Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Antes do ‘Duro de Matar 4.0’, evitávamos falar em ciberterrorismo”

Um dos mais renomados especialistas em vírus de computador, Evguêni Kaspersky, diz estar preocupado com as proporções de uma possível ‘ciberepidemia’. Kaspersky comparou suas eventuais consequências negativas com os roteiros apocalípticos de Hollywood e pediu que os criadores de vírus cessem suas atividades, bem como nações se unam para combatê-los.A empresa russa de segurança digital Kaspersky Lab descobriu um poderoso e complexo vírus sem precedentes chamado Flame em 600 computadores no Oriente Médio. 

O programa, que entrou na pauta da imprensa internacional e em discursos políticos, permite interceptar o tráfego, desviar informações, ativar microfones e gravar conversas. 

“Receio que isso seja só o princípio. Num futuro próximo, muitos países do mundo vão poder usá-lo”, disse Kaspersky em discurso na última quarta-feira, 6, na Universidade de Tel Aviv. Ainda segundo o especialista, um vírus capaz de exercer funções muito mais perigosas pode ser desenvolvido no futuro. “Até os países inexperientes nessa matéria podem contratar ou sequestrar profissionais para executar o trabalho", adiantou Kaspersky.  

Ao ser questionado sobre os eventuais desdobramentos de um ciberataque global, Kaspersky citou como exemplo o filme “Duro de Matar 4.0”. “Antes dele, em minha empresa era proibido pronunciar o termo ‘ciberterrorismo’ ou falar sobre isso com jornalistas. Eu não queria abrir a Caixa de Pandora. Mas, quando o filme entrou em cartaz, suspendi essa proibição.” Cooperação internacional

“Uma ciberarma pode se replicar e atingir vítimas aleatórias em qualquer lugar do mundo e não importa o quão longe você estiver da zona do conflito”, disse Kaspersky.

“Afinal, a Internet não tem fronteiras, razão pela qual sistemas idênticos como, por exemplo, usinas elétricas, podem ser atacados em uma região diferente do mundo.”

O especialista expôs dois roteiros possíveis de uma ciberepidemia: um blackout da internet ou um ataque às principais instalações de infraestrutura. 

“Infelizmente, o mundo não tem, até agora, meios para se defender contra esse tipo de ataques”, disse. Segundo Kaspersky, para incrementar a defesa, será necessário abdicar dos sistemas operacionais mais populares como Windows ou Linux.

 “Os governos devem começar a dialogar entre si sobre isso", afirmou Kaspersky, comparando esses vírus às armas de destruição em massa.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

A militares, Dilma defende modernização das Forças Armadas


Reportagem de Hugo Bachega)

BRASÍLIA, 11 Jun (Reuters) - Em mensagem a militares da Marinha, a presidente Dilma Rousseff reafirmou nesta segunda-feira a necessidade de modernização das Forças Armadas brasileiras, e considerou o reaparelhamento da força naval uma "exigência estratégica".
"Na atual ordem global, vimos assumindo uma posição político-estratégica que impõe ao Brasil novas atribuições e desafios na defesa da paz", disse Dilma em mensagem lida durante a comemoração do 147o aniversário da Batalha Naval do Riachuelo, ocorrida em 1865 durante a Guerra do Paraguai.
"Diante dessa realidade, os esforços de reaparelhamento da Marinha são uma exigência estratégica".
A presidente destacou a atuação da Marinha no apoio às ações de segurança pública no Rio de Janeiro e em casos de calamidade ambiental e na atuação no Haiti, onde o Brasil lidera a missão de paz da ONU, conhecida como Minustah, e também no Líbano.
"A atuação de nossas Forças Armadas neste processo, seja por meio de missões sob a égide da ONU (Organização das Nações Unidas) e da OEA (Organização dos Estados Americanos), seja na defesa de nossas fronteiras e de nossa soberania, requer equipamentos de qualidade, prontos a serem utilizados, e pessoal adequadamente preparado e motivado", disse Dilma na mensagem.
O Brasil pretende aumentar seus gastos na área de defesa dos cerca de 1,5 por cento atuais do Produto Interno Bruto para 2 por cento em até dez anos, revertendo movimento de cortes verificada nos últimos anos, disse à Reuters o ministro da Defesa, Celso Amorim, em entrevista em maio.
Para 2012, o Ministério da Defesa prevê 13,2 bilhões de reais para custeio e investimento e tem uma promessa para elevar esse orçamento em mais 1,6 bilhão de reais.
Dilma citou ainda avanços no Programa de Desenvolvimento de Submarinos, que resultará na construção de um submarino com propulsão nuclear. Outros quatro submarinos convencionais também estão em construção, segundo a Marinha.
A Batalha Naval do Riachuelo foi travada em 11 de junho de 1865, quando a Marinha brasileira inverteu situação desfavorável frente a forças paraguaias e derrotou os oponentes.
segurança nacional blog

Projeto para lançar satélite de base no Maranhão trava


CLAUDIO ANGELO

A empresa binacional criada em 2007 por Brasil e Ucrânia para lançar satélites comerciais da base de Alcântara (MA) está caindo sem nunca ter decolado.
Desde dezembro, a ACS (Alcântara Cyclone Space) não paga as empreiteiras que executam as obras do sítio de lançamento do foguete ucraniano Cyclone-4.
A empresa tem R$ 40 milhões em caixa e uma dívida de R$ 50 milhões com os construtores.
Seu plano de negócios, que nem chegou a ser aprovado pelo conselho de administração, prevê que ela ficará deficitária por 20 anos.
E, mesmo assim, só vinga se conseguir fechar um acordo polêmico de proteção tecnológica que lhe dê acesso ao maior mercado de satélites privados, o dos EUA.
"Pode ser que, por questão de recursos, o projeto tenha de dar uma parada para se rearrumar", diz o diretor brasileiro da ACS, brigadeiro Reginaldo dos Santos.
AMEAÇA DE PARAR
Segundo o diretor ucraniano, Oleksandr Serdyuk, o consórcio formado por Camargo Corrêa e Odebrecht já cortou pela metade o número de operários nas obras em Alcântara. E disse que vai parar a construção se os pagamentos de R$ 30 milhões por mês não forem retomados.
"Não vamos conseguir fazer o primeiro lançamento em 2013, como solicitado pelos governos", declarou Serdyuk.
Para que os planos de lançamento sejam mantidos, a ACS está pedindo mais R$ 802 milhões, metade vindo do governo brasileiro. Isso além de R$ 135 milhões que o Brasil já havia se comprometido a depositar neste ano e que foram cortados no ajuste fiscal feito pelo governo.
À presidente Dilma Rousseff, portanto, caberá decidir até setembro -mês em que a ACS não terá dinheiro para mais nenhum contrato- se joga fora os US$ 197 milhões que o país já investiu na empresa ou se injeta mais R$ 536 milhões no projeto.
Serdyuk e Santos ressaltam o caráter estratégico do projeto. "O Brasil, em três anos e por US$ 500 milhões, está recebendo um centro de lançamento e acesso ao espaço", afirma Serdyuk. "Acho que não custa o preço de um estádio de futebol no Brasil."
"Não é um negócio em que se coloque a parte financeira em evidência", diz Santos.
PARA O ALTO E AVANTE
A perspectiva de ganhar dinheiro com lançamentos privados, porém, foi o mote usado pelo então ministro da Ciência e Tecnologia Roberto Amaral (PSB-CE) para convencer o presidente Lula a bancar o projeto da ACS.
Em 2007, quando a empresa foi fundada, a previsão de capital era de US$ 105 milhões, e o primeiro lançamento estava previsto para 2010.
Especialistas já então alertavam que os custos eram irreais e o mercado, incerto.
Amaral falava em seis ou sete lançamentos por ano, mas ninguém de fora da empresa jamais havia visto o plano de negócios da ACS.
Santos disse que a revisão do plano, que está sendo preparada, fala em cinco lançamentos por ano, no máximo.
"O plano ficou economicamente muito marginal."
O brigadeiro afirmou, ainda, que a dívida com as empreiteiras brasileiras é "amigável" e que os contratos com as empresas ucranianas estão sendo cumpridos.
Ele atribui a escalada nos custos e a demora ao fato de a ACS ser um projeto de desenvolvimento. "Não é um pacote fechado."
As contas da empresa até hoje são mantidas fora do escrutínio público. Por se tratar de uma binacional, o TCU (Tribunal de Contas da União) não pode auditá-la. "Não estou preocupado com o TCU. Tem de passar por mim primeiro", disse Santos.
segurança nacional blog

Governistas argentinos rejeitam referendo nas Malvinas


Parlamentares do governo argentino rejeitaram o referendo convocado nesta terça-feira pelo governo local das Ilhas Malvinas para votar em 2013 sobre o "status político" do arquipélago sob dominação britânica e cuja soberania é reivindicada pela Argentina.
"Isto não tem nenhum valor porque a Argentina rejeita a possibilidade de autodeterminação por parte de uma população implantada, como é a população britânica nas Malvinas", disse o titular da Comissão de Relações Externas da Câmara dos Deputados da Argentina, Guillermo Carmona.
O inesperado anúncio desta consulta foi realizado hoje em Puerto Argentino (Port Stanley para os britânicos) por Gavin Short, presidente da Assembleia Autônoma das Malvinas, faltando dois dias para que se completem 30 anos do final da guerra entre Reino Unido e Argentina pela posse das ilhas.
Por enquanto nem a presidência nem a chancelaria argentina se pronunciaram sobre a convocação do referendo.
Em declarações a emissoras de rádio, Carmona considerou que esta convocação "não se ajusta ao direito internacional" e só "busca gerar um efeito midiático porque amanhã estaremos viajando com a presidente argentina, Cristina Kirchner, ao Comitê de Descolonização das Nações Unidas".
Nessa instância, que será realizada na próxima quinta-feira em Nova York, pela primeira vez com a presença de um chefe de Estado, Cristina reivindicará mais uma vez que o Reino Unido cumpra a resolução das Nações Unidas que insta os dois governos a abrir negociações para resolver a questão da soberania das Malvinas, ocupadas pelos britânicos desde 1833.
Por sua parte, o titular da comissão de Relações Exteriores do Senado argentino, Daniel Filmus, considerou que o referendo nas Malvinas "não muda em nada" a postura argentina.
"Para a Argentina, a decisão de convocar um referendo não muda a posição de nosso país que sempre se baseou nas resoluções das Nações Unidas, onde se coloca que a negociação da soberania deve resolver-se em negociações bilaterais com o Reino Unido", disse Filmus à agência oficial "Télam".
Para o senador governista, "não há dúvidas sobre a identidade britânica" dos ilhéus e afirmou que o anúncio de hoje "tenta ser uma resposta pelos sucessos da diplomacia argentina em todos os fóruns internacionais".
segurança nacional blog

Iveco vai fabricar novo blindado para o exército brasileiro


Guarani, substituto do Urutu, será produzido em larga escala a partir de 2013 em MG e poderá ser vendido à Argentina; nesta terça foi entregue primeira unidade-piloto ao exército
A Iveco e o exército brasileiro anunciaram nesta terça-feira a encomenda para o desenvolvimento de uma nova versão do veículo blindado Guarani. O novo modelo será destinado a atividades de infantaria e está incluído na encomenda de 2.044 unidades prevista no contrato original entre a Iveco e o exército.
O carro foi desenvolvido em parceria entre a montadora italiana e o Centro de Tecnologia do Exército. O anúncio foi feito hoje durante a Eurosatory, a maior feira de equipamentos de defesa da Europa, realizada em Paris. Para a montadora, o novo modelo do blindado confirma a versatilidade do produtoTambém hoje a Iveco entregou ao exército a primeira unidade do lote piloto de 16 unidades do blindado. O Guarani será produzido em larga escala a partir de 2013 em uma nova linha de produção em construção no complexo industrial da Iveco em Sete Lagoas (MG). A empresa investe R$ 55 milhões na nova unidade cuja inauguração está prevista para o segundo semestre de 2012.
O exército brasileiro também negocia a primeira venda internacional do Guarani, um lote de 14 unidades para a Argentina. Diretoria. A Iveco também anunciou hoje o nome do italiano Paolo Del Noce como diretor-geral da divisão de veículos de defesa da Iveco Latin America. O executivo será o responsável pelos projetos da Iveco na área de defesa na América Latina.
O principal deles é o projeto Guarani, o blindado de combate desenvolvido em parceria com o exército brasileiro e que está sendo negociado com a Argentina.
Nascido em Turim, o executivo de 45 anos está há mais de 18 no grupo Fiat. O engenheiro acumula passagens pela Comau e pela Iveco europeia. O nome de Del Noce foi anunciado durante a Eurosatory, a maior feira de equipamentos de defesa da Europa, realizada em Paris. (Guilherme Serodio | Valor).
Fonte: Último Segundo segurança nacional blog

Irã projeta submarino atômico


O Irã iniciou o projeto de construção de um submarino atômico, declarou, esta terça-feira, Abbas Zamini, almirante da Marinha de Guerra iraniana.
“Começámos a implementação das primeiras fases de desenvolvimento do propulsor para um submarino atômico”, disse o almirante mas não deu nenhuns pormenores sobre o andamento dos trabalhos.
O almirante explicou que o Irã precisa de semelhantes submarinos para “realizar operações a distâncias muito grandes”.
VOZ DA RUSSIA..Segurança Nacional Blog

Rússia apresenta inovações


A Eurosatory é uma das maiores exposições de armamentos e equipamentos militares de tropas e meios terrestres de DAA, que desempenha um papel importante na definição de tendências mundiais do desenvolvimento de principais e auxiliares tipos de armamento, assim como de complexos de comando de tropas. Para além do componente comercial, a feira é caraterizada por um amplo programa demostrativo.
Na Eurosatory, sob a égide da companhia Rostekhnologii, são representadas 14 empresas da indústria mliitar da Rússia, entre elas o consórcio Tecnologias Radioeletrónicas, que produz meios de luta radioeletrónica, meios de identificação “nosso-alheio”, a companhia Izhmash, conhecido produtor de armas de fogo, a companhia Kompas, especializada na produção de aparelhos de navegação de alta precisão, diz o representante oficial da companhia Rostekhnologii, Matvey Voskoboinikov.
Especialistas e convidados da exposição podem avaliar mais de 200 amostras de novos armamentos e equipamentos militares russos. Pela primeira vez na história da participação nesta feira, a delegação russa apresenta as inovações russas em forma de exemplares reais. Trata-se do tanque modernizado T-90S, do veículo de combate de apoio a tanques, do caminhão de carga Ural, assim como do sistema de mísseis antitanque (PTRK) Kornet-EM,com base no veículo blindado Tigr.
Hoje, o PTRK é a arma mais procurada e maciça de alta precisão. A utilização do Kornet-EM de visão técnica em conjunto com um sistema de acompanhamento de mísseis permite excluir o fator humano do processo de apontamento de mísseis dirigíveis.

O aumento de alcance e de precisão do tiro, o acompanhamento automático permitem detetar não apenas alvos terrestres de baixa velocidade, mas também objetos mais velozes. Tal significa que o Kornet-EM é capaz de resolver uma tarefa nova de princípio – atingir alvos aéreos de poucas dimensões: helicópteros, aparelhos voadores não tripulados e aviões de assalto.

Na exposição, será apresentado pela primeira vez o simulador do sistema combinado de mísseis e artilharia (ZPRK) Pantsir-S1 que permite diminuir as despesas com a preparação de pessoal de serviço. O sistema, destinado à defesa antiaérea de estruturas militares, industriais e administrativas, pode detetar alvos a uma distância de 25 km, acompanhando ao mesmo tempo até quatro objetos.
No mercado mundial de armamentos de equipamentos, os sistemas de DAA têm uma procura elevada. Deste modo, na exposição em Paris pode-se esperar um grande interesse em relação aos sistemas russos de DAA que são adquiridos de bom grado por muitos países no quadro da cooperação técnico-militar com a Rússia.
VOZ DA RUSSIA Segurança Nacional Blog

GUARANI - Entregue a primeira unidade de pré-série


Em cerimônia no stand da empresa IVECO foi realizada uma coletiva de imprensa e entregue a primeira viatura blindada Guarani ao Exército Brasileiro.

Coube ao General Mayer Sinclair, Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro (DCT) recber de maneira simbólica a chave. Na solenidade também esteve presente o General Farias Chefe do Comando Logístico (COLOG).
Informe distribuído pela IVECO:
 
IVECO ENTREGA PRIMEIRA UNIDADE DA PRÉ-SÉRIE DO GUARANI
PARA O EXÉRCITO BRASILEIRO NA EUROSATORY
·Veículo faz parte de lote de 16 unidades preliminares ao início da produção seriada do modelo, programada para 2.044 unidades.
·Exército Brasileiro confirma pedido de desenvolvimento de uma nova versão do modelo para operações de Infantaria mecanizada.
·Guarani é o único veículo produzido no Brasil presente na Eurosatory, a maior feira de equipamentos de defesa da Europa.

Alfredo Altavilla, CEO da Iveco, entregou hoje (12/6) as chaves da primeira unidade da pré-série do veículo blindado anfíbio Guarani ao Exército Brasileiro durante a Eurosatory, a maior feira de equipamentos de defesa da Europa. O veículo foi recebido pelo General Sinclair James Mayer, chefe do departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) do Exército, parceiro da Iveco no desenvolvimento do modelo. Único veículo produzido no Brasil presente na exposição, o Guarani tem produção prevista de 2.044 unidades dentro dos próximos 20 anos. O modelo será feito em fábrica dedicada, atualmente em construção dentro do complexo industrial da Iveco em Sete Lagoas (MG) e cuja inauguração está prevista para o segundo semestre de 2012.

Em Eurosatory, o Exército Brasileiro também confirmou o pedido de desenvolvimento de uma nova versão derivada do modelo básico do Guarani, também conhecido como VBTP, para aplicações na arma da Infantaria Mecanizada (inicialmente, o veículo destina-se a aplicações de Cavalaria). O pedido prevê a produção de 38 unidades, incluídas no lote de 2.044 previstas no contrato original.

“A entrega do primeiro veículo do lote-piloto é um passo importante dentro do projeto Guarani, um dos maiores contratos para este tipo de veículo hoje no mundo e que totaliza 2 bilhões de euros”, explica o CEO da Iveco. “Este é um veículo diferenciado, concebido em conjunto com o cliente, com potencial de gerar demanda em muitos mercados mundiais”, diz Altavilla. O Exército da Argentina já demonstrou interesse pelo modelo.

“O Guarani faz parte do projeto de relançamento da indústria brasileira de defesa e sua produção no país é fundamental”, indica o General de Exército Sinclair James Mayer. A Iveco está investindo R$ 55 milhões na construção da unidade produtiva do Guarani dentro do complexo Industrial de Sete Lagoas. A produção seriada começa em 2013, com índice de conteúdo local acima de 60% (incluindo motor, transmissão, chassi e outros componentes “made in Brazil”). Quando a fábrica estiver operando em capacidade máxima, a cadeia produtiva deverá envolver, no país, cerca de 110 fornecedores diretos e até 600 fornecedores indiretos.

O modelo Guarani exposto em Eurosatory é uma versão base de uma família de veículos de transporte de 18 toneladas, equipada com motor diesel FPT Industrial de 383cv, transmissão automatizada, tração 6x6 e capacidade anfíbia, capaz de transportar 11 militares. As especificações básicas indicam 6,91 metros de comprimento, 2,7 metros de largura e 2,34 metros de altura. O modelo poderá ser equipado com uma torre armada com operação por controle remoto para diversas aplicações diferentes. O modelo pode ser aerotransportado por um avião do tipo Hercules C-130 ou Embraer KC-390.

Iveco

A Iveco, uma empresa do Grupo Fiat Industrial,  projeta, produz e comercializa uma ampla gama de caminhões leves, médios e pesados, veículos comerciais e fora de estrada, urbanos, interurbanos e para aplicações militares,  e defesa civil. A Iveco emprega cerca de 25.000 pessoas e opera em 11 países do mundo, utilizando excelência em tecnologia.  Além da Europa, a empresa opera na China, Rússia, Austrália e América Latina. Cerca de 5 mil postos de atendimento e vendas em mais de 160 países garantem apoio técnico em qualquer lugar do mundo onde um veículo Iveco esteja em funcionamento.
Segurança Nacional Blog

Arquivo do blog segurança nacional