terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

ProSuper: ALIDE entrevista a Blohm+Voss Naval/ThyssenKrupp Marine Systems International

O chamado "ProSuper", o programa de aquisição de novos navios de superfície para a Marinha do Brasil está em ebulição nas manchetes a imprensa especializada após a recente interrupção, de forma inesperada, da concorrência para a compra dos navios patrulha oceânicos (NPaOc) de 1800 toneladas. No início deste ano, o congresso italiano colocou a proverbial "pá de cal definitiva" na perspectiva de uma compra direta na Itália de cinco NPaOc, um Navio de Apoio Logístico e de cinco fragatas de 6000 toneladas. Com isso, restaura-se a competitividade e empresas do mundo todo, como a Thyssen Krupp, a BAE Systems, a DCNS, a Navantia e a Daewoo voltam a defender seus produtos diante da MB. Esta nova entrevista com Rainer Filpe Vice President Sales Latin America da TKMS segue uma anterior onde exploramos completamente a proposta alemã para a concorrência do NPaOc.




No ano de 2009, no exercício Unitas Gold que se realizou nos EUA, alguns navios da Marinha da Alemanha casualmente se fizeram presentes. Naquela ocasião, estavam lá a primeira fragata da classe 124, a FGS Sachsen e o navio de apoio logístico Frankfurt-am-Main da nova classe Berlin. Ambas as classes hoje estão sendo ofertados pla TKMS à MB dentro deste novo pacotão. Veja o artigo com centenas de fotos que escrevemos após colocar um jornalista nosso no Frankfurt por mais de dez dias. Se você ainda não leu ela, não deixe passar mais esta oportunidade.



ALIDE: Quando e sob que condições a sua empresa foi informada do cancelamento da concorrência de NPO da Marinha brasileira?



Rainer Filpe: Nós entendemos que a concorrência para NPO tornou-se parte de uma aquisição maior, voltada para uma modernização abrangente da Marinha brasileira dentro de uma estratégia de atualização da capacidade da indústria brasileira de construção naval através de um contrato de cooperação de longo prazo com um parceiro internacional experiente, capaz e disposto a transferir para o Brasil habilidade e tecnologia. O design do nosso Navio-Patrulha Oceânico NPa 1800 é parte da nossa oferta total, razão pela qual, sob o nosso ponto de vista, não se trata se um cancelamento.




ALIDE: Antes do cancelamento, como vocês se sentiram com relação às chances de o seu produto ganhar aquela concorrência?



RF: Os nossos navios de superfície são utilizados em muitas marinhas, no mundo todo, eles continuam se destacando pela excelência técnica, extrema confiabilidade e adequação ao propósito. Diante desse pano de fundo e do compromisso duradouro de nossa matriz, a ThyssenKrupp AG, de investimento interno, criação de vagas de trabalho e transferência de tecnologia para o Brasil, nós acreditamos que qualquer oferta que fizermos será observada com seriedade pela Marinha do Brasil e pelo Governo brasileiro. A ThyssenKrupp AG é uma das maiores investidoras internas no Brasil, conforme salientado pela nova aciaria integrada no estado do Rio de Janeiro.



No contexto do mecanismo do Brasil de modernizar e expandir as suas capacidades de construção de navios, também é importante observar que mais de 60% das corvetas e fragatas construídas pela Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems são construídas em parceria com estaleiros nos países dos nossos clientes e envolvem habilidades e transferência de tecnologia significativas.



Interessantemente, os construtores de navios no Brasil, a Marinha do Brasil e o estaleiro TKMS cooperaram com bastante êxito no passado, quando o Arsenal Naval no Rio de Janeiro – Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ) – construiu quatro submarinos da classe 209 em parceria com o estaleiro irmão para a Blohm + Voss Naval, especializado em submarinos, a Howaldtswerke Deutsche Werft (HDW). A cooperação incluiu a escala completa de transferência de tecnologia e know-how, e os barcos continuam servindo a Marinha Brasileira com distinção.



ALIDE: Quando vocês ficaram sabendo que o programa de aquisição da Marinha brasileira seria alterado para um negócio de governo para governo ao invés do formato anterior de indústria para a Marinha brasileira?



RF: Juntamente com os outros ofertantes em potencial, nós fomos informados pela Marinha do Brasil em julho.




ALIDE: Vocês acreditam que esse novo formato de concorrência favorece a nova parceria TK/Governo alemão?



RF: Conforme observado acima, nós acreditamos que a qualidade da nossa oferta, a nossa experiência de trabalho e de transferência de habilidades e tecnologias a parceiros locais da construção naval em muitos continentes, bem como o compromisso de longo prazo da nossa matriz de investir e de criar vagas de trabalho no Brasil indicam que a nossa oferta é séria. Com base no MoU assinado em 2008 entre o Brasil e a Alemanha e no acordo de colaboração de defesa assinado durante a visita, no final do ano passado, do Ministro da Defesa Nelson Jobim à Alemanha, o governo alemão deseja oferecer suporte à oferta de pacote industrial da Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems e cooperar com o Governo brasileiro e a Marinha do Brasil em todos os campos relevantes. Com esse suporte de governo para governo e com a nossa parceira brasileira Engevix, acreditamos que estamos ofertando um pacote convincente dentro de um país estrategicamente importante e de uma parceria experimentada e testada de país para país.




ALIDE: Que classe de navios vocês estão ofertando para a exigência de navio-tanque/navio logístico?



RF: A Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems está apta a oferecer um amplo leque de navios de suporte, sendo que nós elaboramos a nossa oferta de acordo com as exigências específicas da Marinha do Brasil.



Depois de uma análise completa da exigência da Marinha do Brasil, estamos ofertando um Navio de Suporte Logístico baseado no Navio de Abastecimento do Grupo de Trabalho de Classe de Berlim de 20.000 toneladas (EGV) adaptado especialmente para atender às exigências do Brasil. Dois navios dessa classe estão sendo empregados com bastante sucesso na Marinha Alemã e um terceiro está sendo construído.



ALIDE: Que classe de navios vocês estão ofertando para a exigência da fragata de 6000t?



RF: O design da fragata da classe 6000t é um desenvolvimento moderno das fragatas anteriores construídas pela Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems para clientes nacionais e estrangeiros. Três fragatas da classe F 124 foram entregues à Marinha da Alemanha entre 2004 e 2006.



A oferta ao Brasil inclui uma versão da F 124 incorporando aprimoramentos significativos do gume especialmente adaptado para as exigências da Marinha Brasileira. Entre outras coisas, elas poderiam incluir, por exemplo, a integração do Siconta no Sistema de Gestão de Combate.




ALIDE: A Alemanha tem obtido muito sucesso com a venda de navios de combate de superfície no mundo todo. Que novas linhas de produto/classes de navios deverão movimentar essa tendência?



RF: Durante mais de 125 anos de construção naval, a Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems vem aperfeiçoando o tipo e a ciência do design e da construção de navios de superfície. O grupo é um líder internacional com sua capacidade tecnológica, know-how e inovação.



Ao longo de sua história, os estaleiros do Grupo construíram mais de 1000 navios. Unicamente a partir de 1980, foram construídos ou estão em construção mais de 160 navios, desde fragatas e corvetas, navios-patrulha e caça-minas até navios para fins auxiliares e especiais. As marinhas do mundo todo contam entre os usuários satisfeitos com esses navios.



O sucesso da TKMS deve-se, parcialmente, às inúmeras fragatas e corvetas MEKO® que os estaleiros construíram. MEKO® é um símbolo de “Mehrzweck-Kombination” (combinação multipropósito). Os navios baseados nesse conceito distinguem-se por seu design modular.



Os desenvolvimentos mais recentes nessa área são a fragata MEKO® D e o navio modular MEKO® CSL junto com o helicóptero multifuncional Dockship MHD 200. A experiência de quarenta anos da MEKO® foi integrada às fragatas F124 e F125 e às corvetas K130 da Marinha alemã, também tudo com base no conceito MEKO®.

A TKMS aprimora continuamente o conceito MEKO®. Esse princípio também vem sendo aplicado ao MEKO® MESHD – “barco dique multimissão com helicóptero”.



Navios menores, tais como os navios-patrulha, também fazem parte da carteira da Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems. Os estaleiros BVN / TKMS estão envolvidos na construção de navios especializados, tais como o PLANET, um navio SWATH de pesquisa e teste fornecido ao Departamento Federal de Tecnologia de Defesa e Suprimento. Essa série terá continuidade com a construção de dois barcos SWATH com qualidades de comportamento no mar particularmente boas para as autoridades alfandegárias alemãs.




ALIDE: Os navios da Marinha da Alemanha mudaram sua direção para mísseis de fabricação americana e se distanciaram dos produtos europeus. Essa tendência é positiva para a venda ao Brasil atualmente?



RF: Os navios da Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems podem ser equipados com os sistemas de combate e sistemas tipo effector da preferência do cliente. Isso oferece uma grande flexibilidade e a possibilidade de integração de sistemas nos navios produzidos localmente pela indústria nacional no país do cliente. Nós acreditamos que essa é a chave para dar suporte à estratégia do Brasil de utilizar o programa de modernização naval para integrar o melhor da tecnologia internacional aos melhores produtos da indústria local, trabalhando independentemente ou em parcerias.



ALIDE: Quantas reuniões vocês tiveram com a Marinha do Brasil sobre a questão do acerto do novo pacote?



RF: Assim como os nossos concorrentes, nós estamos em constante contato com o nosso cliente em potencial.


ALIDE: Após ter entregue as propostas alguns dias atrás, para quando estão programadas as visitas ao estaleiro?



RF: As autoridades responsáveis pela aquisição organizarão os seus próprios cronogramas e a Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems terá o maior prazer em se adaptar a esses organogramas sempre que eles estiverem dispostos a visitar as nossas instalações.



Nós também estamos prontos para quaisquer discussões adicionais com mais apresentações que possam ser solicitadas pela Marinha brasileira em qualquer momento.




ALIDE: Nós veremos uma participação ativa do Governo e da Marinha da Alemanha no suporte à sua proposta, da mesma forma como vimos antes, das partes francesa e italiana?



RF: A Marinha da Alemanha possui uma longa tradição de cooperação estreita com a sua contraparte brasileira. Em 2009, O Treinamento da Marinha alemã e o Grupo de Tarefas Operacionais visitaram o Brasil e organizaram exercícios com a Marinha do Brasil, sendo que futuras visitas e exercícios em conjunto podem ser esperados. O Governo alemão mantém um contato constante e estreito com o Governo do Brasil e se supõe com segurança que o compromisso compartilhado entre os dois governos para um mundo próspero e pacífico verá esforços continuados para intensificar a relação bilateral em toda uma vasta gama de campos, inclusive defesa, cooperação econômica e assuntos internacionais.




ALIDE: Há alguma orientação/instrução/sinal por parte do Governo brasileiro de que eles dariam suporte à TKMS para instalar um novo estaleiro no Brasil para tratar dessa concorrência?



RF: A Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems já alcançou um acordo com a empresa líder de engenharia e infraestrutura no Brasil, a Engevix, e juntas as empresas apresentaram uma oferta formal e abrangente para se tornarem parceiras da Marinha do Brasil, já que esta está realizando a mais importante transformação técnica e modernização da sua história. Essencial para a oferta é a transferência de tecnologias e de habilidades no suporte a programas nacionais de construção de navios no Brasil que estariam focados na nova fábrica de construção naval da Engevix, em Rio Grande.


ALIDE: A TKMS foi a única concorrente que se juntou para uma parceria com a empresa brasileira de engenharia ANTES de ser escolhida como a ganhadora da concorrência para venda de navios militares. Como essa parceria aconteceu e qual foi a reação da Marinha do Brasil com relação a isso? Todo participante deveria tentar encontrar o seu próprio parceiro industrial brasileiro para essa concorrência?



RF: A ThyssenKrupp AG possui várias empresas ativas no Brasil, que empregam em torno de 14.000 pessoas. Dessa forma, naturalmente a Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems encontraria um ótimo suporte em sua busca pelo parceiro certo. Com mais de 45 anos de existência, a Engevix tem demonstrado excelência na realização de complexos projetos de Engenharia, Suprimento e Construção (EPC). A sua receita cresceu aproximadamente 10 vezes de 2004 até 2009. Em 2006, a empresa começou a participar de concorrências para projetos no mercado naval/offshore e em 2010 ela fechou um contrato de US$ 3,5 bilhões para construir oito plataformas do tipo FPSO para a Petrobrás. Ao mesmo tempo, a Engevix tornou-se a proprietária do Estaleiro Rio Grande.



Nós acreditamos que a nossa parceria com a Engevix faça sentido e possa dar uma contribuição significativa para a estratégia do Brasil de expandir e modernizar a indústria de construção naval local.




ALIDE: Com que intensidade o sofrimento da recente crise global forçou o Governo alemão a aumentar o seu suporte às exportações da indústria alemã e mais especificamente às exportações da indústria da defesa alemã?



RF: Há muitas décadas, a indústria de defesa da Alemanha, como outros setores da indústria alemã, tem ofertado com sucesso os seus produtos internacionalmente. Isso se aplica igualmente à Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems, cujos navios formam a coluna vertebral confiável e perfeitamente apropriada de muitas marinhas do mundo todo. Dessa forma, enquanto a crise global e as mudanças da forma como os governos conduzem o seu suprimento de defesa podem ter forçado alguns dos governos dos nossos concorrentes a irem para um campo de batalha internacional pela primeira vez, nós podemos olhar para trás e ver muitas décadas de suporte oferecido pelo Governo alemão a parcerias capazes de contribuir para a paz e a estabilidade internacional.




ALIDE: Tem havido muitos rumores de que a Marinha da Alemanha enfrentará cortes drásticos de navios no ano que começará. Todas as oito fragatas da classe Bremen podem ser tirados de circulação quase que imediatamente. Uma vez que esses navios podem acabar sendo vendidos no exterior, a TKMS vê esse cenário mais como a abertura de uma nova oportunidade de negócio ou apenas como um novo “concorrente” para seus novos produtos em um mercado mundial de navios de guerra já saturado?



RF: É muito cedo para dizer o que a estruturação da Força de Defesa da Alemanha significará para a Marinha da Alemanha em detalhes; portanto, tudo que foi dito nessa fase seria apenas especulativo. Porém, nós estamos confiantes de que os nossos designs de navio de gume e a nossa experiência na transferência de habilidades e tecnologias a parceiros em muitos países nos manterá em uma boa posição, já que um número significativo de países – como o Brasil – buscará nos próximos anos a modernização de seus navios e de suas capacidades de construção naval.




ALIDE: A recente venda de patrimônio industrial da TKMS ao Grupo Abu Dhabi MAR pode ser argumentada pelos seus concorrentes como um sinal de perda de perspectiva de futuras vendas militares por parte da sua empresa. Como vocês respondem a esses comentários?



RF: A parceria, indubitavelmente, fortalecerá a Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems para o futuro.




ALIDE: Por causa disso, o Governo dos Emirados Árabes Unidos agora também deverá se organizar firmemente para oferecer suporte à concorrência de navios militares da TKMS aqui no Brasil? Isso soma algum valor real à sua proposta?



RF: Pode-se esperar que a parceria com a Abu Dhabi MAR se expresse, de muitas maneiras, como um suporte à Blohm + Voss Naval / ThyssenKrupp Marine Systems e a seus clientes e, clientes prospectivos no mundo todo.

Dassault recebe a fuselagem do VANT nEUROn

Dassault recebe a fuselagem do VANT nEUROn






O grupo sueco Saab entregou à Dassault Aviation as fuselagens dianteira e central do nEUROn, demonstrador da tecnologia de Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT), que a fabricante francesa de aviões está desenvolvendo. As peças fornecidas pela Saab vão ser combinadas, em Istres, com a seção da fuselagem traseira entregue pela empresa grega HAI (Hellenic Aerospace Industry), em meados de janeiro. Serão adicionados os elementos produzidos por outros parceiros: o sistema pantógráfico de ejeção de armamento produzido pela RUAG, da Suíça, que é esperado para o final de Fevereiro; as duas semi-asas construídas na Espanha pela EADS-CASA, no início de Março; as duas portas do compartimento de bombas, a serem entregues pela italiana Alenia no final de Março; e, finalmente, as três portas do trem de pouso, que devem ser fornecidas pela Saab em Abril.



Além disso, os elementos que contribuem para a furtividade (bordos de ataque, bordos de fuga, entrada de ar...) fabricados pela Dassault Aviation em Argenteuil e Biarritz serão entregues em Março. Na fábrica da Dassault, em Istres, as equipes do grupo francês, com a ajuda do pessoal destacado no local pelos seus parceiros europeus, realizarão a instalação de tubulações, fiação elétrica e equipamentos - conforme definido no modelo digital de referência CAD - bem como a montagem final da aeronave. Depois disso ocorrerão os testes em terra da aeronave não-tripulada e os testes da propulsão previstos para final de 2011/início de 2012, com o primeiro vôo previsto para meados de 2012.



Tradução: Felipe Medeiros



Fonte: Mer et Marine

Exército egípcio, pilar do regime, vive uma situação difícil



CAIRO, 1 Fev 2011 (AFP) -O Exército egípcio, pilar do regime, se encontra em uma posição difícil nesta terça-feira, entre a multidão contra a qual prometeu não abrir fogo e o presidente Hosni Mubarak, do qual se distanciou sem chegar a abandoná-lo totalmente.


Se abandonarem completamente o chefe de Estado, os militares podem colocar em perigo um sistema do qual são os fiadores e que proporciona vantagens políticas e econômicas às Forças Armadas.



Mas uma repressão violenta contra uma multidão que, até o momento, tem aplaudido os tanques e aclamado os soldados acabaria com a imagem positiva de uma instituição que goza do respeito da população, ao contrário da polícia.



Além disso, na situação atual, a repressão talvez não consiga restabelecer a ordem.



Diante de uma situação instável, vários países pedem moderação.



O governo dos Estados Unidos enviou um emissário ao Cairo, o ex-embaixador no Egito Frank Wisner, e a organização de defesa dos direito humanos Human Rights Watch (HRW) enviou uma carta ao ministro da Defesa, o marechal Mohamed Hussein Tantaui, para pedir cautela às Forças Armadas.



Para a HRW, trabalhar em uma transição pacífica para a democracia constitui uma "responsabilidade histórica" do Exército egípcio.



Segundo Tewfik Aclimandos, especialista em Egito no Collège de France, na atual circunstância "tudo depende do Exército", que, apesar de apoiar Mubarak, "tampouco quer disparar contra a multidão".



O Exército ocupa um lugar de destaque no que está acontecendo desde que Mubarak, que é general da Força Aérea, pediu a intervenção dos militares para auxiliar a polícia, que não conseguia mais manter a ordem, e deu mais poderes aos militares, nomeando dois generais, Omar Suleiman e Ahmed Shafiq, como vice-presidente e primeiro-ministro respectivamente.



Na segunda-feira, o Exército se dirigiu ao "grande povo do Egito", considerou "legítimas" suas reivindicações e garantiu que "não recorrerá ao uso da força", tomando distância de Mubarak, mas sem esclarecer a quais reivindicações se referia.



Mas não tirou totalmente o apoio ao presidente, cuja renúncia é exigida cada vez mais pelos manifestantes.



Para superar os obstáculos, os militares podem apoiar uma espécie de transição organizada pelo regime, como deseja Washington, para conseguir conciliar a estabilidade do país com a abertura política, afirma Eliyah Zarwan, do International Crisis Group (ICG).



"Neste caso, parte do regime poderia perdurar e organizar a transição, se necessário sem Mubarak", completa.



Todos os presidentes egípcios foram militares desde 1952, quando os "oficiais livres" de Gamal Abdel Nasser derrubaram a monarquia.



Além disso, as Forças Armadas têm muitos soldados jovens cujo grau de lealdade ao regime é difícil de avaliar e aos quais seria difícil pedir que atirem contra os manifestantes.



"O Exército egípcio é respeitado. Reprimir movimentos populares não faz parte de sua tradição, em um país no qual a repressão sempre esteve a cargo das forças de segurança, em particular da polícia antidistúrbios", afirma Amr Al-Shobaki, do centro de estudos políticos Al Ahram do Cairo.



Na segunda-feira até a Irmandade Muçulmana destacou a "gloriosa posição do grande Exército egípcio, que está ao lado de seu povo".

País quer explorar substâncias usadas em iPod e mísseis, num mercado de US$ 9 bi

O Brasil está disposto a entrar em um mercado bilionário dominado pela China e que é fundamental para a produção de aparelhos de alta tecnologia, como laptops, iPods e até mísseis. Técnicos do governo avaliam o potencial do país para explorar as chamadas terras raras, conjunto de 17 elementos químicos encontrados em jazidas minerais e que há até pouco tempo não passavam de siglas na tabela periódica.




A ideia é consolidar um programa de pesquisa e desenvolvimento para minerais estratégicos, entre eles terras raras, além de traçar uma radiografia dos consumidores nacionais e identificar potenciais produtores. Assim, o governo pretende retomar a atividade - que hoje não representa sequer 1% da produção mundial - num segmento em que o país já foi líder global.



Hoje, os chineses respondem por 97% da produção internacional, com 120 mil toneladas por ano. Paralelamente, as Indústrias Nucleares do Brasil (INB) estão negociando com a Universidade Federal Fluminense (UFF) a realização de pesquisas no oceano com o objetivo de identificar novos depósitos de terras raras no país.



A INB assumiu a exploração de terras raras no Brasil nos anos 90, após a extinção da Nuclemon, estatal que estava à frente da atividade até então. Umas das razões que fizeram a Nuclemon sair de cena foi a entrada com força da China nesse mercado, que jogou os preços para baixo, tornando a produção pouco lucrativa. Ironicamente, é a China que poderá levar o Brasil a ampliar sua atuação no segmento. Após restrições impostas por Pequim às exportações de terras raras, em setembro de 2010, o preço da tonelada saiu de US$ 5 mil para US$ 50 mil.



Tecnologia e meio ambiente: desafios



Com esse salto, os técnicos do governo avaliam que está na hora de o Brasil voltar a ter destaque nesse nicho. Em 2010, o mercado mundial de terras raras movimentou US$ 2 bilhões. Se os preços se mantiverem no patamar atual e a demanda continuar a crescer - estudo do Congresso americano aponta para uma demanda de 180 mil toneladas em 2012, ante as 134 mil em 2010 -, o mercado potencial para o próximo ano é de US$ 9 bilhões.



Com produção residual, de apenas 650 toneladas de terras raras em 2009, segundo últimos dados disponíveis, o Brasil estaria praticamente fora desse boom, apesar de ostentar o título de terceiro maior produtor mundial. O segundo colocado é a Índia (2.700 toneladas).



Relatório feito por um grupo de trabalho do Ministério de Minas e Energia (MME) e o Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), entregue às autoridades no fim de 2010, aponta que entre os desafios brasileiros está o desenvolvimento de novas tecnologias para aproveitamento desses elementos.



Há ainda a questão ambiental. Na produção de terras raras, produz-se também elementos radioativos, que exigem armazenamento especial.



- Os problemas associados à produção das terras raras a partir da monazita (um dos minerais em que esses elementos são encontrados no Brasil) são de natureza ambiental, notadamente o destino a ser dado aos rejeitos contendo urânio e tório - diz o diretor de Recursos Minerais da INB, Otto Bitencourt.



Para Ronaldo Luiz Santos, pesquisador do Centro de Tecnologia Mineral, órgão ligado ao MCT, que integrou o grupo de trabalho interministerial, o essencial é que a iniciativa privada abrace a ideia do governo de retomar a produção de terras raras.



- As terras raras são uma questão de soberania nacional, pela multiplicidade de seus usos, inclusive na área de defesa e na indústria petrolífera. Precisamos de uma política estratégica de fomento à sua produção e arrojo empresarial para promover o aproveitamento das jazidas.



Gadolínio, cério e túlio são alguns desses elementos ditos raros. Apesar dos nomes esquisitos, o brasileiro já se acostumou com eles mesmo sem saber. Eles estão nas telas das TVs em cores, nos celulares e até nos motores elétricos. Também são usados na indústria bélica, para a fabricação de sistemas de orientação de mísseis, por exemplo, e são importantes insumos da indústria de energia renovável, por serem empregados na produção de painéis solares e turbinas eólicas. São usados ainda no processo de refino do petróleo.



Apesar de batizados de raros, muitos são mais abundantes na natureza que outros metais, como cobre e ouro. Mas, por serem encontrados em pequenas concentrações, seu processo de produção é difícil e caro, o que os torna pouco viáveis economicamente. Daí sua raridade.



Depósitos em Goiás, Amazonas e Rio



No Brasil, sabe-se de depósitos de terras raras em Catalão (GO), Pitinga (AM) e São Francisco do Itabapoana (RJ). É neste último que as terras raras são encontradas na chamada monazita. De acordo com a INB, há estoques de 20 mil toneladas de monazita em suas dependências. A estatal chegou a elaborar um projeto para beneficiamento do mineral nos anos 90, mas acabou abandonando o projeto:



- O aumento da oferta, à época, de compostos de terras oriundos da China tornaram o projeto pouco atraente, e a operação foi suspensa. Agora, a INB está negociando com a UFF a realização de uma prospecção na plataforma continental (fundo do mar) adjacente aos depósitos terrestres buscando identificar novos depósitos para manutenção de suas atividades produtivas - diz Bitencourt.



Enquanto isso, outros países estão se mexendo para reduzir sua dependência da China. Em setembro passado, a Câmara de Representantes dos EUA aprovou projeto de lei para a criação de um programa de incentivo à exploração de terras raras, com recursos de US$ 70 milhões até 2015. A proposta ainda tem de ser apreciada pelo Senado. Já a Comissão Europeia quer estimular a reciclagem de terras raras por seus países-membros, além de assistir países africanos nessa atividade.



Exportação estratégica: 'O nióbio é nosso'



Se a China é uma rival para o Brasil no mercado de terras raras, pode se tornar aliada na exploração de outro mineral estratégico, o nióbio. O mineral ganhou notoriedade em 2010, quando documentos do governo americano vazados pelo Wikileaks incluíram as minas de Araxá (MG) e Catalão (GO) no mapa de áreas estratégicas para os EUA, o que vem levando internautas a organizar o movimento "o nióbio é nosso", a exemplo do que foi feito com o petróleo no passado.



Isso porque o Brasil é o maior produtor do mineral, com 96% da produção mundial, e daqui partem 80% do nióbio importado pelos EUA. Mas é no mercado asiático que estão as chances de expansão das exportações. Por suas propriedades - suporta baixas temperaturas e alta pressão -, o nióbio otimiza o uso do aço, sendo empregado na indústria de aviação, petrolífera e automobilística.



Em países desenvolvidos, são usados de 80 gramas a cem gramas de nióbio por tonelada de aço. Isso deixa o carro mais leve e econômico, por exemplo. Na China, são usadas apenas 25 gramas em média de nióbio por tonelada.



- Na China, está boa parte do potencial de expansão de nossas exportações - disse o diretor de assuntos minerários do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Marcelo Ribeiro Tunes.



Em 2010, a receita com vendas externas de nióbio foi de US$ 1,5 bilhão. Foi o terceiro item da pauta de exportações minerais, atrás de minério de ferro e ouro. As duas empresas que atuam no setor no Brasil são a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, do grupo Moreira Sales e dona da mina de Araxá, e a Anglo American, proprietária da mina de Catalão.

Marinha renovará frota sob 'pressão estratégica'

A renovação da frota da Marinha do Brasil não foi cancelada nem adiada pela presidente Dilma Rousseff. O negócio, envolvendo 11 navios e estimado entre 4 bilhões e 6 bilhões, continua em andamento. A fase atual é de consultas a empresas candidatas à parceria pretendida. "O tempo para execução é o tempo da pressão estratégica", diz o ministro da Defesa, Nelson Jobim.




Analistas ouvidos pelo Estado concordam que essa condição de ameaça é, atualmente, de baixa intensidade, mas lembram que "a curva é ascendente, se projetada para os próximos 20 a 25 anos", de acordo com o relatório Projeção 2025, feito em 2009 pela Secretaria de Assuntos Estratégicos. A escolha final, entre ofertas de Itália, Reino Unido, Alemanha, Coreia e França, deve sair até o fim do ano. A primeira fragata ficará pronta entre 2018 e 2019 - a entrega do navio patrulha ocorre 12 meses antes.



O contrato inicial, todavia, será firmado em 2012. Depois da seleção, a complexidade do processo exigirá um ano de discussões para ajuste da transferência de tecnologia, estabelecimento da rede de fornecedores e das compensações comerciais. Só então haverá o pagamento do adiantamento formal, cerca de R$ 100 milhões. É para o custeio da implementação da operação. Apenas seis meses mais tarde é que vence a primeira parcela semestral, referente aos juros do financiamento. O principal da dívida começa a ser abatido 180 dias depois, em meados de 2013.



É a mesma arquitetura financeira aplicada na escolha dos novos caças de múltiplo emprego da Aeronáutica, a F-X2. Em nenhum dos dois casos existe a previsão de desembolso imediato. O ministro Jobim sustenta que a indicação do avião vencedor será anunciada até julho pela presidente Dilma. Em 2013 a Marinha vai adquirir 24 unidades da mesma aeronave, mas em versão embarcada para equipar um novo porta-aviões de 60 mil toneladas que planeja incorporar entre 2027 e 2031 - a nau capitânia da projetada 2.ª Frota, na foz do Amazonas.



Pacote. Em maio de 2010, a Marinha apresentou aos empresários do setor seu plano completo, abrangendo 61 navios de superfície, mais cinco submarinos, quatro de propulsão diesel-elétrica e um movido a energia nuclear. As encomendas vão até 2030.



O pacote prioritário, definido como Prosuper, abrange cinco fragatas de 6 mil toneladas com capacidade stealth, de escapar à detecção eletrônica, cinco navios escolta oceânicos, de 1,8 mil toneladas, e um navio de apoio, de 22 mil toneladas, para transporte e transferência em alto mar de todo tipo de suprimentos.



A intenção da Marinha é que apenas a primeira fragata e o primeiro patrulheiro sejam construídos fora do País, embora com acompanhamento de técnicos e engenheiros brasileiros. Há grupos diretamente interessados em participar desse empreendimento. A Odebrecht Defesa prepara os estaleiros da Enseada do Paraguaçu, na região metropolitana de Salvador, Bahia, para disputar o Prosuper. A empresa, associada à francesa DCNS, está construindo em Itaguaí, no Rio, uma nova base naval e mais as instalações industriais de onde sairão os cinco submarinos do Prosub, encomendados por 7,6 bilhões.



Outra prioridade da Marinha do Brasil, para ser cumprida em etapas ao longo de 15 anos, é o Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul, o SisgAAz. É uma espécie de Sivam - a rede de radares e sensores eletrônicos que controla o espaço aéreo da região amazônica - do mar. A área de cobertura do SisgAAz é imensa - cerca de 4,5 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente à metade do território nacional, e tão grande quanto a Europa Ocidental. O aparato é destinado a vigiar e proteger um tesouro - na indústria da energia são 15,3 bilhões de barris de petróleo, 133 plataformas (86 fixas, 47 flutuantes) de processamento da Petrobrás, o patrimônio decorrente de investimentos da ordem de US$ 224 bilhões de 2010 até 2015.



Mais que isso: estão sendo desenvolvidas pesquisas a respeito da biodiversidade exótica, encontrada nas fontes hidrotermais localizadas nas zonas de encontro das placas tectônicas. As características apuradas permitem garantir aproveitamento na indústria farmacêutica e de cosmésticos em escala bilionária. O oceano, na abrangência controlada pelo Brasil, abriga, ainda, 80 reservas de 100 materiais estratégicos. Mapeadas, não prospectadas.



Italianos



Até dezembro de 2010, a vantagem na análise preliminar das propostas era do consórcio italiano Fincantieri Cantieri Navali. O preço era bom, o modelo de transferência de conhecimento avançado foi considerado satisfatório e o tipo de fragata, da classe Freem, desenvolvido junto com a França, adequado às especificações.



O clima desandou há três semanas, quando a deputada Fiamma Nirenstein, vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores do Parlamento da Itália, propôs o congelamento do acordo bilateral de cooperação em Defesa assinado por Nelson Jobim e seu colega de Roma, Ignazio de La Russa. O motivo alegado é o veto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à extradição do ex-ativista Cesare Battisti, condenado pela Justiça italiana por quatro homicídios. Dilma não gostou da atitude. A Fincantieri não é mais a favorita. Mas continua no páreo.

Arquivo do blog segurança nacional