quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Demonstração de poder da Força Aérea Americana

operação saci 2011,Brigada paraquedista

Cofundador da Microsoft vai desenvolver nave espacial gigante


Paul Allen, um dos cofundadores da Microsoft, anunciou que vai desenvolver juntamente com o engenheiro e empresário Burt Rutan, uma nave em formato de avião gigante com capacidade para realizar voos tripulados e de carga ao espaço.

A nave terá dimensões similares às de um campo de futebol e os idealizadores esperam realizar o primeiro voo de testes em 2016.

Ambos são criadores da nave SpaceshipOne (SS1), primeiro avião espacial de uso privado e tripulado para chegar ao espaço.

"Sonhei durante muito tempo com dar o passo seguinte nos voos espaciais privados depois do sucesso do SpaceShipOne, para oferecer um sistema de voo espacial orbital flexível", diz Allen.

Para viabilizar o projeto, Allen fundou a Stratolaunch Systems, empresa com sede em Huntsville (Alabama), que será dirigida pelo ex-chefe de engenheiros da Nasa Gary Wentz.

A empresa vai construir um sistema de lançamento móvel com três componentes principais: um avião, um foguete e um sistema de integração construído pela empresa Dynetics, que permitirá carregar um foguete de 222 toneladas.

O plano de Allen é construir também um aeroporto similar ao Centro Espacial Kennedy (que fica no Cabo Canaveral), utilizado pela Nasa em seus lançamentos, para servir de ponto de partida para voos comerciais, envios de carga e, no futuro, missões humanas.

O avião transportará uma cápsula espacial com seus próprios foguetes, que permitirão o lançamento desde o ar para colocá-la em órbita, um sistema que deve economizar custos por não utilizar grandes quantidades de combustível - caso dos foguetes lançados desde a Terra.

O avião, que utilizará seis motores 747, terá um peso bruto de mais 500 toneladas e uma envergadura de mais de 100 metros. Para pouso e decolagem será preciso uma pista de 3,6 quilômetros. Allen diz que o projeto será uma "solução inovadora que revolucionará as viagens espaciais." 

Adoraria dizer: agarramos ele', diz líder do projeto que busca 'partícula de Deus'


amil Chade, de O Estado de S. Paulo
GENEBRA - Apesar dos avanços na pesquisa científica, ainda conhecemos uma fração do funcionamento do universo. O alerta é do italiano Guido Tonelli, um dos dois líderes do projeto Compact Muon Solenoid (CMS), do Cern, que busca o bóson de Higgs e envolve 3 mil cientistas.

O CMS é uma câmera de 12,5 mil toneladas que tira fotos – com definição de 100 milhões de pixels – de choques de prótons que percorrem um túnel à velocidade da luz.
Ao Estado, Tonelli, apontado como forte candidato ao Nobel, disse que pode levar cerca de 50 anos para descobrirmos a utilidade dessas pesquisas.
O sr. preferiria encontrar o bóson de Higgs ou revelar que ele não existe?
Para a teoria, seria importante encontrá-lo. Mas há quem torça para que não encontremos nada. Nesse caso, a teoria do funcionamento do universo teria de ser revista. Mas eu adoraria dizer: agarramos ele.
Para que serve, na prática, a pesquisa que o sr. lidera?
Para a ciência, vamos confirmar uma teoria que há décadas marca nossos trabalhos. Para um cidadão comum, é cedo para dizer o que sairá disso tudo. Sem as descobertas de Einstein, nunca teríamos um GPS no carro. Mas Einstein jamais pensou que algo como um GPS seria criado. Talvez precisaremos de meio século para saber o que estamos descobrindo hoje.
Em que estágio do desenvolvimento científico está o mundo?
As pessoas acham que, por termos tantos aparelhos novos, estamos dominando todo o conhecimento. Mas não sabemos nada. A vantagem de ser cientistas é que sabemos o tamanho da ignorância da humanidade. Se encontrarmos o bóson de Higgs um dia, teremos desvendado apenas 4% do universo.
Em quanto tempo o sr. deverá encontrar o elo perdido da física?
Espero que em um ano.

Novo aplicativo da Apple permite informar Nasa sobre meteoritos


WASHINGTON - Um novo aplicativo da Apple para iPhone, iPad e iPod Touch,batizado de Meteor, ajudará a Nasa a rastrear os meteoritos que caem sobre o planeta a partir de informações fornecidas pelos usuários, anunciou a agência americana nesta terça-feira, 13.

Todos os dias, cerca de 40 toneladas de meteoritos caem no planeta, embora quase todos sejam pequenos e se desintegrem sem causar danos à atmosfera terrestre, gerando apenas uma chuva de meteoritos.

Com o objetivo de receber informações sobre os restos dos meteoros, a Nasa e a Apple criaram agora esta nova ferramenta para que os cidadãos contribuam com as pesquisas da agência espacial através de seus smartphones.

"Com este aplicativo, gente de todo tipo pode contribuir para uma autêntica pesquisa da Nasa", disse Bill Cooke, do Escritório de Meteoritos da agência, que patrocinou o projeto.

"Os dados fornecidos pelos cidadãos nos ajudarão a descobrir novas chuvas de meteoros, localizar os rastros dos cometas e criar um mapa da distribuição dos meteoritos ao redor da órbita da Terra", acrescentou Cooke.

O aplicativo utiliza uma interface que simula um piano, onde cada tecla é destinada a identificar cada tipo de meteorito em função de seu tamanho e luminosidade.

"Cada vez que alguém avistar um meteoro, simplesmente deve pressionar a tecla correspondente a seu brilho. As teclas da esquerda correspondem aos meteoros que têm uma tênue luz visível à simples vista, e as teclas da direita representam assombrosas bolas de fogo", explicou.

Depois disso, o próprio aplicativo carrega os dados para que sejam processados pelos funcionários da Nasa, que registram o momento no qual foi avistado o meteorito, a magnitude do mesmo e sua localização.

Força Aérea Russa recebeu novos aviões


1
© Foto: ru.wikipedia.org

A Força Aérea da Rússia recebeu quatro novos bombardeiros de linha de frente Su-34. São igualmente eficazes de dia e à noite em todas as condições atmosféricas e são capazes de eliminar o inimigo não só em terra mas também no mar.
Levaram três horas para chegar de Novossibirsk onde tinham sido montados até uma base aérea perto de Voronej (ao sul de Moscou). O Su-34 pode ganhar velocidade de até 1.900 quilômetros por hora, o alcance máximo é de 4000 km. O fato de dispor de equipamento rádio-eletrónico mais recente e de mísseis ar-ar permite utilizar o avião Su-34 não apenas como um bombardeiro, mas também como um caça no combate aéreo.

México interessado em armas de defesa antimíssil russas



© Foto: Almaz-Antei
Imprimirenviar por E-mailPostar em blog

A petrolífera estatal mexicana Pemex e outras organizações estão interessadas em aquisição na Rússia de meios da defesa das plataformas de petróleo no Golfo do México. O lado mexicano está interessado em criação de um sistema integrado de prevenção e de repelição de um ataque aéreo por lado de um alvo a baixa altitude. O sistema inclui radares que localizam os objetos no ar com antecedência e os meios da sua destruição.
A necessidade do México de tais sistemas é ligada com as preocupações acerca dos possíveis ataques terroristas contra plataformas de petróleo. Para o México, o petróleo é um recurso estratégico e é o maior fonte do orçamento.

Irã fará manobras para mostrar controle sobre estreito de Ormuz


O Irã planeja fechar o estreito de Ormuz, entrada do Golfo Pérsico e ponto de saída de boa parte do petróleo mundial, durante as próximas manobras navais que seus navios de combate vão realizar em águas internacionais, informou nesta terça-feira a agência iraniana de notícias Isna.
Faremos manobras para fechar o estreito de Ormuz em pouco tempo. Se o mundo quer tornar esta região insegura, nós tornaremos o mundo inseguro, disse Parviz Soruri, deputado membro da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do Parlamento e um dos mais radicais da Câmara.
Recentemente, a Marinha iraniana anunciou a realização de amplas manobras, denominadas Velayat 90, em águas internacionais, entre o Golfo Pérsico e o Mar de Omã, para testar suas unidades de superfície e submarinos mais modernos, além dos mísseis e outras armas e equipamentos militares.
Cerca de um terço do petróleo do mundo passa em navios pelo estreito de Ormuz, um dos pontos estratégicos de maior importância no planeta.
O Irã está envolvido em uma polêmica devido ao seu programa de enriquecimento de urânio. Parte da comunidade internacional, liderada pelos Estados Unidos, afirma que o intuito das pesquisas é a fabricação de bombas atômicas, o que Teerã nega, alegando fins civis e pacíficos.
O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse que o relatório, elaborado pela AIEA (Agência Internacional de Energia) tem caráter político.
É um relatório muito político, sem prova ou indício, afirmou. Estão sempre nos acusando e já dissemos várias vezes que não necessitamos de bombas atômicas. Eles mesmos [Estados Unidos] têm bombas atômicas e as utilizaram várias vezes contra o resto da humanidade.
-- Folha Online

Dificuldades desaceleram planos ambiciosos da Petrobras no pré-sal


A alta dos custos, as dificuldades de logística e as restrições trazidas pelo uso de conteúdo local devem desacelerar os planos "ambiciosos" de expansão da Petrobras, aponta a Agência Internacional de Energia (AIE), em relatório divulgado nesta terça-feira, 13. Apesar disso, a entidade prevê significativa expansão da produção no pré-sal brasileiro nos próximos anos, o que contribui para a ampliação da oferta de petróleo mundial no médio prazo.

A AIE acredita que o vazamento de óleo no Campo do Frade, na Bacia de Campos, operado pela Chevron, terá consequências de longo prazo para o setor. "O governo deve assegurar que todas as companhias invistam mais em medidas de segurança ambiental", diz a entidade, lembrando que a Petrobrás também esteve envolvida em casos de vazamento. "O sucesso do Campo de Lula não é necessariamente transferível para outras áreas, principalmente depois do vazamento de Frade."

Para a agência, a produção de 70 mil barris por dia da Chevron no Campo de Frade deve ter redução entre 10 mil e 15 mil barris por dia no quarto trimestre deste ano e em 2012.

Apesar desses problemas, a AIE projeta crescimento de 900 mil barris por dia entre 2010 e 2016 para os campos de Guará, Lula, Parque das Baleias e Baleia Azul, o que dá suporte para a estimativa de crescimento da produção no Brasil de 1 milhão de barris por dia no período.

Esse número ajuda a compor as expectativas da AIE para o avanço da oferta global de petróleo nos países que não fazem parte da Opep. Entre 2010 e 2016, a entidade prevê um aumento total de 3,4 milhões de barris por dia, ou cerca de 500 mil por ano, na produção dos países que não compõem o cartel. O crescimento deve ser liderado pelos Estados Unidos, com cerca de 1,8 milhão de barris por dia sendo incorporados ao mercado. Já a produção no Mar do Norte deve declinar.

No curto prazo, entretanto, a AIE realizou cortes nas projeções. O aumento da oferta de fora da Opep deve ficar em apenas 70 mil barris por dia em 2011, o terceiro mais baixo da última década. Para 2012, a estimativa de crescimento foi suavizada em 120 mil barris por dia, para 1 milhão, em razão das manifestações no Oriente Médio e da queda nos biocombustíveis.

A produção de petróleo do Brasil caiu 20 mil barris por dia em agosto, para 2,1 milhões. A AIE acredita que a produção nacional ficará entre 2,1 milhões e 2,2 milhões de barris por dia nos próximos meses. Para 2012, é esperado aumento de 140 mil barris por dia, uma queda de 30 mil sobre a projeção anterior, em razão de manutenção e adiamento para 2013 do projeto Waimea, em águas rasas da Bacia de Campos.

A demanda por petróleo no Brasil desacelerou para um crescimento anual de 2,4% em setembro, de 3,4% em agosto. A queda na procura por óleo combustível (-13,5%) apagou o avanço visto nos outros derivados, como querosene de aviação (11,4%), diesel (8,3%) e GLP (2%).

Embraer quer investir mais na área da defesa


Gilberto Scofield Jr.
Com um quarto de seu faturamento vindo dos EUA e outro quarto vindo da Europa, duas regiões que enfrentam dificuldades econômicas monumentais, a Embraer considera um excelente desempenho o crescimento de 5% no faturamento que terá este ano, algo como, US$5,7 bilhões, previu ontem seu presidente, Frederico Curado. A Embraer vê com entusiasmo as propostas de compras de países emergentes. Mas Curado sabe que nem todo o crescimento nestes países pode compensar as robustas vendas de mercados como o europeu ou o americano.

É nesse ambiente de indefinições de uma crise europeia que deverá se arrastar por anos que a Embraer optou em investir pesado — e apostar alto — num segmento que, este ano, representou US$800 milhões em receita, algo como 15% do faturamento (diante de uma fatia tradicional de 10%): a indústria de defesa, cujos projetos parecem se multiplicar pelo mundo, sobretudo em países emergentes, a despeito de crises.

— Queremos estar no centro das decisões do segmento de defesa e segurança no país — disse Curado.
Nova estratégia começou em fins do ano passado
A começar pela própria estrutura, que ganhou em dezembro do ano passado a Embraer Defesa e Segurança, braço que aglutina hoje os grandes projetos da companhia no setor. Em março, esta controlada fechou a compra de 64,7% do capital social da divisão de radares da OrbiSat da Amazônia, um negócio é de R$28,5 milhões. A empresa, especializada em sensoriamento remoto e radares de vigilância aérea e terrestre, desenvolve e produz sistemas de monitoramento integrados para o Exército e negocia produtos semelhantes para a Força Aérea Brasileira (FAB) e a Marinha.

Em setembro, a Embraer Defesa e Segurança e a AEL Sistemas, subsidiária da empresa israelense Elbit Systems, fecharam parceria para a criação de uma joint-venture. A nova empresa se chamou Harpia Sistemas e tem como fim a exploração do mercado de veículos aéreos não-tripulados, conhecidos como VANT. A Embraer tem 51% do capital social e a AEL 49%. As empresas vão se juntar à OGMA — Indústria Aeronáutica de Portugal.

Arquivo do blog segurança nacional