Wikipedia

Resultados da pesquisa

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Desaceleração econômica adia plano de compra de caças


varo Campos, da Agência Estado
ÁlSÃO PAULO - O ministro da Defesa do Brasil, Celso Amorim, afirmou que a desaceleração econômica tem atrasado a decisão do governo de adquirir uma nova geração de jatos de combate. "O projeto não está sendo abandonado. Haverá uma decisão no tempo certo. Mas, hoje, eu prefiro não dar uma data", comentou o ministro em uma entrevista para a Dow Jones. "A situação econômica está menos favorável do que o esperado e naturalmente exige cuidado", acrescentou.Três competidores internacionais estão na disputa para fornecer os caças para o Brasil: a sueca Saab, com o modelo Gripen NG; a norte-americana Boeing, com seu F/A-18 Super Hornet; e a francesa Dassault Aviation, com o Rafale.
O governo brasileiro enviou uma carta para essas empresas em junho, pedindo que suas propostas fossem estendidas até dezembro. Segundo o governo, essa é uma prática comum, que ocorre a cada seis meses quando não há uma decisão. "Eu não estou em conversações com nenhuma companhia no momento, o que não exclui a possibilidade de eu receber alguém aqui", comentou Amorim em seu escritório em Brasília.
"Hoje, eu não diria que nenhuma companhia é favorita. A questão mais importante é quando nós vamos fazê-lo e, então, analisaremos novamente as propostas", explicou o ministro. "Existe a necessidade de nos reequiparmos, mais isso precisa ser resolvido de acordo com as possibilidades do país".
Ele disse ainda que preço, qualidade e transferência de tecnologia são os três principais elementos, "mas o peso específico que será dado a cada um deles é algo que eu ainda não tive a chance de discutir profundamente".
Amorim afirmou ainda que quer elevar o orçamento da Defesa para 2% do PIB, o que traria o Brasil para mais perto dos níveis observados em países como China, Rússia e Índia. "Esse é meu objetivo. Não é um programa de governo aprovado. É algo que eu considero razoável de ser atingido". Segundo o ministro, os gastos com defesa podem ser uma maneira eficiente de criar e manter empregos durante a atual desaceleração econômica, além de fornecer incentivos para avanços tecnológicos. As informações são da Dow Jones.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Projeto atômico iraniano está mais imprevisível, diz Israel


Reuters
TEL-AVIV - As ações nucleares do Irã estão se tornando cada vez mais imprevisíveis para os serviços israelenses e norte-americanos e isso dá mais urgência aos esforços para dissuadir Teerã de desenvolver armas nucleares, disse o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, nesta quinta-feira, 9.Ele comentava uma reportagem do jornal Haaretz, segundo a qual o presidente dos EUA, Barack Obama, havia recebido uma Estimativa de Inteligência Nacional (EIN) dando conta de que o Irã obteve progressos significativos e surpreendentes no desenvolvimento de armas atômicas.
"Provavelmente realmente existe tal relatório norte-americano de inteligência --não sei se é uma EIN-- rodando pelos principais gabinetes (de Washington)", disse Barak à Rádio Israel.
"Até onde sabemos, ela traz a avaliação norte-americana mais próxima da nossa..., torna a questão iraniana ainda mais urgente e (mostra que está) menos claro e certo que iremos saber tudo a tempo sobre seu constante progresso rumo à capacidade nuclear militar."
Israel, considerada a única potência nuclear do Oriente Médio, vê o programa nuclear iraniano como uma ameaça à sua existência, e não descarta atacar militarmente as instalações atômicas da República Islâmica para impedir o desenvolvimento de armas atômicas. Teerã nega ter a intenção de desenvolver bombas atômicas.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arábia Saudita irá abater aviões da Força Aérea israelense


As autoridades sauditas avisaram Tel-Aviv sobre sua intenção de abater aviões israelenses em caso de sobrevoarem o espaço aéreo do reino com destino ao Irã, informa hoje o diário israelense Yedioth Ahronoth.

De acordo com o jornal, a mensagem de Er-Riad foi transmitida através de colaboradores da administração estadunidense durante conversações que mantiveram recentemente com responsáveis de Israel em Jerusalém.
De acordo com informações veiculadas anteriormente na mídia, Israel estaria preparando uma ação militar unilateral contra o Irã com receio de desenvolvimento de seu programa militar. Segundo o jornal, o ataque aéreo de Israel pode ser levado a cabo também através do espaço aéreo do Iraque.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Rússia começa testes de caça T-50 com novo radar


Rússia começou a testar um caça de quinta geração T-50 com o novo sistema de radar de varredura eletrônica ativa.

O novo radar foi instalado no terceiro protótipo promissor de caça T-50-3.
O sistema irá permitir ao T-50 reconhecer e classificar alvos múltiplos e individuais a longa distância, bem como realizar a orientação simultânea de armamento a alguns deles. Além disso, o sistema fornecerá comunicações e contramedidas eletrônicas.
De acordo com o calendário atual, o fornecimento do T-50 em série para as tropas está previsto para 2015.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Aviação de longo alcance russa agora dispõe de um novo míssil de cruzeiro

Um novo míssil de cruzeiro entrou em serviço na Força Aérea Estratégica de Longo Alcance da Rússia, afirmou nesta terça-feira o ministro da Defesa da Rússia, Anatoly Serdyukov.

Serdyukov não deu maiores detalhes do novo míssil, apenas disse que era um de longo alcance lançado de uma plataforma aérea.


O comandante da Força Aérea Russa, o coronel-general Alexander Nikolayevich Zelin, disse que o míssil de cruzeiro foi desenvolvido pela empresa Taktitcheskoye Raketnoye Vooruzhenie (Míssil Tático) e que as especificações do mesmo eram secretas.  Ele também disse que os novos mísseis serão instalados nos caças quinta geração russos.

Douglas Barrie, um analista de guerra aérea do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos com sede em Londres, disse que o novo míssil provavelmente de ser o Kh-555 ou Kh-101/102. O Kh-555 é uma variante convencional do míssil de cruzeiro com capacidade nuclear Kh-55, que está em serviço na VVS desde 1984 a bordo dos bombardeiros estratégicos Tu-95 e Tu-160.

O Kh-101 é um míssil de cruzeiro com capacidade nuclear que fora desenvolvido pela Raduga design bureau, juntamente com uma variante convencional (Kh-102). O GLOBALSECURITY, afirma que esse míssil foi testado em outubro de 1998. Alguns relatórios afirmam é em si uma variante do Kh-555.

Serdyukov disse também que a frota russa de bombardeiros estratégicos de longo alcance Tu-160 “Blackjack” e Tu-95MS “Bear” serão modernizados.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Será que Polônia decidiu criar seu próprio escudo antimíssil?


Os peritos e comentaristas da mídia europeia não param de tecer conjeturas a respeito da declaração inesperada do presidente da Polônia, Bronislaw Komorowski, feita na entrevista à revista polaca Wprost.

Ele propôs, nada mais nada menos, do que criar o seu próprio sistema de defesa antimíssil. De acordo com o presidente, este sistema deve ser "capaz de proteger o país" contra as potenciais ameaças balísticas. Futuramente, afirma ele, o sistema polonês de defesa antimíssil pode vir a ser uma parte do “escudo” comum da NATO.
Quanto à causa de apresentação desta sua iniciativa, aí Komorowski primou na mesma medida pela franqueza e pela falta de respeito em relação ao seu parceiro ultramarino na aliança. Mais exatamente, em relação ao presidente Barack Obama, que continua por enquanto a dirigir a Casa Branca. O líder polaco afirmou, em particular, que um erro que a Polônia fez ao concordar com a proposta dos EUA sobre o sistema europeu de defesa antimíssil, foi não levar em consideração "todo o risco político", relacionado com a mudança do presidente. Komorowski ressaltou que os polacos tiveram que pagar um "alto preço" por isso e que futuramente semelhantes erros não se podem repetir.
Como se sabe, Obama alterou o plano do seu antecessor, George W. Bush, a respeito da instalação de mísseis interceptores e de radares na Polônia e na República Checa, dilatando o processo de criação do "escudo antimíssil" europeu ao longo de quatro etapas. É preciso constatar que este gesto não foi um "presente muito valioso" para a Rússia, pois o objetivo final dos EUA continua o mesmo. Todavia, o diretor do Centro Russo de Análise de Estratégias e de Tecnologias, Ruslan Pukhov, afirma que mesmo esta decisão da Casa Branca por pouco não foi interpretada pela direção da Polônia como traição. Komorowski está preocupado também com o fato de que os sistemas de que a Polônia dispõe já serem obsoletos. Por isso, afirma ele, simplesmente não vale a pena gastar meios com a sua renovação.
Vamos deixar de lado a questão de saber o que é mais sensato nas condições da atual crise – renovar os meios de defesa antiaérea existentes ou criar a partir do zero todo um sistema de proteção contra os golpes aéreos e balísticos. Como se diz, é o dono que sabe! Mas neste caso impõe-se uma outra questão – de onde virão os golpes aéreos que Varsóvia receia tanto? Aliás, a mesma pergunta pode ser feita relativamente a várias outras capitais europeias, especialmente às capitais dos países bálticos. Quanto a um possível ataque balístico do Irã ou da Coreia do Norte, disso na Europa praticamente não se fala mais. Mas quanto a alusões à região russa de Kaliningrado, onde os antimísseis russos podem ser instalados em caso de criação do "escudo" da NATO, estas é que não faltam e os autores destas afirmações preferem não perceber que, neste caso, a lógica das suas considerações está virada "de cabeça para baixo". O perito militar Viktor Litovkin, redator-chefe do jornal Resenha Militar Independente, constata na declaração de Bronislaw Komorowski uma série de nuances:
"Por um lado, isso tem o aspeto de recriminação aos americanos por terem protelado o processo de criação do sistema europeu de defesa antimíssil, afirma o perito. Mas quanto à Rússia, afirma-se que ela estaria ameaçando a Polônia já agora, pois pretende instalar no território da região de Kaliningrado os seus complexos antimísseisIskander-M. Os autores destas declarações ignoram por completo o fato de a Rússia pretender instalar estes antimísseis somente como resposta à instalação do sistema americano de defesa antimíssil no território da Polônia. Por outro lado, esta é uma forma de apoio à indústria militar americana pois os elementos do sistema antimíssil dos EUA serão adquiridos precisamente aí. Tal é a posição dupla de Varsóvia em relação ao aliado. O mais engraçado nisso é que este tal aliado não aprecia muito os esforços feitos pela Polônia no Iraque, no Afeganistão e em outros locais."
É preciso constatar que a iniciativa de Varsóvia, que pode ser qualificada, usando palavras bem medidas, de pouco comum, tem como pano de fundo as permanentes declarações a favor da criação do escudo antimíssil americano na Europa. O jornal alemão Der Tagesspiegel afirma, por exemplo, que o perito em questões de defesa Svenja Sinjen, da Associação Alemã para a Política Externa, DGAP, já percebeu a ameaça por parte de certos misteriosos mísseis sírios. "Por isso, afirma o jornal, é preciso construir o escudo da Europa apesar da resistência da Rússia". Como se diz, "o medo torna tudo maior". Será que os demais membros da aliança irão seguir a iniciativa de Komarowski? Quanto à crise econômica, ela que espere.
segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional