sábado, 19 de maio de 2012

Reviravolta na proposta dos mísseis antiaéreos russos para o Brasil


Uma pequena revolução ocorreu recentemente na oferta russa de mísseis para o programa de defesa aérea iniciado pelo Exército.
Após de quase um ano trabalhando exclusivamente na venda do sistema Tor M2, a estatal russa Rosoboronexport resolveu mudar de rumo e abrir o leque incluindo na sua proposta, também, as linhas Pantsir e Buk.
Segundo a Rosoboron, houve uma diferença entre a visão deles e a do Exército sobre onde exatamente ficava a fronteira entre os sistemas de baixa e de média altitude/alcance. Os brasileiros teriam achado que o Tor M2, a despeito de todas suas vantagens, por ter um envelope de engajamento limitado a 10 mil metros e 15 Km de distância, não atenderia aos objetivos brasileiros nesta compra. O sistema Pantsir por sua vez é visto pelos russos como uma "resposta" direta ao sistema Gepard alemão. Ambos são plataformas antiaéreas com mísseis e canhões sobre lagartas. A despeiro de ser bem mais antigo, o modelo alemão conta com sua vantagem logística para vencer a concorrência sobre o Pantsir por ele ser montado sobre a plataforma de um blindado Leopard. O Exército opera atualmente centenas de carros de combate desta linha. A  KMW, fabricante do Gepard, o exibiu ao Exército no dia 20 de outubro do ano passado, no Campo de Instrução de Formosa.
Na compra do míssil de médio alcance os russos estão competindo diretamente com a israelense Rafael com seu sistema Spyder, com a francesa Thales e seu Crotale modernizado e com a sueca Saab com o sistema Bamse.
Por trás desta compra de sistemas antiaéreos, se encontra a preocupação tanto da FIFA quanto da Comitê Olímpico Internacional com a potencial ameaça de um ataque terrorista aos estádios, usando-se aeronaves sequestradas.Algo nos moldes do que foi o ataque do 11 de setembro em 2001 em Nova Iorque.
O programa de modernização da defesa aérea nasceu dentro do Comando do Exército, mas atualmente está sendo tocado pelo Estado Maior Conjunto das Forças Armadas dentro do Ministério da Defesa sob o controle do General Araújo Lima. No final do mês passado, as novas ofertas russas foram apresentadas pela primeira vez para uma platéia do Estado Maior da Aeronáutica, por um grupo de especialistas russos. A apresentação deste mesmo material para o Exército deve ocorrer em breve. Esta concorrência tinha no seu início um cronograma para lá de apertado, o "Request for Information" saiu na época certa, mas, o "Request for Proposals" consequente disso ainda não foi emitido...
Um fator que pode complicar mais este programa é que dentro do Ministério da Defesa está muito arraigada a idéia de se implantar a máxima comonalidade dos meios entre as três armas. Resta saber o que acontecerá com este RFP se for adicionado a ele a necessidade de ser incluído ainda um modelo para uso a bordo dos novos navios de 6000 toneladas incluídos no programa Prosuper da Marinha...
A Rosoboronexport no Brasil segue acreditando que o Tor M2E seja a melhor solução para a atual necessidade do Brasil, especialmente pelo fato de que cada veículo é uma unidade plenamente independente carregando simultaneamente mísseis, radar e sistemas de controle de engajamento. Mesmo se o radar principal de longo alcance da Bateria Tor M2E for alvejado e destruído por um míssil inimigo, os demais veículos podem seguir combatendo independentemente, algo que segundo os russos nenhum dos seus rivais no Brasil pode fazer. Em tempo: todos os três modelos russos tem suas variantes navais...
Vejam a baixo as apresentações oficiais da Rosoboronexport sobre os sistemas Tor, Pantsir e Buk:
scrito por Felipe Salles   segurança nacional

O ALAC, desenvolvido em parceria com a Imbel e conhecido oficialmente como canhão sem recuo descartável de 84 mm, é uma arma leve anticarro projetada para uso individual, no combate anticarro aproximado. Com alça de mira retrátil e operada a partir do ombro do atirador, o ALAC possui mecanismo de disparo totalmente mecânico. Com um alcance útil bem superior ao ALAC, o Sistema MSS 1.2 AC tem como objetivo atender as características do combate moderno, onde é necessária grande mobilidade, elevada potência de fogo e capacidade de engajar diferentes tipos de alvos. O MSS 1.2 AC também pode ser empregado contra casamatas, pequenas construções, embarcações e helicópteros em voo pairado à baixa altura. O míssil é dotado de cabeça de guerra do tipo carga oca e sistema propulsivo de dois estágios. Seu guiamento em direção ao alvo é realizado por um feixe laser projetado no espaço pela unidade de tiro. Para tanto, esta unidade possui dois sistemas ópticos independentes e colimados: a óptica de apontamento, através da qual o atirador realiza a mira e cuja configuração é semelhante à de um periscópio, e a óptica do feixe laser, cuja função é projetar no espaço um feixe laser modulado, que guia o Míssil ao longo de toda sua trajetória.
Atento a necessidade de apoio de fogo para as forças de ação rápida em qualquer teatro de operações em que se estiver operando, o CTEX desenvolveu três tipos de morteiros: o morteiro pesado 120mm M2 Raiado; o morteiro médio antecarga 81mm e o morteiro leve antecarga 60mm. O 120mm M2 raiado, possui grande potência de fogo e pode ser transportado por viatura ¾ ton, avião, helicóptero ou lançado de pára-quedas, o que garante mobilidade e flexibilidade ao emprego do armamento. Os morteiros leves antecarga de 60mm e 81mm (padrão OTAN), produzidos em parceria com o Arsenal de Guerra do Rio (AGR), tem como características a rusticidade, o baixo peso, a alta precisão e a facilidade de manejo, garantindo a possibilidade da manutenção de um elevado regime de tiro e efetivo apoio de foto aproximado aos pelotões de combate.No campo das viaturas militares, o CTEx possui dois produtos que prometem entrar com força no mercado a que se destinam: o Gaúcho e o VEsPA. A viatura leve de emprego geral e aerotransportável Gaúcho é resultado do intercâmbio científico-tecnológico entre os Exércitos Brasileiro e Argentino. Com uma suspensão independente de grande curso nas 4 rodas e tração 4×4 aliada ao um potente motor, a viatura foi desenvolvida para atender às necessidades das Brigadas Paraquedistas de ambos os exércitos. Na Argentina, o veículo está sendo produzido no Batalhão 601, no Comando se Arsenales, em parceria com o Instituto Nacional de Tecnologia Industrial (INTI) e a Universidade Nacional de La Plata. O VLEGA Gaúcho está apto a cumprir missões de comando, transporte de carga, transporte de feridos, comunicações e reconhecimento. Sua robustez permite ainda o seu lançamento de pára-quedas através de aeronaves C-130 que podem transportar até 5 viaturas Outro projeto do CTEx no campo dos veículos militares, a Viatura Especial de Patrulhamento, VEsPA, foi desenvolvida especialmente para atender às necessidades doutrinárias das forças de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. O projeto que levou em conta fatores como mobilidade, segurança, baixo custo e manutenção, foi apresentado ao Secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame em 09 de outubro de 2008. O VEsPA-01, utiliza um chassi Agrale modelo MA 6.0, motor 7 eletrônico MWM-International 4.07 TCE de 140cv e possui capacidade para transportar cinco policiais na frente e até seis presos na parte traseira, o veículo estreito, leve e ágil, permite manobras e incursões em locais de difícil acesso comuns nas comunidades do Rio e o patrulhamento ostensivo nas vias expressas da cidade. O modelo ficou a disposição da Secretaria de Segurança para testes em unidades como o BOPE e o Batalhão de Policiamento de Vias Especiais (BPVE), que preencheram questionários técnicos solicitados pelo CTEx..segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional