segunda-feira, 9 de abril de 2012

SGB e o fratricídio francês


Desde setembro de 2011, o projeto do Satélite Geoestacionário Brasileiro (SGB) se tornou o principal tema de interesse do Programa Espacial Brasileiro pela indústria espacial estrangeira. E com frequência, surgem notícias sobre os preparativos e as movimentações para a viabilização do projeto, a ser executado pela BR1SATjoint-venture a ser constituída pela Embraer Defesa e Segurança e a estatal Telebrás, sob os auspícios e interesses dos ministérios das Comunicações e Defesa.
À medida que o projeto vai se viabilizando, também acontecem as movimentações de empresas e indústrias interessadas, e o blog passará a abordar algumas dessas movimentações de bastidores.
De acordo com informações que chegaram ao conhecimento do blog Panorama Espacial, houve uma tentativa francesa para uma proposta conjunta para o governo brasileiro, envolvendo a Thales Alenia Space e a Astrium, num solução turn-key, com a entrega do satélite em órbita. Seria umaproposta similar a que está sendo feita pela Astrium e Thales Alenia Space para a empresa espanhola Hisdesat envolvendo o satélite militar Hisnorsat. A Thales, no entanto, teria recusado a proposta.
Na opinião de quem observa atentamente as movimentações empresariais relacionadas ao SGB, a decisão da Thales demonstra a importância que o eventual contrato brasileiro representa para a empresa. Em 2011, o único contrato para a construção de um satélite geoestacionário de comunicações conquistado pela companhia foi com governo do Turcomenistão. Não houve encomendas comerciais. Oficialmente, as dificuldades em conquistar novos negócios teriam um motivo principal: a desvalorização do euro frente ao dólar, o que estaria minando a competitividade da indústria espacial europeia. Mas, mesmo com a desvalorização do dólar, a também europeia Astrium fechou em 2011 cinco novas encomendas de satélites geoestacionários, inclusive de clientes comerciais, como a DirectTV e Eutelsat.
A Thales Alenia Space é a contratante principal do Syracuse, o sistema francês de comunicações militares por satélite, e tem esperanças de que seu expertise na área, aliado ao acordo de parceria estratégica entre o Brasil e a França, sejam determinantes para a sua escolha como fornecedora principal do satélite do SGB.
A competição vai se desenhando
Em declarações públicas feitas há algumas semanas, Marco Antônio Raupp, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação não perdeu a oportunidade para falar sobre a aguardada abertura de concorrência internacional para a seleção do fornecedor do SGB, o que tem causado certa aflição em setores industriais e mesmo no governo.
Primeiro, Raupp falou da possibilidade da participação norte-americana, e embora não tenha citado nomes, fato é que a Space Systems Loral (selecionada pela brasileira Star One para a construção do Star One C4) já esteve em Brasília para contatos relacionados a uma possível participação no SGB, conforme já revelado pelo blog. Além da Loral, cogita-se também sobre o possível interesse da Boeing, que, em mais de uma ocasião, demonstrou estar atenta a oportunidades espaciais no Brasil.
Diz a lenda, a Loral, que é bastante conhecida por suas propostas competitivas, muitas vezes com valores percentuais até dois dígitos mais baratos, já conta com experiência (e habilidade) em suportar “desaforos” sul-americanos. A Boeing, por sua vez, apesar de ter sistemas de comunicações considerados caros, há alguns anos decidiu voltar com força ao mercado, e colocou o Brasil como um dos seus mercados de atenção, particularmente pelo Programa F-X2, que prevê a aquisição de novos caças pela Força Aérea Brasileira.
Raupp também esteve na Índia, integrando a comitiva que viajou ao país asiático no final de março. Nesta ocasião, o ministro convidou os indianos a analisarem o projeto SGB e eventualmente participarem da concorrência. A Índia conta com uma tecnologia recentemente madura em satélites geoestacionários, principalmente em plataformas de médio porte, mas ainda depende de fornecedores estrangeiros para componentes e cargas úteis, como os transpônderes de comunicações, usualmente fornecidos pela europeia Astrium. A empresa do grupo EADS e a Antrix Corporation (braço comercial da agência espacial indiana, a ISRO), aliás, mantêm vários acordos de cooperação, como em lançamentos de cargas úteis, satélites, entre outros.
Fratricídio?
Para muitos observadores, a indústria espacial francesa sempre foi vista como uma das mais bem posicionadas para o SGB, posicionamento este que ganhou reforço com o acordo de parceria estratégica celebrado em dezembro de 2008. Uma falha da indústria da França em unir esforços para uma oferta conjunta para o SGB poderia resultar num movimento fratricida, que só traria prejuízos a sua própria indústria. Falhas estas, aliás, que muitas vezes levaram a indústria francesa a ser surpreendida e perder negócios em que já era entendida como vitoriosa, mesmo no Brasil (uma pessoa ouvida pelo blog citou o caso, pouco conhecido em detalhes, da tentativa francesa em vender e transferir tecnologia de pequenos satélites de observação).
Fonte: Panorama Espacial ...SEGURANÇA NACIONAL

Para general, Alemão é mais violento e complexo que Haiti em 2007


O general Tomás Miguel Miné Paiva Ribeiro, que deixa nesta segunda-feira (9) a função de comandante da Força de Pacificação do Exército nos Complexos do Alemão e da Penha, afirmou ao iG que a missão no Rio é muito mais difícil e violenta que a que a Missão de Paz no Haiti em que atuou como subcomandante do Batalhão Brasileiro (Brabatt), em 2007.
Assume a função o general Carlos Sarmento, da 9ª Brigada de Infantaria Motorizada, no Rio, último contingente militar na área, antes de a Polícia Militar implantar as UPPs na região. Sarmento já comandou a Força de Pacificação, em 2011.O general Tomás esteve no Haiti entre maio e outubro de 2007, período imediatamente posterior à “pacificação” real de Cité Soleil, a mais perigosa favela da capital Porto Príncipe, antes dominadas por gangues. A Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) começara lá em junho de 2004. A última ação de massa na região, em Bois Neuf, foi uma operação com 600 militares dos países da Minustah e ocorreu sem tiros, em 28 de fevereiro. General Tomás esteva lá ainda como coronel e observador, preparando-se para assumir o posto.Recebemos muito menos tiros lá no Haiti do que aqui (nos Complexos do Alemão e da Penha). Mudamos até a maneira de empunhar os fuzis: quando chegamos lá, era arma carregada, destravada e pronta para atirar. No meio da missão, já andávamos com armas abaixadas. Recebemos pouco tiro lá, muito menos que aqui. Aqui foram mais de 100 tiros contra a tropa nesses dois meses e meio”, afirmou o general Tomás.
Patrulhamento de becos aumenta e violência dispara desde janeiro
Foto: Reprodução
Militares brasileiros da Força de Paz distribuem mantimentos a haitiana
Desde que assumiu o comando da Força de Pacificação, em 27 de janeiro, general Tomás implementou uma rotina mais reforçada de patrulhamento a pé e de moto de becos e vielas, priorizando essas áreas e “saturando” a área com os cerca de 1.600 homens operacionais distribuídos pelos complexos do Alemão e da Penha.
A reação dos traficantes foi clara. Dispararam as hostilidades em relação à tropa. Só em fevereiro, foram 102 “ações hostis”, na contabilidade da Força de Pacificação.
Até então, desde janeiro de 2011, o maior número tinha acontecido em maio de 2011, quando houve 34 ações, um terço do ocorrido em fevereiro – a média anterior mensal era de 16 casos.
Foto: Fernando Quevedo / Agência O GloboAmpliar
Militares da Força de Pacificação do Exército deixam o Complexo do Alemão com a chegada da PM
Nesse período de cerca de dois meses e meio em que as tropas de Campinas (SP) e de Santa Maria (RS) ficaram na região, foram alvo de 22 tiros de fuzil, 114 tiros de pistola ou revólver, além de 37 bombas caseiras ou rojões, jogados em direção aos soldados. Houve ainda 70 casos de pedras, paus, garrafas e tijolos lançados contra os militares e 42 “formações de turba” – como no dia da visita do príncipe Harry.
Seguindo a orientação do CML (Comando Militar do Leste) – de “proteger a população” –, o contingente informou ter dado 42 tiros de advertência de fuzil, 16 tiros de pistola, como resposta. A arma mais usada pelo Exército entre o fim de janeiro e hoje foi a espingarda calibre 12 de munição de borracha, não-letal, com 400 disparos, associados às granadas de luz e som (32), e gás de pimenta.
“No Haiti, a tropa chegou pronta para combater, não para manutenção da paz, mas para imposição da paz. Tinha atirado muito em treino e estava segura. No Haiti a situação social é muito pior que aqui. Mas aqui há uma cultura do tráfico ainda muito forte”, disse.
Foto: Divulgação
Militares da Força de Pacificação apreendem drogas nos complexos do Alemão e da Penha
No período, cresceram também as apreensões de drogas e armas. Em fevereiro e março, foram apreendidas 11 armas, sendo quatro réplicas de fuzis, maior média desde o início da Operação Arcanjo.
Os militares apreenderam 7208 papelotes de cocaína, 2896 sacolés de maconha, 2896, 300 comprimidos de ecstasy: 376 pedras de crack e 36 de haxixe.
Foram recolhidos pela tropa ainda um carregador de fuzil, 58 cartuchos de fuzil calibre 7.62mm, 29 cartuchos de pistola 9mm, 18 rádios portáteis, 30 celulares, um par de binóculos e 11 veículos roubados.
As ações de inteligência passaram a priorizar, pela ordem, armas, sistemas de informações das “forças adversas” – traficantes –, procurados, tráfico 
SEGURANÇA NACIONAL

Militarização do espaço pode tornar-se realidade

 O ministério da Defesa dos EUA anunciou um novo programa espacial ambicioso destinado a montar uma rede de satélites em volta da Terra. A rede poderá incluir 288 satélites do projeto GPS e satélites de comunicação de órbita baixa (LEO) Iridium.
 Intenção semelhante foi anunciada pelo diretor do setor de telecomunicações por satélite do programa de modernização russo Skólkovo, Serguêi Jukov. Segundo ele, a Rússia deve estudar a possibilidade de união de diversos sistemas de satélite para a criação de um futuro escudo de satélites.
 Mas para que fins serão utilizadas na prática essas constelações de satélites? Em primeiro lugar, evidentemente, para fins militares. Os satélites são o núcleo das forças armadas modernas dos países desenvolvidos, sendo o principal objetivo de uma guerra do futuro não tanto a tomada do território do inimigo, mas a aplicação de golpes exatos contra seus pontos fracos. Isso quer dizer que o exército, reforçado pela cavalaria blindada, poderá deixar de ser relevante no futuro teatro de operações militares.
Estação orbital militar – sistema de defesa a laser Polyus.
 No conceito de “armas estratégicas”, a ênfase se desloca da clássica “tríade nuclear” aos sistemas de armas convencionais de alta precisão com locais de instalação diferentes. Todavia, seu emprego se torna problemático sem um grande número de elementos de apoio orbital, como satélites de reconhecimento, aviso prévio, previsão, comunicação, navegação e identificação de alvos.
 Já em 2004, o especialista-chefe do Centro de Estudos Militares e Estratégicos do Estado-Maior russo, Vladímir Slipchênko, disse, em entrevista ao autor deste artigo: “O principal objetivo dos EUA não é construir um escudo antimíssil nacional, mas ensaiar o uso de sua infraestrutura orbital de informação para a condução de guerras sem contato”.
Ilustração da estação orbital Polyus acoplada aos foguetes de lançamento.
 De acordo com o general, até 2020 o número de armas de alta precisão em posse dos países desenvolvidos poderá chegar a 70 ou 90 mil. Imagine quantos satélites serão necessários para servi-las. Portanto, centenas de satélites, aparentemente inofensivos e que sozinhos não são armas de ataque se tornarão parte integrante dos sistemas de armas de alta precisão, principal meio de combate do século 21.
 Por outro lado, os satélites são o “calcanhar de Aquiles” desses sistemas e também poderão ser atacados. Isso cria a possibilidade de agir sobre a capacidade combativa dos sistemas de armas de alta precisão mediante a neutralização das constelações de satélites. Já em plena Guerra Fria, os EUA e a URSS realizavam experiências de combate aos alvos “trans-atmosféricos”, suspendendo-as somente no fim da década de 1980, receosos de que os fragmentos dos objetos destruídos pudessem atingir os satélites militares e outros em operação em órbita. Hoje, a humanidade parece estar voltando à ideia de guerras espaciais.
 Em 11 de janeiro de 2007, a China atacou e abateu seu próprio satélite meteorológico. Um ano depois, em 21 de fevereiro de 2008, o cruzador norte-americano Lake Erie, em missão no Pacífico, derrubou com um míssil interceptor um satélite espião dos EUA prestes a cair descontroladamente. Segundo as declarações oficiais dos EUA, o ataque ao satélite se deveu à preocupação com a segurança dos habitantes da Terra. Note-se que o satélite foi atingido a uma altitude de 247 km com um míssil Sm-3, que faz parte dos sistemas de apoio ao futuro escudo antimíssil europeu. Assim, a possibilidade de atingir satélites em órbita realmente existe. Portanto, se existe a possibilidade de destruir alvos no espaço, mais cedo ou mais tarde surgirá a necessidade de colocar no espaço armas para defendê-los. O ex-secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, já declarou que a proteção de seus veículos espaciais é uma prioridade para o ministério da Defesa dos EUA.
 Há tempos militares e políticos russos estão preocupados com o problema da eventual militarização do espaço. Na época em que desempenhavas as funções de comandante das Tropas Espaciais da Rússia, o atual presidente da Agência Espacial Russa (Roskosmos), Vladímir Popóvkin, declarou: “Se alguém decidir instalar armas no espaço, teremos que responder à altura para não ficar a ver navios”.
 Em 2007, o vice-primeiro-ministro do governo russo, Serguêi Ivanov, mandou construir um escudo único com as funções de defesa aérea, antimíssil e antiespacial e designou como empresa matriz do projeto o consórcio Almaz-Antei. O escudo deve ficar pronto até 2015 e combinar, segundo Ivanov, sistemas de combate e de informação aos sistemas existentes para garantir a defesa antiaérea, antimíssil e antiespacial da Rússia.
Sala de controle da defesa anti-míssil.
 É difícil dizer qual caminho tomarão os EUA para defender seus satélites, mas todos nós nos sentiríamos mais seguros se as rampas de lançamento dos mísseis permanecessem em terra.
Rússia investe na defesa aeroespacial.
 O anúncio foi feito pelo ministro da Defesa da Rússia, Anatóli Serdiukov, em uma reunião do alto oficialato russo. De acordo com o ministro, as novas tropas permitirão juntar as potencialidades dos sistemas de defesa antiaérea e antimíssil e dos sistemas de aviso prévio contra mísseis e de controle do espaço.
 “Essa mescla dos sistemas permitirá combater com êxito quaisquer alvos aéreos e espaciais velozes, inclusive hipersônicos”, disse o governante russo,destacando a necessidade de concluir os trabalhos para a criação do novo braço das Forças Armadas até o dia 1 de dezembro deste ano.
Ao referir-se aos alvos hipersônicos, o ministro fez uma alusão clara ao planador hipersônico norte-americano AHW (Advanced Hypersonic Weapon), que fez o primeiro teste bem-sucedido em meados de novembro, após dois testes anteriores abortados. O ministério da Defesa dos EUA anunciou que iria utilizar os resultados obtidos com o programa AHW para a construção do sistema “Ataque Global Imediato Convencional” (Conventional Prompt Global Strike, CPGS). O plano CPGS prevê a criação de armas convencionais capazes de atingir qualquer lugar do mundo em poucas horas após receber o respectivo comando.
 A pressa com que foi anunciada a criação da Defesa Aeroespacial (ASD, na sigla em inglês) na Rússia e as declarações do ministro sobre a disponibilidade das tropas de lutar contra as armas norte-americanas, ainda em fase de projeto, evidenciam o nervosismo em altos círculos militares da Rússia, que tentam manter uma aparência de igualdade com os EUA. O novo setor também tem como objetivo adaptar as Forças Armadas russas às novas condições tecnológicas da guerra. A questão é saber o que está por trás das palavras do ministro e se as novas tropas poderão fazer frente às ameaças reais.
 A Defesa Antiaérea russa não está em seu melhor estado, segundo os generais que respondem ou já responderam pela defesa do espaço aéreo russo. Em 2008, o comandante-chefe da Força Aérea, Aleksánder Zélin, qualificou de crítico o estado da Defesa Antiaérea nacional. Em meados de maio passado, o antecessor do general Zélin, Anatóli Kornukóv, anunciou aos jornalistas que a defesa antiaérea russa está longe de ser perfeita.
Capacidades da defesa de mísseis da Rússia frente às ameaças Ocidentais.
 “Somos capazes de repelir parcialmente um ataque com a ajuda de nossos caças e mísseis. Mas duvido que sejamos capazes de fazer frente aos mísseis tático-operacionais lançados contra a Rússia”, disse o general.
 Por outro lado, as doutrinas defensivas dos maiores países do mundo não excluem o emprego de armas espaciais. As órbitas circunterrestres alojam dezenas de satélites ligados sob diferentes formas a programas militares. Num futuro próximo, serão instaladas no espaço armas capazes de atingir alvos terrestres. Também se prevê que a maior parte das armas antimísseis seja instalada no espaço.
 Nesse contexto, a criação de um sistema de defesa aeroespacial integrado não é um desafio do futuro, é um desafio do presente. Ainda assim, a direção político-militar da Rússia estende a conclusão da construção da ASD até 2020.
 O objetivo de criar tropas de defesa eficazes com base em um programa especial com duração até 2016 foi fixado pelo presidente Vladímir Pútin já em 2006.
Representação artística de míssil hipersonico.
 No entanto, os cinco anos passados foram perdidos na luta entre diversos departamentos para decidir quem iria comandar as novas tropas. Como a Força Aérea tem sob seu comando a defesa antiaérea, ela queria também tomar sob seu controle a futura Defesa Aeroespacial. Mas o elemento-chave da Defesa Aeroespacial é um escudo antimísisil e antiespacial, estrutura que não se enquadra em nenhum dos ramos das Forças Armadas existentes.
Assim sendo, não há garantias de que a declaração do ministro Serdiukov sobre a criação de um novo braço das Forças Armadas ponha termo à disputa pelo controle sobre a ASD.  Atualmente, só o sistema russo S-400 reúne um potencial mais ou menos adequado para fazer frente aos mísseis balísticos. Sua entrega às tropas só está começando.
 “Além de atualizar o sistema A-135, foi fixado o objetivo de construir um sistema móvel, o S-500 (versão desenvolvida do S-400 – nota do autor), que pudesse ser utilizado tanto na defesa de Moscou quanto na defesa de outras regiões do país ameaçadas. Com a construção do sistema S-500, será resolvido o problema da criação de um sistema de defesa antimíssil móvel ou, pelo menos, transportável. O sistema deverá ficar pronto até 2015. Já está pronto um projeto preliminar e estão sendo elaboradas soluções técnicas”, disse o co-presidente do Conselho de peritos para a problemática da ASD, Ígor Achurbeili, que durante dez anos dirigiu os trabalhos de desenvolvimento de novos sistemas de defesa antiaérea e antimíssil do país.
O comentário acima leva a crer que, apesar das perspectivas animadoras, hoje em dia a Rússia não tem sistemas de defesa antimíssil prontos. O escudo antimíssil de Moscou, A-135, mencionado por Ígor Achurbeili, entrou em serviço em 1995 e está desatualizado. Seus mísseis e radares devem ser modernizados. O complexo precisa também de novos mísseis interceptores transatmosféricos, pois os mísseis 51T6, construídos para o efeito em 2002, foram desmantelados e os mísseis 53T6, atualmente em serviço, só podem interceptar alvos atmosféricos. Outro desafio é instalar na Rússia uma produção nacional de sistemas de computação e de supercomputadores sem os quais um sistema antimíssil moderno não pode funcionar. A tentativa de resolver os problemas existentes com a ajuda de sistemas móveis parece promissora, mas esses sistemas só estão começando a entrar em serviço e chegam às tropas em pequenas quantidades. Além disso, as soluções tecnológicas neles utilizadas exigem ajustamentos.
 Dito isto, podemos constatar que a criação de um braço das Forças Armadas separado é apenas o início de um difícil caminho rumo à construção de um sistema eficaz de defesa do espaço aéreo e exterior da Rússia.
Fonte: Gazeta russa.SEGURANÇA NACIONAL 

Foguete norte-coreano está na plataforma de lançamento


O foguete norte-coreano que supostamente deve colocar em órbita na próxima semana um satélite foi instalado na plataforma de lançamento, apesar dos protestos internacionais, constatou neste domingo a imprensa estrangeira no centro espacial de Tongchang-ri (noroeste).

As autoridades norte-coreanas organizaram a visita inédita para mostrar que o foguete Unha-3 não é um míssil, como afirmam o governo dos Estados Unidos e seus aliados, em particular Coreia do Sul e Japão.


Vários jornalistas e especialistas em ciência e tecnologia estrangeiros visitaram as instalações de onde a Coreia do Norte planeja lançar um satélite entre os dias 12 e 16 deste mês, informou nesta segunda-feira a agência de notícias estatal norte-coreana KCNA.
Os convidados observaram na plataforma de Sohae, situada na província noroeste de Pyongan do Norte, o foguete portador Unha-3, que nas últimas semanas despertou críticas de vários países por considerarem que seu lançamento encobre um teste de um míssil balístico de longo alcance.
A visita começou em uma das plataformas de testes da estação de lançamento de satélites, onde comprovaram o mapa de distribuição geral das instalações e viram o satélite de observação terrestre Kwangmyongsong-3, segundo a KCNA.
A agência do hermético país comunista destacou que a visita do grupo é "uma exceção, que vai além das práticas internacionais", orientada a "demonstrar de maneira transparente a natureza pacífica do lançamento do satélite".

Representantes do Comitê de Tecnologia Espacial da Coreia do Norte asseguraram aos jornalistas e analistas estrangeiros, segundo a KCNA, que o lançamento acatará todas as normas internacionais e "proporcionará uma garantia de credibilidade e segurança".
Acrescentaram que o satélite, uma vez posto em órbita, servirá para recopilar "informação necessária sobre a distribuição de recursos florestais no país, gravidade dos desastres naturais, estimativa de colheitas, previsões meteorológicas e estudo dos recursos naturais".
A Coreia do Sul e os Estados Unidos, entre outros países, condenaram o suposto teste encoberto de mísseis de Pyongyang, que, afirmaram, representaria a violação de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, e pediram que o país desista de seus planos.
No meio da polêmica pelo lançamento, as autoridades sul-coreanas de inteligência temem que a Coreia do Norte esteja preparando, além disso, um terceiro teste nuclear no mesmo local no qual realizou outros dois em 2006 e 2009.
Segundo a agência sul-coreana Yonhap , imagens de satélite indicariam que Pyongyang estaria realizando "preparativos clandestinos" deste tipo na província de Hamkyong do Norte.
Em 2009, o país comunista realizou um teste nuclear um mês e meio após lançar ao espaço seu projétil de longo alcance Taepodong-2.

Com agências: AFP/EFE..SEGURANÇA NACIONAL

Arquivo do blog segurança nacional