quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Especial Antártida: A viagem

SNB

Embraer vence disputa para fornecer 20 aviões para Força Aérea dos EUA


A Embraer (EMBR3) venceu a norte-americana Beechcraft em uma disputa para fornecer 20 aviões leves de apoio para a Força Aérea dos Estados Unidos, que serão utilizados por militares do Afeganistão para treinamento e contra-insurgência.
A Embraer e sua parceira norte-americana, Sierra Nevada, ganharam o negócio de US$ 427,5 milhões, anunciou o Pentágono nesta quarta-feira (27).
As duas empresas ganharam um contrato de US$ 355 milhões inicial em dezembro de 2011, mas o negócio foi desfeito depois de ser questionado pela Beechcraft, então conhecida como Hawker Beechcraft. 

Entenda o impasse

No fim de 2011, a Força Aérea dos Estados Unidos definiu que a Sierra Nevada e a Embraer tinham ganhado o contrato para venda de 20 aviões Super Tucano A-29, assim como treinamento e suporte. De acordo com a licitação, as aeronaves da Embraer seriam fornecidas em parceria com a norte-americana Sierra Nevada Corporation (SNC) e seriam utilizadas para treinamento avançado em voo, reconhecimento e operações de apoio aéreo no Afeganistão.
Entretanto, a licitação foi paralisada em janeiro, quando a Hawker Beechcraft entrou na Justiça questionando a decisão.
Na época, a Força Aérea norte-americana disse que a seleção tinha sido justa e transparente.
"A concorrência e a avaliação de seleção foram justas, abertas e transparentes. A Força Aérea está confiante nos méritos de sua decisão de concessão do contrato e espera que o litígio seja rapidamente resolvido", divulgou, na época, em nota John Dorrian, porta-voz da Força Aérea norte-americana.
Porém, em meados de fevereiro de 2012, a Força Aérea informou ter cancelado o contrato, citando problemas com a documentação.  
Reuters) SNB

Como reagirá a China à venda de submarinos russos ao Vietnã?


Dois dos seis submarinos diesel-elétricos russos encomendados pelo Vietnã serão fornecidos já no ano em curso. Qual poderá ser a reação da China a este contrato no contexto dos litígios territoriais que o país tem com o Vietnã? Evidentemente, Pequim está descontente com o reforço do potencial naval militar de Hanói. Entretanto, a realização da transação russo-vietnamita não prejudicará os interesses chineses.

Ao todo, o Vietnã deverá receber seis submarinos do projeto 636, no valor total de dois bilhões de dólares. O preço contatual inclui também o desenvolvimento da infraestrutura terrestre para o baseamento de submarinos e a preparação de suas tripulações. Os submarinos abrangidos pelo contrato são uma variante profundamente modernizada dos submarinos soviéticos do projeto 877EKM Kilo, têm novos equipamentos eletrônicos e são capazes de portar mísseis de cruzeiro.
Comentadores militares chineses reagiram com profunda preocupação à perspetiva de o Vietnã receber novos submersíveis. O contra-almirante Yin Zhuo falou diretamente que os submarinos vietnamitas poderão ameaçar comunicações marítimas vitalmente importantes para a China, que passam através do estreito de Malaca e do mar da China Meridional. São as vias pelas quais a China recebe petróleo e outras matérias-primas de África e de países do Oriente Médio.
A China acompanha com especial atenção a atividade de submarinos estrangeiros no mar da China Oriental após  ter sido construída na ilha de Hainan uma nova base para submarinos atômicos chineses, inclusive munidos de mísseis balísticos Giant Wave (JL-2). As autoridades chinesas receiam que a atividade de Marinhas estrangeiras naquela região possa ameaçar suas forças estratégicas de dissuasão nuclear.
É evidente que a China está descontente com o reforço do potencial naval militar do Vietnã em uma altura em que as disputas territoriais se agravam entre os dois países. Mas a atitude chinesa para com o Vietnã é diferente do comportamento em relação a tais aliados próximos dos Estados Unidos como as Filipinas e o Japão, com que a China tem também litígios territoriais.
Apesar das contradições, a China está desenvolvendo com o Vietnã não apenas relações interestatais, mas também interpartidárias, atribuindo a elas cada vez maior importância. O Vietnã sempre desempenhou um papel-chave na política chinesa no Sudeste Asiático. Em 2011, o intercâmbio comercial entre os dois países superou 25 bilhões de dólares e continua a crescer. Enquanto em relação ao Japão e às Filipinas a China pode recorrer à política da pressão, o país tem por tarefa envolver o Vietnã na cooperação.
Por isso os chineses reagem com bastante moderação às compras vietnamitas de novos caças, lanchas de mísseis Molniya e de submersíveis à Rússia. Pequim entende que a envergadura da modernização militar vietnamita está longe dos esforços da China voltados para renovar as Forças Armadas e, no caso da redução da cooperação russo-vietnamita na esfera técnico-militar, é muito provável que o Vietnã coopere mais estreitamente com os Estados Unidos, o que contraria os interesses tanto da Rússia, como da China
VOZ DA RUSSIA   SNB

Dilma irá à Bolívia inaugurar corredor rodoviário interoceânico



A presidente Dilma Rousseff se reunirá, em 5 de abril, com os presidentes Evo Morales (Bolívia) e Ollanta Humala (Peru) para a inauguração do corredor rodoviário interoceânico, que vai ligar os oceanos Pacífico e Atlântico. A cerimônia foi anunciada nesta segunda-feira em La Paz, por Morales.


A cerimônia deve ocorrer na cidade boliviana de San José de Chiquitos, no departamento (estado) boliviano de Santa Cruz. A presença de Humala, considerado "convidado especial", segundo Morales, é para ratificar a ampliação da integração do Peru com o Brasil e a Bolívia. A negociação para as obras da rodovia começou em 2007, por intermédio de um acordo assinado pelos governos de Brasil, Bolívia e Chile.
Segundo dados do governo boliviano, o corredor rodoviário interoceânico terá um total de 2,7 mil quilômetros de extensão, dos quais 1.561 quilômetros estão em território da Bolívia, 947 quilômetros estarão em solo brasileiro e 192 quilômetros em área do Chile. A rodovia atravessará as regiões bolivianas de Santa Cruz, Cochabamba e Oruro, criando um acesso entre o porto brasileiro de Santos com as regiões de Arica e Iquique, no Chile.
Em janeiro de 2009, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva inaugurou dois trechos do corredor rodoviário interoceânico ao lado de Morales. Na ocasião, foram abertos para uso os trechos de Arroyo Concepción a El Carmen e de El Carmen a Roboré, ambos em território boliviano, na fronteira com o município brasileiro de Corumbá (MS).
De acordo com dados do governo brasileiro, o Brasil é um dos principais parceiros comerciais da Bolívia e um dos maiores investidores no país vizinho. Em 2008, o comércio bilateral movimentou US$ 4 bilhões, e no ano anterior alcançou US$ 2,5 bilhões.
O encontro de Dilma com Morales vai ocorrer um mês e meio depois do episódio ocorrido na cidade de Oruro, na Bolívia, no qual o boliviano Kevin Douglas Beltrán Espada, 14 anos, foi atingido por um sinalizador lançado durante o jogo entre o time de futebol do San José e o Corinthians pela Copa Libertadores da América, no Estádio Jesús Bermudez.
Um grupo de torcedores foi acusado pela morte do jovem boliviano. Dos 12 torcedores do Corinthians detidos na cidade de Oruro, na Bolívia, dois são considerados, pela polícia do país, autores do disparo do sinalizador.
Com informações da agência pública de notícias da Bolívia, ABI.



Agência Brasil
..SNB

Arquivo do blog segurança nacional