Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Petrobrás tem parecer favorável da Aneel para projeto de usina solar


Agência Estado
SÃO PAULO - A Petrobrás recebeu parecer favorável da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), na segunda-feira, 2, para o projeto de pesquisa e desenvolvimento de uma usina de energia solar de 1,1 MW em Alto do Rodrigues, município do Rio Grande do Norte situado a 200 quilômetros de Natal.
A usina será instalada no terreno da Usina Termelétrica (UTE) Jesus Soares Pereira, da Petrobrás, e a energia gerada será utilizada pela própria empresa. O custo total do projeto, que começará a ser desenvolvido este ano, é estimado em R$ 20,9 milhões, e a previsão para início da operação é o segundo semestre de 2014.
A estatal explica, em nota, que para o desenvolvimento desse projeto será implantada uma plataforma experimental de 10 kW, como modelo de usina, no Laboratório de Eletrônica de Potência e Energias Renováveis do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
O projeto da Petrobrás foi aprovado na chamada pública da Aneel nº 013/2011 (Arranjos Técnicos e Comerciais para Inserção da Geração Solar Fotovoltaica na Matriz Energética Brasileira), que recebeu 18 propostas, totalizando investimentos de R$ 395,9 milhões. Dessas, 15 foram aprovadas e três ainda estão em análise por áreas técnicas da Aneel, do Ministério de Minas e Energia (MME) e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), segundo a Petrobrás.
Segurança Nacional

Opto envia câmera nacional do satélite Cbers 3 à China


Considerado por especialistas independentes como um marco da engenharia nacional, a Opto Eletrônica enviou na última sexta, 30/03, à China, uma moderna e complexa câmera imageadora que irá equipar o satélite sino-brasileiro Cbers 3.
Trata-se da primeira câmera no gênero inteiramente desenvolvida e produzida no País. O equipamento, feito na matriz da Opto em São Carlos, coloca o Brasil entre os 10 países do mundo a dominar a tecnologia de imageamento aeroespacial. De nome MUX (de multiespectral), a câmera é destinada ao monitoramento ambiental e gerenciamento de recursos naturais. O satélite Cbers 3 tem lançamento programado para novembro deste ano e será levado à órbita por meio do foguete chinês “Longa Marcha”.A MUX pesa mais de 120 kg e é capaz de fazer imagens com 20 metros de resolução do solo, a mais de 750 km de altitude. Desconsiderando a curvatura da Terra e as nuvens (para exemplificar), seria como se, de São Carlos/SP, fosse possível enxergar um ônibus em Brasília/DF. A faixa de largura imageada, extensão do território visto em uma linha na imagem, é de 120 km de largura.
Independência tecnológica
A fabricação da MUX pela Opto atende à diretriz do Programa Espacial Brasileiro de fomentar a capacitação e o desenvolvimento de tecnologia de ponta pela indústria nacional. O trabalho da companhia também contribui para a independência tecnológica em áreas altamente sensíveis do ponto de vista estratégico.
Construída para auxiliar de forma decisiva no monitoramento ambiental e gerenciamento de recursos naturais (trabalhando em quatro bandas espectrais de luz), as imagens produzidas pela câmera têm capacidade de mostrar, com precisão, queimadas, desmatamentos, alteração de cursos d”água, ocupação urbana desordenada, entre outras funções. As imagens poderão ser utilizadas em todo o mundo, gratuitamente, por meio do site do INPE.
Projeto
O projeto da câmera teve início em 2004, quando a Opto venceu a licitação internacional para o desenvolvimento e fabricação da câmera. O projeto sofreu diversos aperfeiçoamentos, principalmente em razão do não compartilhamento de tecnologias e venda de componentes “sensíveis” por outros países. Contudo, a companhia de São Carlos conseguiu, de forma inédita, desenvolver soluções próprias e inovadoras, dominando todo o ciclo de construção do equipamento.
Para se ter idéia, somente o projeto preliminar da câmera foi composto por mais de 450 documentos, totalizando mais de 16 mil páginas.
Nesse período, foram construídas versões sucessivas de protótipos, denominadas modelos de engenharia, de qualificação e de voo (modelo final) da câmera MUX. O modelo de qualificação, por exemplo, foi exaustivamente testado (como em provas extremas de choque e vibração). O objetivo da bateria de testes e ensaios foi assegurar que o projeto (e consequentemente o equipamento) suporta as cargas de lançamento e as condições de temperatura, radiação e vácuo no espaço, além de verificar se ele atende aos requisitos de envelhecimento e compatibilidade eletromagnética com os outros sistemas do satélite, mantendo sempre o melhor desempenho funcional.
Cerimônia
Os funcionários da companhia participaram de um evento simbólico do embarque da câmera, considerada pelos diretores da empresa – e especialistas do setor – como um marco para a indústria nacional. “Hoje é um dia histórico para todos nós, não só da Opto, mas para todos aqueles que se importam com a independência tecnológica da nação”, afirma Mario Stefani, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Opto.
Fonte: AEB..Segurança Nacional

Fabricantes de aeronaves russos indicaram superioridade de Su-35 sobre F-35 norte-americano


Os testes de voo do novo caça russo Su-35 mostraram que suas caraterísticas técnicas superam as de seus principais análogos estrangeiros, incluindo do Rafale francês, Eurofighter Typhoon e F-35 Lightning II estadunidense, diz o comunicado de imprenssa da companhia russa de aviação “Sukhoi”.
Su-35 é um avião da geração 4++ que completamente corresponde aos requisitos de aviões da quinta geração, excepto para caraterísticas furtivas. Entre os aviões da quinta geração são perspectivo F-35 Lightning II americano e T-50 russo.segurança nacional

Após golpe, Mali mergulha no caos e brasileiros não têm como deixar o país

Após ignorar o prazo para devolver o poder aos civis, a junta militar malinesa, que deu um golpe de Estado há duas semanas, mergulhou o país no caos. Nesta terça-feira, três líderes da Al-Qaeda do Magreb Islâmico (AQMI) reuniram-se com Iyad Ag Ghaly , chefe do grupo islâmico Ansar Din, que domina a cidade de Timbuctu, no norte do Mali.Na capital, Bamako, a população fez fila ontem para estocar alimentos e dinheiro. Os apagões deixam a cidade sem eletricidade e sem água na maior parte do dia. Os 15 países da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Ecowas) anunciaram sanções, que incluem o fechamento de todas as fronteiras do Mali - que não tem saída para o mar.
Isolado e sem saber o que fazer, o missionário brasileiro Edson de Melo teme pela segurança da mulher, Paula, e das filhas, Melissa, de 10 anos, e Sabrina, de 7. Eles apostaram que a junta seria capaz de estabilizar o país e ficaram presos em Bamako.
Por telefone, Edson contou ao Estado que é arriscado fugir de carro, que só haverá lugares em voos internacionais a partir de domingo e que eles não têm os cerca de R$ 8 mil necessários para pagar as passagens. Mesmo que resolva a questão financeira - muitos amigos e missionários já ofereceram ajuda -, comprar os bilhetes aéreos é uma epopeia imprevisível.
"Já me aconselharam a não ir ao centro da cidade, porque há manifestações", conta. "Mesmo que conseguisse, não há eletricidade e nada funciona." A decisão de partir fica ainda mais difícil porque Edson tem uma escolinha de futebol que emprega cinco pessoas e alimenta várias crianças. "Sem a nossa presença, eles não têm ninguém."
Apesar de o comércio funcionar, as escolas fecharam. Para Edson, quase tão angustiante quanto a insegurança é suportar o calor de 45° C sem ar-condicionado. Há dois dias, a TV estatal está fora do ar. Informações, só por emissoras de Burkina Fasso, da Costa do Marfim e da França. E as notícias são péssimas.
Segundo a ONU, desde janeiro, mais de 200 mil pessoas deixaram suas casas. Em Gao, norte do país e epicentro da tormenta, há registros de saques a agências bancárias e começa a faltar comida. Para o Alto-Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur), o país está "à beira de uma grave crise humanitária".
A tragédia malinesa começou no dia 22, quando militares chefiados pelo capitão Amadou Sanogo derrubaram o presidente Amadou Touré. Os rebeldes disseram que a quartelada foi uma resposta à falta de recursos para combater o Movimento Nacional para a Libertação de Azawad (MNLA), tuaregues que lutaram na guerra civil da Líbia e retornaram ao Mali para combater pela independência de Azawad, como é conhecido o norte do país.
O golpe causou uma reação em cadeia. O MNLA levou apenas uma semana para cortar o território malinês ao meio e ocupar as cidades de Gao, Kidal e Timbuctu. No início, os separatistas tiveram ajuda do Ansar Din, outro grupo tuaregue, mas de raízes islâmicas.
Consolidada a vitória no norte, Iyad Ag Ghaly, líder do Ansar Din, foi além e proclamou que a luta era para instaurar a sharia (a lei islâmica) em todo o país, causando atrito com o MNLA.
Cisão. Os dois grupos afastaram-se mais nos últimos dias, especialmente depois que o Ansar Din expulsou as forças do MNLA de Timbuctu e transformou a cidade em sua base. Com isso, o conflito tornou-se ainda mais complexo, com quatro frentes de luta: governo civil, militares golpistas, separatistas tuaregues e tuaregues islâmicos.
Nesta terça-feira, a presença em Timbuctu de três chefes da Al-Qaeda do Magreb Islâmico parece ter confirmado a cisão. Os argelinos Abu Zeid, Mokhtar Belmokhtar e Yahya Abu al-Hammam reuniram-se com vários imãs e com Ghaly, líder do Ansar Din, que estaria buscando apoio dos religiosos para consolidar seu poder. Formada a partir de um grupo salafista argelino, em 2002, a AQMI tem uma facção liderada por Abdelkrim Taleb, primo de Ghaly. / COM AGÊNCIAS Segurança Nacional

Boeing terá Centro de Pesquisa e Tecnologia Aeroespacial no Brasil - Inclui Video

SÃO PAULO, Brasil, 3 de abril de 2012 – Boeing anunciou hoje que vai estabelecer a BoeingResearch & Technology-Brazil, um centro de pesquisa e tecnologiaem São Paulo, que irá trabalhar com os principais pesquisadores e cientistas do país para desenvolver tecnologias aeroespaciais.
 
A Boeing Research & Technology-Brazil, que será aberta ainda este ano, servirá como um hubpara a colaboração entre a Boeing e organizações de P&D brasileiras, incluindo agências governamentais, empresas privadas e universidades.
 
"A Boeing é definida por sua excelência tecnológica, e estabelecer a Boeing Research & Technology no Brasil trará novas ideias e processos inovadores para a nossa empresa”, disse Donna Hrinak, Presidente da Boeing do Brasil. "Nós também fortaleceremos nossa relação com a comunidade de P&D do Brasil de forma a aumentar a capacidade do país para atingir as suas metas de desenvolvimento econômico e tecnológico".
 
Áreas de foco de pesquisa para o novo centro irão incluir biocombustíveis sustentáveis de aviação, gestão avançada de tráfego aéreo, metais avançados e bio-materiais e tecnologias de apoio e serviços.
 
"Como parte do compromisso estratégico de longo prazo da Boeing para o Brasil, vamos estabelecer projetos colaborativos de P&D e realizar pesquisas na BR&T-Brazil, que beneficiarão o País, ao mesmo tempo que que também vamos dar suporte para os investimentos da Boeing para manter nossa excelência competitiva", afirmou Al Bryant, Vice-Presidente da Boeing Research & Technology-Brazil. "Esta é uma oportunidade de ganho tanto para o Brasil, como para a Boeing."
 
Boeing Research & Technology-Brazilserá o sexto centro de pesquisas avançadas da Boeing fora dos Estados Unidos; os outros estão na Europa, Austrália, Índia, China e Rússia.
 
A história da Boeing no país remonta a 1932, quando a Boeing entregou 14 caças F4B-4 ao governo brasileiro. A Boeing fez sua primeira entrega comercial para o Brasil em 1960 e continua a fornecer produtos de ponta e alta tecnologia para as companhias aéreas brasileiras TAM e GOL.
 
Em julho de 2011, Boeing e a fabricante brasileira de aeronaves Embraer anunciaram planos para financiar conjuntamente análises e pesquisas para produção sustentável de biocombustíveis de aviação a jato. A Boeing Brasil foi estabelecida em outubro de 2011, no mesmo mês em que Boeing, Embraer e FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) assinaram um acordo para liderar o desenvolvimento de um relatório detalhado, descrevendo as oportunidades únicas e desafios da criação, produção e distribuição industrial economicamente viável no Brasil de combustível de aviação sustentável, a partir de biomateriais.
 
O Brasil tem o mercado de aviação comercial que mais cresce na América Latina. A Boeing prevê que será necessário para o Brasil adquirir mais de 1.000 aviões que irão custar mais de 100 bilhões de dólares nos próximos 20 anos. A GOL Linhas aéreas opera uma das maiores entre frotas de 737 do mundo, e a TAM Linhas aéreas se tornará a primeira operadora brasileira do 777.
 
Com sede em Chicago, Illinois, EUA, a Boeing é a maior empresa aeroespacial do mundo e líder na fabricação de jatos comerciais e sistemas espaciais de defesa e segurança. A Boeing Research & Technology colabora com clientes, fornecedores, universidades e agências de P&D em todo o mundo para fornecer uma ampla base de tecnologias inovadoras e acessíveis para as unidades de negócios da Boeing.segurança nacional

Arquivo do blog segurança nacional