segunda-feira, 19 de novembro de 2012

British Army in the Falkland Islands

XM607 - Falklands' Most Daring Raid

DOCUMENTAL ESPECIAL MALVINAS 30 AÑOS.flv

Malvinas contado por los ingleses

"防务对抗体系"亮相珠海航展 震撼演绎消息化战争

Disputas pelo Mar do Sul da China elevam tensão em cúpula asiática


JASON SZE - Reuters
O Japão advertiu nesta segunda-feira que a disputa sobre o Mar do Sul da China poderia prejudicar "a paz e a estabilidade" na Ásia, já que a China mantém estancado um plano para aliviar as tensões e os desentendimentos se aguçaram entre as Filipinas e o Camboja, também envolvidos na reivindicação de águas territoriais.
O mal-estar se tornou um desagradável pano de fundo na chegada do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Camboja para participar de uma cúpula regional, onde se prevê que ele vá fazer um chamado à China e nações do Sudeste asiático para que resolvam o problema, uma das principais questões de segurança na Ásia.
O primeiro-ministro japonês, Yoshihiko Noda, questionou os esforços do Camboja, um firme aliado da China, de limitar as discussões do encontro no que se refere ao Mar do Sul da China, área rica em minérios, onde as reivindicações chinesas se sobrepõem às de quatro países do Sudeste asiáticos e de Taiwan.
"O primeiro-ministro Noda levantou a questão do Mar do Sul da China, observando que isto é uma preocupação comum à comunidade internacional, e que iria ter impacto direto sobre a paz e a estabilidade da Ásia-Pacífico", assinalou um comunicado do governo japonês, depois que Noda se reuniu com líderes da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean), integrada por dez nações.
Essa declaração se seguiu a um comunicado divulgado no domingo por uma alto funcionário do Ministério de Relações Exteriores do Camboja, Kao Kim Hourn, dizendo que os líderes do Sudeste da Ásia "tinham decidido que de agora em diante não vão internacionalizar o Mar do Sul da China
Num sinal de tensão, o presidente filipino, Benigno Aquino, contestou o comunicado cambojano e disse que não foi feito nenhum acordo como esse, ao expressar suas objeções nos minutos finais de uma discussão tensa entre Noda e líderes da região.
Enquanto o primeiro-ministro do Camboja, Hun Sen, começava a encerrar o encontro com Noda, Aquino levantou repentinamente a mão e interveio rispidamente.
"Houve vários pontos de vista expressos ontem sobre a unidade da Asean que nós não entendemos que seriam traduzidos como um consenso da Asean", disse ele, segundo seu porta-voz.
"Que fique registrado que isso não foi o que entendemos. A via da Asean não é a única via para nós. Como um Estado soberano, é nosso direito defender nossos interesses nacionais."
As vias diplomáticas alternativas para as Filipinas iriam provavelmente envolver os Estados Unidos, um de seus mais estreitos aliados, cujo governo vem afirmando ter interesse nacional na liberdade de navegação através das rotas vitais no Mar do Sul da China.
No domingo, a Asean concordou formalmente em iniciar conversações sobre um Código de Conduta com o objetivo de reduzir o risco de focos de conflito naval, de acordo com seu secretário-geral, Surin Pitsuwan. Mas o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, pareceu ter minimizado a necessidade de ação urgente, durante conversas no domingo à noite com Hun Sen.
O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Qin Gang, disse que não conseguia "lembrar" de Hun Sem ter feito uma requisição formal de conversas.
"Leva algum tempo para a China e a Asean discutirem o Código", afirmou o porta-voz, repetindo o comunicado cambojano de que a Asean havia alcançado "uma posição comum" de não internacionalizar a questão e contradizendo assim diretamente ao presidente Aquino.
Obama vai reunir-se com líderes da Asean na noite desta segunda-feira e, na terça-feira, se encontrará com Wen.
A China reivindica soberania sobre águas ao Sul de sua costa e ao Leste de seu território continental no Sudeste asiático, o que deixa o país em oposição direta às Filipinas e Vietnã, aliados dos EUA. Brunei, Taiwan e Malásia também reivindicam parte das águas territoriais na região.
As relações sino-japonesas estão em momento de tensão por causa de uma disputa dos dois países por ilhas conhecidas como Senkaku no Japão e Diaoyu na China. 
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Sondas põem meta do pré-sal em xeque


SABRINA VALLE, SERGIO TORRES / RIO - O Estado de S.Paulo
Pressionada a elevar sua produção de petróleo, a Petrobrás corre contra o tempo para garantir os equipamentos necessários ao seu plano de multiplicar por dez a produção do pré-sal até 2020. Mas atrasos na contratação de equipamentos, como sondas de perfuração e embarcações de modelos diversos, ameaçam comprometer as metas da companhia, já reduzidas em 2012, após oito anos sendo descumpridas.
O risco concreto de entrega de equipamentos com atraso em relação ao prazo contratual irrita a presidente da Petrobrás, Graça Foster, que externou publicamente sua preocupação e fez um alerta aos responsáveis pelo cumprimento dos prazos.
"O pessoal que trabalha comigo sabe que odeio atraso, nem penso em atraso", disse ela no último dia 29 em palestra a estudantes e professores de unidades de ensino tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Nove meses após anunciar o acordo com a gestora Ocean Rig para a construção de cinco sondas, os contratos ainda não foram anunciados pela Petrobrás. Ao todo, a companhia encomendou 33 sondas no Brasil, das quais 28 à gestora Sete Brasil. Os entendimentos que levaram à assinatura do contrato com a Sete Brasil, que tem a petroleira na composição societária, demoraram tanto que a construção dos equipamentos também atrasou.
A Petrobrás contrata gestoras como a Ocean Rig e a Sete Brasil, que escolhem estaleiros para a construção das sondas. Preocupada com a série de atrasos a partir da gestão de seu antecessor, José Sergio Gabrielli, Graça, no cargo desde fevereiro, decidiu só autorizar os contratos entre gestores e estaleiros caso seja convencida da capacidade do fabricante de entregar o produto dentro do prazo.
A demora nos contratos para as 33 sondas representa um tempo precioso perdido, já que cada uma leva 48 meses para ficar pronta. A primeira sonda tem de ser entregue em 32 meses, prazo que expira em junho de 2015, e a última, em 2020.
Meta de produção. Graça quantificou o que a Petrobrás precisa receber em equipamentos (50 sondas e 49 navios) até 2020 para conseguir alcançar a meta de mais que dobrar a atual produção de petróleo (dos atuais 2 milhões de barris diários para 4,2 milhões em 2020). Hoje, o pré-sal produz 205 mil barris/dia. Em 2020, conforme os planos da empresa, serão 2,1 milhões, o que equivalerá a 50% da produção total brasileira.
"O fato é que isso é uma loucura total. Ninguém pode dormir quando se tem de construir tanta coisa. E é fato consumado, porque sem isso você não produz petróleo. (...) Se não entrar (petróleo), eu não consigo atender à curva de produção", disse a executiva.
Os atrasos não são apenas da indústria naval, de acordo com ela. Na fala aos universitários e mestres, ela evidenciou que já conta com os atrasos, apesar de repudiá-los.
"Para a produção dos 4,2 milhões de barris de óleo em 2020 precisamos ter no Brasil 50 novas sondas de perfuração entre 2012 e 2020. (...) As contratadas no exterior, todas atrasaram. (...)Foram feitas na China, na Coreia porque não havia condição de preparar os estaleiros para que fossem feitas aqui. O fato é o seguinte: para atrasar lá fora, que atrase aqui. Porque lá fora somos mais um e aqui nós somos a Petrobrás. Então, aqui está gerando emprego, gerando renda, gerando aprendizado", disse.
Cada sonda, uma espécie de navio com tecnologia de ponta para extrair óleo das profundezas do pré-sal, custa cerca de US$ 800 milhões. Serão as primeiras fabricadas no Brasil. Graça quer saber exatamente onde serão feitas, por quem e como, para evitar a repetição dos atrasos que levaram a companhia a descumprir as metas de produção no passado.
"Nós acompanhamos sistematicamente, religiosamente. Eu acompanho todos os meses mais de 400 projetos. A Petrobrás, no plano de negócios (2012-2016), tem 980. Acompanho projetos que significam em torno de 80% dos investimentos da companhia. Não pode atrasar. Vira uma guerra atrasar projeto para a Petrobrás. Virou uma guerra, é uma catástrofe total. Não pode atrasar."
Até agora, só uma sonda começou a ser construída no Brasil, com o corte de chapa (primeira tarefa da fabricação) iniciado em junho no estaleiro Keppel Fels (RJ). Um sinal do atraso é o fato de o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), apesar de estar com o trâmite interno adiantado, só prever o início da liberação dos recursos no fim do primeiro semestre de 2013.
Em tese, ainda há tempo útil para recuperar o cronograma. Pelo menos um estaleiro envolvido na disputa da Ocean Rig garante encurtar a construção da sonda para 36 meses. Mas os prazos ficam cada vez mais apertados.
Sem conversa. "Trinta meses não são 40 meses. Porque isso é custo. Você está tornando tardia a produção de petróleo. Se você não produz petróleo, não gera receita. Se você não gera receita, como vai fazer térmica a gás, como vai construir gasoduto? Isso é o que vai para a minha mesa todo mês. Eu chego nas reuniões, não quero ficar com muita conversa, quero saber do ponto que parou", afirmou Graça.
A Petrobrás fechou em fevereiro acordo com a Ocean Rig, que propôs os estaleiros do Grupo Synergy (Mauá e Eisa Alagoas) para a construção das sondas. O contrato de afretamento da Ocean Rig, fechado por US$ 535 mil/dia, previa a chance de redução posterior da quantia. Para o Synergy, a diminuição foi excessiva. Desde então, as negociações entre Ocean Rig, Petrobrás e Synergy não avançaram.
A Ocean Rig procurou a OSX, do megaempresário Eike Batista, e fez nova proposta à petroleira. A Petrobrás informou em nota: "Não existe decisão a ser divulgada neste momento por parte da Petrobrás, que está avaliando os termos da proposta para verificar o atendimento às premissas da licitação e a adequação aos seus interesses."
A Sete Brasil mantém o prazo de entrega da primeira sonda em junho de 2015 e diz que não haverá atrasos. Já a Petrobrás passou a usar 2016 em suas apresentações nos últimos meses.
segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional