sexta-feira, 9 de março de 2012

“Caveiras” que pararam em greve são afastados do Bope até o fim da carreira


A PM afastou do Bope, até o fim da carreira, os 51 integrantes de sua Companhia Bravo, por terem se rebelado e se recusado a cumprir ordem de ir ao Quartel-General, aderindo à paralisação dos policiais militares, em 10 de fevereiro. A Bravo é uma das quatro companhias operacionais da unidade de elite da corporação, que atualmente tem cerca de 400 homensTodos os policiais transferidos do Bope vão perder a gratificação da unidade, de R$ 1.500 e – o pior, na opinião dos “caveiras” – ficarão fora do Bope até o fim da carreira, como exemplo para a tropa. As transferências aconteceram em três diferentes boletins internos. Foram afastados quatro subtenentes, 18 sargentos, 17 cabos e 12 soldados.


“O pior castigo é não poder ser mais do Bope. Nunca mais. Foi uma grave quebra de confiança e de lealdade, primeira palavra da canção do Bope”, afirmou um alto oficial da PM familiarizado com a situação. “No Bope, missão dada é missão cumprida. O policial do Bope não pode se negar a cumprir missão”, completou.


O afastamento eterno da unidade de operações especiais - uma espécie de "irmandade", com seus códigos próprios e camaradagem - é visto como um exílio dentro da corporação.


O Bope e o Choque são as tropas de reserva do Comando-Geral da PM e, portanto, consideradas unidades de confiança da chefia. No caso da greve, eram as duas unidades designadas pelo plano de contingência da corporação para compensar a eventual paralisação coletiva - foi o que ocorreu no dia seguinte. Assim, a perda de controle desses dois batalhões estratégicos poderia representar o êxito do movimento grevista.
Sanção dura, "exílio" tem intenção de servir como exemplo à tropa




Foto: Raphael Gomide Policiais do Bope fazem patrulhamento na principal via da Rocinha

A recusa à ordem do chefe de Estado-Maior Operacional e ex-comandante do Bope, coronel Pinheiro Neto, de se apresentar ao QG, foi considerada pela PM um ato de insubordinação, daí a punição dura.



Como o Bope é referência para os policiais, qualquer ação de seus membros tem grande repercussão sobre os colegas. A intenção é que a sanção sirva como exemplo para todos os policiais e para os oficiais jovens, a fim de desencorajar novas ações grevistas.



A determinação foi passada à equipe de plantão pelo comando da unidade, na noite em que PMs e bombeiros estavam reunidos na Cinelândia para declarar greve, que se iniciaria à meia-noite. A companhia se recusou a sair do quartel, em Laranjeiras.



De acordo com os policiais, eles não concordavam em reprimir os colegas de farda, pleiteando aumento salarial.


Eles justificam que queriam evitar afrontar os outros PMs e parecer estar contra eles e provocar, talvez, confusão.


Duas horas de discussões em tom duro, gritos e ameaças de punição


Foram necessárias duas horas de discussões intensas no batalhão entre os oficiais do comando da unidade e a companhia Bravo, em tom duro, com gritos de lado a lado e ameaças de punição até que a equipe aceitasse sair e ir até o QG.


Leia também: Movimento grevista opõe oficiais a praças na PM do Rio



Foto: AE Ampliar Bope no Morro São João

Como punição, quase a metade desses PMs foi remanejada para lugares distantes da capital, onde atuavam, indo para Campos dos Goytacazes (a 284km do Rio) e Macaé (a 188km do Rio).



Para o comando da PM e do Bope, esse episódio vai ficar marcado negativamente na história da unidade, assim como o caso do ônibus 174, quando, após horas de negociação, a refém Geisa Firmo Gonçalves foi morta, após um atirador do Bope errar os disparos contra o seqüestrador, Sandro Nascimento. Preso sem ter sido baleado, Sandro acabou morto por policiais do Bope, por asfixia, dentro do camburão que o levava preso.


Perder uma equipe experiente, cortando na própria carne, está sendo traumático para o Bope. Os PMs afastados tinham anos de Bope e estiveram envolvidos em praticamente todas as grandes ações da unidade de elite. A ideia da PM é que “ninguém é insubstituível” e que se for necessário desmontar o Bope, isso será feito.


Leia também: Novo Caveirão do Bope deve ser o Maverick, da África do Sul



Foto: Raphael Gomide Ampliar Cabo do Bope, com a farda camuflada que substituirá a preta, em operações diurnas


Mais de 170 PMs de Volta Redonda, que se aquartelaram, são transferidos para a Baixada


O comando da corporação também transferiu mais de 170 policiais de Volta Redonda que se aquartelaram durante a paralisação, recusando-se a sair da unidade. Além do Bope, foi o mais problemático caso durante a crise, resolvida com o endurecimento do regulamento militar, ameaças de expulsão sumária e de prisão.


Policiais do Bope e do Choque precisaram ser enviados a Volta Redonda para assumir os postos de policiamento ostensivo na cidade.
segurança nacional

Destroços do Titanic são mapeados de forma completa pela 1ª vez

Uma equipe de expedição usou imagens de sonda e cerca de 130 mil fotos tiradas por robôs submarinos para criar o mapa, que mostra o local no qual centenas de objetos e partes do navio caíram após colidir com o iceberg, em uma tragédia que deixou mais de 1,5 mil mortos.


Exploradores do Titanic - que naufragou em sua viagem inaugural, que seria de Southampton, na Inglaterra, para Nova York, nos Estados Unidos – sabem há mais de 25 anos onde estão a proa (parte da frente) e a popa do navio. Mas mapas anteriores do solo ao redor dos destroços eram incompletos, de acordo com Parks Stephenson, historiador consultado durante a última expedição.


Segundo ele, estudar o local com os mapas antigos era como tentar navegar em um quarto escuro com uma lanterna fraca. “Com o mapa sonar, é como se de repente tudo se iluminasse e você pudesse passar de cômodo a cômodo com uma lupa, documentando tudo”, afirmou. “Algo assim nunca tinha sido feito no local onde está o Titanic.”


O mapeamento foi feito em 2010, durante uma expedição ao Titanic liderada pela RMS Titanic Inc., a dona legal dos destroços, em conjunto com o Instituto Oceanográfico Woods Hole, de Falmouth, em Massachusetts, e o Instituto Waitt, de La Jolla, na Califórnia.


Eles foram acompanhados por uma equipe da emissora History Channel e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica. Detalhes sobre as descobertas feitas ainda não foram revelados e serão contados em um documentário de duas horas que a rede exibirá em 15 de abril, exatamente cem anos após o naufrágio.

As 130 mil fotos em alta resolução tiradas por robôs foram unidas por um programa de computador, criando um detalhado mosaico dos destroços. O primeiro mapeamento do Titanic foi feito logo após sua descoberta, em 1985, usando fotos tiradas com câmeras instaladas em um veículo operado por controle remoto que não se aventurou muito além da proa e da popa.



Com o passar dos anos, os mapeamentos foram ficando mais sofisticados. Na última versão é possível ver, por exemplo, um grande pedaço da lateral do navio, com peso estimado em mais de 40 toneladas, pedaços do casco, uma porta giratória e cinco caldeiras.


A análise dos destroços pode ajudar pesquisadores a responder questões sobre como o navio se partiu ao meio, como naufragou e quais falhas de construção tiveram papel crucial na tragédia.


O vice-presidente da rede History Channel, Dirk Hoogstra, se recusou a responder quais novas teorias estão sendo levantadas. “Temos uma visão de todo o local que não tínhamos antes”, afirmou. “Vamos poder reconstituir o naufrágio exatamente como aconteceu. Será inovador, de cair o queixo.”

Com AP...segurança nacional

Marinha dá os primeiros passos para ter seu submarino nuclear

LYNE SANTOS Após ingressar na seleta lista de países com um portaaviões, o Brasil vai integrar um grupo ainda mais restrito, o das nações com um submarino nuclear. A previsão é que a embarcação esteja pronta para os primeiros testes de mar em 2023. Atualmente, o projeto passa pelas fases de construção do protótipo do reator nuclear e produção do combustível, que devem ser concluídas em dois anos. Essas etapas são desenvolvidas no Centro Experimental de Aramar (CEA), unidade da Marinha localizada na cidade de Iperó, a 125 quilômetros de São Paulo. No local, visitado pela Reportagem de A Tribuna, é feita parte das atividades de pesquisa da Armada. OCEA também abrigará instalações onde serão testados os equipamentos nucleares a serem implantados no submarino. Um dos futuros prédios, por exemplo, será um protótipo, em terra, do próprio veículo. De acordo com o projeto, nesse imóvel, serão recriados os ambientes da embarcação e será testado seu reator, responsável pela produção de energia que a movimentará. "O nosso reator protótipo será utilizado para testar o projeto, ver se ele funciona de fato. Se funcionar, vamos reproduzi-lo exatamente igual e colocar a bordo do submarino. Se não, vamos fazer as modificações apropriadas para que a segurança e o desempenho sejam aqueles requeridos", explicou o superintendente do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear da Marinha do Brasil, o contra-almirante e engenheiro naval Luciano Pagano Junior. Será a primeira vez que o Brasil construirá integralmente um reator nuclear. Os principais equipamentos para sua montagem foram adquiridos ao longo dos anos, já que a ideia de ter um submarino com esse tipo de propulsão surgiu no País há mais de duas décadas. O primeiro submarino nuclear do mundo foi o Nautilus, fabricado pelos Estados Unidos em 1954. Quase 60 anos depois, apenas cinco países contam com esse tipo de embarcação ¬ Rússia, China, Inglaterra e França, além dos Estados Unidos. Todos integram o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). A Índia também tem um projeto em andamento. O grupo é mais seleto do que o dos países com porta-aviões, tipo de embarcação presente nas marinhas de dez nações atualmente. SUBMARINOS Segundo o contra-almirante Pagano Júnior, o submarino brasileiro será montado no estaleiro em construção nas proximidades do Porto de Itaguaí, às margens da Baía de Sepetiba, no litoral sul do Rio de Janeiro. Na área, também será implantada uma base naval. A estimativa da Marinha é que os empreendimentos sejam finalizados em meadosde2015. Ao todo, serão investidos 6,7 bilhões (cerca de R$ 15,4 bilhões, com base na cotação de ontem) na implantação de todo o projeto. Esse montante inclui os gastos com a construção da base naval, do estaleiro, do submarino nuclear (sem o reator) e de quatro submarinos convencionais. Estes últimos vão substituir os que a Marinha tem hoje e já estão comida de avançada ¬ Tupi, Tamoio, Timbira, Tapajó e Tikuna. O primeiro deve ser lançado ao mar em 2017. Assim como o submarino nuclear, os convencionais serão fabricados a partir de um contrato firmado com a França em 2008. Pelo acordo, os franceses são responsáveis pela construção dos equipamentos e da tecnologia não-nuclear. MOTOR A principal diferença entre os submarinos convencionais e os de propulsão nuclear está no motor. Enquanto o primeiro se movimenta graças a um motor a diesel, o segundo utiliza um reator nuclear. O submarino brasileiro não usará armamento nuclear. Isso se deve, principalmente, ao Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), assinado pelo País em 1968 e que impede a uso dessas armas pela nação. De acordo com contra-almirante Pagano Junior, a construção de um submarino nuclear garante à Marinha novas condições para defender o mar territorial brasileiro. Para ele, a embarcação é um instrumento de trabalho de qualidade e eficiência. "É mais ou menos como você defender o seu forte apache com ar coe flecha e, em seguida, passar para armas de fogo", exemplificou. São as características do motor que asseguram as principais vantagens dessa embarcação. O equipamento permite que o submarino permaneça meses submerso e ainda atinja uma maior velocidade. Os diferenciais são essenciais no caso de fuga ou perseguição a um inimigo. O tempo que ele ficará embaixo d'água dependerá apenas do estresse da tripulação. "A vantagem do submarino em um conflito é que ele não é detectável enquanto está submerso. Já quando está fora, é totalmente vulnerável. O tempo de submersão é a proteção do submarino", explicou. O oficial reiterou ainda que o submarino é um fator inibidor para possíveis inimigos. "Do ponto de vista do que se entende que é o poder naval, o exercício da capacidade de defender, o submarino é peça fundamental". segurança nacional

Submarino pesquisa epicentro de terremoto devastador no Japão


Cientistas alemães e japoneses iniciaram uma missão para observar com um submarino a fossa do Japão, zona de deslizamentos de placas tectônicas onde se originou os violentos terremoto e tsunami que arrasaram o nordeste do arquipélago há um ano.


Os pesquisadores utilizam um veículo equipado com câmeras e toda uma série de instrumentos que vão sondar o fundo do mar até 7 mil metros de profundidade.


Este aparelho rastreará as imediações do epicentro dos tremores sísmicos de magnitude 9 que causaram um maremoto de mais de 15 metros no litoral pacífico do arquipélago, com um balanço de 19 mil mortos, e danos à central nuclear de Fukushima Daiichi.


"Queremos colocar instrumentos no solo oceânico para cartografar a zona e comprovar as grandes mudanças provocadas pelo terremoto", explicou Gerold Wefer, diretor projeto. Os dados recolhidos durante um mês na falha que se estende por centenas de quilômetros devem ajudar a compreender o mecanismo dos terremotos e tsunamis suscetíveis de serem reproduzidos.


Esta missão começa quando o Japão vai homenagear as vítimas do histórico desastre ocorrido em 11 de março de 2011, às 14H46 local (02h46 de Brasília). Segundo Wefer, diretor do Centro de Mudanças Ambientais da Universidade de Bremen, os cientistas vão ver "enormes fissuras nas rochas".


"O terremoto os deixou em pedaços e foram liberados fluidos e gás no Oceano", explica. O aparelho utilizado, de 5,5 metros de extensão, parece um submarino de pequenas dimensões e possui sonares de exploração multi-haz.


A embarcação de onde será lançado o veículo submergível está equipado com ecossensores e permitirá levantar vários mapas das profundidades submarinas da fossa do Japão que cerca a principal ilha de Honshu.

As novas representações geográficas serão comparadas com as realizadas antes do "grande tremor do leste" (nome oficial da catástrofe de 11 de março) para analisar o ocorrido sob o mar no momento das trepidações telúricas.


O epicentro do tremor foi situado no Pacífico, a 130 km das costas de Honshu, onde a placa tectônica oceânica se desliza debaixo da placa euroasiana que sustenta o Japão.


O submarino radioguiado de 3,5 toneladas vai instalar instrumentos que depois permitirão medir com mais precisão os movimentos terrestres nesta zona de forte atividade.


A missão também recolherá mostras de sedimentos da região da fossa, na esperança de realizar estimativas da possibilidade de novos tremores fortes.


"As previsões de terremotos são extremamente difíceis com as tecnologias e os dados atuais", recorda Shuichi Kodaira, do Instituto de Pesquisa sobre a Evolução da Terra na Agência japonesa de Tecnologias Marinhas e Terrestres.


"Mas o que podemos fazer, no entanto, é tentar entender a história e a ocorrência dos grandes terremotos na fossa do Japão utilizando dados desta expedição e de outras anteriores", acrescentou.


Os cientistas advertem que o Japão parece ter entrado numa nova etapa de acúmulo de tensões que poderão provocar outro terremoto devastador.

segurança nacional

A segunda tempestade magnética em 24 horas atinge a Terra


A segunda tempestade magnética em 24 horas está atingindo a Terra. As perturbações magnéticas ocorrem quando um grande fluxo de radiação emitida pelo Sol atinge a atmosfera da Terra.

A anterior tempestade magnética terminou na noite de quinta-feira, associada à erupções solares de 5 de março.

Neste momento, continua a tempestade de prótons que começou ontem. O nível do fluxo de prótons é significativamente superior ao de segurança, o que representa uma ameaça real para o funcionamento de dispositivos espaciais, incluindo satélites.segurança nacional

Mísseis de cruzeiro: instrumento universal da aviação de longo alcance da Rússia

A Rússia está desenvolvendo o componente aéreo das Forças Estratégicas. Bombardeiros modernizados munidos de novos armamentos entram em dotação da Força Aérea. Mísseis contemporâneos alargam as potencialidades da aviação de longo alcance, assegurando a sua utilização em diversas ações militares.
De cacete para espada
Em fevereiro de 2012, a Força Aérea da Rússia recebeu o primeiro bombardeiro modernizado Tu-22M3M. Estes aviões, munidos de novos armamentos e equipamentos, serão um elemento importante da potência combativa da aviação militar nacional nos anos 2020 – 2030. Para além de aviões Tu-22M, a Rússia continua a modernização de aviões Tu-160 e Tu-95MS.
A aviação de longo alcance é considerada com a parte mais flexível da tríade nuclear. A possibilidade de utilizar diferentes meios de destruição e, como consequência, a possibilidade de atingir alvos diversos, a capacidade de mudar alvos já depois do despegue tornam a aviação de longo alcance um instrumento universal.
Mísseis de cruzeiro X-55 (Kh-55), desenvolvidos no início dos anos 80, e os seus análogos constituem hoje uma base da reserva de munições dos bombardeiros pesados Tu-95 e Tu-160. O X-55, munido de uma ogiva termonuclear e com um raio de ação até 2500 km, é um instrumento bastante flexível de guerra nuclear – um desvio provável circular de menos de 20 metros e uma carga potente de 200 quilotoneladas permitem a estes mísseis destruir alvos altamente protegidos com uma probabilidade próxima de 100 por cento.
Para conflitos não nucleares, foi elaborada uma versão deste míssil, conhecido como X-55 (Kh-5), com uma carga de combate explosiva de 400 quilogramas. O raio de ação do míssil diminuiu para 500-600 quilómetros à conta de um peso maior da carga de combate não nuclear. O X-55 poderia ser um instrumento universal da aviação de longo alcance, mas após a desintegração da União Soviética a sua produção diminuiu bruscamente.
O par de mísseis X-101/X-102 (Kh-101/Kh-102) é considerado como armamento prometedor para bombardeiros pesados. O X-101 tem uma carga de combate não nuclear, enquanto o X-102 dispõe de uma “carga especial”. São mísseis subsônicos com uma velocidade de cruzeiro de 200 e uma velocidade máxima de cerca de 270 metros por segundo. O desvio provável circular do X-101 constitui 10 metros, o que permite considerá-lo como arma de alta precisão. O raio de ação deste míssil supera 5000 quilómetros, dificultando fortemente o seu descobrimento e a interceção.
Este míssil passou por testes recentemente e, por enquanto, a quantidade de X-101 não é relativamente grande nos arsenais da aviação de longo alcance. No entanto o processo de renovação continua.
Assassino de porta-aviões
Uma das missões principais da aviação de longo alcance nacional foi sempre derrotar alvos marítimos do eventual inimigo, em primeiro lugar de porta-aviões da Força Naval dos Estados Unidos. Tal atenção em relação a porta-aviões é evidente: tendo a bordo 30-50 aviões de ataque, os porta-aviões tornam-se arma estratégica perto do litoral russo. No caso de um conflito hipotético, a sua neutralização é uma tarefa de primeira ordem.
O míssil de cruzeiro X-22, desenvolvido no fim dos anos 60, continua a ser hoje o armamento principal contra alvos navais dos bombardeiros Tu-22M3. Tendo uma alta velocidade, um longo raio de ação e uma carga potente, o X-22 continua a ser até hoje uma arma eficaz, mas, nos próximos anos, todos os mísseis deste tipo serão retirados devido à sua idade.
Segundo os dados disponíveis, os mísseis X-22 devem ser substituídos pelos X-32, muito semelhantes pelas caraterísticas principais. A velocidade máxima do X-32 constituirá cerca de 4000 quilómetros por hora, não sendo muito diferente em comparação com o seu antecessor, mas o raio de ação deve crescer muito – de 400-600 para 800-1000 quilómetros. Como se espera, os X-32 entrarão em dotação em 2020.
Contudo, este raio de ação pode ser alcançado com a ajuda da indicação externa de alvos, o que subentende automaticamente a necessidade do desdobramento do respetivo agrupamento de satélites e/ou a existência de aviões especializados de que a aviação nacional não dispõe após a retirada dos Tu-95RTs da Força Aérea. Podemos esperar que estes problemas sejam resolvidos antes de os novos mísseis entrarem em dotação.voz da Russia...SEGURANÇA NACIONAL

Itamaraty avalia suspensão de bloqueio de contas brasileiras na Itália

BRASÍLIA – O Ministério das Relações Exteriores e a Advocacia Geral da União (AGU) analisam medida judicial contra o bloqueio das contas bancárias usadas pela Embaixada do Brasil e consulados na Itália.O bloqueio foi pedido por uma firma italiana que elaborou projetos para o trem-bala Rio-São Paulo, mas não recebeu o pagamento devido pela estatal Valec Engenharia, Construções e Ferrovias, ligada ao Ministério dos Transportes. A estatal não comentou o caso.
Segundo o Itamaraty, o caso é apenas “uma questão jurídica que não afeta a relação Brasil-Itália”. Conforme a decisão de recurso, o governo brasileiro poderá ter que contratar escritório de advocacia italiano para a ação judicial.
Conforme notícia publicada nesta sexta-feira, 9, pelo Estado, em setembro do ano passado o Tribunal de Arezzo, na Toscana, condenou o Brasil a pagar R$ 36,4 milhões. O país não apresentou recurso à época.segurança nacional

EUA poderiam estrear superbomba em conflito com o Irã

WASHINGTON - Uma bomba "arrasa-bunker" de 13,6 toneladas, capaz de perfurar uma camada de até 65 metros de concreto antes de explodir, é uma "grande arma" a ser usada em um eventual conflito dos Estados Unidos com o Irã, disse um general norte-americano da Força Aérea na quinta-feira.O chefe-adjunto do Estado Maior da Força Aérea para operações, Herbert Carlisle, afirmou que a superbomba, que os militares começaram a receber no ano passado, é parte do arsenal disponível caso os EUA queiram bombardear países como o Irã, que possui instalações militares subterrâneas.
Washington suspeita que Teerã esteja desenvolvendo armas nucleares e não descarta uma opção militar contra isso, embora diga priorizar a pressão diplomática. O Irã diz que seu programa nuclear se destina apenas à geração de energia para fins civis.
"O explosivo penetrador em massa é uma grande arma. Continuamos a melhorá-la. Ela tem uma grande capacidade agora e vamos continuar a aprimorá-la. Ela é parte do nosso arsenal e será um potencial se precisarmos dela nesse tipo de cenário", disse Carlisle numa conferência sobre programas de defesa dos EUA.
O secretário de Defesa norte-americano, Leon Panetta, disse em entrevista publicada na quinta-feira pelo National Journal que o planejamento para uma eventual ação militar contra o Irã começou há "muito tempo".

Israel também cogita atacar as instalações militares do Irã, mas seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, disse que isso não deve ocorrer "nos próximos dias ou semanas". segurança nacional

Itália bloqueia contas do Brasil em ação envolvendo trem-bala


A Justiça da Itália condenou, na última quarta-feira, o governo brasileiro a pagar cerca de R$ 36 milhões e bloqueou contas bancárias que servem ao Itamaraty no país para cobrir o rombo de um suposto calote aplicado pela Valec - estatal que cuida das ferrovias - em empresa italiana que elaborou projetos para o trem-bala Rio-São Paulo.

A condenação, em uma ação judicial que discute um débito de aproximadamente R$ 608 milhões, partiu do Tribunal de Arezzo, na Toscana, e impede o uso de recursos pela Embaixada do Brasil em Roma e seus consulados, o que impõe restrições ao pagamento de pessoal e despesas de custeio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Segundo os autos, o Brasil não apresentou defesa à sentença que lhe impôs o débito, em setembro do ano passado, o que poderia ter revertido a decisão. Como não pagou o valor em 60 dias após a notificação, a Justiça expediu mandato de bloqueio e penhora dos recursos, o que vem ocorrendo desde janeiro.

Diante do problema de repercussões diplomáticas, o Itamaraty preferiu não pressionar politicamente o governo italiano. O jornal apurou que, devido ao desgaste do caso Cesare Battisti, a opção, por ora, foi por fazer apenas gestões para resolver o assunto no âmbito da Justiça. Sediada em Terranuova Bracciolini, a Italplan Engineering alega nos autos que recebeu da Valec em 2005, após processo de seleção, a tarefa de elaborar o projeto básico, o estudo de avaliação econômico-financeira e o projeto ambiental para o trem de alta velocidade.

Seus advogados alegam que um escritório foi montado em Brasília e que as equipes italianas foram postas quase que integralmente a serviço do trem-bala, mas, ao ser apresentada a conta, em 2009, a Valec havia desistido de usar os projetos e se negou a pagar por eles.
terra segurança nacional

Arquivo do blog segurança nacional