Wikipedia

Resultados da pesquisa

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Nigéria envia tropas para a Guiné-Bissau


O governo nigeriano planeja no fim de semana enviar tropas para a Guiné-Bissau, onde um mês atrás houve um golpe militar. O anúncio foi feito na segunda-feira na capital nigeriana, Abuja, onde está sendo realizada uma reunião de representantes de Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).
Essa organização regional anunciou ainda no mês passado que iria enviar 600 soldados para a Guiné-Bissau, mas não indicou a data concreta.SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Novas “Terras” para além do Sistema Solar


O telescópio espacial Spitzer da NASA registrou a radiação de um planeta distante, apenas 8 vezes maior que o nosso planeta Terra. A observação dos planetas situados fora do Sistema Solar torna-se cada vez mais popular à medida que os métodos e equipamentos de observação se vão aperfeiçoando. A Agência Espacial da Federação de Rússia também está planeando se conectar a este processo, mas os detalhes ainda não estão bem definidos.

O exoplaneta, que está sendo estudado por grupo internacional de astrofísicos, gira à volta de uma estrela relativamente próxima, a 55 Cancri e, por isso, recebeu a mesma designação e também porque é o quinto neste sistema. O planeta é o que está mais próximo da estrela, leva 18 horas a orbitá-la e está virado para esta última dum lado só, digamos, como acontece entre a Terra e a Lua. A temperatura deste lado, segundo investigações, ultrapassa os 2.000 graus da escala de Kelvin.
As investigações, cujos resultados serão publicados no AstrophysicalJournal, tiveram como objectivo estabelecer a radiação infravermelha do próprio planeta. Na impossibilidade de faze-lo “diretamente”, o planeta foi observado de “maneira inversa”: no momento de seu eclipse pela estrela. Os dados obtidos confirmam a hipótese de o 55 Cancri ser provavelmente um planeta com um núcleo de pedra rodeado ou de uma atmosfera rarefeita, ou de água em um estado supercrítico (quando desaparece a diferença entre a fase gasosa e líquida). Esta informação também permite definir, com exactidão, os parâmetros da órbita do planeta ao fim de perceber a estrutura interna do 55 Cancri.
Os cientistas que realizaram as investigações consideram que outros exoplanetas poderão ser estudados do mesmo modo. Se o telescópio Spitzer era antigamente utilizado, em primeiro lugar, para observar os “Júpiteres quentes” (gigantes gasosos que estão muito próximos da estrela), a nova geração de aparelhos orbitais (em primeiro lugar o telescópio James Webb da NASA) poderá observar os planetas semelhantes ao 55 Cancri.Estes planetas costumam também ser designados como “super-terras” por serem maiores que o nosso planeta Terra e terem um núcleo sólido.
O objetivo último dos estudos dos exoplanetas é a procura da existência de vida. Mas, também, não é menos interessante estudar os sistemas de planetas desconhecidos, porque, comparando-os com o nosso próprio sistema, consegue-se perceber como se formaram e se existem regras comuns que determinam este processo.
Ultimamente, com o crescimento da quantidade de exoplanetas descobertos, estas investigações entraram em fase de desenvolvimento acelerado. Desde 1992 foram descobertos mais de 750 planetas, só aqueles que foram confirmados. Mas, depois do lançamento do novo telescópio Kepler da NASA, este número poderá chegar aos milhares.
Quando o próprio processo de “captura” do planeta se transforma em rotina, já não é suficiente encontrar o novo objecto, o principal é conhecer as suas características. Deste modo, aumentam as exigências aos aparelhos de observação. Eles devem possuir uma super sensibilidade de modo permitir a observar os objectos muito longínquos e diminutos.
Ate agora, a radiação dos exoplanetas só trazia surpresas e uma dAs principais era o facto de estes planetas não serem parecidos com o nosso Sistema Solar. Se, no Sistema Solar, os gigantes gasosos giram à volta do Sol em órbitas externas, deixando as órbitas internas aos planetas pequenos com núcleos sólidos, nos sistemas de exoplanetas é tudo ao contrário: os gigantes gasosos estão muito próximos da estrela. Deste modo, as ideias existentes sobre a evolução dos sistemas de planetas, que tiveram como base o Sistema Solar, tornam-se infundadas.
O objectivo da investigação dos exoplanetas está traçado, em particular, na Estratégia de Desenvolvimento de Atividade Espacial da Rússia até ao ano de 2030 e Perído Posterior. Segundo este documento, a Rússia deveefetuar investigações de exoplanetas de 2025 a 2030. Infelizmente, este projeto não descreve os objectivos em pormenor, o que torna esta meta pouco concreta. Actualmente, a Rússia não tem (nem está previsto) telescópios espaciais direcionados para este objectivo. De acordo com a experiência internacional, o tempo que leva a pôr a ideia de construção destes aparelhos em prática é quase dez anos. Provavelmente, se trata do programa de utilização dos observatórios terrestres. Mas o importante é não esquecer que até 2030 restam pouco mais de 15 anos e, durante este período, a procura e a investigação dos exoplanetas vai se tornar uma tarefa corrente.VOZ DA RUSSIA SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Fim do Mundo, ao qual se prepara uma em cada sete pessoas


A companhia sociológica Ipsos promoveu um inquérito entre habitantes de diversos países para saber, quantas pessoas acreditam no fim do Mundo predito pela tribo antiga dos maias. E soube que um em cada dez habitantes da Terra espera uma morte próxima.
Os habitantes da China são os que mais temem o fim do Mundo. Segundo Ipsos, quase 20% dos habitantes deste país acreditam na apocalipse à maia. Os menos confiantes nas profecias resultaram os canadenses. Entre os cidadãos deste país dificilmente encontraram-se 5% dos que acreditam que o fim do Mundo virá no inverno próximo. Na Rússia e na Polônia, 13% da população esperam a morte próxima de todos os seres vivos.
Aproximadamente um em cada sete participantes do inquérito acredita que o fim do Mundo virá durante sua vida mas não obrigatoriamente de acordo com a previsão dos maias.SEGURANÇA NACIONAL

Irã pretende lançar satélite em 23 de maio


Irã lançará na próxima semana mais um satélite de observação, de acordo com a agência iraniana de notícias IRNA. Esse será o quarto satélite lançado pelo Irã desde 2009.
A comunidade internacional manifestou-se preocupada sobre o programa espacial iraniano, porque suspeitam que Teerã tente desenvolver tecnologia de mísseis balísticos. O Conselho de Segurança da ONU impôs uma proibição sobre o desenvolvimento das tecnologias espaciais e nucleares para o Irã ainda no ano 2007.
Vale a pena notar que o lançamento ocorrerá no dia 23 de maio - o dia para que foram marcadas as conversações entre Teerã e os mediadores internacionais sobre o programa nuclear iraniano em Bagdá.SEGURANÇA NACIONAL

Força Aérea dos EUA entre duas gerações de caças


A cessação da produção em série dos caças F-22 pode coincidir com o início de sua carreira em combates reais. Muitos especialistas acreditam que a transferência desses aviões para os Emirados Árabes Unidos significa a preparação para um ataque ao Irã. Entretanto, aviões da nova geração estão enfrentando problemas técnicos. Alguns pilotos da Força Aérea norte-americana se recusam a voar nessas máquinas.

O último, 187º, caça F-22 já foi entregue à Força Aérea dos EUA. A cessação da produção em série do F-22 estava planejada há muito tempo. Os recursos econômicos dos EUA não permitem continuar comprando aviões no valor de mais de 300 milhões de dólares por unidade. Mas a linha de produção na fábrica da Lockheed Martin em Marietta, Geórgia, será mantida. Dada a situação atual relativamente ao desenvolvimento e fornecimento de novos equipamentos para a Força Aérea dos EUA, é possível que a produção do avião seja retomada.
Além do custo, há também críticas sobre a confiabilidade da máquina. Muitos acham que o F-22 não é o projeto mais bem sucedido. E argumentam essa opinião pelo baixo nível de preparação da frota dessas aeronaves, seu alto custo de manutenção, e possibilidades limitadas de trabalho com alvos terrestres.
No entanto, o F-22 não é assim tão sem esperança como o estão tentando apresentar. A prontidão para combate da frota de F-22 é atualmente de 68%, o que excede o nível médio de prontidão de aeronaves da Força Aérea dos EUA – 64,5%.
“Em geral, o F-22 pode ser considerado um projeto maduro e bem sucedido – disse à Voz da Rússia Ivan Kudishin, editor-chefe do semanário “Tecnologia de Aviação e Mísseis” do Instituto Central de Aerohidrodinâmica (TsAGI na sigla russa). – As principais desvantagens desta máquina estão sendo gradualmente eliminadas, sua capacidade de combate também está aumentando. Em particular, é necessário notar o aumento das capacidades de trabalho com alvos terrestres graças à adoção de bombas de pequeno diâmetro SDB-II.
No entanto, subsistem algumas deficiências difíceis de explicar em termos de lógica comum. Em particular, o sistema de oxigênio do F-22, onde em vez de um cilindro tradicional é utilizado um gerador de oxigênio. Problemas com este sistema já causaram pelo menos um desastre e alguns pré-requisitos para acidentes de voo, e a necessidade de sua substituição por algo mais familiar é evidente. Dado o número relativamente pequeno de F-22, essa modernização não custará demasiado caro.”
Anteriormente, o general Mike Hostage, chefe do Comando de Combate Aéreo na base da Força Aérea em Langley, na Virgínia, disse que um “muito pequeno” número de pilotos pediram para serem retirados de voos em caças de quinta geração ou transferidos para outras máquinas. O comando da Força Aérea e a NASA estão investigando as causas dos problemas com o gerador de oxigênio.
A cessação da produção do F-22 deixa a Força Aérea dos EUA com apenas uma máquina de série de nova geração para o futuro próximo – o F-35. Em paralelo com a continuação de testes, esta máquina já está sendo produzida em série limitada. No entanto, as capacidades limitadas do aparelho, seu alto custo, e o adiamento contínuo do prazo de sua adoção e do lançamento de produção em grande série ameaçam uma falha grave no fornecimento de novos equipamentos à Força Aérea dos EUA.
Já é evidente que o F-35 é incapaz de substituir os caças pesados F-15. Para isso, ele tem um alcance insuficiente e capacidades limitadas para a colocação de armamentos, pois tem menos pontos de suspensão que o F-15.
Entretanto, a ameaça de ter que enfrentar um inimigo com uma frota moderna aumentará significativamente para os EUA na próxima década. Dado isso, se pode supor que a retoma da produção do F-22 é altamente provável, especialmente se os EUA se recusarem a reduzir seus gastos militares.
A transferência dos F-22 para os Emirados Árabes Unidos já causou muita especulação, sendo a principal suposição que se trata de uma possível preparação para sua utilização contra o Irã. Realmente, tal possibilidade existe e, mais ainda, faz todo o sentido.
A Força Aérea do Irã está hoje seriamente enfraquecida por anos de sanções sobre a venda de armas ao país. Apesar disso, o Irã tem cerca de 20-25 caças F-14 fornecidos no final da década de 1970 prontos para combate. Estas máquinas têm um radar de grande potência e mísseis ar-ar de grande alcance, tornando-os uma séria ameaça para aviões de sua geração. O F-22, por sua vez, sendo pouco visível, tem a chance de chegar bastante perto do F-14 para usar seus próprios mísseis sem ser detectado.
Assim, uma possível campanha iraniana poderá ser para o F-22 uma guerra na qual ele irá executar exatamente o trabalho para o qual foi concebido – conquistar a superioridade aérea. Ironicamente, seus adversários podem ser máquinas americanas iguais, mesmo que obsoletas.VOZ DA RUSSIA SEGURANÇA NACIONAL

Arquivo do blog segurança nacional