Wikipedia

Resultados da pesquisa

quinta-feira, 22 de março de 2012

Compilação de fenômenos ufológicos

UFO Top Secret 1

OVNI Top Secret 2

TRANSPORTEX - Entenda como o avião-radar E-99 é empregado na operação

O controle efetivo do espaço aéreo e a detecção de qualquer ameça inimiga é fundamental para a manutenção da soberania nacional. Tendo em vista a importância estratégica da missão de reabastecimento em voo (REVO), que prolonga a autonomia e a capacidade de combate das aeronaves de caça, a segurança do procedimento deve ser reforçada com meios mais eficientes e seguros de detecção de ameaças. Desta forma, o exercício operacional TRANSPORTEX 2012 utiliza a aeronave E-99 do Segundo Esquadrão do Sexto Grupo de Aviação (2o/6o GAV), o Esquadrão Guardião, para fazer o controle e o alarme em voo das aeronaves de REVO, além de treinar a capacidade operacional de vigilância, de defesa e de comunicação entre os esquadrões.

Concebidas inicialmente para atuar na vigilância dos projetos SIPAM/SIVAM, as aeronaves E-99 constituem-se no sistema mais avançado e de menor custo para o emprego em missões de controle e alarme em voo. Capaz de fornecer dados de inteligência precisos, em tempo real, sobre aeronaves voando à baixa altitude, o E-99 pode ainda desempenhar missões de comando e controle, inteligência de sinais e comunicações, controle e vigilância de fronteiras, vigilância marítima, coordenação de operações de busca e salvamento, posto de comunicação no ar (PCOM-AR) e gerenciamento de espaço aéreo. Na América Latina, apenas o Brasil e o Chile possuem aeronaves com essa tecnologia.

Segundo o oficial de Comunicação Social do Esquadrão Guardião na TRANSPORTEX 2012, Capitão-Aviador Leonardo Moraes dos Santos, a utilização de radares móveis aeroembarcados é fundamental para assegurar a leitura radar de todo o espaço aéreo, uma vez que há a possibilidade de aeronaves voarem a baixa altura e não serem detectadas por radares em terra. 

“Como o sistema de vigilância, controle e alarme em voo do E-99 é feita de cima para baixo, a varredura fica completa, sem chances de pontos cegos onde aviões inimigos possam se esconder. Além do que, a aeronave atua como um radar móvel que acompanha as aeronaves vigiadas sem perder seu raio de ação, assegurando o controle aéreo avançado”, explica.

Na TRANSPORTEX 2012, o E-99 fará missões de controle e alarme em voo do reabastecimento de dois caças F-5EM por um KC-130 Hércules e um KC-137 Boeing . Fonte: Agência Força Aérea/..segurança nacional

TRANSPORTEX - Veja imagens de reabastecimento em voo de caças F-5EM


A missão mais desafiadora do Segundo Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (2º/2º GT), o Esquadrão Corsário, é o reabastecimento de caças pela aeronave KC-137 Boeing. A aeronave do esquadrão realizou uma missão de reabastecimento em voo (REVO) de dois caças F-5EM do Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1oGAVCA), Esquadrão Jambock, nesta quarta-feira (21/03), no exercício operacional TRANSPORTEX 2012, na Base Aérea de Belém, em Belém (PA). 

O KC-137 Boeing decolou às 10h para cumprir o circuito e chegar ao ponto combinado para o encontro com os caças. A tripulação do REVO é composta pelo piloto, pelo co-piloto, chamado de Comandante do REVO, e pelos observadores. Na missão de reabastecimento com o KC-137, o Comandante do REVO é também o navegador. 

O Comandante do REVO é o responsável pelo planejamento da missão até o voo. A parte técnica fica a cargo do engenheiro de voo, que libera o sistema de REVO e controla a saída de combustível. O observador verifica a aproximação dos caças e se comunica com o Comandante e o engenheiro de voo. 

“A missão REVO é a mais operacional do Esquadrão Corsário. Pode-se dizer que este procedimento é muito importante para garantir a soberania das Forças Armadas em qualquer lugar do território nacional”, explica o Capitão Josemir Ribeiro Lima, que assumiu a função de Comandante de REVO nesta missão. 

Não é para menos. O KC-137 pode transportar até 158 passageiros e carga, dependendo da configuração. O tanque central de combustível fica no dorso da aeronave e se comunica com o compartimento das asas. O KC-130 Hércules tem restrições para o transporte de passageiros por causa dos dois tanques de combustíveis no seu interior. 

“A vantagem de ter uma aeronave como o Boeing, que transporta passageiros e faz reabastecimento é a mobilidade. Podemos levar, por exemplo, um esquadrão de caça e o material de apoio e, assim, realizar o transporte completo da missão”, explica o Capitão Ribeiro.
segurança nacional

Arquivo do blog segurança nacional