Wikipedia

Resultados da pesquisa

sábado, 22 de outubro de 2011

Satélites do sistema de navegação Galileu são colocados em órbita







KOUROU, Guiana Francesa - Após problemas que adiaram o lançamento na quinta-feira, 20, a nave Soyuz foi lançada com sucesso da Guiana Francesa nesta sexta-feira, 21, às 8h30 (Horário de Brasilia). O foguete colocou em órbita os dois primeiros satélites do sistema de navegação Galileu, que competirão com o GPS americano a partir de 2014.

As naves Soyuz voam desde 1966, e são mais antigas até mesmo que os primeiros mísseis balísticos intercontinentais da Guerra Fria. Mas esta é a primeira vez que ela foi lançada de fora do território da ex-União Soviética.

Depois de quase 11 minutos do lançamento, o foguete entrou na fase de acesso da cápsula Fregat, que com os dois satélites de 700 quilos cada, desligou seus motores pouco depois e entrou em uma fase balística de 3 horas e 20 minutos que serviu para levá-los a órbita adequada, a 23 mil quilômetros de altitude sobre a Terra.

Após atingir esse ponto, a Fregat voltou a ligar seus motores até se estabilizar e colocar os satélites no ponto desejado, exatamente 3 horas, 49 minutos e 27 segundos depois do lançamento, completando a missão que iniciará o sistema de navegação Galileu.

Foi então que os responsáveis pela Arianespace, o consórcio espacial europeu encarregado do lançamento, deram por completa a missão de um dos projetos mais ambiciosos da história aeroespacial europeia. Nesse momento, os engenheiros romperam o silêncio com aplausos e se abraçaram para comemorar o êxito da missão.
A Comissão Europeia fará a abertura da licitação para a construção de 6 a 8 satélites que continuarão abastecendo a constelação até que em 2020 haja 30 em órbita e o projeto termine, explicou o vice-presidente da organização, Antonio Tajani, em Kuru, na Guiana Francesa.
Os membros europeus defendem as vantagens que o Galileu trará não só à gestão de transporte (aumento da segurança, agilização das operações, redução da deterioração do meio ambiente), mas também aos serviços para a agricultura, pesca, saúde, além da luta contra a imigração ilegal.
A Bélgica calcula também que a iniciativa europeia trará um retorno na "economia real" de cerca de 90 bilhões de euros.
Após mais de 15 anos de cooperação entre a Bélgica e a Rússia e 462 milhões de euros investidos pela União Europeia (UE), a mítica nave russa decolou pela primeira vez do Centro Espacial Europeu de Kuru.

SSBN 941 “AKULA” – O tubarão soviético

 O maior submarino do mundo e certamente um dos mais temidos submarinos soviéticos da guerra-fria, os submarinos da classe Typhoon (embora o nome soviético/russo para esta classe seja Akula (Tubarão), a OTAN adotou a denominação Typhoon (Tufão), provavelmente em decorrência das palavras proferidas pelo premiê soviético Leonid Brezhnev, no ano de 1974, onde ele mencionava a construção de um novo SSBN chamadoTayfun. Importante salientar que esta classe de SSBN nada tem em comum com os submarinos SSN designados Akula pela OTAN, cuja denominação russa é Bars) impuseram grande temor às forças de defesa norte-americanas.Os submarinos Typhoon, que navegavam especialmente nas as águas gélidas do Atlântico Norte, não necessitavam submergir ou mesmo navegar para poder lançar seu impressionante arsenal nuclear composto por 20 mísseis MIRV de longo alcance (alcance de 10000 km) R-39 (também chamados SS-N-20), cada um transportando 10 ogivas de 2MT, e tendo como alvo os Estados Unidos. Era possível iniciar o lançamento de seu arsenal mesmo estando aportado, mais uma razão para estes submarinos serem extremamente temidos.

O projeto do submarino incluía características que lhe permitiam navegar tanto sob uma espessa camada de gelo, quanto navegar na superfície, rompendo a camada de gelo. Superfícies de controle de profundidade horizontais foram instalados na seção da proa e se retraíam para dentro do casco. Também foram instaladas superfícies de controle de profundidade nas laterais dos eixos das hélices. O sistema de equipamentos retráteis incluía dos periscópios (um par ao comandante e um para uso geral), rádio sextante, radar, mastros de rádio-comunicação, navegação e localização. Estes mastros eram instalados em uma célula na torre, célula esta que possuía cobertura reforçada para o rompimento de superfícies congeladas.
Os míssseis R-39 eram acomodados em duas fileiras de 10 mísseis cada, acomodados à frente da torre do submarino. Os Typhoon também contavam com um sistema de carregamento automático de seus seis tubos de torpedos dianteiros, que possuíam calibres de 533 e 650 mm.
A propulsão deste gigantesco barco era providenciada por dois reatores, cada um produzindo 190 MW. A velocidade máxima da embarcação podia atingir os 27 nós. Se compararmos o Typhoon com os submarinos nucleares soviéticos da primeira e segunda gerações, sua manobrabilidade era impressionante, mesmo com seu gigantesco deslocamento. Também podemos afirmar com certeza que o Typhoon é um dos submarinos soviéticos mais silenciosos já fabricados. Grande parte dessa redução se deve a um sistema pneumático de dupla absorção de impacto, a um novo sistema de transmissão através de engrenagens, a um novo sistema de isolamento acústico e a uma cobertura hidroacústica.
Cabe também citar que o Typhhon era equipado com um sistema hidroacústico “Slope”, que consiste em quatro estações hidroacústicas, capazes de engajar e rastrear acusticamente até 12 navios. Além disso o sistema do Typhoon contava com 2 antenas flutuantes, para a recepção de transmissões de rádio, dados sobre localização de alvos e sinais de navegação via satélite, essenciais para a navegação a grande profundidade e sob superfícies congeladas.
O desenvolvimento do submarino estratégico 941 foi autorizado em dezembro de 1972 e a 19 de dezembro de 1973, o governo soviético formalizou oficialmente a ordem para projetar e construir o SSBN 941. O projeto ficou a cargo do Escritório de Projetos Leningrado, atualmente Escritório Central de Projetos para Engenharia Marinha “Rubin”. Após extensos testes, o 941-”TK-208″ foi lançado em setembro de 1980, sendo entregue à Frota Norte, em 12 de dezembro de 1981. Entre os anos de 1981 e 1989, seis submarinos da classe Typhoon entraram em serviço, tornando-se parte da 1ª Frotilha de Submarinos Nucleares da Frota Norte, baseada em Nyerpichya. Uma sétima embarcação foi iniciada, mas sua construção foi cancelada antes de sua conclusão.
Inicialmente esperava-se que os submarinos da classe Typhoon fossem modernizados, tendo seu sistema de lançamento D-19 substituído por outro mais moderno e passando a operar os mais modernos mísseis SS-N-28 Bark. O primeiro submarino a ser construído, o TK-208 Dmitry Donskoi, teve iniciadas as oprações de modernização em 1992, após um acidente com um de seus mísseis. Kuroedov, Comandande em Chefe da Marinha de Guerra da Rússia, ordenou pessoalmente a modernização do TK-208. Como o novo míssil SS-N-28 era 20 milímetros mais espesso que o SS-N-20, os tubos de lançamento tiveram que ser reconstruídos, a um custo de 10 bilhões de rublos (cerca de 292 milhões de dólares). Os SS-N-28 já estavam em fase de testes quando a Marinha russa preteriu o projeto em favor de um novo projeto, de criação do Moscow Teplotechnika Institute. O instituto de lobby junto ao Ministro da Defesa Sergei Ivanov, assim foi decidido modernizar o TK-208 para a utilização do novo míssil Bulava.
A vida operacional destes submarinos era estimada entre 20 e 30 anos, mas para tal, fazia-se necessária uma modernização de seus equipamentos a cada 7 ou 8 anos, caso contrário a vida útil da embarcação cai para 10-15 anos. Em 1997, após o descomissionamento de dois Typhoon, os oficiais russos alegavam que seria possível operá-los sem modernizações pelo menos até 2007 (22-25 anos de vida útil)
O Tratado Não-Lugar de Cooperação para Redução Nuclear, firmado entre os EUA e Rússia estabelecia como data limite o ano de 1999. para o desmantelamento de 25 embarcações da classe Delta, 5 embarcações da Classe Typhonn e uma embarcação da Classe Yankee, embarcações estas capazes de lançar juntas, mais de 400 mísseis e 1700 ogivas nucleares.
Por volta de junho de 2000, a Marinha Russa afirmava ter em operação 26 SSBN, transportando 2272 ogivas em seus 440 mísseis balísticos. A força consistia de 5 submarinos Typhoon, 7 submarinos Delta IV e 13 submarinos Delta III (obviamente que a soma destes submarinos resulta em 25 embarcações e não em 26), mas de acordo com um reporte de 1999, somente um submarino da classe Typhoon permanecia na ativa e estima-se que não mais que três estejam na reserva.
Em janeiro de 2000, um reporte informava que 3 dos 6 Typhoon permaneceiam em serviço ativo, empregados principalmente para testes dos novos mísseis SS-N-28 Bark, contrariando o acordado no Tratado de Cooperação e a informação que o Bark havia sido cancelado por conta de falhas do projeto. Ao mesmo tempo a Marinha russa informava que 12 SSBN seria o número mínimo necessário para manter sua estrutura de defesa.
Em 2002. o comandante da Frota Norte da Marinha russa, informou que 3 submarinos Typhoon haviam sido desmantelados e dois Typhoon modernizados já estavam prontos para serem reincorporados pela marinha. O primeiro Typhoon modernizado a ser reincorporado foi o TK-208, que foi reativado após 10 anos.
Em 24 de maio de 2004, o almirante Gennady Suchkov, comandante da Frota Norte, ordenou o descomissionamento dos Typhoon remanescentes, uma vez que o pedido de modernização foi negado. O Almirante havia sido suspenso por Putin, sob a alegação de ser culpado pela morte de 10 tripulantes que morreram no naufrágio de um submarino descomissionado. Condenado a 4 anos de prisão, a sentença foi revogada no final de maio de 2004.
As informações a respeito do real paradeiro dos submarinos da Classe Typhoon são controversas. Em 2006, as informações davam conta que o TK-208 era utilizado apenas como base para testes dos novos mísseis Bulava, o TK-20 permanecia na ativa, mas transportando apenas 10 mísseis, sem possibilidades de completamento, uma vez que as instalações de produção do SS-N-20 foram desmanteladas. E o TK-17 permanecia na ativa, mas sem transportar nenhum míssil. Em dezembro de 2006 foi iniciado o desmantelamento do TK-12, como financiamento dos EUA. O desmantelamento completo estava estimado para o final do ano de 2007 .
Informações mais recentes dão conta que apenas o TK-208 encontra-se na ativa, e os outros dois estão na reserva, em parte por causa de seu altíssimo custo operacional.

Investigador da ONU alerta sobre uso de aviões não-tripulados



O investigador independente da ONU para mortes extrajudiciais, Christof Heyns, criticou nesta sexta-feira o uso de aviões não-tripulados e missões militares em países onde não haja conflitos reconhecidos, independente do motivo apresentado. Para exemplificar, o investigador da ONU citou os casos do Paquistão e do Iêmen, onde os Estados Unidos adotaram abertamente esta política. Heynes também advertiu que estes sistemas operacionais têm um alto custo em termos de vítimas civis.
"O uso desses métodos por parte de alguns Estados para eliminar oponentes em países terceiros abre espaço para uma pergunta: porque os outros Estados não poderiam fazer eles mesmos?", indagou Heyns, considerando que "o perigo seria uma possível guerra mundial sem fronteiras, na qual ninguém estaria a salvo".
O investigador da ONU também alertou a comunidade internacional sobre a necessidade de iniciar um debate para esclarecer esta nova e perigosa tendência.

Arquivo do blog segurança nacional