sábado, 30 de junho de 2012

Governo injeta US$ 60 mi em fábrica de mísseis


A poucos minutos a pé da estação de metrô Voikovskaia, em Moscou, entre edifícios residenciais e empresas, está localizada a fábrica de mísseis antiaéreos Avangard (vanguarda, em português).

Outrora secreta, a área ocupada pelas oficinas foi há muito tempo fotografada por satélites e esquadrinhada pelos serviços secretos estrangeiros. Hoje em dia, apesar de a fábrica manter o mesmo regulamento rigoroso de entrada e saída dos tempos soviéticos,  não faz mais sentido esconder sua localização.

A empresa entrou no século 21 totalmente arruinada. Nas oficinas não havia calefação nem água. No inverno, o pessoal da empresa tinha que fazer fogueiras nas oficinas de montagem para aquecer o equipamento que não funcionava a baixas temperaturas.

Segundo o diretor-geral da Avangard, Guennádi Kóguin, o processo de decadência foi gerado pela destruição do sistema de gestão setorial nos anos 90. Sem encomendas nem financiamento, a empresa estava pedindo socorro. 



A recuperação começou em 2002 quando a companhia foi incorporada ao consórcio Almaz-Antei, focado em desenvolver sistemas de defesa antiaérea. Com a adição de diversos setores e centros de pesquisa e desenvolvimento pouco tempo, a empresa quase alcançou a capacidade produtiva dos tempos soviéticos.

Embora a empresa passe por situações difíceis comuns a qualquer companhia, Kóguin acredita que auxílio estatal de aproximadamente dois bilhões de rublos (cerca de US$ 60 milhões) entre 2011 e 2020 cumprirá o objetivo de modernizar as instalações.

Do montante a ser recebido, 1,2 bilhões serão investidos, até 2015, na compra de equipamento e mais de 600 milhões, para atualizar a infraestrutura da empresa, conhecida por construir os sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400. “Atualmente, a empresa investe no programa de sua modernização entre 100 e 120 milhões de rublos por ano”, contrapõe Kóguin.

No ano passado, a Avangard fechou contratos de quatro e cinco anos com o ministério da Defesa da Rússia, período em que a Avangard manterá o monopólio de fornecimento de munições para o sistema de mísseis antiaéreos S-400 Triunfo. 


Linha dura

A oficina de montagem de mísseis antiaéreos tem estrutura moderna. Pisos espelhados, limpeza impecável e, no inverno, a temperatura média no interior da oficina é de 23 graus positivos.

A empresa tem um forte esquema de controle de qualidade em cada etapa de produção. “Se um componente não passar por nosso controle de qualidade, fazemos uma reclamação à empresa parceira ou subcontratada e lhe cobramos uma multa”, adianta Kóguin.

Os mísseis prontos são enviados ao centro de controle de qualidade e testes (CCQT), onde todos os seus componentes elétricos são testados. Depois, os mísseis são submetidos ao teste de infiltração de água.

Após as avaliações no CCQT, os mísseis recebem ogivas e são enviados a depósitos militares onde permanecem sem manutenção técnica durante todo o período de armazenamento, ou seja, 10 anos.      

Missão secreta

Diversos países mostram interesse pelos sistemas de defesa antiaérea russos S-300 e S-400, seja para compra ou conhecimento científico. O acesso de estranhos às oficinas de montagem é, contudo, terminantemente proibido.


A China é um dos principais consumidores de armas russas e, em particular, dos meios de defesa antiaérea. Em 2010, a Almaz-Antei entregou a este país 15 grupos de sistemas de mísseis antiaéreos S-300 Favorit.

Um ano depois, o Serviço de Segurança Federal flagrou um cidadão chinês tentando obter a documentação técnica do sistema de mísseis antiaéreos S-300 considerada segredo de Estado.

Os sistemas de mísseis antiaéreos russos têm várias vantagens em relação aos sistemas análogos norte-americanos MIM-104 EUA Patriot. Os S-300 e S-400 levam cinco minutos, no máximo, para serem colocados em posição de tiro, enquanto o Patriot precisa de meia hora.
Os sistemas russos são capazes de lançar mísseis verticalmente e guiá-los para o alvo de zero a 360 graus. O Patriot americano só é capaz de lançar mísseis de zero a 180º graus e sob ângulo de  38 graus. Ou seja, para organizar uma defesa aérea à volta de uma instalação ou uma unidade militar, serão necessários duas vezes mais Patriots do que os S-300 ou S-400 russos.

Kóguin desmentiu as notícias de que o S-400 ainda não tem um míssil antiaéreo de longo alcance. “Tais mísseis já estão em testes no campo de provas de Achuluk [na Região de Astrakhan]. Se os primeiros mísseis do S-300 tinham um alcance de 75 km, hoje, as versões modificadas desses mísseis são capaz de atingir alvos a uma distância de 250 km.” 
segurança nacional blog

Gladius, o soldado do futuro


O Exército da Alemanha encomendou para a germânica Rheinmetall equipamentos avançados de infantaria para equipar 900 soldados de seu efetivo, cujo contrato foi assinado com a Agencia Federal de Tecnologia e Aquisição de Material de Defesa (BWB) sediada em Koblenz. Esse efetivo será enviado para o Afeganistão entre 2013 e 2014 e o primeiro a dotar-se com o “Gladius”, representando assim a primeira etapa de um processo de aprimoramento das capacidades das tropas terrestres alemãs nos teatros de operações atuais e futuros.
Em 2009 a Rheinmetall conseguiu um contrato para desenvolver um demonstrador de conceito do “Gladius” para o Exército da Alemanha, complementando desta forma o sistema básico do soldado do futuro IdZ requisitado em 2005 pela Força como solução interina em resposta a um requerimento urgente.
As melhorias das capacidades do sistema já existente com novos desenvolvimentos avançados concentram-se principalmente na habilidade de operação em rede durante missões de combate, incluindo ações efetivas de comando e controle.
A concepção do Gladius apresenta características futuristas atendendo a requerimentos operacionais complexos, pretendendo ser o primeiro e principal do Exército da Alemanha que proporcionará para um grupo de 10 soldados e seus veículos de locomoção um ambiente de atuação em rede envolvendo funcionalidades aplicadas em tarefas de reconhecimento, comando, controle e uso de armas, permitindo um rápido intercâmbio de informações e aquisição de dados da situação tática para o planejamento e condução de ações.
Através do “Gladius” o soldado recebe todos os dados relevantes sobre a situação tática, como por exemplo, posição das forças amigas e inimigas e instruções inerentes ao desenvolvimento da missão. O “Gladius” disponibiliza um sistema de navegação inercial atualizado por GPS, bem como uma bússola magnética, conjunto que proporciona uma orientação precisa em terra. Uma outra característica notável do sistema da Rheinmetall fica por conta de suas características ergonômicas, em especial com relação ao seu reduzido peso, nível de miniaturização dos componentes e integração de componentes personalizados individuais. O uniforme de combate modular, a proteção blindada para o corpo do combatente e o sistema de fixação do traje, outorgam uma excelente proteção que vai desde a baixa detectabilidade por dispositivos de visualização infravermelhas até com relação às intempéries climáticas extremas, bem como em termos de contaminação por agentes biológicos e químicos. Além disso, o traje oferece apreciável proteção anti-chamas.
segurança nacional blog

Primeiro lançamento de torpedo a partir de uma fragata “FREMM”

Recentemente, a Marinha francesa, a DCNS e a DGA completaram uma nova campanha de ensaios a bordo da fragata “Aquitaine” (classe “FREMM”). Durante a campanha, foi demonstrada a compatibilidade do navio com a variante francesa do helicóptero NH90, e o ponto culminante dos testes ocorreu no dia 22 de junho, quando foi feito o primeiro lançamento de um torpedo (foto: Marine Nationale, Alain Monot) a partir de uma fragata dessa classe. As fragatas “FREMM” carregarão até 19 torpedos MU90, como o que foi lançado. Esse tipo de torpedo pesa aproximadamente 300kg e pode atingir velocidade máxima superior a 55 nós.
segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional