quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Submarinistas heróis anônimos da Guerra Fria

(CNN) - Quando Al Charette viajou ao Pólo Norte, ele foi sob ela.
O USS Nautilus, submarino do mundo movido a energia nuclear em primeiro lugar, fez história ao chegar ao Pólo Norte em 03 de agosto de 1958, sob o gelo.
Charette, que fazia parte do que a tripulação da Guerra Fria, relembra como foi esse marco de significado muito mais do que ser um primeiro histórico.
"O que fizemos", diz ele, "é realmente expor 3.000 milhas de costa da URSS"
Submarinos, que submarinistas chamam barcos, desempenhou um papel fundamental na recolha de informações e dissuasão nuclear em um momento de tensão política entre os Estados Unidos e União Soviética. Submarinos de ataque procurados e monitorados Soviética submarinos de mísseis balísticos, mísseis enquanto os barcos da Marinha dos EUA tentaram evitar ser descoberto.
"Nós não queremos fazer qualquer tipo de ruído que um peixe não fez", disse o Charette 79 anos de idade lembra.
A Guerra Fria pode ser lembrado como um conflito sem batalhas, mas para submarinistas, o perigo na linha de frente era real.
Jack Gallimore começou em submarinos diesel-elétricos, incluindo o Hardhead USS ea Sablefish USS em 1958. Gato e rato jogos das duas superpotências de lado, os riscos permanecem até hoje para os marinheiros que a cabeça para fora sob as ondas, diz Gallimore, hoje com 73 anos.
"Todos os submarinistas", diz ele, "quando eles vão para o mar, eles estão em perigo."
Gallimore lembra um incidente que aconteceu durante o volume de negócios de submarinos diesel mais velhos para a Marinha grega.Ele e outros membros da tripulação agiu como observadores durante a fase de treinamento. Durante o mergulho, o barco inclinado para baixo abruptamente e balançou as hélices. O sub conseguiu superfície, eventualmente, ainda Gallimore insistiu que o perigo era parte do trabalho.
"Nós todos experimentamos quando algo deu errado", diz Gallimore.
Antes de qualquer marinheiro pode ser chamado de um submarinista, ele tem que ganhar o seu "golfinhos", um pino que é o equivalente às asas de um piloto. Os marinheiros devem se qualificar na submarinos que estão para servir, sabendo os sistemas dentro e por fora. O treinamento e testes são rigorosos.
Greg Kane, 63 anos, outro veterano da Guerra Fria, qualificada sobre a mísseis balísticos sub USS George C. Marshall. Ganhar esse título foi uma enorme fonte de orgulho, diz ele.
"Quando você tinha os golfinhos", ele diz, "você era um submarinista. Você era uma parte da irmandade do fin."
Os padrões a serem parte do que "fraternidade" existem até hoje.Cercado por um ambiente hostil em todos os momentos, enquanto submerso, qualquer erro por um único tripulante pode ser perigoso ou até mesmo fatal para toda a tripulação.
"Minha vida dependia de minha shipmates outros", diz o aposentado Master Chief Bud Atkins, 77, "e não importava se eram um marinheiro ou a um capitão." Atkins, que passou um tempo em barcos diesel-elétrico e de propulsão nuclear, serviu sob as ondas 1950-1980, quando se aposentou.
Além de atender esses padrões difíceis, submarinistas também enfrentou a responsabilidade de conhecer os seus barcos poderiam ter para lançar ogivas nucleares em um país estrangeiro.Kane, que manteve os sistemas de lançamento de mísseis Polaris durante a Guerra do Vietnã, diz tripulantes foram submetidos a testes psicológicos vigorosa bem antes mesmo de ver um submarino.
Vários cenários foram jogados para eles: E se o seu barco foi chamado para lançar um ataque? Você poderia fazer isso?
"A idéia era realmente estar ciente de que a situação mundial era, o que as terríveis conseqüências seria se você já teve que passar por isso eo que aconteceria ... se você não tem uma força de dissuasão lá fora para parar algo como que isso aconteça ", diz Kane.
Tom Russell, cujos 20 anos de carreira da Marinha levou em uma variedade de navios, também atuou em barcos da frota de mísseis balísticos na década de 1960.
"Nós só esperava que cada vez que fomos à estação de batalha que era uma broca, porque todos nós sabíamos que se não fosse uma broca, a casa estaria em pedaços", diz Russell, 82.
Todos estes submarinistas aposentado falar de seu serviço com orgulho, mas eles são vigiados quando se trata de detalhes de suas missões há muito tempo.
Charette cresce nostálgica quando se lembra como um submarino poderia ser no porto ou ao longo de uma linha de costa e passam despercebidas. Ou de repente algum lugar inesperadamente superfície apenas para enviar uma mensagem.
Perguntou se podia descrever qualquer dessas experiências, ele responde com um sorriso: "Não que eu me importo de falar."

Príncipe William para ser implantado em Falkland Islands


London (CNN) - O príncipe William deve ser implantado em fevereiro próximo às Ilhas Malvinas, em seu papel como piloto de busca e salvamento, o Ministério da Defesa britânico disse quinta-feira.
Ele será um dos quatro pilotos da Força Aérea Real para ser enviado para os solitários, base militar vento, a força aérea disse em um comunicado.
A implantação faz parte da rotação da tripulação normal para a força aérea e farão parte de sua formação e progressão na carreira, disse o comunicado. A força aérea fornece 24 horas de busca e salvamento cobrir o ano todo a partir da base.
William, cujo casamento em abril para Catherine, Duquesa de Cambridge, foi assistido por milhões em todo o mundo, qualificado como piloto de busca e resgate em setembro do ano passado.
Ele foi helicópteros Sea King da Força Aérea Real a partir de uma base em Anglesey, País de Gales.
Príncipe Andrew, Duque de York, abriu a base de Mount Pleasant para que seu sobrinho será implantado mais de duas décadas atrás. Condições de vida estão a ser dito básico e isolado.
William terá que estar de volta na Grã-Bretanha a tempo de ajudar com os preparativos para o Jubileu de Diamante da Rainha - marcando 60 anos desde que ela assumiu o trono - a ser comemorado em junho próximo.
Sua implantação será visto como um pouco sensível, que vem 30 anos depois da Grã-Bretanha e Argentina entraram em guerra sobre as Falklands.
Conhecida como Las Malvinas, na Argentina, as ilhas se encontram na costa do país sul-americano no Atlântico Sul e estiveram sob domínio britânico desde 1833.
Argentina invadiu as Malvinas em 1982, levando a uma guerra na qual mais de 600 argentinos e 255 militares britânicos morreram.Grã-Bretanha manteve o controle das ilhas depois da guerra.

Cientista da ex-URSS nega ter ajudado o Irã na área nuclear


Foto: AFP
Foto de site do líder supremo do Irã, Ali Khamenei (C), mostra-o durante cerimônia de graduação de cadetes
A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, órgão nuclear da ONU) disse em um relatórionesta semana que o Irã trabalha para desenvolver bombas atômicas e que existem fortes indicações de que um especialista estrangeiro ajudou o Irã a desenvolver um "sistema de detonação de altos explosivos".
O jornal The Washington Post, com base em relatórios de inteligência, identificou então esse especialista como sendo Vyacheslav Danilenko, e disse que ele passou pelo menos cinco anos ajudando o Irã.
O Kommersant, um dos principais jornais russos, disse ter localizado Danilenko, de 76 anos. Ele trabalhou durante décadas em um dos principais centros secretos de desenvolvimento de armas nucleares da Rússia, conhecido na época soviética como Chelyabinsk-70. "Não sou físico nuclear e não sou o fundador do programa nuclear iraniano", disse Danilenko ao Kommersant. Ele não fez outros comentários ao jornal.
De acordo com o Kommersant, Danilenko era um dos maiores especialistas mundiais em nanodiamantes de detonação - ou seja, a criação de minúsculos diamantes por meio de explosões convencionais, numa técnica com usos que vão de lubrificantes à medicina.
Os EUA e seus aliados acusam o Irã de desenvolver armas nucleares secretamente. O governo iraniano nega, dizendo que seu programa nuclear se destina exclusivamente à geração de energia com fins civis.
Irã ameaça retaliação
Mesmo antes da divulgação do relatório da AIEA, surgiram indicações de que Israel poderia estar planejando atacar as instalações atômicas do país. Em meio a essas especulações, o líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, afirmou nesta quinta-feira durante cerimônia de graduação dos cadetes do Exército que as Forças Armadas da República Islâmica responderão "com punho de ferro" a qualquer agressão.
Todos os corpos militares iranianos, incluindo os Guardiães da Revolução Islâmica e os Voluntários Islâmicos (Basij), "responderão com fortes golpes e punho de ferro, de modo arrasador, a qualquer agressão", disse Khamenei, que também é o comandante-em-chefe das Forças Armadas.
"Nossos inimigos, os EUA e seus aliados, em particular o regime sionista (Israel), devem entender que o Irã não pretende atacar qualquer país, mas reagir com força diante de qualquer agressão ou ameaça para que os agressores se derrubem internamente", disse o líder em declarações divulgadas pela agência oficial Irna.
"A nação iraniana não será um mero espectador das ameaças das absurdas potências materialistas", disse Khamenei, afirmando que "só uma nação com uma força estável de defesa pode sobreviver em um mundo no qual infelizmente as relações entre os países se baseiam na força das armas". Por essa razão, o aiatolá orientou as Forças Armadas do Irã a "reforçar seu poder".
Na quarta-feira, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, reagiu ao relatório da AIEA reiterando que seu país "não retrocederá nem um pingo" em seu programa nuclear.
Desde o surgimento das especulações sobre um plano de ataque israelense, as autoridades iranianas vêm ameaçando atacar os territórios de Israel, Europa e EUA, afirmando que o país tem capacidade para "aniquilar" Israel.

Concretamente, um chefe militar apontou como alvo a usina nuclear israelense de Dimona, origem do programa atômico israelense, iniciado no final dos anos 1950 e que, segundo organismos internacionais de estudos militares, permitiu que o país dispusesse de cerca de 300 armas nucleares não declaradas.
Além disso, sugeriram que o Irã, caso se sinta em perigo, poderia cortar o tráfego pelo Estreito de Ormuz, local pelo qual é escoado um terço do petróleo consumido no mundo em direção aos mercados internacionais.
Caso seja fechada essa via marítima, os preços do petróleo poderiam ser multiplicados e poderia ocorrer uma crise econômica de consequências imprevisíveis.
Foto: AFP
Ahmadinejad cumprimenta partidários antes de pronunciamento em Sharhr-e-Kord, no Irã (9/11)
Sanções
Na quarta-feira, países ocidentais pediram novas sanções contra o Irã por causa do relatório da agência nuclear da ONU. A Rússia e a China, porém, indicaram que bloquearão medidas adicionais no Conselho de Segurança da ONU.

Por causa do relatório, a França anunciou que convocará o Conselho de Segurança, enquanto o Reino Unido disse que o impasse entra agora em uma fase mais perigosa e o risco de conflito aumentará se o Irã não negociar.
Nesta quinta, a China descartou que sanções possam resolver a crise provocada pelo programa nuclear iraniano. "As sanções não podem resolver fundamentalmente a questão iraniana", disse um porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.
*Com Reuters, EFE e AFP

Rússia não consegue estabelecer contato com sonda espacial


Foto: AP
Para ex-responsável de assuntos espaciais da Rússia, falha na Phobos-Grunt (na imagem) seria problema da tecnologia desenvolvida
As tentativas de estabelecer contato com a sonda russa Phobos-Grunt, que permanece na órbita terrestre, não deram nenhum resultado por enquanto. As tentativas de retomar o controle da sonda foram realizadas ontem à noite (9), quando o aparelho estava na zona de visibilidade das estações de acompanhamento russas.

Um falha impediu que a sonda espacial russa Phobos-Grunt seguisse rumo a Marte. Ela ficou presa em órbita nesta quarta após falhas no equipamento e causa preocupação, pois pode se espatifar e liberar toneladas de combustível muito tóxico na Terra, a menos que engenheiros consigam colocá-la no rumo correto.
"Nas últimas horas, os especialistas do centro de comando de terra realizaram várias tentativas, mas a sonda não responde e são cada vez menores as possibilidades de êxito", disse um analista da base cazaque de Baikonur à agência "Interfax".

A fonte, que pediu anonimato, acrescentou que as possibilidades de conseguir reaver a sonda e enviá-la a Marte são "muito pequenas".
A Phobos-Grunt, lançada nesta terça-feira de Baikonur, devia chegar a Marte, mas uma falha ainda não esclarecida deixou a sonda, de 13,5 toneladas de massa, perdida na órbita terrestre.
A Roskosmos (agência espacial russa) declarou que há possibilidades de recuperar o aparelho, já que este conserva todo seu combustível e seus acumuladores não se esgotaram. No entanto, alguns especialistas se mostram cada vez mais pessimistas sobre o destino da sonda.
"Em minha opinião, a Phobos-Grunt está perdida. A probabilidade de isso ter acontecido é muito alta", declarou o general Vladimir Uvárov, ex-responsável de assuntos espaciais das Forças Armadas da Rússia.
"Parece que estamos diante de uma falha mais séria, que não é produto de um erro intelectual, mas tecnológico", destacou o militar em entrevista publicada hoje pelo jornal oficial "Rossíiskaya Gazeta".



lançamento da Phobos-Grunt devia marcar o início de uma missão de 34 meses que incluía o voo a Phobos, uma das duas luas de Marte, o pouso em sua superfície e, finalmente, o retorno à Terra de uma cápsula com 200 gramas de amostras do solo do satélite marciano.
O projeto, com um custo de US$ 170 milhões, tinha como objetivo estudar a matéria inicial do sistema solar e ajudar a explicar a origem de Phobos e Deimos, a segunda lua marciana, assim como dos demais satélites naturais do sistema solar.

(Com informações da EFE e AP)

SOMOS A EMBRAER


O cargueiro militar KC-390 da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) deverá receber um financiamento público até 87 milhões de euros para que parte do avião seja produzido em Portugal, de acordo com um despacho quarta-feira publicado no jornal oficial.
O despacho publicado no Diário da República informa que projecto será financiado por fundos do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e fontes alternativas de financiamento caso o QREN não seja suficiente ou não se aplique.
O diário Jornal de Negócios adiantou que o governo português quer assegurar que estão reunidas condições para assumir os “compromissos contratuais inerentes à concretização da parceria com a Embraer”, garantindo a participação no projecto do KC-390, através da construção de componentes e de sistemas de “software”.
O Embraer KC-390 é um projecto de avião para transporte táctico/logístico e reabastecimento em voo que estabelece um novo padrão para o transporte militar médio e foi desenvolvido para responder aos requisitos operacionais da Força Aérea Brasileira, que com ele pretende substituir os C-130 Hercules.
Fonte: Macauhub, via NOTIMP

Arquivo do blog segurança nacional