sábado, 20 de agosto de 2011

IACIT modernizará radares meteorológicos da Aeronáutica

A brasileira IACIT, de São José dos Campos (SP), fechou com a Força Aérea Brasileira (FAB) um contrato para executar trabalhos de atualização tecnológica em seis radares meteorológicos modelo RMT-0100D pertencentes ao Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB).

IACIT modernizará radares meteorológicos da Aeronáutica

O acordo assinado recentemente com o Parque de Material de Eletrônica da Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAME-RJ) terá duração de nove meses e um custo ao redor de R$ 3,5 milhões.
Esses radares estão instalados dentro das áreas onde estão instalados os Destacamentos de Controle do Espaço Aéreo (DTCEA) de Gama (GO), São Roque (SP), Pico do Couto (RJ), Morro da Igreja (SC), Canguçu (RS) e Santiago(RS). A iniciativa beneficiará também os Sistemas Regionais instalados nos Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo de Brasília (CINDACTA I) e de Curitiba (CINDACTA II).
Visando prolongar a vida útil desses equipamentos por mais 10 anos, o upgrade será executado tanto a nível de hardware quanto de software. Esses trabalhos permitirão a instalação de aplicações aperfeiçoadas com relação às atualmente existentes nesses sistemas.
Para obter a expertise necessária para executar a tarefa, a IACIT desenvolveu um trabalho de engenharia durante 18 meses e investiu nessa jornada recursos próprios da ordem de R$ 2 milhões.
Os radares meteorológicos representam um dos recursos mais adequados para monitoramento “mesoescala” do clima e previsões conhecidas como nowcasting, modalidade adotada em diversos campos de atividade, entre elas, controle de tráfego aéreo, agricultura e defesa civil. Os radares meteorológicos fornecem um panorama climático em tempo real, como por exemplo, a localização exata de áreas de instabilidades chuvosas.
O diretor do PAME-RJ, coronel Victor Fernando Trotta Nunes, disse que a modernização desses radares comprova a capacidade da indústria nacional do setor em lidar com esse tipo de tecnologia de ponta. Trotta Nunes avalia que a atualização desses sistemas de monitoramento meteorológicos trará grandes melhorias para a navegação aérea sobre o território brasileiro

Operação militar explode terceira pista clandestina no Amazonas


KÁTIA BRASIL
DE MANAUS
É a terceira explosão de pista da Operação Ágata em nove dias, uma manobra conjunta das Forças Armadas Brasileiras que começou no dia 4 de agosto, para combater crimes transnacionais e ambientais.
Durante missão realizada na madrugada de quinta-feira (18) na região conhecida como Cabeça do Cachorro, em São Gabriel da Cachoeira (AM), quatro caças A-29 Super Tucano explodiram com mísseis uma pista de pouso clandestina utilizada pelo narcotráfico e por garimpeiros na fronteira do Brasil com a 


A operação, que conta com 3.500 militares, é realizada na faixa de fronteira da Amazônia Ocidental.

A primeira ação ocorreu no dia 10 de agosto, a 68 km a noroeste da cidade de São Gabriel da Cachoeira, região foco de tensão pela presença de narcotraficantes e de guerrilheiros. Os pilotos dos caças lançaram quatro bombas de 230 kg, que explodiram na pista de 1.400 metros de comprimento e a Ontem, por volta de 3h, os pilotos usaram óculos de visão noturna e sistema de reconhecimento de longo alcance para realizar a ação. Eles lançaram oito bombas na pista, localizada a cerca de 1.000 km de Manaus Segundo a FAB, as pistas clandestinas foram mapeadas pelo avião radar R-99 –modelo utilizado nas buscas ao avião da Air France que caiu no oceano Atlântico, em 2009.
Colômbia, informou a FAB (Força Aérea Brasileira) 

Eram 3 horas da manhã desta quinta-feira (18/8) quando mais uma pista clandestina na fronteira do Brasil com a Colômbia foi destruída por caças da Força Aérea Brasileira. Com o uso de tecnologias como Óculos de Visão Noturna (NVG) e sistemas de reconhecimento de longo alcance, os aviões da FAB conseguiram lançar oito bombas de 230 kg no alvo, localizado a aproximadamente 1.000 km de Manaus.
Assista a vídeo

Um avião de reconhecimento R-99 localizou a pista clandestina e acompanhou a missão para garantir a segurança do local. Quatro caças A-29 Super Tucano partiram de São Gabriel da Cachoeira (AM), cada um equipado com duas bombas de 230 kg. A tecnologia também foi empregada para acertar o alvo: os A-29 têm computadores que calculam automaticamente o ponto de impacto das bombas, o que aumenta a precisão do ataque mesmo no meio da noite.

Essa missão de madrugada fez parte do esforço da Força Aérea Brasileira na Operação Ágata, que tem como objetivo coibir atividades ilícitas na fronteira do Brasil com a Colômbia. Essa foi a terceira pista de pouso destruída em oito dias. A primeira foi na quarta-feira passada e a segunda no sábado. Todas se localizavam na região conhecida como Cabeça do Cachorro.

Arquivo do blog segurança nacional