Wikipedia

Resultados da pesquisa

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Sistema de lançadores múltiplos de foguetes ASTROS FN

Além de ser uma bateria completa, acredito que a marinha tenha encomendado uma versão customizada especial para os Fuzileiros Navais daí ser denominada de Astros FN...

A denominação não é um acaso.

Lembro que a Avibrás cresceu muito de importância para MB (tornando-se fundamental) a partir do momento que ela é TAMBÉM responsável pelo o motor nacionalizado do Exocet MM40 e já é parte do projeto MANSUP.

Os mais de 119 milhões de reais deste contratos são inclusive ainda mais em significativos para a saúde da empresa neste momento que os 45 milhões de adiantamento referentes ao desenvolvimento do Astros 2020 para o EB.

Quanto ao Astros FN eu acredito que ele tenha características especiais:

para embarque a bordo (tamanho/peso) menor;
características específicas de marinização para permitir operação a bordo e em cabeça de praia prevenindo corrosão;

viaturas anfíbias (water proof e capaz de boiar) ou com características "anfibizadas" (water resistent mas não capaz de boiar);

Capacidade de instalação em convés e de receber e passar dados e informações e se integrar como uma parte do sistema sisconta do navio;

Capacidade de embarque nas atuais embarcações de desembarque do CFN ou dimensionada para caber numa embarcação a ser adquirida para esta finalidade.
segurança nacional blog

F-22, o caça sem oxigênio


Segundo reportagem veiculada pela revista Flight International, a parte superior da roupa anti-g (G-suit) especial usada por pilotos dos caças F-22 Raptor da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) pode ser a causa dos sintomas de hipóxia relatados por esses tripulantes durante seus voos com o modelo.
Fontes classificadas confidenciaram que enquanto os pilotos necessitam de uma contrapressão do colete para compensar as baixas pressões encontradas no interior do cockpit do Raptor, esse paramento pode estar exercendo muita pressão sobre o tórax do piloto, especialmente em situações de manobras de elevado “g”.
“Parece um pouco estranho soltar o ar nessa coisa” relatou uma fonte. “Você não pode inflar seus pulmões facilmente porque há algo restringindo esse ato”, explica.

A carga adicional exercida no corpo do piloto pela pressão extra fornecida pelo G-suit e pela ventilação oriunda do dispositivo de respiração (máscara) poderia estar causando o que esta sendo chamado de “excesso de respiração no sistema”.Um fator que pode contribuir também com a sensação de hipóxia é conhecido como “actelectasia acelerada” (expansão incompleta do pulmão).  Essa condição faz com que os pulmões do piloto tenham dificuldade em fornecer oxigênio para o sangue, sendo que isso acontece principalmente porque o oxigênio gerado pelos sistemas do Raptor é puro (93%) e cargas “g” elevadas podem ocasionar colapso parcial dos alvéolos pulmonares (pequenas estruturas internas dos pulmões onde acontece a troca gasosa oxigênio-gás carbônico). Um dos resultados das actelectasias aceleradas é a chamada “tosse Raptor”, onde os pilotos dos F-22 são acometidos por uma tosse pronunciada enquanto o organismo deste tenta voltar a inflar os alvéolos sob pressão atmosférica normal ao nível do solo.
Testes antes realizados não detectaram o problema porque o dispositivo de ventilação usado para testar o G-suit em conjunto com o dispositivo de respiração não compensa o fato dos pulmões do piloto serem incapazes de se expandir tão rapidamente. O dispositivo de respiro sempre projeta o mesmo volume de ar. A falta de percepção para avaliar a restrita expansão dos pulmões dos pilotos manteve essa ocorrência ignorada até o momento. A respiração restrita pode levar a sintomas de hiperventilação ou problemas ainda maiores se o piloto for acometido de atelectasia acelerada.
As mesmas fontes ouvidas pela Flight disseram que o problema da pressão do vestuário dos pilotos tem sido uma preocupação da USAF desde o inicio do século XXI, quando um G-suit semelhante foi fornecido pela Boeing para a USAF. Entretanto, naquela época, a USAF não acreditava que a pressão extra poderia ser motivo de preocupação séria. Agora, no entanto, a USAF está começando a acreditar que esses paramentos podem estar por trás dos problemas do Raptor. No entanto, enquanto a pesquisa atual da USAF está apontando para o G-suit como o principal culpado por trás dos sintomas de epóxia, as fontes dizem que esta é provavelmente apenas uma parte do problema.
Um dos fatores além G-suit que podem contribuir com a ocorrência em processo de investigação diz respeito à carga de trabalho. Enquanto pilotos dos aviões de reconhecimento estratégico U-2 descansam vários dias entre uma missão e outra, o tripulantes de F-22 voam por vezes mais de uma surtida diária. Isto faria com que eles não se recuperem totalmente dos efeitos da atelectasia acelerada e ficariam mais expostos aos efeitos do funcionamento do G-suit e do dispositivo de respiração.
Oficialmente, a USAF afirma que ainda tem de encontrar a raiz do problema e soluções estão sendo avaliadas, incluindo a adoção do Combat-Edge (termo usado internacionalmente para definir os paramentos dos pilotos de combate modernos) do F-35 JSF.  “Nossa diminuição dos riscos e a coleta de dados estão evoluindo com base na nossa experiência e na orientação do Secretário da Defesa. A análise dos dados está nos deixando mais próximo de identificar a causa-chave (ou causas), embora não temos ainda os resultados preliminares ou uma data definida de conclusão da investigação”, diz a USAF..tecnodefesa segurança nacional blog

EDS e o mercado de Defesa


 Nesta terça feira, a Embraer confirmou sua decisão estratégica para os próximos anos. No setor de defesa, onde a Embraer Defesa e Segurança (EDS) obteve 6% do faturamento em 2011 podendo chegar a 12% este ano, a meta é crescer de forma sustentada atingindo 25% do faturamento total até o fim da década. No setor civil, a empresa decidiu não concorrer com os jatos da Boeing e Airbus, e continuará no mercado de aeronaves até 120 assentos da família E-Jet (170/75 e 190/95), onde é líder, porém com nova motorização mais econômica. Os primeiros modelos batizados G2, redesenhados e remotorizados para consumir menos, devem entrar em serviço em 2018.
 Para alcançar as metas de crescimento estipuladas, a EDS conta com produtos muito bem posicionados no mercado de defesa, como por exemplo, o treinador EMB-314 Super Tucano, aeronave turboélice com ficha de combate repleta de êxitos. A nova concorrência LAS, reaberta com novos requisitos após o cancelamento da disputa original, deverá confirmar a entrada da empresa no disputadíssimo mercado norte-americano de defesa. O jato de transporte e reabastecimento KC-390, ora em desenvolvimento, e previsto para substituir versões mais antigas do veterano C-130, será capaz de transportar uma carga de 23 toneladas, devendo fazer seu primeiro voo em 2014 e entrar em serviço em 2016. A Embraer busca de 16 a 18% de um mercado global estimado em 700 aeronaves, um total de 50 bilhões de dólares.
 No setor de modernizações, o programa A-1 AMX já alcançou a marca de nove aeronaves na linha de montagem, em diferentes estágios do retrofit planejado para elevar as capacidades do avião para um nível de 4ª geração. Seguem dentro do cronograma os trabalhos nos caças AF-1 A-4KU Skyhawk da Marinha, e a Força Aérea Brasileira deverá selecionar em breve as empresas que irão atuar na atualização de meia vida (mid life upgrade) da frota de aeronaves AEW&C E-99 (cinco unidades), onde certamente a EDS atuará como integradora dos sistemas escolhidos para a renovação das capacidades deste vetor estratégico.
A EDS também está envolvida em dois projetos governamentais de grande porte: o primeiro satélite de comunicações fabricado no Brasil e na implantação de um sistema de vigilância das fronteiras. O País tem 17.000 quilômetros de fronteiras. Seu monitoramento exigirá comunicações por satélite, radar, aeronaves não tripuladas, sistemas de comando e veículos blindados, um projeto estimado em quatro bilhões de dólares em dez anos. Para obter uma quota do mercado de satélites, avaliado em 400 milhões de dólares, a Embraer criou uma sociedade com a empresa de telecomunicações Telebrás. O satélite que terá dupla função, civil e militar, deve ser lançado no final de 2015.
.tecnodefesa.segurança blog


Paciência dos EUA com Paquistão está chegando ao limite', diz Panetta em Cabul

O secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, pressionou nesta quinta-feira o Paquistão a fazer mais para pôr fim à rede terrorista Haqqani, que tem vínculos com a Al-Qaeda, dizendo que as autoridades americanas estão "chegando ao limite de sua paciência".Em uma coletiva no vizinho Afeganistão, Panetta repetidamente enfatizou a frustração de Washington com militantes cruzando a fronteira do Paquistão. É essencial que o Paquistão pare de "permitir que os terroristas usem seu território como uma rede de segurança para conduzir seus ataques contra as nossas forças" disse ao lado do ministro da Defesa afegão, Abdul Rahim Wardak.
"Deixamos isso claro várias vezes e vamos continuar a fazê-lo, mas, como disse, estamos chegando ao limite de nossa paciência", advertiu.A crítica explícita e repetida de Panetta em relação à falta de ação paquistanesa, que também foi expressada em sua visita à Índia, pareceu assinalar uma posição mais forte e sugerir que os EUA estão cada vez mais afeitos alançar ataques contra alvos terroristas no país asiático. Uma autoridade graduada reconheceu nesta quinta-feira que o recente aumento em ataque de aviões não tripulados se deve em parte à frustração em relação a Islamabad. 
O grupo Haqqani foi responsabilizado por vários ataques no Afeganistão, incluindo a ação com granadas propaladas por foguetes do ano passado contra a embaixada dos EUA e a sede da Otan(Organização do Tratado do Atlântico Norte) em Cabul. O grupo, que também tem vínculos com a milícia islâmica do Taleban, apresenta-se como uma das principais ameaças à estabilidade do Afeganistão.
Os EUA deram ao Paquistão bilhões de dólares em auxílio para seu apoio ao combate aos militantes islâmicos. Apesar da pressão dos EUA, o Paquistão continua relutante em ir atrás dos insurgentes, particularmente da rede Haqqani.
Além das críticas a Islamabad, Panetta fez nesta quinta-feira a Cabul para uma visita surpresa destinada a revisar o processo de retirada gradual das tropas americanas do Afeganistão.
A visita acontece 24 horas depois de tropas da Otan, presumivelmente americanas, terem deixado ao menos 18 civis, incluindo mulheres e crianças, em um bombardeio aéreo no distrito de Barak-e-Barak, na Província de Logar.
O governo de Hamid Karzai criticou reiteradamente a morte de civis em operações da Aliança Atlântica, o que aumentou a impopularidade do contingente militar estrangeiro, imerso em um processo gradual de retirada. Esse processo foi iniciado em julho de 2011 e tem previsão de chegar ao fim em 2014.
*Com AP e EFE segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional