segunda-feira, 25 de junho de 2012

Submarino nuclear brasileiro começa a ser desenvolvido em julho


O projeto básico de engenharia do primeiro submarino nuclear brasileiro começa a ser desenvolvido a partir do dia 9 de julho deste ano, quando o primeiro grupo de engenheiros brasileiros retorna da França.
A etapa está inserida no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) da Marinha do Brasil (MB), iniciado em setembro de 2011, em Itaguaí, no Rio de Janeiro, com a construção dos submarinos convencionais da classe Scorpène, de tecnologia francesa, passo inicial para a construção do submarino movido à propulsão nuclear.
Os 26 engenheiros brasileiros permaneceram um ano e meio na França para estudos e o retorno da equipe marca o início da execução do trabalho em solo brasileiro. Um grupo ficará no Rio de Janeiro e outra parte em São Paulo, junto ao Centro Tecnológico da Marinha (CTMSP), para integrar informações referentes ao projeto de propulsão. O programa faz parte do acordo firmado com a França em 2008, no valor de R$ 6,7 bilhões, que prevê a transferência da tecnologia para o Brasil.
Gerenciado pela coordenadoria-geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (Cogesn), o projeto abrange também a construção de um estaleiro, uma base para submarinos, uma unidade fabril para elementos metálicos, a construção de quatro submarinos convencionais, além da construção do primeiro submarino nuclear. O acordo, entretanto, não inclui componentes nucleares, cabendo à Marinha projetar e construir o seu sistema de propulsão nuclear e integrá-lo à plataforma projetada em conjunto com os técnicos franceses.
Iniciado agora, o projeto de engenharia do submarino terminará em 2015. Em 2016 será iniciada a sua construção em Itaguaí-RJ, com término em 2023, para testes de porto e de mar. Em 2025, o submarino entrará em sua fase operacional. Dessa forma, o país entrará para o seleto clube dos países que dominam a tecnologia da propulsão nuclear. China, Estados Unidos, França, Inglaterra e Rússia já são membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.
A reportagem do Cruzeiro do Sul visitou o Centro Experimental Aramar (CEA), em Iperó, em razão da comemoração do aniversário da Sociedade Amigos da Marinha – Soamar Sorocaba, e entrevistou o contra-almirante Luciano Pagano Junior, superintendente do Programa Nuclear do Centro Tecnológico da Marinha (CTMSP), em São Paulo, sobre os avanços do Programa Nuclear da Marinha (PNM), cujo propósito é dominar a tecnologia necessária ao projeto e construção do submarino com propulsão nuclear.
Alavancando esse processo, duas novas instalações do CEA foram inauguradas recentemente em Aramar: a Unidade Produtora de Hexafluoreto de Urânio (Usexa), um marco para o país no domínio completo do ciclo do combustível nuclear, e o Centro de Instrução e Adestramento Nuclear Aramar (Ciana), uma espécie de simulador destinado a capacitar os operadores do Laboratório de Geração Núcleoelétrica (Labgene) e as tripulações dos futuros submarinos. Planos futuros da Marinha ainda prevêem que o CEA comporte um Laboratório de Hidrodinâmica (Labhidro) para testes e ensaios da indústria naval.
No próximo mês de maio, a Marinha do Brasil também lança oficialmente em parceria com a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP) a instalação de cursos de engenharia nuclear em Aramar. A assinatura da cessão da área ocorre no dia 16, em São Paulo. Instituição de ensino tem planos futuros de implantar grade curricular também na área naval.
Fonte: nuclep segurança nacional blog

Rússia comanda manobras militares no Mar Báltico


Nas águas do Mar Báltico estão a decorrer os exercícios navais internacionais FRUKUS – 2012. Sob o comando russo, navios militares da França, Grã-Bretanha, Rússia e dos EUA vão aperfeiçoar os princípios de interação em operações de salvamento e diversas manobras de combate.

Nos exercícios navais participam quatro navios de guerra, um de cada país. De 24 de junho a 1 de julho, o navio de escolta russo Yaroslav Mudri, o contratorpedeiro York da Grã-Bretanha, o cruzador norte-americano Normandia e o contratorpedeiro francês De Grasse irão aperfeiçoar ações em missões de combate e estabelecer a interação em operações de caráter humanitário. O representante oficial da Marinha russa comunicou o seguinte:
“Os exercícios compreenderão três etapas. A primeira etapa vai incluir a preparação de base e realizar-se-á no porto da cidade de Baltiisk (distrito de Kaliningrado, Rússia).
Na segunda etapa, que irá decorrer de 27 a 30 de junho, planeia-se treinar os mecanismos de saída dos navios da base naval e de ocupação do local de realização dos exercícios. Prosseguir-se-á com o treino dos elementos da parte naval dos exercícios, tais como a defesa contra um ataque de pequenos alvos, manobras conjuntas de navios, resposta a ataques aéreos, o aperfeiçoamento de tiros de artilharia, bem como resgate do vítimas no mar. Também será treinado o objectivo integrado de auxílio a um navio acidentado.
Na terceira etapa, os navios-participantes prosseguirão a navegação com o destino a São Petersburgo, onde os exercícios navais terminarão."
Segundo a apreciação do comandante-chefe da Marinha russa, os exercícios navais FRUKUS – 2012 têm grande relevância para o fortalecimento da confiança entre as frotas dos quatro países, o que permite alcançar um alto nível de entendimento na realização das operações humanitárias nas águas de mar e também combater as eventuais ameaças.
O quartel-general dos exercícios navais FRUKUS-2012 está instalado no Museu Central Naval em São Petersburgo, integrando representantes dos quatro países–participantes, embora o comando das operações esteja ao cargo da parte russa. Nos tempos livres, as tripulações dos navios irão participar em jogos de voleibol, natação, futebol, bowling e billiards. E no fim todos participarão na recepção solene em honra do Comandante-Chefe da Marinha Russa.
Estes exercícios realizaram-se pela primeira vez em 1988 sob a designação de RUKUS, de acordo com as primeiras letras dos nomes dos países–participantes: Rússia, Grã-Bretanha e EUA (R+UK+US). Em 2003 foi convidada a França. Desde então, os exercícios passaram a ser realizados em formato quadrilateral. Durante estes anos, as manobras foram se tornando cada vez mais complexas: passaram de simples conversações a treinos de quartel e, em 1996, começaram a incluir exercícios práticos no mar. Os exercícios realizam-se anualmente, de forma sucessiva num dos países-participantes.
segurança nacional blog

Rússia construirá contratorpedeiros de defesa antimíssil


A empresa de projetos e engenharia do Norte, de São Petersburgo, está trabalhando em um projeto de contratorpedeiro com elementos de defesa antimíssil e espacial, disse o chefe da Corporação Unida de Construção Naval, Roman Trotsenko.

O início de sua construção está previsto para 2016 no Estaleiro do Norte e no Estaleiro do Báltico. No total, serão construídos seis novos contratorpedeiros.
Recentemente, os militares russos têm prestado especial atenção à componente naval da defesa antimíssil e espacial.
Atualmente, os EUA estão desenvolvendo ativamente a componente marinha do sistema de defesa antimíssil. Se trata do sistema de combate de gerenciamento de informações Aegis com mísseis interceptadores SM-2, SM-3 e suas modificações. O Aegis já está instalado em cruzadores do tipo Ticonderoga e contratorpedeiros do tipo Arleigh Burke. O sistema também é parte do armamento naval do Japão, Coreia do Sul, Espanha e Noruega.
segurança nacional blog

Índia começa a testar novo blindado


A Organização da Pesquisa de Defesa da Índia (DRDO) começou a testar uma nova versão do principal tanque de combate Arjun Mark II . Os testes estão sendo realizados no polígono de Pokhran e continuarão até ao final de julho.
Durante os testes os peritos da DRDO, entre outras coisas, irão verificar 19 parâmetros do tanque, que foi submetido a duras críticas na sua primeira versão, Arjun Mark I, e usado no arsenal do exército indiano. Em particular, trata-se de um sistema novo de visão infravermelha, projetado para executar tarefas em total escuridão.
segurança nacional blog

Avião turco pode ter sido abatido por PANTSIR de fabrico russo


No incidente com o caça turco F-4 Phantom, a defesa anti-aérea síria pode ter usado mísseis anti-aéreos PANTSIR-S1.
"A partir do vídeo disponível na Internet o Phantom turco foi, provavelmente, atingido por fogo de uma bateria. Analisando o arsenal de defesa aérea síria, podemos somente supôr que poderiam ser mísseis anti-aéreos PANTSIR ", informou o analista militar tenente-general Leonid Sagin.
Em resposta a um pedido para avaliar o estado da defesa anti-aérea da Síria, Sagin disse que "este incidente demonstrou a viabilidade e a capacidade de combate dos sistemas de defesa aérea da Síria, bem como o fato de que a Síria tem muito a mostrar."
segurança nacional blog

Proximidade de planetas impressiona astrônomos


Lua" azul
Lembre-se da magnitude e da beleza da Lua Cheia nascendo.
Agora imagine que, em vez da Lua, surja no céu um planeta azul, só que três vezes maior.
Esse é cenário que ocorre no inusitado sistema planetário Kepler-36, que acaba de ser descoberto pelos astrônomos.
A estrela é parecida com o Sol, só que bem mais velha.
O Kepler-36b é um planeta rochoso, com 1,5 vez o tamanho da Terra e pesando 4,5 vezes mais. Ele orbita a estrela a cada 14 dias, a uma distância de 17,7 milhões de km.
O segundo planeta, o Kepler-36c, é um gigante gasoso, parecido com Netuno. Ele é 3,7 vezes maior do que a Terra e pesa 8 vezes mais. Ele orbita a estrela a cada 16 dias, a uma distância de 19,3 milhões de km.
Ou seja, são os dois planetas mais próximos já descobertos até hoje.Conjunção
Os dois têm uma conjunção a cada 97 dias, quando ficam separados por menos do que 5 vezes a distância entre a Terra e a Lua.
Como o Kepler-36c é muito maior do que a Lua, do ponto de vista do rochoso Kepler-36b ele aparece em uma visão espetacular.
Coincidentemente, do ponto de vista inverso - olhando o planeta rochoso a partir do gigante gasoso - o vizinho aparece do tamanho da Lua Cheia.
Não é um mundo para se viver.
Em primeiro lugar porque são dois planetas com temperaturas extremas.
Além disso, a aproximação gera gigantescas marés gravitacionais, que comprimem e esticam os dois planetas.
Ainda não há uma teoria para explicar como o gigante gasoso pode se manter tão perto da estrela - no Sistema Solar, os gigantes gasosos ficam muito afastados da estrela.
segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional