, que hoje, na opinião de muitos peritos, não está em condições de realizar por si só um desenvolvimento de tal nível. Portanto, conjetura-se que um dos participantes (e, possivelmente, o principal) da cooperação seja o Gabinete de Projetos Sukhoi. A empresa possui experiência de desenvolvimento de aeronaves pesadas, ainda que bombardeiros de longo alcance desenvolvidos por ela não fossem colocados ao serviço.
Presume-se que o desenvolvimento do PAK DA possa basear-se no jato de quinta geração T-50 no âmbito do projeto PAK FA. Em particular, o bombardeiro pesado poderá ser dotado de quatro motores AL-41 (produto 129), semelhantes aos que serão instalados nos caças T-50 de fabricação em série.
O novo bombardeiro terá uma carga útil de armamento aproximadamente igual à dos aviões Tu-22М (até 20 toneladas). Graças aos motores econômicos de nova geração, seu alcance será próximo do do Tu-160.
Subsônico, supersônico, hipersônico?
Também não se deve tomar por garantido que a velocidade da nova máquina não exceda a velocidade do som.
Deve-se ter em conta que o novo bombardeiro irá substituir não só os Tu-95 estratégicos, mas também os bombardeiros Tu-22M de longo alcance, entre cujos objetivos está o combate antinavio. Para esta missão, a velocidade supersônica é absolutamente indispensável: a nova aeronave deverá ser capaz de vencer a defesa antiaérea dos navios do opositor e esquivar-se a ataques dos caças embarcados.
Ao mesmo tempo, a criação de uma aeronave hipersônica também parece quase inverosímil. A par de problemas tecnológicos no processo de desenvolvimento, tal teria um custo astronômico de fabricação. Devido a isso, sua produção em série (de 120 a 150 aviões) não será viável.
A Rússia herdou da URSS enorme experiência de desenvolvimento e operação de aviões supersônicos de longo alcance na Força Aérea e na aviação embarcada da Marinha. Portanto, tal solução caberia perfeitamente na lógica do desenvolvimento desse tipo de armas. Uma plataforma de longo alcance e velocidade supersônica será útil inclusive para a Marinha russa como aeronave de reconhecimento e determinação de alvos. A Marinha está apostando, como antes, no poder de fogo dos navios de superfície e submarinos porta-mísseis. Para estas embarcações, a existência de um "apontador" externo é um elemento criticamente importante.
Ainda é difícil dizer em que medida esses raciocínios correspondem ao modo de pensar dos chefes do Ministério da Defesa russo e da Corporação Unida de Construção Aeronáutica. No entanto, já há pouco tempo para conjeturas: a nova aeronave deverá decolar antes do fim deste decênio.
SNB

Satélite russo colidiu com fragmento de satélite chinês


O mini-satélite russo Blits colidiu com um fragmento do satélite meteorológico chinês Fengyun-1C.

Segundo os cientistas, a massa do fragmento podia não exceder 0,08 g. Bastou, porém, para alterar bruscamente os parámetros da órbita do satélite russo, que pesa apenas 7,5 kg. Este foi o segundo caso da história de colisão de artefatos em órbita.
O satélite Blits é uma bola refletora de vidro, destinado a acionar o sistema internacional de sondagem a laser.
O Fengyun-1C era um satélite que foi destruído em 2007, aquando do teste de uma arma anti-satélite pela China.
Serão necessárias observações adicionais para definir os danos sofridos pelo Blits e a viabilidade de continuação de sua utilização.
VOZ DA RUSSIA...SNB

ARGENTINA "A INGLATERRA INVADIU AS ILHAS MALVINAS, DESALOJANDO E ARGENTINA MASSACRANDO A POPULAÇÃO"


O analista internacional Marcelo Gullo, questionou a legitimidade do referendo sobre as Ilhas Malvinas, dizendo que o Reino Unido preso ilegalmente as ilhas massacrando a população local e trazendo seus próprios cidadãos para o arquipélago.
"O referendo não é legítimo, e não há uma história deste tipo, onde as Nações Unidas foi expresso ao dizer que este tipo de referendo é inválido, ou não tem compromisso legal", disse o especialista, referindo-se ao caso de Gibraltar.

"Porque há uma população nativa que vota decidir o seu destino, mas é uma população transplantado de uma metrópole da Inglaterra para as ilhas", argumentou.
"A Inglaterra invade Malvinas, a população da Argentina, expulsos pela força, as matanças, então lida com sua população de Inglaterra trouxe para as ilhas, e depois de um tempo o ocupante pretendia, que expulsou população da Argentina pela força, dizer que é dono das ilhas, e é uma incongruência absoluta ", superou o analista.
Por sua vez, o analista internacional, Stella Calloni, considerado o referendo sobre as Malvinas "desrespeitosas para a política", "uma piada" pelo Governo britânico, que tem organizado "por não entregar as ilhas, como corresponde ao processo global de descolonização ". "É como se eu fosse um referendo em um bairro de Londres, para perguntar se querem ou não ser britânico", compara o especialista.
Este domingo é iniciado dois dias referendo sobre o estatuto político das Ilhas Malvinas, um território disputado em 12.000 quilômetros de Londres e 500 milhas ao largo da costa da Argentina. Espera-se para votar cerca de 1.600 dos 3.000 habitantes da ilha. Os eleitores devem responder "sim" ou "não" à pergunta: "Você quer que as ilhas conservar o seu estatuto político atual como um território ultramarino do Reino Unido?".
Há uma população nativa que vota decidir o seu destino, mas uma população transplantado de uma metrópole da Inglaterra para as ilhas "
Anteriormente, o Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Perez Esquivel, disse: "Este referendo não tem legitimidade alguma" e que-disse-um em cada três habitantes das Malvinas é militar britânico e consulta apenas cerca de 1.500 moradores vão votar e ter cidadania britânica.actualidad.rt.com,,,SNB

O EXÉRCITO ARGENTINO RECEBEU A TAM PRIMEIRO TANQUE MODERNIZADO


Exército argentino recebeu o primeiro tanque TAM (Tanque Argentino Médio)modernizado pela empresa israelense Elbit , no Exército site.

Melhorias que os projetos sejam concluídos em toda a frota da TAM (em torno de 235 unidades) incluir a substituição de mecanismos hidráulicos de movimento da torre, manga, elétrica térmica para a arma, estabilizado instalação do sistema COAPS (Comandante Arquitetura Aberta Panorâmica Sight) com dia e noite câmeras, um sistema de alerta precoce ELBIT (com detecção de sistemas de orientação a laser e radar). Além disso, você irá instalar uma unidade auxiliar de potência para sistemas operacionais sem a necessidade de manter o veículo em funcionamento.Um aumento do nível de proteção blindada, você instalou abas que protegem as filmagens e algumas das faixas para aumento da sobrevida em caso de impacto.
Este primeiro protótipo entregue (em um processo que é bastante extensa) é esperado para ser o modelo para outros veículos para continuar, embora as datas de entrega ainda desconhecidos dos próximos unidades modernizadas.
SNB

EUA PREPARA UMA AERONAVE CAPAZ DE SUBSTITUIR OS HELICÓPTEROS DO EXÉRCITO


Os EUA do Departamento de Defesa está trabalhando através de Agência de Pesquisa de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA), em uma aeronave que pode pousar e decolar verticalmente, da mesma forma que um helicóptero. O programa, que pretende substituir parte das operações é agora atribuída aos helicópteros do Exército, é capitaneado pela DARPA, e foi chamado de "VTOL-X-Plane" (Vertical Take-Off and Landing). Ela terá um investimento inicial de 150 milhões de dólares (cerca de 114 milhões) e vai se especializar na criação de um modelo inovador de aeronaves, que pode refinar defeitos com um helicóptero para criar o que, uma vez que a agência do Departamento de Defesa dos EUA , é considerado como "a próxima geração de vôo vertical."
A instituição norte-americana justifica a implementação deste projeto dizendo que os helicópteros "são mais vulneráveis ​​às armas inimigas. Existem operações que exigem mais velocidade para encurtar a missão e para reduzir a exposição ao adversário." O novo protótipo é ter uma maior capacidade de transporte da carga, além de um aumento da velocidade e da mobilidade, que pode ser atingido altura por alguns jactos (550 km / hora). Quanto à sua utilização, não só estar focado no campo militar, também à civil, se deseja realizar resgates ou vigilância conduta.
Segundo Ashish Bagai, diretor da DARPA, o projeto foi levantada "como um desafio para engenheiros e industriais e de inovação para impulsionar uma melhoria em quatro áreas:. Velocidade, eficiência deslize, cruzeiro e capacidade de carga útil" Como para o tempo que vai iniciar os testes de vôo, calcula-se que serão necessários pelo menos três anos. Além disso, não se sabe se o equipamento será aberta.
(Javier Martinez)
Defensa.com..SNB

ALEMANHA RHEINMETALL IRÁ FORNECER O BUNDESWEHR EQUIPE DE INFANTARIA "GLÁDIO".


O ano de subscrição pediu alemã Rheinmetall fornecendo equipamentos avançados para 900 soldados (90 seções ou esquadrões), a assinatura de um contrato com a Agência Federal de Tecnologia e Aquisição de Material de Defesa (BWB), em Koblenz.

As unidades serão implantadas no Afeganistão, em 2013 e 2014 será o primeiro a ser equipado com o Gladius, representando o primeiro estágio no processo de tropas melhorou com capacidades significativas nos cinemas hoje e amanhã.
Em 2009, Rheinmetall garantiu um contrato para desenvolver um demonstrador de pré-produção para o Bundeswehr, que completa o sistema básico do soldado IDZ futuro encomendado pela Alemanha em 2005, em resposta a um pedido interino operacional urgente.A melhoria das capacidades dos actuais desenvolvimentos a longo prazo são particularmente altamente avançado a sua eficácia de comando, redes e controle e combate. Tem uma abordagem de design holístico, que leva em conta as necessidades operacionais dos modernos sistemas complexos derivados para os soldados, fingindo ser o primeiro subsídio e principal um pelotão de infantaria de 10 homens e de seus veículos em um ambiente operacional de rede, consistindo em componentes de reconhecimento, comando e controle e de armas, permitindo a troca rápida de informação e partilha de conhecimento da situação, como base para o planejamento e realização de atividades.O piso recebe todos os dados relevantes da situação tática, posição das forças amigas, missão e status do sistema. Inclui GPS e sistema de navegação inercial e uma bússola magnética, que fornecem orientação confiável no chão. Também são impressionantes características ergonômicas, principalmente em relação à redução de peso, a miniaturização e integração de componentes individuais otimizados. As uniforme de combate modulares, armaduras e sistema de arreios fornecer uma excelente protecção de detecção no espectro visual e infravermelho e comparado com o tempo (mesmo em zonas climáticas extremas) e especialmente agentes químicos e biológicos. Características do equipamento à prova de fogo e proteção. Ele integra uma espinha dorsal contendo a eletrônica de rádio, o computador central, baterias e módulo de GPS.O Grupo Rheinmetall transferiu formalmente seu novo IdZ-ES (Infantariest der Zukunft), Sistema Soldado do Futuro para a Bundeswehr,  em 7 de março de 2013. O "Infanterist der Zukunft - Erweitertes System" ou "Soldado do Futuro - Sistema Reforçado", IdZ-ES também é conhecido como "Gladius".

A cerimônia de entrega coincidiu com o “Campeonato Internacional de Esqui" organizado pela 10 ª Divisão Blindada , em Ruhpolding, na Alta Baviera. Bodo Garbe, membro do Conselho Executivo da Rheinmetall Defence, simbolicamente entregou o Gladius para o Tenente-General  Bruno Kasdorf, Chefe do Estado-Maior do Exército Alemão, e Harald Stein, presidente daFederal Office of Bundeswehr Equipment, Information Technology and In-Service Support (BAAINBw).
"O novo IdZ-ES é uma, solução original inovadora e  abrangente. Pela  primeira vez, foi possível implementar um projeto inteiramente novo para um sistema de soldado e entregá-lo para as tropas. Graças ao Gladius, como nós o chamamos na Rheinmetall, soldados de infantaria alemães podem agora desempenhar um papel ativo em uma rede conectadaa para a guerra (network-enabled warfare)", declarou Bodo Garbe, na entrega oficial cerimônia do sistema, em Inzell, Alemanha.
A  disponibilidade eo fluxo de informações no campo de batalha são pelo menos tão importantes quanto a proteção poder de fogo e mobilidade. O IdZ-ES automaticamente fornece a cada soldado com informação próximo do  tempo real.
O Grupo Rheinmetall,  baseado em Düsseldorf, Alemanha, ganhou o contrato para desenvolver o sistema IdZ-ES  em 2006. O governo alemão encomendou um primeiro lote de 30 sistemas em 2012, que está sendo entregue pela Rheinmetall conforme o plano. (Cada sistema é projetado para equipar uma seção de 10 homem.) As tropas têm agora até junho de 2013, para praticar o uso de novos sistemas antes de implantá-lo no Afeganistão.
A Rheinmetall recebeu uma encomenda adicional, em janeiro de 2013, para fornecer mais  60 sistemas. Esta encomenda é no valor de € 84 milhões de Euros e inclui equipamentos para 60 seções de infantaria, ou seja, 600 soldados.
A entrega será em dois lotes de 30 sistemas cada um, o primeiro, em meados de 2013, a segunda no fim do ano. Isso garante que os próximos dois contingentes da Bundeswehr que irão para o Afeganistão receberão o novo equipamento a tempo de se familiarizar com ele.

O Gladius dá a Bundeswehr o mais avançado sistema mundial de soldado. Fielding é um passo importante no processo de melhoria do equipamento das forças de infantaria em futuras operações implantados, aumentando assim a capacidade de sobrevivência do soldado individual.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional