terça-feira, 17 de janeiro de 2012

U 32 German Submarine

U-32 (S182) é o segundo tipo 212A submarino da Marinha alemã. 
U-32 é alimentado por um motor diesel e um motor elétrico conduzido por duas células de combustível e possui um parafuso sem cavitação, tornando-se virtualmente indetectável. U-32 foi o submarino não-nuclear primeiros a ficar submersa por duas semanas. U 32 (NATO-Bezeichnung: S 182) ist das Zweite U-Boot der U-Boot-Klasse 212 A, das der Bundeswehr überstellt 

Conseqüência possível guerra, com o Irã

A verdadeira razão os EUA quer atacar o Irã

Unocal propôs a construção do Gasoduto Trans-Afeganistão ao Congresso em 1998 para fornecer petróleo e gás natural a vários mercados asiáticos.Independentemente das suas intenções afirmou, eles tinham que puxar o Taliban decisão longe de acordos que tinha com a Bridas Corp convencê-los a assinar com Unocal vez (o que acabou por receber o apoio do governo dos EUA). Digite o Irã como o novo garoto sobre o bloco. Eles ofereceram um oleoduto a atravessar a parte sul do Paquistão, que cobriria território menos severas e causam muito menos disputas tribais sobre bombeamento de petróleo e gás para a Índia e Paquistão. Você vê um potencial conflito aqui?Acho interessante que nenhuma dessas informações já foi coberta pela mídia americana. Demorou um pouco, mas eu encontrei uma fonte de notícias indiana que DID discutir seu negócio de petróleo pendentes com o Irã e Paquistão. (Felizmente, é em Inglês.) Parece que a única coisa segurando o negócio são as mudanças no governo do Paquistão (eo fato de que temos os empurrou para uma guerra civil). As políticas da nossa administração parecem ser orientados para proteger a Unocal (agora da Chevron) interesses, fazendo o backup a construção do Gasoduto Trans-afegã com as forças militares. A única maneira de os nossos militares podem fazer isso com segurança é, de cometer genocídio desde a tribos locais não nos querem lá. Então eu acho que é hora de se perguntar se você quer que seus filhos levar um tiro por causa de petróleo? NOTA: China, desde então, assinou com o Paquistão ea Índia para o acesso ao gás natural a partir desse mesmo canal iraniano. Além disso, o presidente do Irã, Ahmadinejad abriu os mercados iraniano para o oeste. Eu fui informado de que empresários estrangeiros podem agora comprar e próprios negócios em território iraniano, desde que não tentar obter um monopólio em um determinado negócio. Que sentido faz para atacar essas pessoas quando nossos próprias agências de inteligência nos disseram que a pesquisa descontinuada em armas nucleares ao longo de 5 anos atrás?

Irã Vs Israel - Tecnologias de Defesa - Capacidades de Guerra

Submarino russo da classe Kilo - Projeto 636 (P3 / 3)

Projeto 636 chamados pela Marinha dos EUA "The Black Hole". Submarinos classe Kilo são capazes de operar muito silenciosamente, que são essencialmente destinados para anti-transporte e operações anti-submarino em águas relativamente rasas.

Sukhoi T-50 PAK-FA (HD)

O Sukhoi PAK FA é um caça a jato bimotor sendo desenvolvido pela Sukhoi OKB para a Força Aérea Russa. A Sukhoi T-50 é o protótipo para PAK FA. O PAK FA é um dos apenas um punhado de programas jato invisível globalmente. O PAK FA, quando totalmente desenvolvidos, pretende ser o sucessor do MiG-29 e Su-27 no inventário russo e servirá de base de theSukhoi / HAL FGFA sendo desenvolvido com a Índia. Um avião de caça de quinta geração, o T-50 realizou o primeiro vôo 29 de janeiro de 2010. Seu segundo vôo foi em 06 de fevereiro e sua terceira em 12 de fevereiro de 2010.Em 31 de agosto de 2010, que tinha feito 17 voos e até meados de Novembro, 40 no total. O segundo protótipo foi dar início ao seu teste de vôo até o final de 2010, mas esta foi adiada até março de 2011. Sukhoi diretor Mikhail Pogosyan projetou um mercado para 1.000 aeronaves nos próximos quatro décadas, que será produzido em uma joint venture com a Índia, 200 cada um para a Rússia ea Índia e 600 para outros países. Ele também disse que a contribuição indiana será na forma de trabalho conjunto no âmbito do acordo atual e não como uma joint venture. A Força Aérea da Índia vai "adquirir 50 monolugares lutadores da versão russa" antes do FGFA de dois assentos é desenvolvido. O Ministério da Defesa russo vai comprar os aviões 10 primeiros depois de 2012 e 60 após 2016. O primeiro lote de caças será entregue com motores de tecnologia atual. Ruslan Pukhov, director do Centro para Análise de Estratégias e Tecnologias, projetou que o Vietnã será o segundo cliente de exportação para o lutador. O PAK-FA deverá ter uma vida útil de cerca de 30-35 anos. Todos os créditos para o Sukhoi T-50 a 

Servidor russo ultrapassa Microsoft no mercado da internet


O servidor russo de código aberto nginx ultrapassou em janeiro a Microsoft, ficando em segundo lugar entre os servidores mais utilizados na internet.  

De acordo com a empresa de pesquisas Netcraft, especializada em monitoramento de sites da internet, em janeiro de 2012 o servidor nginx, produção russa no segmento de domínios ativos (sites não padronizados com conteúdos exclusivos), ultrapassou em popularidade o Microsoft IIS (Internet Information Server) e passou para segundo lugar, com 12,18% do mercado. A Microsoft ficou em terceiro lugar, com uma participação de mercado de 12,14%. A liderança segue com o Apache, com 57,93%.

“As mudanças no mercado se devem ao crescimento contínuo da popularidade do nginx e são irreversíveis”, afirma o diretor-geral da empresa Nginx Inc, Maksim Konovalov.

“No final deste ano, a empresa Nginx espera obter até 17 ou 18% do mercado de servidores no segmento de sites ativos”, diz Konoválov. A Nginx não tem, por enquanto, o objetivo de competir com o Apache. “Mesmo que nossas empresa considerasse seriamente esse desafio, os prazos de sua  solução ultrapassariam os limites do planejamento da empresa para dois ou três anos”, esclarece Konoválov.

O criador do nginx, Ígor Sisóev, administrador de sistemas sênior do portal Rambler, começou a desenvolver seu servidor em 2002 a pedido do portal. Sua primeira versão foi lançada em 2004. O servidor é um software livre de código aberto distribuído sob a licença BSD.

Concebido para o uso em sistemas operacionais do tipo Unix, em pouco tempo o nginx saiu em versão compatível com o Windows.

De acordo com a Netcraft, em 2008 o nginx superou a barreira de 0,5 % do mercado de servidores da internet e desde então tem aumentado sua participação, subindo em junho de 2011 para o terceiro lugar, com 9% de participação.

Entre os grandes clientes do nginx estão o portal Rambler, a empresa Yandex e redes sociais como o VKontakte e o Facebook.

No verão de 2011, Sisóev montou a empresa Nginx Inc. para ampliar sua equipe e desenvolver seu projeto. Em outubro, sua empresa recebeu US$ 3 milhões de investimento dos fundos Runa Capital, BV Capital e MSD Capital.

Com esses recursos, a empresa pretende desenvolver um novo produto comercial e realizar a expansão de seu servidor de código aberto nos EUA, onde quer abrir seu escritório-sede. Ígor Sisóev assinalou que, apesar das mudanças organizacionais e outras dentro do projeto, o produto de software livre continuaria existindo e sendo apoiado.

Quanto ao número total de sites, o servidor da Microsoft se mantém em segundo lugar, com 14,46% do mercado, enquanto o nginx tem 9,63%. O Apache lidera com grande vantagem, detendo 64,36% do mercado.

Dos quatro servidores líderes, só o nginx conseguiu aumentar sua participação em janeiro, enquanto os outros concorrentes, inclusive o Apache, sofreram uma redução em sua participação no mercado.

Para a Microsoft, apesar de a participação do nginx ter apresentado um  aumento estatístico, seria incorreto dizer que o servidor russo é mais popular do que aquele desenvolvido pela Microsoft. “O nginx é frequentemente usado em conjunto com o IIS. Os servidores sob a direção do IIS executam o principal trabalho para o processamento dos pedidos de pesquisa e o nginx é um elo intermediário para fornecer os resultados da busca aos clientes”, afirma Gaidar Magdanúrov, diretor de tecnologias da Microsoft na Rússia.

Mesmo assim, Magdanúrov concorda que não se pode deixar de notar o aumento da popularidade do nginx em geral. 

México quer comprar sistemas antiaéreos russos

A empresa estatal de petróleo e gás do México, Pemex, e várias outras organizações mexicanas se declararam interessadas em comprar da Rússia sistemas de defesa antiaérea para suas plataformas de petróleo no Golfo do México. O anúncio foi feito por uma fonte da delegação russa que participou da 5ª reunião da Comissão Rússia-México de cooperação econômica que está acontecendo no México.Os mexicanos desejam criar um sistema de prevenção e combate a ataques aéreos de baixa altitude, composto por radares capazes de detectar antecipadamente os alvos e por mísseis antiaéreos. Segundo a fonte, o México explica seu desejo de adquirir os sistemas antiaéreos pelo receio de eventuais ataques terroristas contra suas plataformas de petróleo no Golfo do México, importante recurso estratégico e principal fonte de renda do país.

“A Rússia fez essa proposta a vários países, inclusive ao México”, disse a fonte. “No entanto, poderemos falar de acordos concretos de compra só quando o lado mexicano solucionar definitivamente sua questão financeira. Por enquanto, essa questão está em aberto.”

Os sistemas de defesa antiaérea que poderiam ser usados para a proteção das plataformas de petróleo variam, de acordo com peritos militares, em função do tamanho da área a ser abrangida e dependem do montante dos recursos financeiros disponibilizados para esses fins pela Pemex e outras organizações interessadas. Do montante disponibilizado para a compra de um escudo antiaéreo depende a forma como ele será organizado. Os principais sistemas russos são muito parecidos, podendo atingir alvos aéreos a uma distância de 6 km e a uma altitude que varia entre 10 e 3.500 metros, a uma velocidade de 320 m/segundo. Os dois sistemas também podem levar adicionalmente radares, equipamentos de comunicação, visão noturna e identificação de alvos, além de outros equipamentos.

Os mísseis do sistema Igla são capazes de atingir aeronaves táticas, helicópteros e alvos de pequeno porte como aeronaves não tripuladas e mísseis de cruzeiro, inclusive em condições de má visibilidade, dificultada com obstáculos naturais ou artificiais. A perfeita operação do Igla nessas condições é garantida pelo equipamento de pontaria automática. Assim, nenhuma aeronave terrorista conseguirá se aproximar das plataformas de petróleo nem das cisternas com hidrocarbonetos. Os sistemas Dgiguit e Streléts são facilmente desmontados e transportados em um automóvel ou nas mãos, pesando cada um 128 kg, e podem ser instalados tanto em uma rampa especial em uma plataforma de petróleo quanto em um carro ou barco pequeno.  Custam muito menos do que sistemas fixos ou móveis como Kinjal, Kortik, Tor-M1 ou Páncir-S. Seu preço não é especificado pelos produtores. “O preço é negociado nos contatos com os compradores e depende de muitos fatores, entre os quais o valor da compra, a necessidade de treinamento do pessoal, entrega de peças de reposição, programas de atualização, etc.”, dizem os produtores. Segundo informações disponíveis, um Dgiguit pode custar entre US$ 200 e 250 mil e um Streléts, duas ou três vezes mais.

Os sistemas navais Kinjal e Kórtik com mísseis custam milhões de dólares. Falta saber o que os mexicanos vão preferir. Seu vizinho, os EUA, também pode oferecer sistemas antiaéreos semelhantes e pressionar o país a comprar armas americanas para impedir que um concorrente forte entre no mercado.

Cavaleiros Russos voltam a se exibir em céus internacionais


Depois de um longo intervalo nas suas apresentações no exterior, o grupo russo de alta pilotagem Cavaleiros Russos vai apresentar o seu mais novo programa de acrobacias aéreas no show internacional BIAS-2012, que acontecerá dos dias 19 a 21 na cidade de Manama, no Bahrein.
Segundo um representante do Ministério de Defesa, Coronel Vladimir Drik, os pilotos já estão a caminho do local das competições, acompanhados de uma aeronave de transporte militar Il-76. Durante o show, os pilotos de quatro caças SU-27, sob a direção do Tenente-Coronel Andrei Alekseev, vão demonstrar manobras de alta pilotagem, que sempre foram a sua marca registrada.O grupo de alta pilotagem Cavaleiros Russos, criado em 5 de abril de 1991, é formado pelos melhores representantes das Forças Aéreas Russas, e considerada a única equipe aérea do mundo que consegue executar as acrobacias individuais e em grupo nos caças pesados Su-27, acompanhados de um grupo de quatro, seis e nove aviões militares.
Os Cavaleiros Russos, junto com a equipe Os Gaviões, realizaram a manobra mundialmente famosa Big Diamond (grande diamante), que entrou no Livro Guiness de Recordes.

Prosuper - Licitação de € 3 bi atrai Navantia ao Brasil


O estaleiro Navantia, maior empresa de defesa da Espanha, vê o programa de reaparelhamento da Marinha brasileira como uma grande oportunidade para incrementar seus negócios internacionais na área de construção naval militar, setor que responde por 80% do faturamento do estaleiro, de € 1,6 bilhão por ano.
O objetivo da empresa é aumentar a participação do mercado internacional na receita do grupo, hoje em torno de 47% e com isso amenizar os efeitos da crise econômica que reduziram o orçamento da área de defesa e congelaram os programas.
A empresa quer trazer ao Brasil a experiência bem sucedida de transferência de tecnologia feita com as Marinhas da Venezuela, Austrália, Índia e Noruega, onde o acordo de offset (compensação tecnológica e industrial) com as empresas locais superou em 100% o valor do contrato.
A oportunidade mais concreta neste momento está sendo a concorrência para o fornecimento de onze navios de superfície, conhecido como Programa de Obtenção de Meios de Superfície (Prosuper). Avaliado em cerca de € 3 bilhões, o Prosuper prevê a aquisição de cinco fragatas ou navios de escolta de 6 mil toneladas, cinco navios de patrulha oceânica de 1,8 mil toneladas e um navio de apoio logístico de 12 mil toneladas.
"Queremos usar o Brasil como plataforma de exportação para outros países da América do Sul", disse o principal executivo da Navantia, controlada pelo governo espanhol, Luis Cacho Quesada.O executivo diz que a Navantia não é só construtor de plataformas de navios, mas tem ampla capacidade de integração dos diferentes sistemas que equipam os navios.
"A nossa estratégia com o Brasil vai além da venda dos navios. Queremos estabelecer associações industriais duradouras e passar a experiência da Navantia em gestão de programas complexos", afirmou. O prazo de execução do programa é estimado em 15 anos. A primeira fragata será construída na Espanha para facilitar o processo de transferência de tecnologia aos estaleiros brasileiros desde o início.
A Navantia participa do Prosuper em parceria com a americana Lockheed Martin. Com a transferência de tecnologia, o gerente do Prosuper na Navantia, Ricardo Biarge Zapatero, diz que a Marinha do Brasil será capaz de fazer a manutenção, modificar e implementar melhorias nos navios, o que exigirá participação da indústria local (estaleiros e empresas com tecnologia para trabalhar em sistemas de combate).
Alguns acordos de colaboração, segundo ele, já foram fechados com a Atech, Mectron, Avibras e Omnisys, além de conversas com os estaleiros Odebrecht e Eisa. Em novembro, a Navantia reuniu mais de 80 empresas no Rio de Janeiro, interessadas em ouvir detalhes da oferta para o Prosuper. "Vamos fazer uma nova jornada com essas empresas, em São Paulo", disse Quesada.
Nem mesmo o anúncio de que a inglesa BAE Systems, que também disputa o Prosuper, conseguiu um contrato de fornecimento de três navios de patrulha oceânica para a Marinha do Brasil, desanimou os espanhóis. "Pelo que nós tivemos conhecimento trata-se de uma compra de oportunidade, que atenderá às necessidades mais imediatas da Marinha brasileira. Isso não deve alterar os planos estratégicos em relação ao Prosuper", afirmou o executivo.
Os navios, comprados pela Marinha brasileira, a um custo de 133 milhões de libras esterlinas (R$ 387,2 milhões), foram originalmente construídos para a Guarda Costeira de Trinidad-Tobago, que cancelou a encomenda quando os navios já se encontravam em provas de mar.
O vice-presidente Executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde), Carlos Afonso Pierantoni Gambôa, disse que a compra foi uma oportunidade boa e barata, pois a BAE tinha urgência em vender as embarcações. A fabricante tentava vender os patrulheiros há mais de um ano.
"As empresas locais não gostaram dessa compra porque os navios já estão prontos, mas pelo menos a manutenção deverá ser feita no Brasil e elas poderão, eventualmente, produzir os equipamentos que faltarem", completou. A BAE informou, em comunicado, que o contrato com a Marinha também inclui licença de fabricação, que permite a construção de outros navios da mesma classe no Brasil.
Na nota da BAE Systems, o diretor de Engenharia Naval da Marinha do Brasil, contra-almirante Francisco Deiana, disse que esta aquisição não muda o escopo do Prosuper em relação a compra de outros cinco navios patrulha, a serem construídos no Brasil. Procurada pelo Valor, a Marinha não respondeu, até o fechamento desta edição, a um pedido de informações enviado no dia 19 dezembro.
Para o Prosuper, a Marinha está em negociação com estaleiros projetistas de seis países, além da Espanha: Alemanha (ThyssenKrupp); França (DCNS), que já atua no programa brasileiro dos submarinos; Coreia do Sul (DSME); Holanda (Damen); Reino Unido (BAE); e a Itália (Fincantieri), que chegou a ser considerada como favorita até o final de 2010, mas com a mudança de governo e os cortes no orçamento da Defesa, os rumos do programa mudaram.
A decisão do Prosuper é esperada para este ano, mas a data ainda não foi definida. Neste momento, segundo a Navantia, a Marinha está revisando as propostas enviadas, e a partir daí vai definir os requisitos finais do projeto. "Acredito que até fevereiro devemos concluir nossa oferta definitiva para o programa", comentou Quesada.
A repórter viajou a convite da Navantia.

Prosuper - Plano inclui sistema de combate dos EUA


O sistema de combate Aegis, fabricado pela americana Lockheed Martin, é apontado pelo estaleiro Navantia como um dos pontos fortes da proposta espanhola para as fragatas que estão sendo oferecidas à Marinha do Brasil. Empregado por mais de 100 navios em seis países, o sistema é o mais avançado do mundo em guerra antiaérea. Só na Marinha americana, mais de 80 navios estão equipados com o Aegis, onde já foram investidos mais de US$ 80 bilhões.
A despeito dos comentários em relação às restrições de transferência de tecnologia de sistemas americanos, o representante da Lockheed Martin no Prosuper, Peter Buckley, afirma que o governo dos EUA aprovou a exportação do sistema Aegis para o Brasil. O executivo ressalta que a empresa também já trabalhou em estreita colaboração com a Marinha americana para fornecer o mesmo sistema ao Japão, Espanha, Noruega, Coreia do Sul e Austrália, onde operam sem nenhum problema.
"Em cada um desses casos, as Marinhas receberam os requisitos de transferência de tecnologia exigidos para operar e manter o sistema Aegis e em todos os países esse processo tem sido feito com sucesso", disse. Buckley comenta que a experiência com o sistema Aegis na Espanha é o melhor exemplo da compreensão do nível de transferência de tecnologia desejado pela Marinha do Brasil.
"O nível de transferência de tecnologia para a Espanha é tão maduro que o estaleiro é o contratante principal da oferta ao Prosuper da Marinha do Brasil. E isso envolve não só o fornecimento do casco dos navios, como também dos sistemas mecânicos e elétricos e do sistema de gerenciamento de combate", explicou o executivo. A Navantia é a líder e integradora do sistema de combate dos navios escolta.
A Navantia explica, na proposta feita à Marinha do Brasil, que o sistema de combate das fragatas é desenvolvido pela própria empresa e 100% integrado ao radar SPY-1 da Lockheed, o que simplifica a transferência de tecnologia. A Navantia também pretende repassar às empresas brasileiras o domínio em tecnologia de sistemas de combate, que poderá ser útil na adaptação do sistema brasileiro de controle tático Siconta, atualmente instalado em diversos navios brasileiros.
Caso a oferta da Navantia seja a vencedora do Prosuper, a Lockheed Martin, segundo o Buckley, pretende apoiar a transferência de tecnologia ao Brasil em todas as fases do programa: engenharia de sistemas, projeto, integração, teste de integração de bordo, testes em mar, produção, operações e manutenção.
O executivo da empresa americana comenta ainda que a equipe da Lockheed Martin que está trabalhando com a Navantia no Prosuper é a mesma que recentemente concluiu, com sucesso, a modernização do sistema de combate do Tapajó, submarino da classe Tupi, da Marinha do Brasil.
Em entrevista ao site especializado em temas de defesa, os representantes da Lockheed Martin no Prosuper disseram que existe um imenso mercado potencial para o fornecimento de sobressalentes do sistema Aegis pelas empresas brasileiras que conseguirem atingir um preço competitivo. A companhia informou ainda que, além do Prosuper, está muito interessada em participar dos programas Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras) e SisGAAz (Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul) e que por isso tem a intenção de abrir um escritório no Brasil.

FAB ganha poder de fogo com a revitalização do AMX


O Brasil completa em 2016 o projeto, já iniciado, de construção de uma força de ataque aéreo estratégico baseado na revitalização tecnológica do caça bombardeiro AMX, o A-1 da aeronáutica militar. O programa envolve 43 aeronaves e vai custar cerca de R$ 2 bilhões.
Segundo a Aeronáutica, do total já foram desembolsados R$ 840 milhões. O valor restante será pago entre os exercícios de 2012 e 2017. Depois do procedimento, os caças serão operacionais até o ano 2032.
A Embraer Defesa e Segurança (EDS) e a empresa israelente Elbit estão trabalhando com o primeiro lote de 10 jatos na fábrica da EDS em Gavião Peixoto, a 300 km de São Paulo. O primeiro AMX modernizado será entregue à FAB entre 2013 e 2014; o último, em 2017. Em algum momento nesse período, o Alto Comando decidirá pela extensão da encomenda de forma a abranger toda a frota de 53 unidades. Enquanto isso, os 10 bombardeiros de reserva permanecerão em operação na base de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e no Esquadrão Adelphi, da base de Santa Cruz, no Rio.
O A-1M, como será rebatizado o caça, terá capacidade para atingir, recebendo combustível em voo, qualquer alvo estratégico na América do Sul, no Caribe e em boa parte da África, além de permitir ações de cobertura no Atlântico Sul. De certa forma, os caças-bombardeiros da Força Aérea podem, agora mesmo, cumprir esse tipo de missão.
Em agosto de 2004, dois deles decolaram de Santa Maria, permaneceram cerca de 12 horas no ar, fizeram três reabastecimentos em voo e, depois de um giro de 7 mil quilômetros sem serem detectados, haviam "lançado" todas as bombas contra vários objetivos vitais - centrais de energia, grandes centros de comunicações, instalações militares e complexos industriais. Para essa operação, foi preciso criar sistemas específicos, como um reservatório para as rações alimentares e uma espécie de sanitário químico compacto.
O pequeno jato é subsônico, mas pode voar a 900 km/hora e a 100 metros, talvez menos, de altitude.
A versão modernizada será equipada com um sofisticado radar multimodo SCP-01, desenvolvido pela Mectron, de São José dos Campos, controlada pela Odebrecht Defesa e Tecnologia (ODT), capaz de atuar nos modos ar-ar, ar-terra e ar-mar. Integrado a um computador de missão de combate, pode coordenar o emprego de 3,8 toneladas de armas - bombas inteligentes, mísseis de alcance além do horizonte, foguetes e, em outra vertente, acessórios para reconhecimento eletrônico. Os dois canhões de 30 mm originais serão mantidos.
Dissuasão.O uso estratégico do AMX é um assunto delicado. Falando aos senadores da Comissão de Relações Exteriores e Defesa, pouco antes de deixar o governo, o ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, citou o programa de revitalização e seu "elevado e efetivo poder dissuasório". Para o Comando da Aeronáutica, o poderoso A-1M terá a função de "permanecer pronto para atender às necessidades operacionais da FAB, com excelente raio de ação, sistema de reabastecimento em voo e a qualidade de transportar uma grande diversidade de armamentos". A questão política não entra formalmente nas considerações oficiais do governo.
Compacto e ágil, de asas curtas, o AMX mede 13,5 metros. A envergadura é de 8.87 metros. O peso máximo não passa de 13 mil quilos.
O programa de atualização da tecnologia implica um novo painel, com três telas digitais coloridas - 121 polegadas para exibir informações. O piloto terá todos os dados projetados no capacete - com recursos de visão noturna - e o comando completo do caça num único instrumento, o manche. É possivel que o projeto venha a incluir uma película destinada a confundir radares e sensores de identificação.
O bombardeiro de precisão é resultado de um acordo binacional firmado entre o Brasil e a Itália em 1981. Foram produzidos para as forças dos dois paises aproximadamente 200 unidades. A Embraer assumiu a encomenda da FAB. O batismo de fogo do AMX só aconteceria na Guerra do Kosovo, em 1999. A aviação italiana cumpriu 252 missões de combate sobre a Sérvia, sem perda de nenhuma aeronave. Em 2011, três unidades da base de Trapani, na Sicilia, totalizaram 500 horas de voo na Líbia entre os meses de abril e outubro a serviço da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a OTAN.
No Brasil, em maio de 2011, o AMX serviu ao voo da tenente Carla Alexandre Borges, primeira mulher do País a comandar um jato de combate. Aos 28 anos, a oficial da FAB participa regularmente dos ensaios de bombardeio e apoio à tropa terrestre do Esquadrão Adelphi, no Rio de Janeiro.

Bomba nuclear do Irã pode impedir guerras de Israel, diz general


REUTERS
JERUSALÉM - Um Irã com armas nucleares poderia impedir Israel de ir à guerra contra aliados de Teerã no Líbano e na Faixa de Gaza, disse um general israelense nesta terça-feira, 17.O Estado judaico enxerga os programas de enriquecimento de urânio e de mísseis do Irã como uma ameaça mortal, e vem fazendo lobby entre as grandes potências para revertê-los através de sanções, ao mesmo tempo em que sugere que pode recorrer a ataques militares preventivos.
O general Amir Eshel, chefe do planejamento estratégico das Forças Armadas, repetiu o argumento dos líderes israelenses de que o Irã, que rejeita estar fazendo algo errado e condena a censura internacional sobre seus projetos secretos, poderia criar "uma selva nuclear global" e alimentar a corrida armamentista em um Oriente Médio já volátil.
Eshel deixou claro que Israel - que acredita-se ter o único arsenal atômico da região - teme que Síria e a milícia do Hezbollah do Líbano, assim como os islâmicos palestinos do Hamas que governam Gaza, possam um dia contar com uma bomba iraniana.
"Eles serão mais agressivos. Eles se atreverão a fazer coisas que agora não fazem", disse em um comunicado a jornalistas e diplomatas estrangeiros.
"Portanto, isso vai criar uma mudança dramática na postura estratégica de Israel, porque se formos obrigados a fazer coisas em Gaza ou no Líbano sob a proteção nuclear iraniana, pode ser diferente".
Eshel, que falou no centro de estudos conservador Centro para Questões Públicas de Jerusalém, citou uma autoridade da Índia não identificada que havia descrito o atrito de poder na Ásia com o vizinho rival Paquistão em termos de autocontenção.
"Quando o outro lado tem capacidade nuclear e estamos prontos a usá-la, você pensa duas vezes", disse Eshel. "Você se contem mais porque não quer entrar nesse jogo".

Arquivo do blog segurança nacional