segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Programa F-35: Lockheed Martin e Pentágono chegam a um acordo para o LRIP-5


O Departamento de Defesa dos Estados Unidos e a estadunidense Lockheed Martin alcançaram, em principio, um acordo para a produção de 32 aviões de combate de 5ª geração F-35 Joint StrikeFighter (JSF) correspondentes ao 5º lote de produção inicial de baixa cadência (LRIP-5-Low-Rate Initial Production-5). O acordo é resultado de um agitado período de negociações que durou mais de 18 meses, dentro do qual aconteceram momentos de impasse e reivindicações de ambas as partes.
O vice-almirante Dave Venlet, gerente-executivo do programa F-35, disse que apesar do longo período de negociações, chegou-se a um entendimento positivo tanto para a Lockheed Martin quanto para o governo dos Estados Unidos. Venlet destacou que os custos de produção estão decrescendo e o compromisso assumido por todos os envolvidos foi importante para o processo de negociações.O LIRIP-5 compreende a produção de 22 F-35A para a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), três F-35B STOVL (decolagem curta e aterrissagem vertical) para o Corpo de Fuzileiros Navais (US Marine Corps) e sete F-35C para a Marinha dos Estados Unidos (US Navy).
Apesar da indefinição do acordo até então, a Lockheed Martin já havia iniciado a produção das aeronaves em dezembro de 2011. O LIRIP-5 incluirá também fundos para equipamentos de suporte à produção, instrumentação para testes de voo e equipamentos auxiliares de missão.
A Lockheed Martin possui em carteira contratos para a produção de 69 F-35, lote correspondente aos LRIP de 1 a 4. Dessa quantidade, 29 unidades LRIP foram entregues juntamente com 19 exemplares destinados à fasecontratual de desenvolvimento e demonstração de conceito.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Rússia quer Rockets reutilizável por 2020


O primeiro vôo de um foguete reutilizável russa que retorna à plataforma de lançamento em seu próprio poder poderia ocorrer em 2020, as autoridades espaciais russas dizem.
O reforço flyback, chamada de Módulo Foguete Re-entrada (RRM), faz parte de um projeto maior russo, que tem como objetivo desenvolver uma parte do foguete reutilizávelchamado o veículo de lançamento reutilizável integrado, ou RILV. O MRR seria a primeira etapa do RILV.
O MRA é projetado para operar por 100 lançamentos, e seu motor principal, chamado de motor de foguete de combustível líquido (LPRE), será inicialmente re-inflamáveis ​​10 vezes, com o objetivo final de 25 usos. O LPRE vai queimar oxigênio líquido junto com o metano ou querosene, segundo as autoridades.O MRR está sendo desenvolvido para a Agência Espacial Federal Russa pela Pesquisa do Estado Khrunichev e Centro Espacial de Produção, com sede em Moscou. Galeria: 50 Grandes Fotos de Lançamento foguete russo ]
"Vamos terminar o projeto do [RRM reforço da] preliminar até setembro de 2013, e nosso próximo passo será o desenvolvimento do sistema de manifestante, que irá incluir um motor como este [LPRE]", disse Anatoly Kuzin, diretor Khrunichev-geral adjunto, disse 03 de outubro em 63 Federação Internacional de Astronáutica do Congresso em Nápoles, Itália.
O RRM terá quatro LPREs como motores, Kuzin acrescentou. Se um falhar durante a subida , os outros irão aumentar a sua pressão a 130 por cento dos seus níveis normais. Além da tecnologia de foguete convencional, o RRM vai usar componentes de aviação, filosofias de design e tecnologias. Após sua fuga, o RRM vai cruzeiro de volta para seu local de lançamento de forma autônoma, usando uma asa, junto com motores a jato airbreathing localizados em seu nariz.
Dois modelos de RRM estão a ser estudadas, um com um "asa articulada" convencional e o outro com um aerodinâmico "asa afilada." A forma do nariz RRM é otimizado para as necessidades aerodinâmicas de reentrada de vôo e para acomodar os motores do reforço do jato, tanque de combustível, pneumáticos e hidráulicos, mecanismos e aviônicos, Kuzin disse. O reforço engrenagem de aterragem de três rodas é armazenado no nariz e na fuselagem. Como uma aeronave, o RRM tem um estabilizador vertical com um leme instalado na cauda.
O maior foguete RILV que o RRM força de vontade está sendo desenvolvido sob a agência espacial russa Phase do projeto do Sistema de um lançamento reutilizáveis. O RILV está sendo prevista para ser uma família de quatro veículos de lançamento que podem colocar entre 55.000 e £ 132.000 (25.000 a 60.000 quilogramas) de carga útil em órbita baixa da Terra (LEO).
A versão £ 55.000-usa um único núcleo de dois estágios e uma RRM. A 77.000 - e modelos £ 99.000-RILV usar um núcleo semelhante, mas incorporar dois reforços RRM vez de um. A variante de £ 132.000 utiliza um núcleo de mais de dois estágios e duas EMRR, Kuzin disse. O palco principal RILV provavelmente também usar o LPRE, que tem estado em desenvolvimento desde 2006.
O MRA vai separar do palco principal RILV a uma altitude de até 34 milhas (55 quilômetros) acima do local de lançamento, durante a viagem, cerca de sete vezes a velocidade do som, segundo as autoridades.
O MRR, então, continuar em uma costa suborbital. Quando desce a uma altitude de cerca de 12 milhas (19 km), vai inclinar sua asa e se envolver em uma manobra virando usando seus motores a jato. O reforço vai então para casa de cruzeiro para a pista do local de lançamento, provavelmente a partir de uma distância de cerca de 93 milhas (150 km).
Os EUA Air Force Research Laboratory anunciou um projeto semelhante em 2011 chamado de Sistema Booster reutilizável . A versão americana também empregar um estágio reutilizável primeiro que poderia voar de volta para a pista de pouso do local de lançamento. Em vez de usar motores a jato airbreathing, no entanto, o ofício EUA iria contar com o seu motor de foguete a desacelerar após o rebaixamento, em seguida, usar esse mecanismo novo para cruzeiro de volta para a pista. Nenhuma data foi dada para o lançamento de um sistema de demonstração para a versão dos EUA.
Siga SPACE.com..SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Rússia desenvolve novo sistema de reconhecimento passivo


Os meios de comunicação de massa russos discutem ativamente mais uma inovação militar. Segundo a imprensa, o Ministério da Defesa está terminando a coordenação do projeto de sistema versátil de reconhecimento e de informação (MRIS), que assenta em princípios de radioreconhecimento e deve descobrir alvos por sinais emitidos por seus aparelhos – de radares a sistemas de comunicação e de navegação.

Ponto de partida
Os detalhes do sistema são por enquanto inacessíveis. É possível contudo afirmar que os equipamentos semelhantes não são uma novidade. Todos os principais países elaboraram meios de reconhecimento radiotécnico (RTR). A mais conhecida é a estação de RTR Koltchuga, produzida na Ucrânia e desenvolvida ainda nos tempos soviéticos. A Rússia dispõe também de estações semelhantes, tais como a Vega e Valeria. Contudo, de acordo com as informações disponíveis, o novo MRIS é uma variante aperfeiçoada destes sistemas com um raio maior de deteção.
Ao mesmo tempo, as possibilidades de tal sistema podem ser alargadas à conta de leitura de informações de outras fontes de dados, além dos seus próprios postos de antenas. De acordo com a experiência estrangeira, o sistema pode receber dados obtidos a partir de várias fontes como: de torres de comunicação celular e pontos de acesso a Wi-Fi a antenas de rádio e TV. O problema consiste apenas em acesso a respectivas redes. É possível, naturalmente, desenvolver um aparelho voador absolutamente “silencioso”, mas suas potencialidades militares serão muito limitadas. Ao mesmo tempo, qualquer sinal de saída, inclusive sinais de radio-altímetros, poderão ser captados por estações de RTR.
Os MRIS poderão ter ainda destino civil. Tais estações poderão ser utilizadas para obter dados mais detalhados sobre a situação aérea, o que é muito importante para serviços de controle aéreo. Aeronaves comerciais, que emitem inúmeros sinais, podem ser descobertos a enormes distâncias e com uma alta precisão.
Em condições militares, as estações de RTR são capazes de descobrir o inimigo, ficando ao mesmo tempo despercebidas. Funcionando só em regime de recepção, as antenas destas estações podem detetar alvos por sinais de radioemissão com uma precisão bastante alta. No entanto, tais estações não podem servir de panaceia. São capazes apenas de completar e não de substituir o sistema integral de reconhecimento e de descobrimento.
Ao mesmo tempo, as potencialidades de tais estações crescem: à conta do aumento do número de canais sobe tanto a probabilidade de deteção de alvo, como a precisão. Em perspectiva, as estações de RTR podem ser utilizadas para indicar o alvo aos sistemas de ataque em regime de tempo real.
Entretanto, ainda é prematuro falar concretamente de um sistema versátil de reconhecimento e de informação (MRIS), que passará ainda por testes práticos.
VOZ DA RUSSIA SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Militares russos interceptarão foguete norte-coreano


Os militares russos interceptarão o foguete norte-coreano em caso de desvio de sua trajetória e evitarão a queda de seus destroços sobre importantes instalações no país, declarou uma fonte altamente colocada do ministério russo da Defesa.

Lembre-se que Moscou convidou Pyongyang a cancelar o lançamento do foguete, que só poderá ser possível após a revogação da resolução das Nações Unidas que proíbe a República Popular Democrática da Coreia de lançar foguetes de longo alcance baseados em tecnologias balísticas.
Hoje, no cosmódromo de Sohae foi instalado o primeiro dos três estágios do foguete transportador de satélite de pesquisa
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Congresso russo de política discute defesa e desenvolvimento nacional do Brasil

Evento, que tratou das mudanças no cenários político mundial e do fortalecimento de países emergentes, ocorre a cada três anos e neste ano teve a participação de mais de 34 países; o Brasil foi representado pelos professores e doutores Luiz Pedone e Flavio GaitanAs possíveis mudanças na configuração política mundial, com o destaque internacional de países emergentes como Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, estiveram na pauta de discussão do 6º Congresso Russo de Ciências Políticas, Rússia no Mundo Global: Instituto e estratégias de interação política em Moscou, que o correu na Universidade de Relações internacionais (MGIMO) nos últimos dias 22, 23 e 24.

O congresso ocorre a cada três anos e em 2012 teve a participação de mais de 34 países, entre eles o Brasil, que foi representado pelos professores Luiz Pedone e Flavio Gaitan. Só neste ano foram mais de mil participantes de diversas partes do mundo.

No caso brasileiro, temas como defesa e desenvolvimento nacional foram abordados durante as discussões.

“O próprio Barão do Rio Branco disse que não existe país forte sem um bom armamento militar. Nós temos questões importantes como a Amazônia, o pré-sal, as fronteiras, o narcotráfico e o petróleo. Hoje, a política do exército brasileiro está voltada para as fronteiras”, disse Pedone.

O professor ressaltou ainda que o maior problema do Brasil em relação à defesa trata-se da fronteira com o Paraguai (e as questões que envolvem os chamados brasiguaios) e o tráfico de armas, drogas e mercadorias em geral. Ao norte, também há problemas de tráfico de drogas na fronteira com Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia.

Outro destaque do congresso foi a abordagem do Brasil como uma potência –nos últimos anos, o país investiu para organizar uma agenda de desenvolvimento e  procurou diversificar a pauta de comércio exterior. 

“Somos a sexta economia do mundo e, sem dúvidas, uma potência regional. Temos um grande potencial para nos tornarmos a quarta ou quinta potência do mundo, mas o que nos impede é, em primeiro lugar, a educação, com um baixo nível de aprendizado de português e matemática, que barra o desenvolvimento de tecnologia própria”, disse Luiz Pedone.

De acordo com Gaitan, não há competição direta entre os países com o objetivo de mostrar quem é o melhor ou mais desenvolvido, mas o que ocorre hoje é uma concorrência por mercados. Para Gaitan, “o desenvolvimento de um país acontece quando você melhora o qualidade de vida das pessoas.

“Eu acho que o Brasil está fortalecendo um processo de desenvolvimento e só o tempo vai dizer se isso deu certo ou não. O país está se fortificando internamente em políticas sociais e na incorporação das massas visando uma política de desenvolvimento. Externamente, o país tem diversificado a pauta de comércio exterior” disse o professor.

Durante o evento foi ainda ressaltado a importância das pautas e dos debates e da necessidade da realização de mais congressos do tipo.

Rússia-EUA

Também durante o evento, o diretor do Instituto de Estudos sobre Canadá e EUA na Academia de Ciências, Serguêi Rogov, comentou sobre as perspectivas das relações russo-americanas após a eleição presidencial dos EUA. 

Para Rogov, os EUA agora estão mais concentrados em encontrar estratégias para sair da crise financeira. Rogov ressaltou a atuação do presidente Barack Obama, que há quatro anos tinha como umas das principais metas políticas achar uma saída para a crise, problema que ainda não foi resolvido.

Rogov falou também sobre a mudanças por que os EUA tem passado ao longo das últimas décadas

“Houve um aumento na população negra e latina e uma redução no número de cristãos. No Congresso Nacional já existem representantes muçulmanos, budistas, mulheres, gays e lésbicas, além de ateus. Por isso, dentro de alguns anos, os EUA serão outro país, sem suas configurações originais, ou seja, haverá uma mudança profunda na vida social e moral do país”, disse.

Quanto ao segundo mandato de Obama, Rogov diz não acreditar que a Rússia esteja na pauta do presidente americano.
gazetarussa..SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Agência Espacial Brasileira nega entendimentos com a Roskosmos


A Agência Espacial Brasileira declarou, em nota oficial, que não possui acordo para a criação de qualquer tipo de satélite em parceria com a Agência Espacial Russa (Roskosmos). Em novembro, as agências Gazeta Russa e RIA Novosti haviam informado sobre a possibilidade da Rússia construir um satélite de comunicação e sensoriamento remoto da Terra.
O presidente da Roskosmos, Vladimir Popovkin, chegou a afirmar em entrevista a jornalistas russos que os dois países já negociavam a construção do satélite.
Íntegra da nota oficial da Agência Espacial Brasileira:
“Houve, certamente, equívoco ou mal-entendido por parte das fontes que divulgaram tal informação. Os dois países não assinaram acordo sobre a criação de qualquer tipo de satélite. Deve-se salientar, porém, que a Agência Espacial Brasileira e a Agência Espacial Russa mantêm excelentes relações desde os anos 1990 e há, de fato, alguns projetos de cooperação bilateral em estudo por ambas as partes, mas que ainda não foram devidamente acertados.”
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional