sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Centro Tecnológico do Exército recebe a visita do Ministro da Defesa do Peru


Rio de Janeiro – No dia 15 de fevereiro, o Comandante do Exército, General de Exército Enzo Martins Peri, acompanhado do Ministro da Defesa da República do Peru, Sr. Alberto Otárola Peñaranda, e comitiva visitou o Centro Tecnológico do Exército (CTEx) com o objetivo de acompanhar o desenvolvimento de produtos de defesa nacional em curso no Centro ou em avaliação pelo Centro de Avaliação do Exército (CAEx).
A programação constou de uma palestra sobre simuladores, com destaque para o Simulador de Tiro de Pistola e para o Simulador de Voo para Helicópteros Esquilo e Fennec, e uma exposição de Material de Emprego Militar, que apresentou o Radar SABER M60, o Sistema de Míssil Superfície-Superfície 1.2 Anticarro, a Viatura Leve de Emprego Geral Gaúcho, a Viatura Leve de Emprego Geral Chivunk, a VBTP-MR GUARANI, Viatura Blindada de Emprego Dual (VBPED), o Módulo de Telemática Operacional e o Monóculo de Imagem Térmica OLHAR VDN-X1. 
infor segurança nacional

Colômbia redesenha plano de guerra contra guerrilhas


Reuters
BOGOTÁ - A Colômbia redesenhou sua estratégia de guerra contra a guerrilha esquerdista, incluindo as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), para priorizar o combate frontal a suas estruturas militares e econômicas sem descuidar da captura ou morte de seus líderes máximos, disseram nesta sexta-feira, 17, fontes de segurança vinculadas ao plano.
Morte de líderes das Farc não fizeram a guerrilha abandonar ações violentas - El Espectador/Efe
El Espectador/Efe
Morte de líderes das Farc não fizeram a guerrilha abandonar ações violentas
A nova estratégia inclui ao menos 20 aspectos em temas militares, logísticos, de inteligência e jurídicos com o objetivo específico de desarticular as frentes encarregadas das ações ofensivas das Farc.
Antes, a prioridade era fundamentalmente a morte ou captura dos líderes, mas agora se põe num mesmo nível a desarticulação das estruturas que sustentam o grupo, assim como dos comandantes médios, que antes não eram considerados vitais.
"O centro de gravidade estratégico das Farc não são seus líderes máximos, são suas estruturas e as chefias intermediárias", disse um oficial do Exército que participou da chamada Comissão de Revisão Estratégica Integral (Crei), ao justificar a importância de combater as finanças e as estruturas bélicas do grupo rebelde ativo mais antigo da América Latina.
De acordo com várias fontes militares consultadas, a estratégia, financiada majoritariamente com verba colombiana, combaterá a origem do sustento econômico desses grupos, como o narcotráfico, a extorsão, o roubo de gado e a mineração ilegal, de onde a guerrilha obtém os recursos milionários para manter um exército de 8 mil combatentes.
"Morreu Mono Jojoy e não aconteceu nada, as Farc seguiram; morreu Cano e também não aconteceu nada", disse o mesmo oficial referindo-se às mortes de Víctor Julio Suárez e Alfonso Cano, os dois mais importantes e emblemáticos comandantes dessa guerrilha, em operações militares em 2010 e 2011.
A estratégia conseguiu na terça-feira sua primeira vitória, quando a Força de Tara Omega, que conta com 25 mil combatentes, acabou com a vida de Guillermo Bolívar Córdoba, conhecido como Dumar, comandante de uma frente rebelde que operava no departamento de Meta, durante um enfrentamento.,,infor Reuters Segurança Nacional

Navios militares do Irã passam por Suez e chegam ao Mediterrâneo


REUTERS
Dois navios militares iranianos atravessaram o canal de Suez, no Egito, e chegaram ao Mediterrâneo, numa manobra que deve ser atentamente observada por Israel.
"Dois navios iranianos atravessaram o canal de Suez (na quinta-feira), depois de (receberem) autorização das Forças Armadas egípcias", disse na sexta-feira uma fonte da autoridade que controla o canal.
O destróier e um navio de abastecimento estão a caminho da costa da Síria, segundo a fonte. Irã e Síria, aliados entre si e rivais dos EUA e de Israel, decidiram há um ano cooperar em um treinamento naval, e Teerã não tem acordos navais com nenhum outro país da região.
Dois navios militares iranianos haviam passado exatamente há um ano pelo estratégico canal, que liga os mares Vermelho e Mediterrâneo. Israel qualificou aquilo como "provocação".
(Reportagem de Yusri Mohamed) infor REUTERS Segurança Nacional

MISSÃO HUMANITÁRIA - FAB leva ajuda para desabrigados no Acre


Uma aeronave C-105 Amazonas da Força Aérea Brasileira (FAB) decola, no final da tarde desta sexta-feira (17/02), de Brasília para o Acre com 31 bombeiros especialistas em atendimentos pré-hospitalares e em busca e salvamento do Grupamento de Busca e Salvamento da Força Nacional. Segundo a Defesa Civil do estado, a cheia do rio Acre atingiu 20 mil pessoas e danificou seis mil casas na capital Rio Branco.
O transporte que também inclui barracas, equipamentos e remédios será feito pelo Primeiro Esquadrão do Décimo Quinto Grupo de Aviação, o Esquadrão Onça (1º/15º GAV). O pedido de ajuda foi feito pelo governador do Acre, Sebastião Afonso Viana, ao Ministério da Justiça.

Segurança Nacional

Fonte: Agência Força Aérea

PATRULHA - FAB recebe terceira aeronave P-3AM



A equipe do Grupo de Acompanhamento e Controle na Empresa EADS-CASA (GAC-CASA) recebeu, em Sevilha, Espanha, a terceira aeronave P-3AM do contrato de modernização assinado pelo Comando da Aeronáutica por meio da Comissão Coordenadora para o Programa da Aeronave de Combate (COPAC). O FAB 7200 (P-3A - Orion Modernizado) foi trasladado ao Brasil pela tripulação do 1º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação (1º/7º GAv – Esquadrão Orungan), que irá operá-lo na proteção do litoral brasileiro, da Amazônia Azul e de seus recursos naturais. A aeronave chegou a Salvador (BA), sede do esquadrão, no dia 11 de fevereiro. 
O P-3AM Orion devolve à Força Aérea Brasileira a capacidade de detectar, localizar, identificar e, se necessário, afundar submarinos. É o que o jargão militar chama de guerra antissubmarina (ASW, na sigla em inglês). A Aviação de Patrulha não realizava missões ASW desde a desativação do P-16 Tracker, em1996. Os atuais P-95 “Bandeirulha”, aeronaves menores e com diferenças operacionais, não oferecem essa possibilidade.
Além da capacidade ASW, o P-3AM também carrega armamentos como os mísseis Harpoon, capazes de afundar navios de guerra além do alcance visual. Com quatro motores, a aeronave tem grande autonomia, podendo permanecer em voo durante 16 horas - isso equivale a uma viagem de Recife a Madri sem escalas. Os sensores eletrônicos embarcados na aeronave são os mais modernos que existem. Tudo isso confere ao P-3AM a capacidade estratégica de vigilância marítima de longo alcance.
O P-3AM assumirá um papel determinante nas missões de busca e salvamento. Por força da Convenção de Chicago, assinada com a Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), o Brasil é responsável pela busca e salvamento de aeronaves e navios numa área de mais de 6 milhões de km² (praticamente todo o Atlântico Sul).
A nova aeronave também ajudará na defesa do meio ambiente, identificando responsáveis por derramamento de óleo, tanto acidentais quanto provocados. Os sensores do P-3AM conseguem identificar os rastros na superfície do mar e, desta forma, rastrear a embarcação, mesmo muitas horas depois da abertura dos tanques. Outra atividade ilegal que a aeronave certamente poderá combater é a pesca na Zona Econômica Exclusiva do Brasil, uma faixa de 370 quilômetros a partir da costa brasileira. As embarcações estrangeiras que praticarem a pesca nessa área também poderão receber multas.
 
Segurança nacional

Fonte: COPAC/ Agência Força Aérea se  

Margaret Thatcher deixa legado controverso no Reino Unido


Em um quarto escuro, uma idosa vestindo uma camisola de algodão tem mais uma de suas recorrentes alucinações, nas quais discute com o marido morto. Nervosa, ela recosta-se à porta e pronuncia uma frase que remonta a seus tempos de primeira-ministra do Reino Unido. "Tome as decisões difíceis e, sim, as pessoas vão odiá-la hoje, mas lhe agradecerão por gerações."
A cena, do filme “A Dama de Ferro”, que estreia nos cinemas do Brasil nesta sexta-feira, mostra a ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher, interpretada pela atriz Meryl Streep, já em estado de demência senil. A frase busca justificar as medidas controversas que tomou em seus 11 anos de governo (1979-1990), que, na avaliação de alguns políticos e especialistas, restauraram a grandeza e o prestígio britânicos, enquanto, na opinião de outros, deixaram o país mais vulnerável a crises econômicas.
Resenha: Meryl Streep vale o ingresso para "A Dama de Ferro"Nenhum político britânico no século 20 foi tão admirado quanto ela e ao mesmo tempo tão odiado”, afirmou ao iG Rodney Barker, professor emérito da London School of Economics.
Sob a premissa de que o mercado em vez do Estado pode servir melhor a sociedade, Thatcher adotou medidas que ajudaram a reviver o país e a colocá-lo em um caminho de recuperação após a crise dos anos 70, mas também abriram caminho para um desemprego massivo, o aumento da desigualdade social e a triplicação da pobreza infantil entre 1979 e 1995.
A transição no Reino Unido de uma economia industrial para uma economia financeira sujeita aos humores do mercado ocorreu sob a tutela de Thatcher. Houve redução da emissão monetária, elevação nas taxas de juros e abolição nos controles dos fluxos financeiros.
"Há o argumento de que as mudanças que causaram a desregulamentação da economia deixaram o Reino Unido extremamente vulnerável à crise financeira de 2008", afirmou a professora de História Moderna Britânica do King's College Eliza Filby. No entanto, a autora do livro “God and Mrs. Thatcher” (Deus e a Sra. Thatcher), que será publicado neste ano, acrescenta que há outros aspectos a ser considerados, como o enfraquecimento do capitalismo ocidental e a emergência de novas economias, como o Brasil, a China e a Índia.
Sob a bandeira neoliberal, Thatcher privatizou a habitação pública e gigantes estatais nos setores de siderurgia, telefonia, gás, água, eletricidade e de empresas aéreas. Seu combate à inflação surtiu efeito – o índice diminuiu de 18% em 1980 para 8,6% em 1982 –, mas a um custo.

Foto: ReproduçãoAmpliar
Meryl Streep interpreta a ex-premiê britânica Margaret Thatcher no filme 'A Dama de Ferro'

A ex-premiê promoveu a redução drástica do gasto público, provocando um enfraquecimento generalizado do amparo do Estado, difundido no Reino Unido desde o fim da Segunda Guerra (1939-1945). Por exemplo, seu governo abandonou o compromisso com o pleno emprego, afirmando que isso era uma responsabilidade entre empregadores e empregados, sendo a prioridade governamental manter a inflação baixa.
O número de desempregados aumentou, chegando a uma média de 3,3 milhões em 1984, ou aproximadamente 6%. Em regiões mais afetadas pelas perdas industriais, como o norte irlandês, o desemprego chegou perto dos 20%.
Para Barker, Thatcher deixou um legado negativo para as gerações posteriores. Com sua ascensão política, houve o fortalecimento de um ideário cujas figuras centrais eram a iniciativa privada e o livre mercado, tirando do Estado o dever do planejamento e de assistência.
Segundo ele, seu ideário era tão forte que se estendeu até mesmo à linguagem da prestação de serviços, na qual todo o tipo de relação foi reduzido a uma troca comercial. De acordo com o professor, sob o chamado “thatcherismo”, todos se tornaram clientes de um mercado: um homem internado em um hospital não era um paciente, era um cliente; uma mulher em um trem não era uma passageira ou uma viajante, mas uma cliente. "Havia uma piada que dizia que se você ia à igreja, não era um fiel, mas sim um cliente de Deus", comentou.
Ainda assim, Thatcher elegeu-se por três vezes consecutivas, pois suas políticas, embora impopulares, responderam às urgências de um país em crise.
Acertos da Dama de Ferro
O professor de História Moderna do King’s College Richard Vinen aponta que, sob sua liderança, o Reino Unido se tornou um país mais rico, o setor privado se fortaleceu e a máquina estatal desinchou e perdeu custos.
Em grande parte, Thatcher se tornou premiê em 1979 por ser uma alternativa ao governo trabalhista anterior de James Callaghan (1976-1979), marcado por uma crise profunda e inflação que fizeram com que o Reino Unido recebesse a alcunha de “o homem doente da Europa”. Nessa época, uma onda de greves nos serviços públicos essenciais - até coveiros suspenderam suas atividades - destruiu a reputação do Estado de fazer uma gestão econômica prudente e de obter a cooperação dos sindicatos.
Quando assumiu, Thatcher reduziu o poder dos sindicatos e tornou severas as consequências para aqueles que participassem de greves. As medidas mais importantes nesse sentido foram tornar ilegais as greves sindicalizadas, obrigar o sindicato a escolher sua liderança por meio de uma eleição antes de uma greve e abolir o estabelecimento comercial que aderisse a qualquer movimento grevista.
No penúltimo ano de seu primeiro mandato, quando sua popularidade estava em um nível crítico por conta do desemprego, a Argentina invadiu as Ilhas Malvinas, reivindicando sua soberania sobre o território, que é de domínio britânico desde 1883. Com a vitória no conflito, Barker aponta que Thatcher foi capaz de devolver aos britânicos a autoconfiança e a identidade, abaladas pela crise no final da década de 1970, e assim conquistar sua primeira reeleição.
O carisma e poder de liderança de Thatcher deram aos britânicos a sensação de que o país voltava a ter força no cenário mundial. Mas, para Barker, há um aspecto perverso em devolver ao Reino Unido sua grandiosidade. "Ela deu a esse país uma ideia superestimada de que somos importantes. Que ainda temos de ser o que não somos. Que ainda temos de ter um Exército poderoso e armas nucleares.”
Imagem no exterior
Apesar da complexidade de sua imagem no cenário britânico, Thatcher tem uma posição estimada no restante do mundo – primeiro por ter colaborado com o fim da Guerra Fria (1947-1991) e também por ter sido a primeira premiê mulher do Reino Unido.

Foto: Reprodução
Meryl Streep (Margaret Thatcher) ao lado de Anthony Head (Geoffrey Howe) em cena do filme 'A Dama de Ferro'
O filme “A Dama de Ferro” destaca a hostilidade com que Thatcher foi tratada ao entrar no universo marcadamente masculino da política - primeiro no Partido Conservador, depois na Câmara dos Comuns. Para a historiadora Eliza Filby, Thatcher levou mais mulheres a entrar no mercado de trabalho, estudar em universidades ou abrir um negócio próprio. "Nos anos 1980, uma pesquisa apontava que 43% dos entrevistados achavam que as mulheres tinham de ficar em casa, enquanto, nos anos 1990, esse número caiu para 25%."
Entretanto, Thatcher não assumiu o poder do Reino Unido em meio a um movimento de influxo de mulheres no poder. Ela foi uma exceção e, na época, a escolha de sua candidatura não foi determinada pelo seu gênero. Ela era uma líder carismática que, por coincidência, era uma mulher. O professor Barker afirma que, para as feministas da época, em sua maior parte de esquerda, foi "decepcionante" ver que a mulher mais bem-sucedida na política não era uma radical ou uma progressista, mas uma conservadora.
A personagem de Meryl Streep, que acredita que suas decisões impopulares seriam aclamadas no futuro, talvez se surpreendesse com quão dúbia é sua imagem para a maior parte do povo que governou, segundo o professor Vinen. “Não há sinais de que as gerações tenham ficado gratas. Suponho que a comparação mais próxima seria com (Mikail) Gorbachev, que lançou reformas extraordinárias (na ex-União Soviética), mas é muito impopular na Rússia. Estranho como pouco respeitada é Thatcher em seu próprio país." infor  segurança nacional

O FBI poderá DESLIGAR a internet em 8 de março! E justo durante um possível ataque de Israel ao Irã?


Milhões de usuários de computadores em todo o mundo poderão ter a internet bloqueada a partir do dia 8 de março, caso o FBI continue com os planos para remover uma série de servidores instalados originalmente para combater a corrupção.
No ano passado, as autoridades da Estônia apreenderam seis homens suspeitos pela criação de um script de computador malicioso chamado de Trojan DNSChanger. Uma vez solto na Web, o worm corrompia computadores em mais de 100 países, incluindo uma estimativa de 500.000 só nos EUA. O FBI mais tarde intensificou através da substituição do Trojan desonestos com servidores próprios, na tentativa de remediar os danos, mas a correção foi apenas temporária. Agora, o FBI está prevendo terminar a utilização destes servidores de reposição já no mês seguinte e, nesse ponto, a Internet para milhões de pessoas poderia ser essencialmente bloqueada.
Em coordenação com as prisões na Estônia, o FBI fechou o malicioso botnet DNSChanger, e, adicionalmente, substituiu-os por servidores substitutos para corrigir o problema. Esses servidores, no entanto, foram instalados “apenas o tempo suficiente para as empresas e usuários domésticos poderem remover o malware DNSChanger de suas máquinas”, de acordo com a ordem judicial que estabeleceu.
Esse prazo é 8 de março, e esses servidores substitutos deverão ser retirados em seguida. Nesse ponto, os computadores ainda infectados com o Trojan serão essencialmente incapazes de navegar na Internet.
E quem exatamente será afetado? A companhia de segurança IID (Internet Identity) acredita que metade de todas as empresas da Fortune 500 e mais de duas dezenas de entidades governamentais importantes nos EUA ainda estão atualmente infectadas com o worm desde o inicio de 2012. A menos que eles tomem as medidas adequadas para erradicar o cavalo de Tróia de seus sistemas, milhões de usuários em todo o mundo serão prejudicados.
“Nesse ritmo, um monte de usuários verão sua internet ser bloqueada em 8 de março,” adverte Rod Rasmussen, presidente e diretor de tecnologia da Internet Identity.
Atualmente, tanto a indústria como o computador e a aplicação da lei estão trabalhando juntas através de uma coligação que estabeleça o chamado Grupo de Trabalho DNSChanger. Esse grupo foi encarregado de examinar as opções em phasing out dos servidores substitutos instituídos pelos agentes federais, mas a menos que um plano alternativo seja acordado, uma grande parcela da Web estará às escuras no próximo mês.
“Estou descobrindo muito mais que o povo se importa nesse momento”, Rasmussen acrescenta. Enquanto os usuários infectados serão alertados para corrigir o problema agora, acredita-se que milhões internacionalmente ainda serão infectados. “Certamente seria uma experiência social interessante se esses sistemas forem cortados”, acrescenta.
Fonte: RT
É curioso notar que a data em que o FBI pretende substituir esses servidores seja justamente no mês em que Israel cogita um ataque militar ao Irã. Segundo as notícias, o ataque seria em março, abril ou maio.
Se por acaso houver ataque contra a Síria ou o Irã e a internet ficar inoperante, saberemos que foi proposital para não permitir que os fatos verdadeiros no Oriente Médio sejam difundidos. Mantendo as massas na completa ignorância dos fatos. E ai as emissoras de TV (Rede Globo) que são controladas pelos banqueiros, poderão dar a sua versão mentirosa do que acontecer no palco de guerra sem sofrer a fiscalização dos internautas.
A internet é um problema para os genocidas que querem a 3ª Guerra Mundial, porque por este meio podemos pesquisar e saber a verdade.
Vamos aguardar o mês que vêm para saber o alcance desse bloqueio.INFOR LIBERTAR Segurança Nacional

Exército dos EUA comprou mil robôs Recon Scout XT



O Exército dos EUA assinou um contrato de fornecimento de 1100 robôs Recon Scout XT com a companhia americana ReconRobotics. Este contrato é a maior compra de robôs minúsculos de superfície na história do Exército dos EUA. O valor do contrato equivaleu a 13,9 milhões de dólares. Além dos robôs, os militares ordenaram acessórios adicionais para os Recon Scout XT no total de um milhão de dólares.
Segundo os cálculos da ReconRobotics, todos os robôs ordenados terão sido fornecidos ao Exército dos EUA antes do fim de maio de 2012. O Recon Scout XT está equipado com uma câmera e pesa 544 gramas, tem um comprimento de 18,7 centímetros e um diâmetro de rodas de 7,6 centímetros. O corpo do robô está feito de titânio, o que rende a construção mais firme, evitando o seu quebramento se o robô cair de uma altitude de até 9,1 metros.INFOR Voz Da Russia Segurança Nacional

Bombardeiro tático SU-34: alta eficácia de combate


A Força Aérea da Rússia adotará nos próximos meses o novo bombardeiro tático SU-34. Em 2011 o avião passou os testes oficiais com sucesso.
O Estado já encomendou a produção de uma série de 32 destes aparelhos. No futuro, estes aviões substituirão a frota de bombardeiros táticos SU-24, diz o piloto veterano de provas Magomet Talboev.
"O SU-24 cumpriu as suas funções até ao fim, tornando-se obsoleto sob vários aspetos. O SU-34 é um avião que substituirá os bombardeiros táticos e os caças-bombardeiros. É o primeiro avião do mundo que oferece à tripulação chá e café na cabina, bem como a possibilidade de os tripulantes dormirem um pouco. É capaz de se manter no ar 24 horas por dia, o que faz toda a diferença, são possibilidades completamente diferentes. A potência de seus motores é enorme. Os anteriores modelos tinham a potência de 11 toneladas, e o SU-34 tem 16. Este aparelho é um verdadeiro avanço."
Segundo Roman Gusarov, editor-chefe do portal AVIA.RU, o SU-34 não é apenas um avião especializado mas sim um moderno sistema aéreo multifuncional, capaz tanto de atacar com eficácia alvos na superfície como também de travar combates aéreos:
"Comparado com o SU-24, a vantagem principal do SU-34 é o novo radar, que permite detetar alvos a distâncias muito maiores, identificá-los e atacar com mais precisão. Não há dúvida de que se trata de um avião de outra geração. O SU-34 tem um alcance efetivo significativamente maior, ele pode atuar em zonas muito mais distantes das bases e, se tomarmos em conta a possibilidade de abastecimento em voo, o seu alcance efetivo é duplicado."
O arsenal do SU-34 possui um amplo leque de armamento, a maior parte do qual é constituída por meios de destruição guiados e inclui mísseis de várias classes, bem como bombas aéreas de queda ajustável. Tem uma aerodinâmica excelente e tanques internos de combustível de grande capacidade. Os motores de dois circuitos econômicos com sistema digital de direção permitem voar a grandes distâncias, comparáveis com as dos bombardeiros estratégicos. Andrei Fomin, editor-chefe da revista Vzliót (Decolagem), afirma que o aparelho tem um futuro promissor pela frente:
"O termo bombardeiro tático está se tornando coisa do passado. Hoje temos aparelhos multifuncionais táticos, destinados não somente a bombardear mas também a lançar projéteis guiados contra alvos terrestres, marítimos e aéreos. A criação de sistemas multifunções hoje em dia é a principal tendência mundial, por isso pode-se dizer que a Rússia está na vanguarda do mundo. E o SU-34 é um perfeito rival do avião F-15E, que é amplamente usado pela força aérea estadunidense e exportado para vários países. Em princípio, em alguns parâmetros até pode ser superior, por ter sido adotado mais tarde."
Cerca de 70 por cento da frota de bombardeirosSU-24 existente será substituído pelo novo SU-34.Voz da Russia Segurança Nacional

China lançará missão espacial tripulada entre junho e agosto


REUTERS
A China lançará a sua próxima missão espacial com tripulação em algum momento entre junho e agosto, com a meta de atracar com um módulo experimental lançado no ano passado, disse a agência de notícias estatal Xinhua nesta sexta-feira.
Será a quarta nave espacial tripulada da China desde 2003, quando o astronauta Yang Liwei orbitou em torno da Terra 14 vezes, tornando-se o primeiro chinês no espaço.
Para a próxima missão, três astronautas tentarão atracar com o Tiangong (Palácio Divino) módulo 1, lançado no dia 29 de setembro como parte das preparações exploratórias da China para um laboratório espacial, disse a Xinhua.
A China já realizou testes bem-sucedidos com uma nave espacial sem nome e o Tiangong 1.
"A nova missão de acoplamento é outra chance para a China testar a sua tecnologia", afirmou um porta-voz não identificado do programa espacial com tripulação, citado pela Xinhua.
A China planeja ter uma estação espacial completa em torno de 2020. Entretanto, ainda está longe de alcançar as superpotências espaciais - Estados Unidos e Rússia.
A Rússia, os EUA e outros países operam conjuntamente uma Estação Espacial Internacional de 400 toneladas, da qual a China não faz parte.
Os EUA, porém, não irão testar um novo foguete com pessoas a bordo até 2017, e a Rússia afirmou que missões tripuladas não são mais uma prioridade.
A China também planeja missões não tripuladas para pousar na Lua e remanejamento de uma sonda lunar. Cientistas levantaram a possibilidade de enviar um homem à lua em 2020.
(Por Sally Huang e Ben Blanchard) infor REUTERS Esdão Segurança Nacional

CTEx - O Poder Do Saber


Um sistema de radar portátil que pode rastrear até 40 alvos aéreos foi um dos vários equipamentos de alta tecnologia utilizados para manter a segurança dos atletas nos 5º Jogos Mundiais Militares, realizados em julho de 2011, no Rio de Janeiro.
O Sistema de Acompanhamento de Alvos Aéreos Baseado na Emissão de Radiofrequência, SABER M60, é o radar mais moderno no mundo em sua categoria, de acordo com o Exército Brasileiro. O radar SABER M60 foi fabricado com tecnologia 100 por cento brasileira.
“O radar SABER M60 foi empregado em apoio à vigilância aérea durante os 5° Jogos Mundiais Militares, à semelhança do que já havia ocorrido durante os Jogos Pan-americanos de 2007, tendo comprovado, uma vez mais, sua adequação para emprego em eventos dessa natureza”, comentou o Coronel Roberto Castelo Branco Jorge. O assessor da subchefia do Centro Tecnológico do Exército Brasileiro (CTEx) conta que o órgão desenvolveu esta tecnologia para complementar a defesa antiaérea brasileira, uma vez que muitas aeronaves escapam dos radares tradicionais, que são voltados para maiores altitudes, em especial em regiões montanhosas.
O SABER pode detectar e seguir, ao mesmo tempo, até 40 alvos aéreos em um raio de 60 quilômetros e a uma altitude de até 5.200 metros, além de helicópteros, aviões caça que voam a baixa altitude e objetos que se movem lentamente, a velocidades de até 32 quilômetros por hora. Desta forma, um flanco importante para a segurança do país fica protegido.

lém de busca e vigilância aérea de baixa altura, o aparato faz uma varredura mecânica que utiliza a técnica de emissões eletromagnéticas pulsadas, denominada pulso-Doppler. É resistente a interferências eletromagnéticas e possui baixa potência de transmissão, o que o torna muito discreto. Dispõe ainda de um identificador amigo-inimigo.
PORTABILIDADE
Com peso médio de 200 quilos, o SABER é facilmente mobilizado. São necessários apenas três soldados e cerca de 15 minutos para montar e colocar o sistema em operação. O sistema pode ser alimentado por energia elétrica ou operado por meio de baterias, e pode ser transportado por ar, água ou terra utilizando-se apenas um veículo leve. Sua portabilidade permite o uso em lugares de difícil acesso, como montanhas e telhados de edifícios.
O aparelho é conectado ao sistema de defesa antiaérea do Exército e é ligado a um centro de comando e controle instalado em um furgão, que também é fabricado pelo CTEx. A unidade antiaérea mais adequada para fazer a proteção recebe um alerta quando a ameaça é identificada pelo radar. Então, com apenas um clique de mouse, são revelados a posição do avião, altura, distância e o ângulo em relação ao centro de operações antiaéreas e um disparo é efetuado. O radar pode trabalhar integrado a uma rede de 12 diferentes armas. Para permitir a melhoria constante do aparelho sem a necessidade de modificações fundamentais em sua estrutura, o radar apresenta uma arquitetura flexível e que pode ser programada por hardware e software.
USO CIVIL
 
Mesmo tendo sido desenvolvido para uso estritamente militar, o SABER poder ser utilizado em tarefas civis. “O SABER M60 tem a capacidade de apoiar o controle de tráfego aéreo de área terminal em aeródromos de pequeno tráfego ou, ainda, ser um substituto eventual para o caso de indisponibilidade temporária do radar de área terminal fixo de um aeródromo de maior capacidade, pois o seu radar secundário tem alcance de cerca de 80 km e opera também nos modos A e C, usados na aviação civil”, explicou o Cel Castelo.
Além de sua avançada tecnologia e versatilidade, o SABER também tem a virtude de adaptar-se às condições naturais próprias de países como o Brasil, onde a selva é densa e úmida. De acordo com o Cel Castelo, as principais características que convertem este radar em uma ferramenta adequada para a proteção de ambientes como o da Amazônia são seu peso leve e dimensões reduzidas, que proporcionam a capacidade de ser transportável por aeronaves de asa fixa de pequeno porte, como o C-98 Caravan, da Força Aérea Brasileira, que requerem pistas de pouso curtas, ou ainda por helicópteros. Também foram escolhidas freqüências e técnicas de modulação do sinal mais adequadas a esse ambiente, ainda de acordo com o Cel Castelo.
Os pesquisadores do CTEx estão trabalhando atualmente no desenvolvimento de um radar SABER ainda mais avançado, o M200, que terá alcance de até 200 km e emprega o conceito de varredura eletrônica ativa por matriz de fases. Por isso, além das funções de vigilância, pode desempenhar outras missões como designação de alvos para sistemas de armas.
CTEx: Inteligência Pura
Com sede no Rio de Janeiro, Brasil, o Centro Tecnológico do Exército (CTEx) é o principal órgão encarregado de pesquisa e desenvolvimento de projetos tecnológicos para o Exército Brasileiro.
A instituição tem convênios com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), que proporcionam os recursos necessários para empreender projetos do porte dos radares SABER M60 e SABER M200.
O CTEx se transformou numa referência regional para outros países em termos de inovações tecnológicas e já desenvolveu aparatos de alta tecnologia militar, como veículos blindados, carros aerotransportados para pára-quedistas e monóculos de visão térmica. O veículo de reconhecimento militar Gaúcho, de fabricação argentina, por exemplo, foi desenvolvido com tecnologia do CTEx em colaboração com outros órgãos militares do vizinho sul-americano.
 

Arquivo do blog segurança nacional