quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Indústria Defesa Invasões bárbaras

Carlos Frederico Queiroz de Aguiar


presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança ABIMDE

Nota DefesaNet - No dia 11 de Janeiro Assumiu a presid~encia da ABIMDe o Sr Orlando Neto da Embraer O autor permanece como VP da ABIMDE.





OBrasil virou uma espécie de Eldorado mundial. O bom momento econômico que vive o país e os bilionários investimentos públicos a serem realizados até 2030 despertam um apetite sem precedentes, e daí o título deste artigo, emprestado do filme canadense candidato à Palma de Ouro de 2003. Estamos no olho do furacão. E a indústria nacional que se segure: sem regras definidas, virá uma invasão bárbara por aí.



Só na área de infraestrutura, estima-se que investimentos públicos que precisarão ser feitos para dar cabo à agenda de eventos esportivos globais previstos até 2016 cheguem a US$26 bilhões. Some-se o setor de energia, onde só a Petrobras anuncia investimentos até 2014 de US$224 bilhões na exploração do pré-sal - felizmente, neste caso, com 80% dos recursos reservados para conteúdos industriais nacionais.



No segmento da Defesa e Segurança, há esforços para o reequipamento das Forças Armadas. Pela Estratégia Nacional de Defesa, serão investidos US$247 bilhões, até 2030, na modernização dos equipamentos da Marinha (US$70 bilhões), Exército (US$94 bilhões) e Aeronáutica (US$83 bilhões). Não é, portanto, exagero estimar-se que haverá oportunidades que chegam a US$700 bilhões. Onde mais se anuncia Eldorado semelhante?



Sou testemunha da invasão que estamos sendo alvo de empresas de todo o mundo. A Fiesp, a Firjan e a Abimde receberam ao longo deste ano delegações empresariais de países como EUA, Canadá, Inglaterra, Alemanha, França, Itália, Israel, oferecendo suas expertises. Se não houver cautela, a indústria nacional correrá imensos riscos.



No segmento industrial de Defesa, adianto ameaça adicional: a da desnacionalização. Afinal, como enfrentaríamos uma eventual invasão de nosso território, da Amazônia, do pré-sal, se a tecnologia empregada pelas nossas tropas não pertencesse a nós, mas aos nossos inimigos? As consequências já são evidentes em território nacional: aumento das importações, diminuição das exportações pela queda da competitividade em preço do produto nacional e desindustrialização.



A invasão bárbara que temos presenciado é como script de um filme conhecido, que começa com empresas internacionais se associando a brasileiras e, depois, assumindo o controle acionário. Segue-se, então, o epílogo dramático: após sorverem o que podem, elas se retiram do País com o qual jamais tiveram compromisso. Nossa Constituição não limita o capital estrangeiro no segmento da Defesa, apesar do seu caráter estratégico. Desde que o estabelecimento das empresas siga as normas legais, tudo certo. Mas pergunto: tudo certo para quem?

Arquivo do blog segurança nacional