segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Indian Navy Official Film 2011 (Part 1 of 2)

Modernizacion Argentina 2012

Flota de Mar, Armada Argentina. Barcos y Operaciones

The World's Only INVISIBLE airplane

EN 199 - 3º Prêmio Melhor Gestão do Projeto Soldado-Cidadão


SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Petrobrás anuncia nova descoberta na Bacia de Sergipe-Alagoas


Agência Estado
SÃO PAULO - A Petrobrás anunciou nesta segunda-feira, 10, a descoberta de nova acumulação de hidrocarbonetos leves em águas ultraprofundas da Bacia de Sergipe-Alagoas, na área de concessão BM-SEAL-11, localizada no bloco SEAL-M-349. A descoberta ocorreu durante a perfuração do poço 1-BRSA-1104-SES (1-SES-166).
O poço está localizado a 105 quilômetros do município de Aracaju, na costa de Sergipe, em profundidade de água de 2.328 metros. O poço ainda se encontra em perfuração a uma profundidade de 5.768 metros. Esta é a quinta descoberta de hidrocarbonetos feita pela Petrobrás este ano em águas ultraprofundas daquela bacia.
Em 2012, a empresa já havia anunciado a presença de acumulações de hidrocarbonetos nos poços 1-SES-168 (Moita Bonita), 3-SES-165 (Plano de Avaliação de Descoberta - Barra), 1-SES-167 (Farfan) e 1- SES-172 (Muriú).
A Petrobrás é operadora da concessão SEAL-M-349, com 60% de participação, em parceria com a IBV do Brasil (40%).
A companhia informou que dará continuidade à operação de perfuração até a profundidade de 6.125 metros. Após a perfilagem final, será apresentado o Plano de Avaliação de Descoberta para a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), disse a Petrobrás.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Provocação nuclear iraniana deve ser contida em 2013, diz Israel


Reuters
O Irã está se aproximando da capacidade de construir uma bomba nuclear e o problema terá que ser confrontado em 2013, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na segunda-feira.
Autoridades israelenses gostariam que os Estados Unidos tomassem a iniciativa de um ataque militar contra as instalações nucleares do Irã, mas dizem em particular que o farão sozinhos se for necessário, descrevendo um Irã com armas nucleares como uma ameaça existencial ao Estado judeu.
Falando a jornalistas estrangeiros, Netanyahu disse que Israel estava seguindo a linha vermelha que havia traçado em setembro, quando disse à Organização das Nações Unidas que o Irã não deveria enriquecer urânio suficiente para fazer nem uma única ogiva.
"Deixei claro que assim que o Irã atravessar esse limiar de enriquecimento, as chances de pararmos de maneira efetiva seu programa de armas nucleares seriam reduzidas dramaticamente", disse.
"O Irã está a dois meses e meio de cruzar essa linha e não há dúvida de que esse será um desafio importante com o qual teremos que lidar no próximo ano."
O Irã nega as acusações de Israel, dos Estados Unidos e de muitos governos ocidentais de que está tentando desenvolver armas nucleares, dizendo que seu ambicioso programa nuclear tem fins pacíficos e objetivos civis.
Especialistas israelenses disseram que o Irã poderia ter enriquecido urânio suficiente para produzir apenas uma bomba até a primavera ou o verão (boreal) de 2013. Em um esforço para deter o Irã, as potências ocidentais impuseram sanções econômicas cada vez mais duras contra a República Islâmica.
"As sanções contra o Irã estão prejudicando a economia iraniana. Não há dúvida disso. Mas não estamos vendo nenhuma prova de que as sanções tenham paralisado o programa de armas nucleares do Irã", disse Netanyahu.
"Israel é mais capaz de lidar com esse desafio do que era quando assumi o cargo há quatro anos", disse Netanyahu, que deve ser reeleito em 22 de janeiro.
(Reportagem de Crispian Balmer) 
SEGURANÇA NACIONAL BLOG 

Submarino vira modelo de parceria tecnológica entre França e Brasil


Assis Moreira


FRANÇA - No enorme e altamente protegido estaleiro da empresa francesa Direction des Constructions Navales et Services (DCNS), em Cherbourg, a "Cité de la Mer" (cidade do mar), a 360 quilômetros de Paris, a mistura de português e francês tornou-se comum.

Aqui está tomando corpo o maior contrato militar internacional do Brasil: o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), estimado em R$ 15 bilhões (€ 6,7 bilhões) - superior em R$ 4 bilhões à licitação de 36 caças militares que continua indefinida e da qual todo mundo fala.

Desta vez, os brasileiros não estão só comprando, e sim procurando fazer. Equipes de técnicos e engenheiros brasileiros se revezam por etapas no estaleiro francês, vestindo um uniforme verde com a bandeira nacional.

O contrato entre a Marinha brasileira e o consórcio Bahia de Sepetiba (formado pela francesa DCNS e a brasileira Odebrecht) implica a construção conjunta de cinco submarinos, incluindo um submarino nuclear de ataque.

Na visita da presidente Dilma Rousseff a Paris, amanhã e quarta-feira (11 e 12/12), a ênfase da parceria estratégica na inovação terá como modelo precisamente o caso dos submarinos, considerado inédito tanto para a França como para o Brasil. Com a parceria, a França ganha escala e dinamismo, e o Brasil acelera sua capacitação tecnológica.

A expectativa é que a cooperação na área de submarinos estimulará a indústria brasileira de defesa, inclusive com investimentos de grupos franceses no Brasil. Analistas notam também a importância do financiamento externo. Dos € 6,7 bilhões, cerca de € 4,3 bilhões são crédito francês em 20 anos, o que ajudou a Marinha a não ter o projeto paralisado.

Depois de EUA, França, Rússia e China, somente duas nações têm no futuro previsível condições de ingressar no clube dos submarinos nucleares: Brasil e Índia. E, entre essas potências, só a França considera o Brasil como parceiro privilegiado, com quem a cooperação não tem limites, afirma o embaixador brasileiro em Paris, José Maurício Bustani.

O ministro da Defesa francês, o socialista Jean-Yves Le Drian, tem repetido que o acordo "é exemplo de uma parceria exemplar com transferência de tecnologia nunca atingida até agora". E propõe adotar cooperação sem restrição também para vender os caças Rafale.

Ministério da Defesa francês propõe adotar cooperação sem restrição também na venda dos caças Rafale

A França teve de superar pressões de outros parceiros para compartilhar tecnologia de alta sensibilidade. Uma fonte nota que pela primeira vez Paris passou a "linha vermelha" na área nuclear, apesar de o Brasil não ter assinado protocolo adicional do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP).

Os franceses detêm todo o leque das indústrias de soberania, como espacial, defesa, nuclear, Aeronáutica e construção naval. Mas sua condição é de potência média, enfrentando cada vez mais dificuldades para garantir sozinha as economias de escala necessárias para continuar na vanguarda tecnológica e industrial.

A analista Helene Masson constata, na revista "Géoéconomie", de Paris, que os grandes grupos industriais de defesa estão privilegiando relações de parceria e divisão de riscos financeiros e tecnológicos. A transferência de tecnologia tornou-se um critério-chave e que se impõe nas compras de equipamentos de defesa. Hoje, Índia, Brasil, Coreia do Sul e Emirados Árabes Unidos são países particularmente agressivos para obter transferência de tecnologia, segundo Masson.

Os franceses procuram mostrar que o Brasil é mais do que um grande cliente de equipamentos, e sim um parceiro estratégico para dividir o custo da inovação tecnológica. Os dois governos querem estimular joint ventures para competir juntos no mercado internacional contra rivais dos Estados Unidos e da China.

Além disso, o Brasil tem um programa bilionário, estimado em pelo menos R$ 200 bilhões, de reaparelhamento das Forças Armadas nos próximos 20 anos. Os franceses querem ser escolhidos não só na venda dos caças (FX2), como na de porta-aviões (Pronae), navios de superfície (Prosuper), vigilância e controle marítimo (Sisgaaz). Outro interesse é o programa de grande satélite geoestacionário de telecomunicações (SBG), que vai pilotar toda a banda larga e ser usado em parte da defesa brasileira.

A Marinha tem cinco submarinos (Tupi, Tamoio, Timbira, Tapajó e Tikuna), inspirados no projeto de submarino alemão tipo 209 e que precisarão ser substituídos gradualmente. Isso ocorre num cenário em que o Brasil pleiteia junto às Nações Unidas estender sua área marítima, atualmente de 3,5 milhões de km2, até os limites de sua plataforma continental. Isso significa superar as 200 milhas náuticas de sua zona econômica exclusiva. Incorporando uma área adicional de 963 mil km2, a área marítima será o equivalente à quase metade do território terrestre.

Essa gigantesca área oceânica tem enormes interesses econômicos, incluindo concentração de minerais estratégicos. Também do subsolo marítimo o Brasil retira a maior parte de seu petróleo e gás. O especialista Eduardo Italo Pesce escreveu que, "apesar de possuir a sexta economia mundial, o Brasil é a mais vulnerável entre as potências emergentes".

Nesse cenário, o Prosub inclui a construção de quatro submarinos convencionais diesel-elétrico; a fabricação de um submarino nuclear, cabendo ao Brasil o desenvolvimento do motor a propulsão nuclear e da "ilha nuclear" do estaleiro; fornecimento de torpedos e sistemas de combate; a construção de estaleiro e de base naval em Itaguaí (RJ), com capacidade de operar submarinos convencionais e nucleares.

Significa transferência de tecnologia por décadas, na concepção, projeto, fabricação e manutenção de submarinos convencionais e nucleares.
Parte da equipe de técnicos e engenheiros brasileiros que trabalham na construção do submarino em Cherbourg

Mas os brasileiros não se enganam com a expressão "transferência de tecnologia". "Você pode transferir equipamentos e dados técnicos, mas tecnologia é capacidade de projetar e de fazer, e isso é adquirido, não transferido", diz Bustani. "A melhor maneira de transferir tecnologia é projetando e fazendo coisas juntos."

O chefe das operações pelo lado brasileiro em Cherbourg, o comandante Guilherme Dionísio, que chefiou a construção do último submarino no Brasil, o Tikuna, lançado em 2005, acrescenta: "Transferência de tecnologia é absorção. É preciso ter gente com capacidade de absorver, estudar, fazer perguntas adequadas e saber processar o conhecimento. Senão, será mero espectador. Por isso, muitas vezes a transferência de tecnologia falha."

A maioria dos brasileiros que trabalha no projeto participou antes na construção dos cinco submarinos atuais da Marinha, diz o comandante Humberto Caldas da Silveira Júnior, chefe do Prosub na França e ex-comandante do submarino Timbira.

Desde agosto de 2010, quando começou a construção do primeiro submarino, em Cherbourg, mais de 220 brasileiros receberam cursos e programas de formação na França. A cooperação e transferência de tecnologia ocorrem através dos projetos de submarinos em Lorient, sistemas de combate em Toulon, sonares em Sophia-Antipolis e torpedos em Saint-Tropez. Cerca de 80 militares e engenheiros foram formados na França e voltaram ao Brasil para treinar pessoal suplementar.

Os cursos de engenharia em Lorient já ajudaram na concepção preliminar do submarino nuclear no Brasil neste ano. Além disso, desenvolve-se o estaleiro naval em Itaguaí, que será inaugurado provavelmente em janeiro.

Cherbourg já era um porto militar importante sob Luís XVI. É hoje conhecido internacionalmente por ter sido o principal objetivo das tropas americanas no desembarque na Normandia, em 1944, no assalto contra os nazistas.

Aqui era o antigo Arsenal da Marinha francesa, que foi privatizado, mas continua com influência do capital estatal. A verificação de acesso é discreta, mas firme. Existe uma preocupação constante com espionagem industrial.

A reportagem do Valor visitou a construção do submarino acompanhado do adido naval brasileiro em Paris, comandante Jorge Machado, e do chefe do Prosub na França, comandante Silveira Júnior, ambos com ampla experiência no acompanhamento dos projetos com os franceses.

A oficina de construção parece uma enorme caixa azul no centro do estaleiro. Lá dentro, o espaço é dividido por uma cortina branca que vai até o teto fechado. De um lado, está o "Espaço Brasil da Marinha brasileira". Do outro, a construção da próxima classe de submarinos nucleares de ataque franceses, o Barracuda. Ninguém tem direito de atravessar a linha. Os raros visitantes, então, nem pensar.

"Não faça fotos, senão vou preso", avisa um funcionário francês. A DCNS contratou uma fotógrafa para a visita. Menos para fotografar, na verdade. Nada de foto do que já existe do submarino. A explicação é que um olho especializado vai identificar segredos. No dia seguinte, fotos com o submarino foram encontradas em site da mesma empresa.

Para os brasileiros, Cherbourg une a atividade de transferência de tecnologia e o acompanhamento e construção do submarino.
Croqui do submarino brasileiro que está sendo construído em Cherbourg, inspirado no modelo francês Scorpène

Mas aqui só será feita a primeira parte do primeiro submarino, que inclui a proa e a vela, já em fase final. A segunda parte e os outros submarinos vão ser construídos no Brasil. A expectativa é incluir cada vez mais equipamentos brasileiros de firmas que estão se capacitando, podendo criar um importante polo industrial naval em Itaguaí.

O primeiro submarino deve ser lançado em 2017, o segundo, 18 meses depois. E a grande novidade, o submarino nuclear, em 2021.

Técnicos e engenheiros brasileiros discutem animadamente em torno de gráficos e desenhos. Os documentos vêm em inglês e francês. Eles contam com a ajuda de uma tradutora francesa que morou na Bahia. Todos assinaram cláusula de confidencialidade.

Os submarinos brasileiros não serão uma cópia exata do modelo Scorpène, que a França exporta para o mundo todo. A embarcação francesa tem 60 metros e 1.700 toneladas. Já o brasileiro SBR será mais longo, com 71 metros e 1.850 toneladas, incluindo uma seção desenhada por técnicos brasileiros, que dará mais autonomia e raio de ação ao submarino.

A jovem capitão-tenente Luciana Verissimo tem uma tarefa precisa em Cherbourg: aprofundar-se no planejamento da construção de submarino. Como o espaço é muito confinado, é preciso ter clareza sobre a sequência da fabricação. Com 32 anos na Marinha, o engenheiro naval Alberto Dumont Pinto Ferreira chefia a inspeção de material comprado dos franceses.

Solda, pintura, amortecedor. Os mínimos detalhes são estudados e aperfeiçoados. Um aço especial torna a resistência mais elevada e a espessura do submarino mais leve. E isso faz a soldagem mais complicada e exige mais qualificação. Pedro, Galvão, Vagner e outros técnicos dizem que precisam aprender o método francês de construir submarino, e também garantir a rastreabilidade, para saber onde fazer no futuro um reparo de maneira correta.

Numa área cercada por cortinas, os seis tubos de torpedos estão sendo desmontados por brasileiros também como aprendizado. Em outra área, está em preparação o chassi que vai conter equipamentos e será montado sobre calços amortecedores. Isso para o submarino diminuir o nível de ruídos, no desafio de ser o mais discreto possível quando mergulhado.

Área militar restrita combina com sigilo. Mas sabe-se que, com a experiência conjunta na França, o Brasil já teria conseguido a independência no ciclo completo de produção do casco do submarino. Os técnicos também aprenderam a fabricar calotas para os tubos de torpedos, que envolvem processo artesanal, além dos próprios tubos de torpedos. No acordo com a Alemanha, o Brasil recebia os tubos de torpedos prontos.

Nos meios militares, a experiência com os franceses na área do submarino é ainda mais interessante quando se considera o drama de o país não ter seu programa espacial, com satélites, atribuído ao fato de não conseguir sequer comprar peças sensíveis por causa da desconfiança de parceiros.

Para o embaixador Bustani, a parceria de indústrias estratégicas de defesa brasileiras com companhias francesas representa "oportunidade de economizar décadas de trabalho e dezenas de bilhões de reais", comparada a tentativas de chegar aos mesmos resultados sozinho.

A transferência de tecnologia francesa ocorre também pela aquisição de 50 helicópteros EC-725. A produção está sendo incorporada pela Helibras, filial brasileira da Eurocopter, com crescente aumento de conteúdo nacional. A fábrica de Itajubá está sendo duplicada. O objetivo é criar um segundo polo de competitividade Aeronáutica e exportar helicópteros para a América do Sul.

Em Paris, a visita da presidente Dilma deve começar a examinar, mas provavelmente não decidir, novas frentes de parcerias na indústria de defesa. E outros europeus estão de olho. David Cameron, primeiro-ministro britânico, quando esteve recentemente no Brasil ofereceu tudo que era possível para atrair contratos militares para o BAE Systems, que procura reduzir sua dependência do mercado dos EUA.

Já em Paris, o anfitrião François Hollande tem sinalizado aos brasileiros que considera o Brasil o parceiro mais importante da França entre os emergentes e quer relançar a parceria estratégica sem ficar bloqueado na questão da compra dos aviões de combate.
VALOR..SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Dilma viaja à França para tratar de crise econômica e defesa


BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff viaja neste domingo para Paris. Na capital francesa, a presidente ficará até quarta-feira, quando segue para Moscou, na Rússia. Nesta segunda-feira, Dilma deve se reunir com o presidente da França, François Hollande. Para negociadores franceses e brasileiros, um dos temas tratados será a venda de 36 caças franceses para o Brasil.
Em agosto, os ministros, Antonio Patriota, das Relações Exteriores, e Celso Amorim, da Defesa, se reuniram com autoridades francesas para conversar sobre o assunto. Os Rafale, da fabricante francesa Dassault, concorrem com os caças F/A-18E/F Super Hornet, da norte-americana Boeing, e com os Gripen NG, da sueca Saab. Mas o processo ainda está indefinido.
Na terça-feira, Dilma e Hollande participam do seminário Fórum pelo Progresso Social - O Crescimento como Saída para a Crise, promovido pelo Instituto Lula e pela Fundação Jean-Jaurès. A proposta do seminário, segundo organizadores do evento, é promover uma reflexão e analisar os desafios impostos pela globalização.
Participarão do seminário o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 12, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega. No total, foram convidados 25 pessoas consideradas de destaque internacional. Lula participará da mesa redonda intitulada Reflexões para o Futuro e Mantega dos debates sobre justiça social em uma economia globalizada.
Durante a viagem à França, Dilma também quer conversar sobre a ampliação de parcerias com o país nas áreas de educação, ciência, tecnologia e inovação. Em discussão o programa Ciência sem Fronteiras. Depois, a presidente segue para a Rússia, onde deve permanecer até o final desta semana. A viagem à Rússia deve ser a última internacional de Dilma em 2012.
(Agência Brasil)SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Empresa lança antivírus 100% nacional para mercado corporativo


A BluePex, empresa nacional especializada em soluções para a segurança da informação, anunciou o lançamento do antivírus Defesa BR, 100% desenvolvido no Brasil. Disponível inicialmente apenas para o mercado corporativo e órgãos públicos, a solução traz uma série de melhorias técnicas que são frutos da parceria fechada em 2012 pela BluePex para o fornecimento da tecnologia de antivírus para o Exército Brasileiro.
Um dos principais objetivos do Defesa BR é trazer maior estabilidade no trabalho com grandes redes - o que permite que ele seja utilizado em empresas e órgãos públicos que contam com milhares de estações de trabalho. A versão corporativa apresenta recursos como painéis de controle, indicadores de desempenho e de ferramentas para que o gestor tenha maior autonomia na administração do antivírus.
"Com um fornecimento das licenças de uso e implementação de um laboratório de análise e vírus nas instalações do Exército, a BluePex passou a atuar em uma das maiores redes do País, com mais de 60 mil estações. O conhecimento que estamos ganhando com esse projeto já está embarcado no Defesa BR", afirma Ulisses Penteado, vice-presidente da BluePex. "O Defesa BR chega ao mercado com uma estrutura de servidores potente, e com base de malwares e sites maliciosos ampliada, o que torna o antivírus ainda mais eficiente em relação às ameaças que existem no Brasil", diz Penteado.
Em janeiro de 2012, a BluePex fechou um contrato com o Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército (CCOMGEX) para o fornecimento de licenças de uso de seu antivírus e implementação de um laboratório de análise de vírus nas instalações do Exército, em Brasília. A parceria prevê o desenvolvimento conjunto do antivírus, tendo em vista o fortalecimento da tecnologia brasileira para a defesa. O contrato é válido por dois anos.

Distribuição
O novo antivírus será comercializado exclusivamente pelos mais de 30 canais da BluePex em todo o Brasil. Paralelamente ao lançamento, a empresa iniciará uma campanha de expansão da rede de revendas, tendo em vista aumentar a capilaridade do produto.
“Embora já contemos com uma rede abrangente em todo o território nacional, ofereceremos condições especiais de remuneração para as revendas que tiverem o interesse de incluir o Defesa BR em seu portfólio. Além disso, ofereceremos todo o treinamento e suporte necessário para que comercializem a ferramenta”, afirma Ulisses Penteado.
UOL..SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Operacion Exocet- operacion ultra secreta entre Peru y Argentina en la g...

Tor-M1 exercise

Arquivo do blog segurança nacional