sábado, 29 de janeiro de 2011

fotos do caça chinês J-20

2011 foram mostradas fotos da aeronave voando. O voo durou 18 minutos ao redor de Chengdu. A aeronave foi projetada pela CAC (Chengdu Aerospace Corporation) e Fábrica 132. Duas aeronaves forma fabricadas, número 2001 e 2002. A Shenyang Aircraft Corporation também participa do projeto com a liderança da CAC. O J-20 é um caça pesado, configuração canard-delta, cauda dupla com configuração furtiva, com exceção dos escapes dos motores que são convencionais. Oficiais chineses já tinham anunciado em 2009 que uma nova aeronave de ultima geração entraria em serviço por volta de 2017.


Dilma quis desistir de caças e submarino

EM RECENTE ENCONTRO com o ex-presidente Lula, a presidente Dilma Rousseff, preocupada com as contas do governo, ponderou sobre a compra dos 36 caças da FAB e a do submarino nuclear pela Marinha, projetos de R$ 50 bilhões.




Dilma citou orientações do ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre segurar os gastos. Lula, meio à brinca, meio a sério, soltou: “Se você ficar ouvindo o Mantega, não vai conseguir fazer nada no governo”. O fato é que, por ora, os caças são esboços, e o submarino nem mergulhou num tanque.



DilmaX em Ação*



Em reunião no início de dezembro, o ministro da Defesa Nelson Jobim apresentou a proposta italiana como a escolhida pela MB e com aval do ministério da Defesa. O Presidente Luiz Inácio chancelou a aprovação e deu luz verde ao ministro Jobim que comunicasse ao Almirantado e formalizasse oinício aos procedimentos legais para as negociações com os italianos.



A futura presidente Dilma Rousseff esteve na reunião, só como ouvinte, enquanto o ministro Nelson Jobim esteve presente. Após a saída do ministro, a portas fechadas, a futura presidente argumentou ao presidente Luiz Inácio, que se era a sua administração que teria arcar com os custos do PROSUPER, ela queria rever a decisão.



O anúncio da escolha de que eram os italianos os escolhidos seria a pedra de toque das festividades do Dia do Marinheiro, comemorado em 13 de dezembro com a presença do presidente Luiz Inácio, em Brasília.



Dos dois lados do Atlântico estavam prontas as comemorações. Tão ansiosos, que jornalistas italianos ligaram para a redação de para realmente confirmar se a decisão sairia por aqueles dias.



Aliás foi a partida para iniciar esta pesquisa.



Na solenidade do Dia do Marinheiro o presidente Luiz Inácio foi módico nas palavras quanto ao futuro da Marinha do Brasil, assim como o Alm Moura Neto e o ministro Jobim e o próprio presidente pareciam constrangidos.



A revisão deste contrato que já estava praticamente assinado e havia o entendimento do Almirantado que era a melhor solução para a Marinha do Brasil está dentro do que DefesaNet nomeou de DilmaX.



Observar que no caso do acordo com a FINCANTIERI havia o entendimento comum entre o Almirantado de que a proposta italiana era a melhor, nos aspectos: técnico, industrial e financeiro.



Entendimento este que não está presente, por exemplo, em outros projetos polêmicos, tal como o Programa F-X2, onde o Estado-Maior da Aeronáutica não obtém um acordo sobre o que deseja para a Força Aérea Brasileira.



Na reunião que os comandantes: Gen Enzo Peri, Brig Juniti Saito e Alm Moura Neto tiveram com a futura presidente, na manhã do dia 20 de Dezembro, foi lhes reafirmado que os programas constantes da Estratégia Nacional de Defesa seriam efetivados, embora não no primeiro momento do seu governo. E alguns re-analisados.



A mesma posição foi feita pela futura presidente Dilma Rousseff ao Gen De Nardi, Comandante do Estado-Maior Conjunto, em reunião no dia 21 de Dezembro, quando foi lhe apresentado o conjunto dos programas.



Muito antes de anunciado ou de assumir a presidência a “Lógica DilmaX” já estava em ação pela Sra Dilma Rousseff



Importante observar que a questão do acordo de fornecimento dos navios com a Itália, por parte da então futura presidente, em nenhum momento eseve vínculado ao caso Battisti.

Arquivo do blog segurança nacional