Wikipedia

Resultados da pesquisa

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Hillary: ameaça do Irã sobre Ormuz é perigosa e provocativa


REUTERS
A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, afirmou nesta quarta-feira que as ameaças do Irã de fechar o Estreito de Ormuz são provocativas e perigosas.
"A retórica provocativa do Irã na última semana é bastante preocupante", disse Hillary a jornalistas ao lado do chanceler do Catar.
"Isso fez com que nós e muitos de nossos parceiros da região ao redor do mundo expressassem ao Irã a natureza provocativa e perigosa das ameaças de fechar o Estreito de Ormuz."
Autoridades iranianas ameaçaram recentemente bloquear o Estreito de Ormuz se novas sanções das potências ocidentais prejudicarem as exportações de petróleo de Teerã, e disseram que agiriam se os Estados Unidos enviassem um porta-aviões para a área.
Os EUA, que mantêm na região uma frota naval grande e muito mais poderosa do que as forças marítimas iranianas, dizem que vão garantir que as águas internacionais do estreito permaneçam abertas.
O estreito é uma rota fundamental do comércio mundial de petróleo e o único canal de acesso a oito Estados do Golfo Pérsico aliados dos Estados Unidos.
(Reportagem de Andrew Quinn) 

Suspeita de sabotagem ronda programa nuclear do Irã


LONDRES - O assassinato nesta quarta-feira, 11, de mais um cientista nuclear iraniano pode levar o Irã a promover retaliações. A morte, em Teerã, de Mostafa Ahmadi-Roshan foi o quarto ataque do gênero a cientistas locais em apenas dois anos.As mortes ocorreram simultaneamente a um sofisticado programa de sabotagem cibernética e a duas misteriosas explosões em bases militares iranianas - uma delas, em novembro, matou o general considerado o "patrono" do programa de mísseis balísticos do país.
Ninguém assumiu responsabilidade por estes ataques, mas o Irã responsabiliza seus inimigos de longa data, Israel e, por vezes, os EUA.
Quem quer que seja o responsável, o Irã está claramente sendo alvo de uma campanha não declarada de ataques contra seu programa nuclear, que, segundo Israel e o Ocidente, serve de fachada para a obtenção de uma bomba.
Similaridade
Ahmadi-Roshan foi morto por uma bomba magnética, acoplada a seu carro por dois homens em uma moto. Ele era professor universitário e supervisor-chefe na usina de enriquecimento de urânio de Natanz. O responsável claramente sabia sua rota, seu carro e seus horários.
O artefato, pequeno e profissional, foi projetado para matar sua vítima, mas causar apenas danos limitados em seu entorno. A similaridade com outra bomba, usada em novembro de 2010 para matar o cientista nuclear Majid Shahriari, é notável.
Uma moto com uma bomba matou um professor de física no começo daquele ano e outro artefato por pouco não causou a morte do homem cotado para chefiar a agência nuclear iraniana.
Em um país tão pouco transparente como o Irã é difícil saber quanta diferença, se é que há alguma, sua morte significará para o programa nuclear, que muitos analistas ocidentais dizem já ter transposto muitos dos obstáculos para a construção de uma bomba.
Efeito
"É possível que (o assassinato) tenha impacto em retardar o programa", diz Mark Fitzpatrick, especialista em proliferação nuclear do Instituto Internacional para Estudos Estratégicos (IISS na sigla em inglês) de Londres.
"Existem algumas poucas áreas técnicas fundamentais que o Irã ainda não domina, portanto uma estratégia de decapitação é uma medida eficiente para retardar o processo. Mas pode ser que o Irã esteja já além deste ponto." Então quem estaria por trás desta campanha não declarada?
Ninguém assume publicamente, mas Israel não faz segredo de que aprecia qualquer retardamento no programa nuclear iraniano, que teme que se torne em breve uma ameaça para sua existência.
No passado, membros de seu governo já negaram participação em tais ataques ou se recusaram a comentá-los. Mas acredita-se que sua agência de inteligência no exterior, o Mossad, tenha uma das melhores redes de informantes do Oriente Médio.
Em 2011 um iraniano confessou ter sido recrutado pelo Mossad para assassinar um cientista, embora confissões forçadas sejam comuns no Irã.
Vírus
Acredita-se que o vírus de computador Stuxnet, introduzido no programa nuclear iraniano em 2009 e que prejudicou momentaneamente suas centrífugas, seja obra de especialistas israelenses, americanos e, possivelmente, britânicos.
Até agora o Irã não respondeu a estes ataques, a não ser condenando-os publicamente e prometendo seguir com seu programa nuclear.
Mas este último assassinato pode se provar a gota d'água, levando a poderosa agência de inteligência iraniana Etilaat e a Guarda Revolucionária a realizar ataques no exterior.
Se eles desejarem retaliar os EUA, têm agentes suficientes no Iraque e no Afeganistão para tornar a vida difícil para americanos lá.
Ataques contra cientistas nucleares israelenses podem ser mais difíceis. Acredita-se que eles sejam cuidadosamente protegidos e o serviço secreto israelense está preparado para algum tipo de reação.
Richard Dalton, embaixador britânico para o Irã de 2002 a 2006 e agora consultor do instituto britânico de pesquisa Chatham House, acredita que a campanha não declarada contra os cientistas nucleares iranianos esteja agora entrando em uma fase perigosa.
"O próximo passo é o Irã responder à altura", diz ele. "Se um Estado está por trás disto, então é terrorismo estatal e pede resposta. Parece que acontecerá uma reação que vai gerar um possível confronto."
BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Matt Gurney: Os alarmistas alterações climáticas têm de obter o seu próprio símbolo do Juízo Final


Boletim de Cientistas Atômicos atualizou o Relógio do Juízo Final icônica. Estamos agora cinco minutos figurativa do fim do mundo.
Esta é uma piora da situação mundial desde 2010, quando havia uma relativamente confortável seis minutos da aniquilação, e marca um retorno ao mesmo nível de perigo enfrentado pelo mundo em 2007. Na verdade, é uma admissão pelo Boletim que seu otimismo nos anos finais da década duplo-oh foi mal colocada. Na eleição para mover o relógio para a frente por um minuto, o Boletim observou, "Os desenvolvimentos provisória de dois anos atrás [quando o relógio foi transferido para seis minutos para meia-noite] não têm sido sustentados, e faz sentido para mover o relógio mais perto da meia-noite, de volta para o valor que tinha em 2007. Confrontados com perigos claros e presentes da proliferação nuclear e alterações climáticas, ea necessidade de encontrar fontes seguras e sustentáveis ​​de energia, mundo leva [sic] não estão a conseguir mudar business as usual ".
Há alguns problemas com isso. Para começar: Se é "business as usual", por que mudar o relógio? Business as usual sugere o relógio está perfeitamente localizado, a menos que oBoletim sente que deixou a bola cair em 2010. Mais ao ponto, embora - talvez a mudança climática ea guerra nuclear são algo que devemos tratar de forma diferente?Se o Boletim de Cientistas Atômicos quer muse sobre o perigo representado pelas mudanças climáticas, tudo bem. Mas escolher um símbolo diferente. Não é mesmo difícil de descobrir. Olá, cientistas atômicos? Um termômetro , talvez?
Guerra nuclear ea mudança climática são quase tão diferentes como você pode imaginar (Muita gente nem sequer aceito pelo homem a mudança climática é um problema, mas para o bem do argumento, vamos supor que é real, e tão ruim quanto os alarmistas dizem que é). A guerra nuclear seria um ato deliberado que renderia instantâneas, resultados mensuráveis. Se grande o suficiente, poderia essencialmente parar a civilização humana em suas trilhas, redefinindo-nos tecnologicamente por centenas de anos e socialmente, talvez milhares. Seria possível direcionar o progresso de uma guerra nuclear, mesmo para ganhar um - seria igualmente possível perder o controle de tal conflito e perdê-lo, mas pelo menos seria um evento planejado, com um aumento gradual, o comando humano -e-controle ea possibilidade de um lado na guerra decidir render-se. Pode até ser, em teoria, uma rede-positivos coisa (embora destrutivo), se um ataque preventivo com armas nucleares ou impediu a pior guerra, ou levados um a um fim precoce.
Man-made mudanças climáticas, em contraste, supondo que ele toma a forma que nos é apresentado por Al Gore e similares, é um subproduto não intencional de outra forma produtiva a atividade humana e do sucesso. Não pode ser simplesmente evitado, como ao contrário de uma troca de mísseis, é o status quo normal, pelo menos para a Era Industrial. Não seria súbita, com efeitos bem definidos, mas insidiosa e lenta. Não haveria um dia em que nós todos juntos, "Ooh, a Terra já se aqueceu." Seria um processo, não um evento. E, a fim de parar o processo, você também precisa parar um monte de coisas de outra maneira boa. IE: A economia.
E, ao contrário de uma guerra nuclear, é difícil definir quando a mudança climática iria começar. A idéia inteira do Relógio do Juízo Final é que é suposto dizer o quão perto estamos de nuking uns dos outros - pelo menos essa era a idéia entre o seu início em 1947 e 2007, quando começou incluindo as alterações climáticas como parte da avaliação da ameaça. É duro o suficiente conseguir que as pessoas concordam que a mudança climática está acontecendo. Talvez seja - é certamente plausível que a atividade humana está alterando a composição da atmosfera da Terra, de tal forma a armadilha mais radiação térmica do que acontecia anteriormente. Mas se isso está de fato acontecendo, eu adoraria que alguém no Boletim de Cientistas Atômicos para explicar o que constitui "a meia-noite" para a mudança climática, ao contrário de 15-minutos-a, ou de três minutos-a, e assim por diante e assim por diante. Não podemos quantificar o que não podemos nem mesmo concordam com certeza está acontecendo, ou o que está acontecendo, se alguma coisa é, eo que acontecerá quando, ou o que significa.
Com armas nucleares, à meia-noite é boa. É gritante. Ele tem ressonância. Com a mudança climática, não faz muito sentido. Símbolos precisam ser incisivas para o trabalho. Este é apenas confuso.
E, para ser brutal sobre ele, mesmo se o pior possibilidades das mudanças climáticas eram a ocorrer, ela nunca parece tão devastador como uma cidade ardente, ou toda uma nação ou continente ou região deixada em ruínas radioativas. Seria terrível para muitas pessoas, e os eventos climáticos e secas seria terrivelmente destrutivo, mas temos visto essas coisas antes, e sobreviveu a eles.
Guerra nuclear ea mudança climática são as duas coisas vale a pena falar. Ao misturar-los juntos na mesma Relógio do Juízo Final, o Boletim de Cientistas Atômicos são desnecessariamente confuso duas questões separadas. As alterações climáticas podem, eventualmente, representar um perigo grave para a humanidade, mas a guerra nuclear apresenta uma verificada perigo, quantificáveis ​​agora - basta perguntar Israel e Irã, Paquistão ou a Índia, ou a Coreia do Norte e qualquer pessoa a sua angelical criança-líder decide está fora para começá-lo hoje .
O Relógio do Juízo Final deu um bom serviço por 60 anos como um símbolo da humanidade recusa a aceitar que com o objetivo de milhares de bombas de hidrogênio para o outro foi, se deu um pouco de pensamento, uma má idéia. Ele deverá ser devolvido a esse papel. Arrastando na controvérsia a mudança climática não realiza nada, e certamente não vai ajudar a manter o planeta fresco.
National Post 

China defende comércio com Irã apesar da pressão dos EUA


LUCY HORNBY - REUTERS
A China não deu nenhuma indicação nesta quarta-feira de ceder ao pedido dos Estados Unidos de corte dos rendimentos do Irã com petróleo e rejeitou como excessivas as sanções norte-americanas, mesmo com a presença do secretário do Tesouro, Timothy Geithner, em Pequim, para pleitear o apoio chinês.
Geithner se reuniu nesta quarta-feira com o primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, e na semana que vem fará uma visita à Arábia Saudita, maior exportador mundial de petróleo, cuja oferta será crucial para que a China possa deixar de comprar o produto do Irã.
Os EUA impuseram em 31 de dezembro sanções a instituições financeiras que tenham negócios com o Banco Central iraniano, por onde tramitam pagamentos de exportações petrolíferas. As medidas decorrem da desconfiança norte-americana de que o Irã estaria tentando desenvolver armas nucleares - o que o governo iraniano nega.
"Quanto ao crescimento econômico, estabilidade financeira no mundo, não-proliferação nuclear, nós temos o que consideramos ser um relacionamento muito forte e cooperativo com seu governo e pretendemos ampliar isso", disse Geithner ao vice-presidente chinês, Xi Jinping, no início do dia.
Na reunião com Xi Jinping, cotado para ser o próximo chefe de Estado da China, Geithner enfatizou a necessidade de cooperação econômica e estratégica entre Pequim e Washington.
"A respeito do crescimento econômico, da estabilidade financeira no mundo todo e da não-proliferação, temos o que consideramos ser uma fortíssima relação de cooperação com o seu governo, e estamos interessados em ampliar isso", disse o secretário a um sorridente Xi.
A China já apoiou quatro rodadas de sanções da ONU contra o Irã, mas se empenha em evitar medidas que afetem o setor energético iraniano. O país tem poder de veto no Conselho de Segurança da ONU e critica os EUA e a União Europeia por adotarem sanções unilaterais adicionais.
A UE também deve adotar um embargo ao petróleo iraniano, mas China, Japão e Índia, os três maiores clientes do Irã, dificilmente aceitarão isso. Depois da visita a Pequim, Geithner segue para Tóquio.
O porta-voz da chancelaria chinesa, Liu Weimin, repetiu a posição habitual do país a respeito do Irã.
"A China é um grande país em desenvolvimento, e tem uma razoável demanda por energia (...), uma cooperação energética normal e transparente com o Irã, e isso não viola as resoluções do Conselho de Segurança. Não é razoável que um país imponha suas leis internas para predominarem como lei internacional, e exija que outros países as cumpram. Então, a China acredita que a cooperação energética e a demanda razoável não têm relação com a questão nuclear do Irã, e não devem ser afetadas."
A China é o maior cliente do petróleo iraniano, recebendo cerca de um quinto do total, mas já reduziu suas compras para janeiro e fevereiro por causa de uma disputa envolvendo preços.
(Reportagem adicional de Chris Buckley) 

F-22 e F-35 devem encerrar a longa era dos caças tripulados


O Estado de S.Paulo
Análise: Roberto Godoy
O supercaça F-22 Raptor pode muito. Faz coisas que nenhum outro é capaz de fazer, como voar longamente em velocidade supersônica e virtualmente desaparecer das telas dos sensores eletrônicos de defesa aérea. Mas é um problema que voa, com deficiências de tecnologia avançada que não têm permitido o emprego em combate do avião de US$ 400 milhões - cada um. Isso reforça a tese aceita por um número crescente de especialistas de que o F-22 e seu parceiro mais simples, o F-35, podem ser os últimos caças americanos tripulados. A próxima geração dessa classe de aeronaves só deve sair da tela dos engenheiros por volta de 2030 - e s0b risco. Sintomaticamente, os EUA mantêm 47 programas de desenvolvimento de aviões militares não tripulados e reconhecem "o movimento preliminar" de apenas dois projetos prevendo pilotos a bordo. Os robôs custam apenas uma parcela dos tipos convencionais. Talvez 80% do grande pacote dos modelos guiados à distância estão sob sigilo.
Há modelos destinados a permanecer no ar por muitos dias, realizando o trabalho de vigilância armada. Outros, feitos para cumprir missões de ataque, ainda seriam comandados por alguém eventualmente sentado no cockpit do que será, então, um "velho" Raptor.

Drones são 40% da frota aérea dos EUA


GUSTAVO CHACRA , CORRESPONDENTE / NOVA YORK - O Estado de S.Paulo
Mais de um em cada três aviões militares dos EUA não é tripulado. O crescimento na utilização desses aparelhos controlados remotamente - mais conhecidos como "drones" e usados principalmente no Iraque, Iêmen, Paquistão e Afeganistão - cresceu nos últimos anos e alterou o conceito de operações aéreas das forças americanas.
De acordo com relatório do Serviço de Pesquisas do Congresso dos EUA, divulgado nesta semana, o porcentual de drones nas forças americanas cresceu seis vezes desde 2005. Atualmente, são 7.494 aviões não tripulados e 10.767 que exigem a presença de pilotos no comando. Isso representa mais de 40% do total.
Desde 2001, as forças militares americanas já gastaram US$ 26 bilhões com os drones. Apesar disso, as despesas com aviões tripulados ainda representam 92% do total de destinado para o setor no Exército e demais ramos das Forças Armadas.
Na avaliação do estudo do Congresso, existe uma série de vantagens no uso dos drones. "Eles eliminam os riscos para a vida dos pilotos e não sofrem restrições na duração de operações causadas por limitações humanas. Além disso, podem ser envolvidos em ações mais arriscadas e os custos são bem menores", afirma o relatório.
Em memorando recente, o Pentágono concluiu que os aviões não tripulados "são fundamentais na guerra ao terror por sua precisão nos alvos, por detectar minas e por fazer reconhecimento de armas químicas, biológicas e nucleares". A segurança nesses voos também aumentou. Sete anos atrás, eram 20 acidentes a cada 100 mil horas de voo. Hoje o número é de 7,5. Recentemente, um deles, em uma possível missão de espionagem, foi capturado pelo Irã.
Atualmente, existem drones com tamanhos que variam entre o de um inseto e o de um avião comercial. Os mais comuns são os Ravens. Os Predators e sua versão mais potente - os Reapers - têm mais poder de fogo.
A publicação do relatório ocorre no momento em que a CIA suspendeu os ataques com drones contra bases da Al-Qaeda e do Taleban em áreas tribais do Paquistão. A última ação dos aviões comandados pelo serviço secreto dos EUA ocorreu em 17 de novembro, matando sete inocentes e irritando o governo paquistanês.
No ano passado, foram realizados 75 bombardeios com drones naquela região paquistanesa. Entre 470 e 655 pessoas morreram, incluindo mais de 100 civis. Também foram intensificadas as ações contra militantes da Al-Qaeda na Península Arábica, no território iemenita.
Além da função militar, os drones podem também passar a ter uso doméstico. No domingo, durante a feira do Consumer Eletronics Show, foram apresentados protótipos de helicópteros e aviões com grande autonomia de voo operados por meio de iPhone e celulares com o sistema operacional Android.

Irã pede novamente aos EUA que deixem o Golfo Pérsico


O subchefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Irã, o general Massoud Jazayeri, pediu novamente nesta terça-feira aos Estados Unidos que abandonem o Golfo Pérsico, informou a agência oficial de notícias iraniana Irna.
"A República Islâmica do Irã recomenda que os estrangeiros, incluindo os americanos, abandonem a região do Golfo Pérsico", disse Yazayeri.
O general Massoud Jazayeri, do Corpo de Guardiães da Revolução iraniana, afirmou que a presença das forças armadas transregionais na zona, incluindo os EUA, não é justificável por nenhum motivo.
Em 3 de janeiro, o comandante do Exército iraniano, Ataolah Salehi, já havia advertido aos EUA que não voltassem a enviar sua frota ao Golfo Pérsico.
"A República Islâmica iraniana não deseja ter de repetir sua advertência", garantiu o comandante.
Neste mesmo dia, o porta-voz do Pentágono, George Little, afirmou em comunicado em Washington que o trânsito pelo Estreito de Ormuz, que liga o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã, é necessário para o abastecimento das missões americanas na região.
O alto funcionário acrescentou que Washington continuará mobilizando suas unidades militares no Golfo de acordo com suas necessidades, mesmo com as ameaças iranianas.
O Irã está protagonizando uma polêmica envolvendo seu programa nuclear, pois parte da comunidade internacional, encabeçada pelos EUA, acredita que o país possa estar fabricando bombas atômicas, o que Teerã nega, afirmando ter somente fins pacíficos.
Neste contexto, os EUA e Israel ameaçaram o Irã com ataques para evitar o desenvolvimento de seu programa nuclear e Teerã respondeu que a réplica seria "arrasadora".
Além de eventuais ataques contra o território de Israel e as bases e navios dos EUA na região, o Irã disse que, caso sofra uma agressão ou sinta-se em perigo iminente, fecharia o Estreito de Ormuz, o que poderia causar um desabastecimento de petróleo no mundo com consequências imprevisíveis.

Arquivo do blog segurança nacional