quinta-feira, 19 de abril de 2012

Satélite canadiano será lançado do cosmódromo Baikonur


Chegou hoje ao cosmódromo russo Baikonur o satélite de telecomunicações canadense Nimig 6 a ser lançado em meados de maio mediante o foguetão russo Proton-M, devendo assegurar, durante 15 anos, a transmissão direta de programas televisivos para os usuários canadianos. 
Satélite canadiano será lançado do cosmódromo  Baikonur
Chegou hoje ao cosmódromo russo Baikonur o satélite de telecomunicações canadense Nimig 6 a ser lançado em meados de maio mediante o foguetão russo Proton-M , devendo assegurar, durante 15 anos, a transmissão direta de programas televisivos para os usuários canadianos. SEGURANÇA NACIONAL

EUA vão usar novos mísseis de alta precisão no Afeganistão, desenvolvido pela BAE Systems


Divisões do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos vão usar no Afeganistão um novo complexo de armamentos de alta precisão APKWS, informou a empresa BAE Systems.
O sistema é composto por mísseis não controláveis Hydra modificados, nos quais está instalado um sistema de guia desenvolvido pela BAE Systems, o que torna o Hydra em um míssil com um sistema de orientação a laser semi-ativo – o alvo é iluminado por um laser de um helicóptero, e o míssil só “capta” o feixe reflectido do alvo.
Como enfatizam os produtores da arma, o uso de tais mísseis ajudará a atingir alvos com precisão durante operações de combate em áreas urbanas sem causar danos colaterais.
segurança nacional

Umhonto / Umkhonto Denel BRASIL


"Umhonto" (em Zulu-lança) - SAM com a instalação de mísseis de lançamento vertical, desenvolvido pela empresa sul-Africano, "Denel Dynamics" (Inglês Denel Dynamics).Concebido para proteger contra o ataque simultâneo por vários aviões, helicópteros, mísseis de cruzeiro. Há modificações do infravermelho (Umkhonto-IR) e de radar (Umkhonto-R) homing.
Desenvolvimento do sistema começou em 1993 após o anúncio da proibição do fornecimento de sistemas de armas na África do Sul, incluindo sistemas de mísseis anti-aéreos.
Testes de terreno sistema baseado concluído em Julho de 2005. Os testes incluíram a interceptação de UAV alvo de telemetria «Skua» com perfis diferentes das trajetórias, incluindo a baixa altitude, caminhadas e exercício manobras evasivas do curso de colisão.
O primeiro lançamento bem sucedido de um navio foi realizada a bordo da fragata "nome de um explosivo" Sul Africano da Marinha 23 de novembro de 2005. O foguete foi produzido por um alvo supersônico «Skua» perto do Cabo Agulhas. Testes repetidos conduzida uma semana mais tarde. Em vez de ogivas de mísseis foram equipados com unidade de telemetria. De acordo com dados de telemetria, ambos os objectivos foram atingidos.
SAM "Umhonto" oferece proteção de alta velocidade da aeronave e mísseis de cruzeiro com intervalos de até 12 km ângulos de elevação de até 90 °. Através da instalação de sistema de lançamento vertical e que o piloto automático tem um nível muito elevado de saturação. Modificação do Umkhonto-IR tem um dual-band cabeça infravermelho homing, trabalhando na "captura início depois." Depois que o navio de mísseis sistema de controle de lançamento define o ponto de destino, ao qual os movimentos de foguetes através da inércia digital de piloto automático. Dependendo das manobras do controle do piloto automático reprogramado por comando de rádio. Ao chegar ao ponto de destino está incluído buscador. O sistema de controle utiliza um radar Thales multi-empresa e pode disparar, simultaneamente, até 8 alvos.
O míssil usa um motor propulsor sólido de alto desempenho pólvora baixa emissão de fumaça. A ogiva maciça e detonador remoto de alta probabilidade de acertar o alvo. Controle da Missão é um bico com o controle do vector de impulso (a partir de a trajetória) e lemes da cauda (midcourse).
Recipiente selado de partida tem uma forma cilíndrica. Durante os gases de início-reactivas estão reflectidos a partir do fundo do recipiente e ir para cima entre as paredes do recipiente e os mísseis de habitação. Depois de iniciar o recipiente usado é removido para recarga e substituído por um contentor carregado. Recarregar o lançador é efectuada quer na base de, ou em um mar calmo com a utilização de um navio auxiliar.


Alta confiabilidade é obtida através de built-in hardware auto-teste, que fornece o custo mínimo de manutenção de pessoal.
O sistema consiste de lançador de módulos com mísseis em vasilhas de lançamento, painel de controle, controlador de sistema (computador host e interface com o sistema de controle de fogo), controladores de arranque seqüência (uma para cada quatro mísseis), o controle transmissor remoto, antena da estação do sistema de refrigeração e um sensor infravermelho antes de começar.
Na África do Sul foguetes armados com quatro fragatas da "Valor". Na Finlândia Umhonto dos mísseis barcos mísseis armados com quatro tipos de Hamina e dois tipos de minas camadas Hyameenmaa .

As características de desempenho

O alcance máximo da meta12 km
A altura máxima dos objectivos10 km
Sobrecarga máxima40g
O comprimento do foguete3,32 m
O diâmetro do foguete0,18 m
Peso do foguete125 kg
A velocidade máxima2400 km.ch.
Tempo para interceptar a uma distância de 9 km16
Peso da ogiva23 kg
Tipo de fusívelremoto ativo
Dean recipiente3,8 m
O diâmetro do recipiente0,65 m
segurança nacional

Marinha do Brasil iniciar conversações de mísseis de desenvolvimento com a Denel


O Comandante da Marinha do Brasil confirmou a Engineering News online que seu serviço está interessado em cooperar com a África do Sul no desenvolvimento de mísseis. "Estamos começando a discutir com a Denel alguns projectos comuns de desenvolvimento de mísseis", declarou o Almirante Julio Soares de Moura Neto , em Cidade do Cabo na sexta-feira.

"Nada foi assinado ainda. Isso envolveria o desenvolvimento conjunto de superfície-ar mísseis." Denel é estatal da África do Sul o grupo de defesa industrial, e seus negócios responsável por mísseis (e veículos aéreos não tripulados) é Denel Dynamics, com base em Centurion, ao sul de Pretória. A única naval de mísseis superfície-ar atualmente produzida pela empresa é o Umkhonto (que se traduz em Inglês como Lança). Este utiliza a orientação de infravermelho e já está em serviço com as Marinhas sul-Africano e finlandês. Mas Denel Dynamics tem um projeto para desenvolver um longo distância, guiado por radar, versão do míssil, conhecido como o Umkhonto-R. A Marinha brasileira tem sido conhecido por estar interessado neste programa. Tal programa comum não seria projeto da Marinha do Brasil só de mísseis. "Temos um projeto nacional para um míssil superfície-superfície (SSM)", informou Moura Neto. "Ela está em desenvolvimento pela Marinha do Brasil e empresas de defesa do Brasil, incluindo Mectron e Avibras", explicou. "Está funcionando bem. Esperamos que o míssil protótipo estará pronto em 2016." Atualmente designado simplesmente como o míssil anti-navio, a arma se destina a ser lançado de navios de superfície contra navios de superfície outros. Será um médio variou SSM, na mesma categoria geral da versão MM40 do SSM francês famoso, o Exocet. O Exocet MM40 é atualmente operado pela Marinha do Brasil e do novo, nacional, SSM poderia eventualmente substituí-lo. "[Mas] é uma viagem de longo prazo", ressaltou. "Um míssil é uma arma muito caro [a desenvolver]." Almirante Moura Neto foi assistir o 2012 do Oceano Índico Naval Symposium (IONS) como observador.Segurança Nacional

Brasil defende fundo para conter golpe na Guiné-Bissau


GUINÉ-BISSAU - O Brasil está participando da negociação para criar um fundo internacional de US$ 45 milhões (R$ 84 milhões) para pagar aposentadorias aos militares da Guiné-Bissau e assim convencê-los a depor as armas e restabelecer a democracia no país.Há uma semana, o Exército local tomou a capital e prendeu o premiê Carlos Gomes Júnior e o presidente interino Raimundo Pereira.
Gomes era o favorito para vencer as eleições presidenciais marcadas para o próximo dia 29 de abril.
A CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) tenta resolver pacificamente o impasse.
A estratégia do bloco é pressionar os militares golpistas com sanções em organismos internacionais e ao mesmo tempo oferecer ajuda financeira por meio do fundo.
Segundo o embaixador Paulo Cordeiro de Andrade Pinto, subsecretário-geral para África e Oriente Médio do Itamaraty, o dinheiro será administrado pelas Nações Unidas.
Ele deve sustentar a aposentadoria de até 5 mil militares assim que eles concordarem em se desmobilizar.
"O fundo ainda não existe, mas muitos países já se disseram dispostos a participar. O investimento inicial será de US$ 15 milhões [R$ 28 milhões]", afirmou.
Pressão internacional

Para forçar os militares golpistas a aceitarem o acordo, a União Econômica e Monetária do Oeste Africano (Ecowas, na sigla em inglês) já congelou as operações financeiras da Guiné-Bissau no bloco.
Em outras frentes, o Banco Mundial e o Banco do Desenvolvimento Africano suspenderam nesta quinta-feira os programas de fomento. As duas instituições disseram que apenas os programas emergenciais estão mantidos, e deixaram claro o desejo de "uma rápida resolução para a crise".
Já o Brasil e os demais países da CPLP trabalham para que o Conselho de Segurança da ONU analise o assunto ainda nesta quinta-feira e aprove uma declaração presidencial condenando o golpe.
Se a declaração não gerar resultado, em uma segunda fase o Conselho de Segurança pode aumentar a pressão aprovando uma advertência formal aos golpistas.
O passo seguinte seria a votação do envio ao país de uma força militar da ONU de imposição de paz, mas essa hipótese permanece remota.
Na quarta-feira, a junta militar golpista dissolveu formalmente o governo e anunciou que eleições presidenciais acontecerão apenas daqui a dois anos.
O premiê e o presidente do país continuam reféns. Suas condições de saúde -ambos são diabéticos e tomam insulina- são monitoradas por representantes da Cruz Vermelha Internacional.
Bases militares

A presidente Dilma Rousseff determinou ao Itamaraty que participe ativamente das negociações e atue para apaziguar ânimos dos militares da junta e dos governos vizinhos.
A ação se insere na política iniciada no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para aumentar a influência do Brasil na África, especialmente nos países de língua portuguesa.
Há dois anos, o governo brasileiro começou a planejar em parceria com Angola a instalação de duas bases militares em Guiné-Bissau para profissionalizar o Exército local.
Angola seria a responsável por treinar praças de patentes mais baixas e o Brasil formaria os oficiais de uma nova geração das Forças Armadas de Guiné-Bissau.
A reforma da futura instalação brasileira já havia sido planejada e um currículo elaborado. Porém, a iniciativa ficará parada até a resolução do atual impasse político.
Entre os objetivos indiretos da profissionalização dos militares estão uma tentativa de diminuir a incidência de golpes de Estado no país e de combater a ação de traficantes de drogas internacionais.
Nos últimos dois anos Guiné-Bissau já havia sofrido duas tentativas de golpe. O país é considerado hoje um grande entreposto da rota de tráfico de cocaína da América Latina para a Europa.
Segundo analistas, o dinheiro do narcotráfico seria usado inclusive para financiar grupos extremistas que atuam na África e no Oriente Médio.
BBC Brasil - BBC. Segurança Nacional

Governo da Índia testa com sucesso primeiro míssil de longo alcance


Efe
Atualizado às 3h50
NOVA DÉLHI - O governo da Índia testou, nesta quinta-feira, 19, com sucesso, seu primeiro míssil nuclear de longo alcance, com um raio de ação superior a 5 mil quilômetros, segundo informaram fontes oficiais citadas pela imprensa local. "O míssil foi lançado por volta das 8 horas e foi um sucesso", disse a porta-voz da Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DRDO, na sigla em inglês), Anuradha Ravi.
Esta é o primeiro teste realizado pela Índia com o novo projétil, denominado Agni V, que tem capacidade para atacar alvos situados a mais de 5 mil quilômetros e pode levar ogivas nucleares. As autoridades indianas previam o lançamento para a tarde de quarta-feira na ilha de Wheeler, situada em frente à costa oriental do país, no Golfo de Bengala, mas o plano teve de ser adiado devido a uma forte tempestade.
"A Índia é hoje um país com capacidade provada para projetar, desenvolver e produzir um míssil balístico de longo alcance. Agora somos uma potência em matéria de mísseis", disse o chefe do DRDO, V.K. Saraswat. "O rendimento do míssil Agni-V ficou provado com sucesso em suas três fases. Todos os objetivos da missão e os objetivos operacionais foram alcançados", acrescentou.
Com o lançamento, a Índia entra em um pequeno grupo de países capazes de atingir alvos a longa distância, composto por Rússia, China, Estados Unidos, França e Reino Unido, embora se acredite que Israel também possui algum tipo de projétil similar. O novo míssil indiano pode chegar, teoricamente, a quase todos os pontos da Ásia e da Rússia, e a algumas das principais cidades da Europa Oriental.
O Agni V ainda deve passar por novos testes antes de ser introduzido nas forças armadas da Índia, um país que mantém disputas fronteiriças com a China e o Paquistão, com relações especialmente difíceis com este último...segurança nacional

Arquivo do blog segurança nacional