Wikipedia

Resultados da pesquisa

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Paquistão adverte aos EUA que ataques de aviões espiões são "inaceitáveis"


O Governo paquistanês classificou nesta terça-feira como "inaceitáveis" os ataques com aviões não-tripulados americanos em seu território depois que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reconhecesse publicamente pela primeira vez sua existência.
"São ilegais, polêmicos e, portanto, inaceitáveis", escreveu à Agência Efe por mensagem de texto o porta-voz das Relações Exteriores paquistanês, Abdul Basit, sobre os chamados "drones" (zangões).
Anos atrás existia uma cooperação para lançar estes ataques contra alvos talibãs e da rede terrorista Al Qaeda, porém desde 2011 os "drones" são um motivo de discórdia entre Washington e Islamabad.
"Não podemos consentir a violação de nossa soberania", advertiu Basit.
Em conversa com internautas, Obama admitiu pela primeira vez na última segunda-feira o uso de "drones" em ataques a supostos militantes da Al Qaeda e de redes jihadistas presentes nas áreas tribais paquistanesas que fazem fronteira com o Afeganistão.
O presidente disse que os aviões não-tripulados "não fizeram um grande número de vítimas civis" e que os ataques são precisos, algo discutido por algumas organizações de direitos humanos.
Os EUA bombardeiam com esses equipamentos áreas do Paquistão e, com menos frequência, outros países com os quais também não está tecnicamente em guerra, como o Iêmen e a Somália.
A postura oficial do Paquistão é que os ataques, mesmo eliminando alvos insurgentes, representam um fracasso estratégico, pois geram ressentimento popular.
Os "drones" são uma das armas mais usadas por Obama na luta antiterrorista: em 2010 foram 118 ataques só no Paquistão, frente a 70 do ano passado, um reflexo das turbulentas relações diplomáticas entre ambos os países.
Fontes de inteligência paquistanesas e ocidentais consultadas pela Efe acreditam que os ataques são precisos e ao longo dos anos têm se aperfeiçoado.
Organizações de direitos humanos denunciam que eles são feitos aproveitando a brecha na lei e acabam matando civis.
Tais estimativas, no entanto, não podem ser comprovadas porque a imprensa tem pouco acesso às fortificações talibãs paquistanesas, onde os insurgentes enterram os mortos sem que as autoridades possam identificá-los.

Obama defende o uso de aviões não tripulados


AE - Agência Estado
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu a campanha com o uso de aviões não tripulados, conhecidos como drones, de acordo com uma reportagem do jornal The Wall Street Journal. "Drones não causaram um grande número de vítimas civis", disse ele na segunda-feira ao ser questionado sobre o programa com esse tipo de avião em uma sessão online de pergunta e resposta.
"Há essa percepção de que estamos lançando ataques aleatoriamente", afirmou. "Este é um esforço focado e direcionado contra pessoas na lista de terroristas ativos que estão tentando se infiltrar e ferir americanos. É importante que todos entendam que isso (ataques com drones) é mantido sob rédea bastante restrita."
Autoridades dos EUA estimam que a campanha com os drones matou mais de 1.500 militantes suspeitos em solo paquistanês desde que Obama tomou posse, em 2009. Os americanos alegam que cerca de 60 civis morreram no Paquistão. No entanto, autoridades paquistaneses e grupos de direitos humanos afirmaram que o total de civis mortos é bem mais alto. As informações são da Dow Jones. 

Ministro britânico visitará Malvinas no aniversário da guerra


ADRIAN CROFT - REUTERS
Um ministro britânico viajará às Ilhas Malvinas em junho a fim de participar da comemoração do 30o aniversário da recaptura das ilhas pela Grã-Bretanha, em uma visita que poderá irritar o governo argentino.
A Grã-Bretanha anunciou que enviará um dos seus navios de guerra mais modernos, o destróier HMS Dauntless, ao Atlântico Sul nos próximos meses para substituir outro navio na patrulha. O país informou, porém, que a medida já estava planejada há muito tempo e é "completamente rotineira".
A tensão entre Grã-Bretanha e Argentina por causa das ilhas sob disputa no Atlântico Sul aumentou de novo, à medida que se aproxima o aniversário da guerra e empresas britânicas procuram por petróleo nas águas próximas às ilhas.
"Vou para coincidir com a conclusão da guerra das Falklands. Irei em junho para o aniversário de 30 anos", disse à Reuters em uma entrevista Jeremy Browne, o ministro do gabinete das Relações Exteriores responsável pelas relações com a América Latina.
Browne disse que espera que sua visita de uma semana não perturbe a Argentina, que já acusou a Grã-Bretanha de agir de forma provocativa ao anunciar que o príncipe William, o segundo na linha de sucessão do trono britânico, será enviado às ilhas este ano para ser piloto de helicóptero da Força Aérea Real (RAF).
"Espero que eles vejam isso pelo que é, ou seja, um reconhecimento do valor e do sacrifício dos soldados britânicos e dos próprios ilhéus das Falklands na libertação das ilhas há 30 anos e também uma comemoração mais ampla pelo sacrifício feito de forma mais geral, incluindo pelos argentinos", disse ele.
Browne é o primeiro ministro do governo de coalizão da Grã-Bretanha, que está há 20 meses no poder, a anunciar uma visita às ilhas e será o primeiro ministro do gabinete das Relações Exteriores a ir até lá desde 2008.
Londres controla as ilhas - situadas a 480 quilômetros da costa sul da Argentina - desde 1833. Em 1982, a Grã-Bretanha enviou uma força naval e milhares de soldados para reclamar as ilhas depois que forças argentinas as ocuparam. Cerca de 650 argentinos e 255 soldados britânicos morreram no conflito que durou 10 semanas.
A Grã-Bretanha recusa-se a negociar com a Argentina sobre a soberania das ilhas. O primeiro-ministro David Cameron disse este mês que a Grã-Bretanha está comprometida com a proteção das ilhas e afirmou que o desejo dos ilhéus é soberano.
Em dezembro, o bloco Mercosul - incluindo o membro associado Chile - concordou que as embarcações viajando com a bandeira das Falklands seriam proibidas de aportar em qualquer um de seus portos em solidariedade à Argentina.
Depois que a presidente argentina, Cristina Kirchner, descreveu a Grã-Bretanha no ano passado como uma "potência colonial grosseira em declínio" por se recusar a conversar sobre as ilhas, Cameron respondeu este mês, acusando a Argentina de "colonialismo".
Browne -- que é membro do partido Liberal Democrata, de centro-esquerda, o parceiro menor da coalizão governista -- disse que não vê a disputa como uma barreira para a iniciativa britânica de estabelecer relações mais fortes com os países da América Latina, "com a exceção da Argentina".
Na semana passada, a Argentina nomeou Alicia Castro como sua nova embaixadora em Londres, um posto que estava vago desde 2008 em protesto à recusa da Grã-Bretanha em negociar sobre as Malvinas.
(Reportagem de Mohammed Abbas) 

Argentina diz que Inglaterra quer 'militarizar' conflito das Malvinas


BUENOS AIRES - A Argentina denunciou, nesta terça-feira, 31, que a Inglaterra tenta "militarizar" o conflito nas Ilhas Malvinas, informou a AFP. A declaração foi uma resposta à decisão britânica de mandar um navio de guerra às ilhas.
Destroier HMS Dauntless parte em direção ao Atlântico Sul - Ian Simpson/Efe
Ian Simpson/Efe
Destroier HMS Dauntless parte em direção ao Atlântico Sul
Além disso, o país também lamentou, por meio de um comunicado oficial, a visita do príncipe William ao arquipélago. "A República Argentina rechaça a tentativa britânica de militarizar o conflito sobre o qual as Nações Unidas indicaram que ambas nações devem resolver com negociações bilaterais", diz o comunicado.
Um ministro britânico anunciou que viajará às Ilhas Malvinas em junho para participar da comemoração do 30o aniversário da guerra que explodiu após a invasão das forças armadas argentinas no território disputado por ambos países.
A Grã-Bretanha enviará às ilhas Malvinas nos próximos meses um dos navios de guerra mais modernos da Marinha Real, informou nesta terça-feira, 31, o Ministério de Defesa britânico. Trata-se do destroier HMS Dauntless, que parte em direção ao Atlântico Sul e substituirá a fragata britânica HMS Montrose, disse um porta-voz da pasta
Com agências de notícias.
  

HMS Dauntless D33

HMS Dauntless é o navio que tem um sofisticado sistema de radar com alcance de 400 km e um avançado sistema de defesa aérea. O Dauntless pertence a uma nova gama de navios de guerra da Marinha designados como Tipo 45, tem um sofisticado sistema de radar com alcance de 400 km e um avançado sistema de defesa aérea.Ele também pode levar vários helicópteros e uma tripulação de 180 pessoas ", descreve a BBC.

Um barco semelhante ao Dauntless e foi enviado para o Golfo Pérsico, em meio a ameaças do Irã para bloquear o Estreito de Hormuz.
Por sua parte, Gerald Howarth, um funcionário do Ministério da Defesa do Reino Unido, disse que o Parlamento Inglês que a Argentina não tem nem a capacidade nem a intenção de tomar as Ilhas Falkland.Da Marinha Real, desatou o fato das discussões em curso entre os dois países

Irã anuncia desenvolvimento de munições guiadas por laser


TEERÃ — O Irã conseguiu fabricar diferentes tipos de munição guiada por laser, afirmou nesta segunda-feira o ministro da Defesa, Ahmad Vahidi, à televisão estatal.
Estas munições, que podem ser utilizadas contra qualquer tipo de alvo, fixo ou móvel, podem ser guiadas com precisão de até 20 km de distância, segundo as imagens exibidas pela televisão.
A televisão exibiu imagens de munições disparadas por artilharia e equipadas, segundo ela, com um sistema para serem guiadas por laser.
Não foi dada indicação alguma sobre o sistema utilizado.
"O Irã está entre os cinco países no mundo capazes de fabricar armas deste tipo utilizando tecnologia local", afirmou o ministro da Defesa.
O Irã, submetido a um embargo da ONU sobre a compra de armas ofensivas como parte de sanções por seu programa nuclear, anuncia regularmente o desenvolvimento de novos materiais de alta tecnologia por sua indústria de defesa.
O general Vahidi anunciou na semana passada que seu ministério apresentará durante as comemorações da Revolução Islâmica de fevereiro de 1979 novas munições, além de sistemas de defesa marítima, aérea e de guerra eletrônica mais avançados.AFP

Armas da Rússia: o sistema antimíssil S-400


Damos prosseguimento à série de programas dedicados aos melhores exemplos de armas russos. Um dos exemplos mais recentes é o sistema antimíssil (SAM), Triunfo (S-400) ou SA-21 Growler (Resmungão) na classificação da OTAN.
O S-400 se destina à destruição de todos os meios aeroespaciais de ataque existentes e futuros, assim como os aviões de reconhecimento, aeronaves táticas e estratégicas e os mísseis táticos e mísseis balísticos de curto e médio alcance.
Também se destina à destruição de alvos hipersônicos, aeronaves de interferências, de radar e de orientação de mísseis. Cada sistema S-400 pode atacar em simultâneo 36 alvos e guiar contra eles até 72 mísseis. O sistema S-400 pode atingir, a uma distância de 400 km, alvos aerodinâmicos, e, a uma distância de 60 km, alvos balísticos táticos voando a uma  velocidades de até 4,8 km por segundo: os mísseis de cruzeiro, aviões stealth.
O S-400 pode detectar um alvo a uma distância de até 600 km e atingir os alvos voando a uma altitude de 5 metros (compare-se: o sistema americano “Patriot” é capaz de atingir alvos voando a uma altitude não inferior a 60 metros). Tudo isso é possível graças a uma ogiva autoguiada completamente nova instalada nos mísseis e que pode funcionar em regime semi-ativo e ativo, especialmente contra os alvos voando alto.
Ao ganhar a altura, o míssil entra em regime de busca programado pela equipe terrestre e se guia sozinho contra o alvo detectado. Um sistema S-400 pode levar até quatro mísseis desse tipo. Em geral, segundo especialistas, o S-400 não só não tem análogos no mundo, mas também supera muito todos os sistemas desse tipo existentes. Atualmente, a Defesa Anti-Aérea russa está recebendo sistemas em causa. 

Empresa dos EUA roubou desenhos do blindado sul-coreano K-1


A Procuradoria da cidade sul-coreana de Tajeon deteve um colaborador do Instituto das Pesquisas Científicas sob a suspeita de ter passado a uma empresa dos EUA os projetos do principal carro blindado K-1 das FA da Coréia do Sul.
Segundo uma das versões do acontecido, o detido enviara, pelo correio azul, os desenhos do sistema de comando do blindado a uma empresa norte-americana que se ocupa de produção de peças mecânicas para os equipamentos militares. Pelos vistos, o acesso a estes documentos foi-lhe facultado pela Direção dos Programas de Compras Militares enquanto ele orientava os testes à resistência. Presentemente, os juizes de instrução procuram esclarecer se a fuga de informações se deu por iniciativa da empresa americana e se o suspeito do crime tinha recebido remuneração pela entrega do projeto referido.  inf  voz da Rússia

Rússia irá criar dois novos mísseis aereos em 2012

Em 2012 a Rússia vai criar dois mísseis aéreos de nova geração, de tipo Kh-31, que não têm análogos no mundo, informou nesta terça-feira o diretor-geral da corporação desenvolvedora de foguetes Mísseis Táticos, Boris Obnosov.
“Os produtos estão sendo preparados para o início da produção em 2012 e para exportações”, – disse Obnosov, notando que os clientes estrangeiros têm estado muito interessados nesta arma.
Os mísseis Kh-31AD e os Kh-31 PD são os modelos de exportação mais recentes. Os primeiros são mísseis antinavio com perfil de vôo supersônico e de alcance estendido, os segundos são mísseis anti-radar de alta velocidade, equipados com ogiva de radar autoguiado de longo alcance.

Asteroide que se aproxima da Terra nesta terça poderá ser visto a olho nu

O asteroide que se aproxima da Terra nesta terça-feira, batizado como 2005 YU55, poderá ser observado a olho nu em alguns pontos do planeta durante as 20h30 locais aproximadamente. Apesar ter sido apontado como gigante, os astrônomos já consideram o corpominusculo em comparação com outras rochas que vagam pelo espaço, medindo 400m.

Se tem alguma coisa que impressiona nesse fenômeno é a proximidade com que o asteroide vai passar da Terra, com a menor distância observada desde 1976. A rocha vai ficar mais próxima do planeta do que a Lua, a aproximados 325mil quilômetros, e deve ser monitorada pelos pesquisadores que acreditam poder aprender muito com novos registros.

Mesmo com a grande proximidade, as perspectivas iniciais de que o esteroide poderia colidir com a Terra, verificadas há sete anos, também já foram descartadas e não há mais riscos. Se fosse o caso, segundo o site Space.com, o nível da tecnologia espacial já seria suficiente para evitar o impacto catastrófico.

Dassault Aviation vai vender 126 jatos Rafale à Índia


DANIELLE CHAVES - Agencia Estado
PARIS (AE) - A francesa Dassault Aviation fechou um contrato multibilionário em dólar para fornecer 126 jatos Rafale para o exército da Índia, afirmou o ministro de Comércio da França, Pierre Lellouche, em entrevista à rádio BFM Business. Lellouche disse que alguns detalhes do contrato - que será a primeira encomenda estrangeira de jatos Rafale - ainda precisam ser finalizados.
O contrato tem um valor estimado de cerca de US$ 10 bilhões. A Dassault fornecerá os jatos para a Índia depois de derrotar o Eurofighter Typhoon fabricado por um consórcio formado pela BAE Systems, pela italiana Finmeccanica e pela EADS, que é a dona da Airbus.
No começo deste mês, o ministro da Defesa da França, Gerard Longuet, afirmou que seu país ainda estava negociando a venda de jatos Rafale para o Brasil, os Emirados Árabes Unidos e a Índia. As informações são da Dow Jones.

Grã-Bretanha enviará moderno navio de guerra às Ilhas Malvinas


Efe
LONDRES - A Grã-Bretanha enviará às ilhas Malvinas nos próximos meses um dos navios de guerra mais modernos da Marinha Real, informou nesta terça-feira, 31, o Ministério de Defesa britânico. Trata-se do destroier HMS Dauntless, que nos partir em direção ao Atlântico Sul e substituirá a fragata britânica HMS Montrose, disse um porta-voz da pasta.
HMS Dauntless (à frente) é um destroier modelo 45, que pode levar helicópteros militares - Ian Simpson/Efe
Ian Simpson/Efe
HMS Dauntless (à frente) é um destroier modelo 45, que pode levar helicópteros militares
De acordo com o ministério, a troca de embarcações já estava programada, mas ocorre em um momento de tensão entre o Reino Unido e a Argentina pela soberania das ilhas, com a proximidade do 30º aniversário da guerra que os dois países mantiveram.
"A Marinha Real teve uma contínua presença no Atlântico Sul durante muitos anos. O envio do HMS Dauntless ao Atlântico Sul estava planejado há muito tempo, é (uma medida de) rotina, de substituição a outro navio de patrulha", afirmou um porta-voz do Ministério da Defesa.
O HMS Dauntless é um dos seis novos destróieres com que a Marinha britânica conta e é equipado com um avançado sistema de navegação que dificulta sua detecção por radar. Estes navios têm ainda mísseis antiaéreos de alta tecnologia e podem transportar cerca de 60 militares, além de poder acomodar helicópteros tipo Chinook.
Tensões
As relações entre Grã-Bretanha e Argentina atravessam um momento de tensão, especialmente desde que vários países latino-americanos decidiram bloquear a entrada de navios com bandeira das ilhas do Atlântico Sul em seus portos. Em uma cúpula realizada em dezembro em Montevidéu, os países do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - acertaram impedir o acesso destes navios.
Diante desta situação, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, informou há 14 dias ao Parlamento que tinha convocado o Conselho Nacional de Segurança para tratar da situação e acusou a Argentina de "colonialismo" por reivindicar a soberania das ilhas. O governo argentino considerou "ofensiva" a declaração de Cameron, que insiste que respeita a vontade dos habitantes da ilha de manter a soberania britânica.
Neste ano completam-se 30 anos da guerra entre os dois países pela posse das Malvinas, que terminou em 14 de junho de 1982 com a rendição da Argentina. No conflito bélico morreram 255 militares britânicos e mais de 650 argentinos.

Arquivo do blog segurança nacional