quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Equipe da AIEA visitará instalações do Irã no dia 28, dizem fontes


Agência Estado
VIENA - Uma equipe de especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), braço das Nações Unidas que monitora o uso da energia nuclear, visitará Teerã em 28 de janeiro, após diplomatas iranianos terem dito que o país está pronto a discutir as acusações de que trabalhou secretamente durante anos em uma vertente bélica no seu programa nuclear, disseram diplomatas nesta quinta-feira, 12.Durante mais de três anos, o Irã bloqueou as tentativas da AIEA de verificar as acusações levantadas pelas agências de inteligência dos Estados Unidos e de outros países de que o programa nuclear iraniano teria uma vertente bélica.
O Irã continua a negar que seu programa nuclear tenha uma vertente militar e deverá manter essa posição durante a visita dos inspetores da AIEA a Teerã. Mas a decisão de começar a discutir as acusações representa um avanço frente à posição anterior, que era não falar sobre elas.
Dois diplomatas disseram à Associated Press em Viena, onde fica a sede da AIEA, que o Irã está pronto a discutir as acusações. Eles falaram sob anonimato. O delegado do Irã na AIEA, Ali Ashgar Soltanieh, não quis comentar o teor das discussões que acontecerão em Teerã.
Também nesta quinta-feira, o líder do Parlamento do Irã, Ali Larijani, disse que o Irã está pronto a retomar negociações "sérias" a respeito do seu programa nuclear. Ele deu as declarações em visita à Turquia. Em comentários reproduzidos pela agência iraniana Irna, Larijani disse: "As negociações podem render resultados se elas forem sérias e não apenas um jogo". As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Rússia prevê que destroços de sonda cairão até segunda-feira


A Rússia previu na quinta-feira (12) que os destroços de uma sonda que deveria ter viajado a Marte cairão na Terra no domingo ou na segunda-feira, mas acrescentou que é impossível apontar com exatidão o local da queda
A sonda de 165 milhões de dólares, que deveria recolher poeira de Phobos, uma lua de Marte, teve um problema após o lançamento, em novembro, e virou lixo espacial na órbita terrestre.
A Roskosmos, agência espacial russa, disse na quinta-feira que o empuxo atmosférico e a atividade solar ainda podem alterar a trajetória da sonda Phobos-Grunt. Um mapa divulgado pela agência mostra uma ampla faixa do globo onde o material pode cair, entre as latitudes 51,4 norte e sul (o que inclui, por exemplo, de Londres ao sul da Argentina). Mas o mapa destaca um ponto na costa de Madagascar, no Índico, como sendo o ponto central"A janela prevista para a queda dos destroços da Phobos-Grunt na Terra é entre 15 e 16 de janeiro."
O fracasso da missão Phobos-Grunt é um dos vários tropeços que marcam o cinquentenário do primeiro voo tripulado ao espaço, feito pelo soviético Yuri Gagárin.
O chefe da Roskosmos, Vladimir Popovkin, insinuou em entrevista publicada na terça-feira pelo jornal Izvestia que a missão foi sabotada por estrangeiros ao passar fora do alcance dos radares russos.
"Não está claro por que falhas frequentes das nossas naves ocorrem quando elas estão voando no que para a Rússia é o lado oculto da Terra. Não quero culpar ninguém, mas há meios muito poderosos de interferir com naves espaciais hoje em dia, cujo uso não pode ser descartado."
Popovkin não entrou em detalhes, e sua porta-voz recusou na quarta-feira a prestar esclarecimentos.
Não está claro quanto da enorme Phobos-Grunt poderá sobreviver ao calor intenso do mergulho na atmosfera. A sonda leva uma carga de combustível tóxico, que especialistas preveem que será queimada antes da queda, e um pequeno volume de cobalto-57, um isótopo radiativo.

Ahmadinejad reúne-se com Correa ao fim do giro pela América Latina


Segundo o jornal equatoriano La Hora, Ahmadinejad se referiu a Correa como "irmão e amigo" e disse que foi a Quito para levar uma "mensagem de amor, de carinho, de amizade e de solidariedade".
"Graças a Deus todo poderoso que me permitiu outra vez ter a oportunidade de estar entre amigos muito solidários em um país muito amistoso. E me encontrar com meu solidário irmão e amigo, o presidente Rafael Correa."Correa assegurou que o Irã poderá "contar com esse país irmão para todos os esforços pela paz, com o desenvolvimento, com a união de toda a humanidade, sem patrões, sem donos do mundo, em uma sociedade humana, buscando o progresso, a justiça, pela paz, pela soberania, pela união dos povos sempre, benvindo ao Equador".
Ao chegarem ao palácio presidencial de Carondelet, Correa e Ahmadinejad deram um abraço. Dezenas de pessoas reunidas em frente ao prédio os aclamaram.
O presidente iraniano chegou por volta de 12h do horário local (15h em Brasília) à base aérea de Guayanquil, onde o recebeu o chanceler equatoriano, Rafael Patiño. De Guayanquil, Ahmadinejad viajou para Quinto em um avião da Força Aérea equatoriana.
Os dois presidentes tiveram uma reunião privativa durante a tarde. Ahmadinejad, que faz sua segunda visita ao Equador - a primeira ocorreu em 15 de janeiro de 2007, durante a posse de Correa -, também deve encontrar o presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Cordero.
O presidente iraniano voltará a Teerã na sexta-feira de manhça, segundo chancelaria equatoriana.
O giro de Ahmadinejad ocorre em meio a uma crescente tensão entre o Irã e os países ocidentais, que criticam o desenvolvimento do programa nuclear do país, sob a suspeita que tem fins militares, o que Teerã nega. A crise nas relações piorou quando a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgou um relatório no qual afirma que Teerã trabalha para obter armas nucleares.
Irã e o Equador são parceiros na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), e, nos últimos dias, o governo de Correa defendey o direito do país persa de desenvolver energia nuclear com fins pacíficos.
"O Irã não lançou nenhuma bomba atômica ... Nós temos relações com países que lançaram bombas atômicas, mataram centenas de milhares de seres humanos, que invadiram outros países, deixando mais um milhçao de mortos; com países que foram colonizadores e brutais da África e da própria América Latina", disse Correa essa semana.
O presidente iraniano começou sua visita na América Latina em Caracas, onde se reuniu com Hugo Chávez, um de seus principais aliados na América Latina, com quem brindou sua solidariedade e apoiou seu direito ao uso da energia nuclear civil.
Foto: Reuters
Mahmoud Ahmadinejad acena à população de seu carro antes de chegar ao palácio presidencial em Quito
Na terça-feira, assistiu em Managua, na Nicarágua, a cerimônia de posse do terceiro mandato de Daniel Ortega, que também assegurou que "os países têm direito a desenvolver energia atômica".
Em Cuba, onde recebeu uma honra militar e deu uma conferência na Universidade de Havana, Ahmadinejad ratificou com o presidente Raúl Castro "o direito de todos os Estados ao uso pacífico da energia nuclear", segundo comunicado oficial.
Com AFP

Para Tejas, a espera continua


10 de janeiro de 2011, era suposto ser um grande dia para o Combate Light Aircraft (LCA) programa de Tejas, uma vez que foi neste dia que o desenvolvimento de aeronaves sob a mais de duas décadas, era conseguir o apuramento operacional inicial (IOC) , sinalizando que ele cruzou o primeiro obstáculo para se juntar Força Aérea Indiana (IAF).
No entanto, naquele dia, a aeronave foi dada autorização apenas parcial (IOC-1) por não cumprir a exigência da IAF. Um ano depois, é preso com a tag COI-1.
Agora, para entrar no IAF, a aeronave terá que primeiro conseguir outro COI, que será seguido por rigorosos testes de vôo por pilotos da IAF. Ele também terá de arremesso para a Remoção Operacional Final (FOC), informando que é esquadrão pronto.
Mais uma vez, para chegar perto de ser esquadrão pronto, as agências envolvidas no desenvolvimento da aeronave terá que entregar duas versões do LCA série limitada de produção-LSP-7 e 8 a Sistemas de Aeronaves e Estabelecimento Testing (ASTE), o vôo da IAF testes instituto.
No entanto, os dois aviões-LSP-7 e 8 estão ainda a levar para o céu. Eles estavam programados para serem testados no ano passado e lançado para o ASTE até agora para os ensaios de usuário e por ser certificado como esquadrão ajuste.
Ministério das fontes de defesa disse DNA que LSP-7 iria levar para o céu em algumas semanas, após o que seria liberado para ASTE para o transporte de ensaios do usuário.
Durante os ensaios do usuário, o "ângulo de ataque" seria aumentado dos atuais 20 ° -22 ° a 26 ° -28 ° graus e gravitação (G) limite seria ressuscitado dentre os presentes para 6GS 8GS.
Fontes disseram que se a aeronave são realizados ensaios para usuário de acordo com cronograma, FOC pode ser obtida em dois anos.

Ex-integrante do Mossad sugere envolvimento de Israel em atentado no Irã


estadão.com.br
SÃO PAULO - Ilan Mizrahi, ex-diretor do Conselho Nacional de Segurança de Israel e ex-subdiretor do Mossad, sugeriu que os serviços secretos de Israel podem estar implicados no atentado que matou o cientista iraniano Mustafa Ahmadi Roshan na última quarta-feira, 11. As declarações foram feitas ao jornal espanhol El País Mizrahi afirmou ao jornal espanhol que o assassinato do cientista faz parte de uma 'guerra secreta em que ninguém atua sozinho' e sugeriu o envolvimento de diferentes países e grupos opositores iranianos. Ele caracterizou 'guerra secreta' como 'algo intermediário entre a guerra e a diplomacia, que pode desembocar em guerra aberta'.
O ex-diretor declarou ao jornal espanhol que a 'guerra secreta' entre Irã e países como Israel, Estados Unidos e Arábia Saudita ocorre desde a revolução de 1979 e que alguns dos acontecimentos relacionados ao conflito seguem ocultos.
Para ele, a disputa pela supremacia regional é uma das principais razões que motivam os conflitos e coloca Irã, Síria, os xiitas do Iraque e o Hezbollah no Líbano em oposição com Israel, Arábia Saudita e as monarquias petroleiras (apoiadas pelos EUA). Na entrevista, Mizrahi declarou que a Turquia deve entrar em conflito com o Irã em breve, como parte das disputas pela hegemonia no Oriente Médio. Mizrahi disse, ainda, que o programa nuclear iraniano visa permitir que o país recupere terreno perdido para seus rivais.
O ex-diretor fez as declarações para um grupo de jornalistas reunidos em um hotel em Jerusalém.
Na quarta-feira, 11, um blog publicado pelo jornal francês Le Figaro, um dos mais importantes do país, assegurou que o Mossad recruta e treina dissidentes iranianos da região curda do Iraque para atuar contra o regime de Teerã.
 

Odebrecht cresce no exterior com seu maior contrato nos Emirados Árabes


A gigante brasileira Odebrecht fechou com a companhia de saneamento de Abu Dhabi seu maior contrato individual para uma obra nos Emirados Árabes Unidos, onde mantém uma operação há oito anos. O contrato, de US$ 362 milhões, prevê que a companhia fique responsável por parte de um novo projeto de saneamento que atenderá cerca de 15 milhões de consumidores e será construído a até 100 metros de profundidade.
Antes de conseguir o contrato de saneamento, que foi assinado nos últimos dias de 2011, a maior obra já feita pela empresa brasileira no emirado havia sido a construção da segunda pista do aeroporto internacional de Abu Dhabi, realizada em parceria com empreiteiras estrangeiras, e que rendeu US$ 285 milhões à companhia.
De acordo com Paulo Suffredini, diretor da Odebrecht nos Emirados Árabes Unidos, a estação de bombeamento de esgoto - parte final da obra, que ficará a cargo da empresa brasileira - ficará a 100 metros de profundidade e terá 50 metros de largura. A estação será construída no fim de um túnel de 44 metros de extensão, projetado em declive, começando a 20 metros de profundidade e terminando a 100 metros. "O túnel será construído dessa forma para que a própria gravidade se encarregue do transporte dos dejetos", explica o executivo.
Retomada. Suffredini diz que a parte da obra que será construída pela Odebrecht representa um quarto do investimento total do novo projeto de saneamento de Abu Dhabi, que terá custo de aproximadamente US$ 1,4 bilhão. O executivo afirma que o projeto, que tem prazo de três anos para ficar pronto, marca uma retomada da atividade depois de um período de calmaria para o escritório da Odebrecht nos Emirados Árabes Unidos - esse é o único contrato em andamento na região atualmente. "Acho que a crise do ano passado fechou oportunidades no mundo inteiro", diz o executivo. "Acho que o Brasil foi uma das poucas exceções."
À medida que a empresa se prepara para dar o pontapé inicial nas obras - o contrato prevê que a construção do projeto de saneamento deve ser iniciada antes do fim de março -, a pequena operação da Odebrecht nos Emirados Árabes Unidos começa a ganhar corpo, angariando novos funcionários. "Estamos contratando gente todos os dias", afirma Suffredini. Hoje, a empresa contabiliza 35 funcionários em Abu Dhabi, sendo oito brasileiros. "Há muitos portugueses, além de filipinos e de trabalhadores locais. A grande maioria é de profissionais de nível superior."
O executivo, que trabalha nos Emirados Árabes Unidos há quatro anos, prepara-se agora para a fase de contratações do pessoal para o canteiro de obras. Segundo ele, serão entre 600 e 700 trabalhadores no auge do projeto, sendo que entre 400 e 500 pessoas deverão trabalhar diretamente para a Odebrecht. O restante ficará sob responsabilidade da subempreiteira local contratada para ajudar nas obras. Os oito equipamentos que vão compor a primeira fase da estação de bombeamento serão fornecidos por uma empresa japonesa especializada em saneamento.
A Odebrecht espera que a complexidade da obra atraia outras oportunidades dentro do setor de saneamento. Entre as possibilidades que já entraram no radar da companhia estão as obras de infraestrutura no Catar, país que abrigará a Copa do Mundo de 2022. Suffredini diz que a preparação para o evento deve começar em 2013 ou 2014, e o escritório dos Emirados Árabes Unidos deverá concorrer para realizar esses projetos. "Há comentários de que o Catar pretende fazer algo similar ao projeto de Abu Dhabi em saneamento básico", diz o executivo.

Descobertos novos planetas que orbitam ao redor de 2 sóis



Efe
Uma equipe de astrônomos encontrou dois novos planetas que orbitam ao redor de dois sóis, um fenômeno que foi observado pela primeira vez na história em setembro do ano passado e que consolida a suspeita de que existem milhões deles na galáxia.A Universidade da Flórida anunciou nesta última quarta-feira, 11, a descoberta, da qual participaram alguns de seus astrônomos e que foi possível graças à análise dos dados obtidos pela missão Kepler, da Nasa.
Os cientistas batizaram os planetas de Kepler-34b e Kepler-35b. Ambos orbitam ao redor de uma "estrela binária", um sistema estelar composto de duas estrelas que orbitam mutuamente ao redor de um centro de massas comum.
"Embora a existência destes corpos, chamados de planetas circumbinários, tenha sido prevista há muito tempo, era só uma teoria, até que a equipe descobriu o Kepler-16b em setembro de 2011", explicou a instituição em comunicado.
Kepler-16b foi batizado então como "Tatooine", em referência ao desértico planeta dos filmes "Guerras nas Estrelas", que tinha a peculiaridade de contar com dois sóis.
"Durante muito tempo tínhamos achado que esta classe de planetas era possível, mas foi muito difícil de detectar por diversas razões técnicas", explicou o professor associado de Astronomia da Universidade da Flórida, Eric Ford.
Ford acrescentou que a descoberta de Kepler-34b e Kepler-35b, que será publicada nesta quinta-feira na edição digital da revista "Nature", somado à de Kepler-16b em setembro, "demonstra que na galáxia há milhões de planetas orbitando duas estrelas".
Acredita-se que os dois planetas recém-descobertos são formados fundamentalmente por hidrogênio e que são quentes demais para abrigar vida. São dois gigantes de gás de muito pouca densidade, comparáveis em tamanho a Júpiter, mas com muito menos massa.
Kepler-34b é 24% menor que Júpiter, mas tem 78% menos massa, e pode completar uma órbita em 288 dias terrestres. Já Kepler-35b é 26% menor, tem uma massa 88% inferior e demora apenas 131 dias para dar uma volta completa em seus dois sóis.
"Os planetas circumbinários podem ter climas muito complexos durante cada ano alienígena, já que a distância entre o planeta e cada estrela muda significativamente durante cada período orbital", explicou Ford.
A missão Kepler, que começou em março de 2009, utiliza um telescópio para observar uma pequena porção da Via Láctea. Os astrônomos analisam os dados procedentes do telescópio e buscam aqueles que mostram um escurecimento periódico que indique que um planeta cruza a frente de sua estrela anfitriã.
O objetivo da missão é encontrar planetas do tamanho da Terra na zona habitável das órbitas das estrelas (onde um planeta pode ter água líquida em sua superfície).
"A maioria das estrelas similares ao Sol na galáxia não está sozinha, como o sol da Terra, mas tem um 'parceiro de dança' e forma um sistema binário", explicou a Universidade da Flórida.
De fato, a missão Kepler já identificou 2.165 estrelas binárias eclipsantes (que tapam uma a outra desde a perspectiva do telescópio) entre as mais de 160 mil estrelas observadas até o momento.

Brasil mantém fechados portos às Malvinas


LISANDRA PARAGUASSU / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo
O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, garantiu ontem ao chanceler argentino Héctor Timerman que o Brasil manterá a decisão recente de não aceitar em seus portos de navios com a bandeira das Ilhas Falklands, Malvinas para a Argentina. O acordo foi feito na última reunião do Mercosul, em Montevidéu, entre Argentina, Brasil, Uruguai e Chile.
O chanceler britânico, William Hague, depois de uma visita ao Uruguai, disse ao Parlamento britânico que ouviu do governo uruguaio que navios com a bandeira vermelha que representa os territórios além-mar do Grã-Bretanha, ou "outras bandeiras nacionais", seriam aceitas pelos países sul-americanos. Para os argentinos, a declaração soou como uma provocação, já que outras bandeiras poderiam incluir a das Falklands. Patriota confirmou rapidamente a Timerman a posição brasileira. Chile e Uruguai também se manifestara da mesma forma.

Guerra contra o Irã? Consultem os livros de história


O Estado de S.Paulo
Análise: Walter Rodgers / C.S. Monitor
É uma verdade universalmente aceita que guerras nem sempre terminam da maneira como os que as lançaram esperavam. Os líderes de Israel e dos EUA precisam urgentemente considerar essa realidade histórica em seus planos sobre se arriscar a uma guerra motivada pela suspeita sobre o programa de armas nucleares do Irã. E o Irã precisa recuar de uma reação exagerada a sanções que poderá perfeitamente provocar um conflito militar. Os tambores de guerra estão soando mais fortemente. O Irã ameaça bloquear o Estreito de Ormuz, motivado pelo aumento das sanções. Ele sentenciou um ex-marine americano à morte por suposta espionagem e aumentou o nível de enriquecimento de urânio em um bunker subterrâneo.
Candidatos republicanos como Newt Gingrich e Rick Santorum defendem mudança do regime iraniano e ataques militares. E o governo de Barack Obama e Israel deixam todas as opções na mesa, enquanto aumentam as atividades secretas e prometem barrar um Irã nuclear.
Os exemplos de erros de cálculo militares são numerosos. Hitler tinha tanta certeza de que os nazistas tomariam Leningrado que mandou imprimir convites para um banquete da vitória em um hotel da cidade. Não custa lembrar, também, a prometida luz no fim do túnel para a vitória americana no Vietnã. E considerem o choque dos soviéticos ao verem seu país desmoronar três anos após terem saído do Afeganistão - uma humilhação dispendiosa que contribuiu para o desmantelamento da União Soviética.
As oportunidades para um erro de cálculo num conflito iraniano são numerosas, incluindo o risco de que EUA ou Israel possam não conseguir eliminar um programa nuclear por ele estar bem protegido. Sabotagem, guerra cibernética e conflito militar poderiam facilmente espalhar-se do Irã para a região e instalações americanas e israelenses em todo o mundo.
Os estrategistas iranianos precisam rever as políticas. Eles têm de advertir seus conselhos no poder que já existe um grupo que defende a guerra com o Irã nos meios políticos conservadores dos EUA. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK E TEREZINHA MARTINO

Irã está "a um ano" de ter material para bomba, diz ex-inspetor


Ao transferir a produção de urânio altamente enriquecido para uma nova instalação subterrânea, o Irã está agora a apenas um ano de ter material suficiente para uma bomba nuclear, disse um ex-chefe das inspeções nucleares da ONU.
Olli Heinonen escreveu, em artigo publicado nesta quinta-feira, que ter um estoque de cerca de 250 quilos de urânio enriquecido a 20 por cento - uma forma que em poucas semanas pode ser purificada para o grau de armas, de 90 por cento - não significava, no entanto, que o Irã possa fabricar uma bomba sem mais trabalho de engenharia.
O finlandês Heinonen foi vice-diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) até 2010 e agora está na Universidade de Harvard. Ele fez a previsão dias depois de o Irã ter confirmado o início do enriquecimento de urânio a 20 por cento dentro da montanha Fordow, alimentando os temores do Ocidente de que Teerã está buscando armas atômicas.
Estimativas sobre quando o Irã poderá desenvolver tais armas são importantes, já que podem determinar o prazo que as potências terão para resolver o impasse nuclear de forma pacífica. Teerã diz que seu programa nuclear é pacífico.
O Irã diz que precisa refinar urânio ao nível de 20 por cento de puridade físsil, comparado com os 3,5 por cento normalmente usados para abastecer as usinas de energia nuclear, para um reator de pesquisas médicas em Teerã que produz isótopos para doentes com câncer.
Mas diplomatas ocidentais e especialistas questionam a credibilidade dessa justificativa e observam que adquirir a capacidade de produzir urânio a 20 por cento é um passo mais perto dos 90 por cento necessários para fazer material para armas.
"Se o Irã decidir produzir urânio no grau das armas, a partir do urânio enriquecido a 20 por cento, já terá realizado 90 por cento do esforço de enriquecimento necessário", escreveu Heinonen em um artigo para a revista Foreign Policy.
"O que resta fazer é abastecer o urânio a 20 por cento através de cascatas existentes e adicionais para chegar ao enriquecimento no grau de armas... esse passo é mais rápido do que os anteriores".
Até agora o Irã produziu urânio a 20 por cento em outra instalação na superfície, mas anunciou no ano passado que iria transferir essa atividade de alto grau para um local subterrâneo em Fordow, oferecendo melhor proteção contra ataques aéreos inimigos.
Reuters

Iranianos revoltados pedem ação após morte de cientista


O assassinato de um cientista nuclear iraniano em um atentado com carro-bomba na quarta-feira provocou uma onda de revolta em Teerã contra Israel, o principal suspeito, e contra os Estados Unidos, que afirmaram não ter nenhuma ligação com o atentado. Alguns jornais da linha dura chegaram a pedir represálias.
"Sob a lei internacional é legal executar represálias com o assassinato do cientista nuclear", afirma o jornal Keyhan em um editorial.
"A República Islâmica conquistou muita experiência em 32 anos. Portanto é possível assassinar autoridades e militares israelenses", completa o texto.
A reação do governo iraniano também foi de irritação, mas com mais prudência. Em uma carta na qual pede uma enérgica condenação do Conselho de Segurança da ONU, o governo afirma ter provas de que "interesses estrangeiros" estavam por trás da morte do cientista Mostafa Ahmadi Roshan, 32 anos.
O subdiretor da central de enriquecimento de urânio de Natanz morreu quando dois homens, em uma motocicleta, pararam ao lado do automóvel do cientista, retido em um engarrafamento em Teerã, e colocaram uma bomba magnética na porta, que provocou uma forte explosão.
A explosão também matou o motorista e o segurança de Ahmadi Roshan, enquanto um terceiro ocupante do carro, um modelo Peugeot 405, ficou ferido.
O ataque foi similar a outros quatro que aconteceram em Teerã nos últimos dois anos.
Três cientistas, incluindo dois que também trabalhavam no polêmico programa nuclear iraniano, morreram, enquanto outro - que agora dirige a Agência de Energia Atômica do Irã - escapou por pouco tempo de um atentado.
O assassinato de quarta-feira domina o noticiário iraniano. Muitos criticaram o que chamaram de silêncio do Ocidente sobre as mortes. Os jornais mais radicais pedem, inclusive, uma ação secreta contra Israel.
AFP

Arquivo do blog segurança nacional