domingo, 24 de fevereiro de 2013

Boeing compra negócio de microprocessadores da CPU Technology

Por Tatiane Bortolozi | Valor....SÃO PAULO - A unidade de Defesa, Espaço e Segurança da fabricante de aeronaves Boeing anunciou a compra do negócio de microprocessadores Acalis, da americana CPU Technology. O valor do negócio não foi revelado.
Os microprocessadores da Acalis permitem a conclusão de missões militares, em aeronaves tripuladas ou não, sem a interferência de ameaças de malware (softwares que danificam ou roubam informações), clonagem ou outras ameaças on-line contra a segurança de aeronaves.
A Acalis será integrada à divisão de aeronaves militares de ataque global da Boeing. A companhia, com sede na Califórnia, emprega 40 pessoas.
VALOR ...SNB

Licitação disputada pela Embraer nos EUA terá resultado em março

Por Virgínia Silveira | Valor.....SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - A Força Aérea dos Estados Unidos (Usaf) deve anunciar em março o resultado da concorrência para a compra de 20 aviões de treinamento avançado e ataque leve, que serão usados em missões no Afeganistão, segundo previsão feita para as empresas que participam da disputa. Conhecido pela sigla LAS (Light Air Support), o programa de aquisição dessas aeronaves pode alcançar a cifra de US$ 1 bilhão com a encomenda de 50 aviões.
A Embraer, que havia sido declarada vencedora da licitação no começo do ano passado, participa novamente do processo com a aeronave turboélice Super Tucano. Sua rival, a americana Hawker Beechcraft (HB), também está no páreo com a aeronave AT-6, ainda em fase de desenvolvimento. No dia 19 deste mês, a HB anunciou a sua saída do “Chapter Eleven” (pedido de proteção contra falência), feito em maio do ano passado.
Segundo comunicado enviado para a imprensa nesta semana, a HB informa que saiu do processo de recuperação judicial bem posicionada para competir de forma vigorosa nos mercados de aviação executiva, missões especiais, treinamento e ataque leve. O plano de reorganização da empresa foi aprovado pelo Tribunal de Falências dos Estados Unidos no dia 1° de fevereiro e entrou em vigor no dia 15.
A retração da demanda por aeronaves executivas e uma dívida de US$ 2,5 bilhões levaram a HB a entrar com o pedido de proteção contra falência no ano passado. A empresa também fez uma tentativa fracassada de venda da sua área de aviação executiva para o grupo aeroespacial chinês Superior Aviation Beijing.
Em entrevista anterior, o presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar, disse que o Super Tucano é o avião que oferece menor risco para o programa LAS e que o modelo atende perfeitamente a missão requerida pela Usaf para a concorrência.
“A nossa expectativa é realmente positiva. Desde que a concorrência seja justa e baseada em critérios competitivos, a Embraer tem muita esperança de ganhar novamente”, afirmou.
Pelas regras da segunda concorrência, aberta pela Usaf depois que a HB entrou na Justiça americana para impedir que o contrato fosse fechado com a Embraer, a empresa brasileira poderá ser favorecida, entre outras coisas, pelo maior peso que está sendo dado para a experiência comprovada do avião em operações de contrainsurgência.
O avião da concorrente americana só pôde demonstrar sua experiência como treinador, já que a nova versão de ataque leve At-6 ainda não está operacional. O Super Tucano, por sua vez, tem mais de 180 mil horas de voo, das quais 28 mil horas em voo de combate.
Em operação em nove forças aéreas da América Latina, África e Ásia, possui um total de 160 unidades entregues. Mesmo sendo um produto projetado e produzido no Brasil, o Super Tucano é um programa com impacto econômico forte para as empresas americanas.
Segundo a Embraer, cerca de 86% do valor em dólar do Super Tucano vem de componentes fornecidos por companhias ou países qualificados sob a lei “Buy American Act”, que exige um conteúdo americano superior a 50% para os produtos comprados fora dos EUA.
O parque industrial envolvido com o projeto reúne mais de 100 fornecedores de serviços e de componentes em 21 Estados americanos, o que corresponde a uma cadeia de fornecedores de 1.400 funcionários nos EUA.
“Na verdade, a Embraer adquire mais de US$ 2 bilhões em componentes fabricados por fornecedores americanos, suportando cerca de sete mil empregos nos EUA”, comenta a Embraer em seu site “BuiltForTheMission”, com informações dedicadas ao Super Tucano e à concorrência LAS. 
Caso seja a vencedora da concorrência, a Embraer pretende ainda construir uma fábrica na cidade americana de Jacksonville, na Flórida. No site sobre o Super Tucano, a empresa informa também que não serão criados novos empregos no Brasil como resultado de um eventual contrato com a Usaf para o programa LAS
VALOR ECONOMICO.....SNB

Empresários do Brasil avaliam riscos e oportunidades na Nigéria

Por Fernando Exman | Valo....ABUJA, NIGÉRIA - 
Empresários e autoridades brasileiras buscaram neste sábado criar oportunidades de negócios na Nigéria, em um seminário que reuniu cerca de 500 pessoas em Abuja. A Nigéria é o maior parceiro comercial do Brasil na África, e o governo nigeriano demonstrou às autoridades brasileiras o interesse de atrair empresas nacionais para investir no país.
A Nigéria quer, por exemplo, realizar parcerias para executar obras de infraestrutura, projetos de processamento de alimentos e segurança energética, construindo usinas de geração e linhas de transmissão de eletricidade. Abuja, por exemplo, sofre com constantes apagões diariamente. No entanto, a Nigéria não precisa de dinheiro para tirar esses projetos do papel, pois é um grande produtor de petróleo.
“É um caso diferente do que a gente vê na África. Aqui, o problema não é de capital”, explicou Rubens Gama, diretor do Departamento de Promoção Comercial do Itamaraty, que coordenou o seminário.
A Eletrobras avalia a possibilidade de participar da estruturação do sistema elétrico nigeriano e de projetos de transmissão de energia, disseram autoridades do governo brasileiro. Já construtoras brasileiras prospectam negócios em infraestrutura. A Andrade Gutierrez, por exemplo, é a primeira empreiteira brasileira a preparar a abertura de um escritório no país.
“O potencial é enorme”, afirmou Amauri Pinha, diretor comercial da Andrade Gutierrez.
Segundo o executivo, o governo nigeriano tem planos de elevar a capacidade de geração de energia do país em 40 mil MW até 2020. Atualmente, disse ele, a Nigéria tem apenas 5 mil MW de capacidade de geração instalada e gera de fato somente 3,2 mil MW. “É um plano muito ambicioso.”
Em reunião com o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, autoridades nigerianas disseram ainda que pretendem construir três centros industriais próximos a aeroportos do país. Estão tentando deixar de produzir apenas matérias-primas e gostariam da ajuda do Brasil para melhorar a infraestrutura e capacidade industrial dessas localidades. Pimentel prometeu realizar uma missão empresarial integrada também por investidores até o fim do ano.
AVES - Outro setor interessado em entrar no mercado nigeriano é o de exportação de aves, hoje fechado aos fornecedores estrangeiros. Segundo o gerente de relações com o mercado da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Adriano Nogueira Zerbini, o consumo anual de frango na Nigéria é de 2 quilos, enquanto no Brasil é de 45 quilos ao ano. “O potencial é muito grande.”
Um dos riscos de atuação no mercado nigeriano, entretanto, é o que autoridades e empresários chamam de “práticas heterodoxas”. No país, assim como em várias nações do continente, a corrupção é disseminada.
Uma alternativa sugerida por autoridades brasileiras é que os empresários fechem parcerias com companhias locais. “O empresário pode investir na Nigéria por meio de uma joint venture por causa de algumas dificuldades do mercado nigeriano”, afirmou o presidente da Associação Nigeriana de Câmaras de Comércio, Herbert Ademola Ajayi.
VALOR.... SNB

Arquivo do blog segurança nacional