sábado, 8 de janeiro de 2011

Módulos estruturais russos para os BPCs construídos em Saint-Nazaire

Após da decisão russa de optar pelos navios de projeção e comando (Bâtiments de Projection et de Commandement - BPC) franceses, prosseguem as negociações entre Paris e Moscou, a fim de se chegar à assinatura acordo final. As discussões incidirão, especialmente, sobre os detalhes da montagem industrial e da transferência de tecnologia que fazem parte deste programa. Em 24 de Dezembro, a presidência da República francesa anunciou que os dois primeiros BPCs seriam construídos em St. Nazaire, afirmação sutilmente relativizada por alguns sindicatos da STX França. A CGT havia indicado que, segundo suas informações, apenas 80% do primeiro navio e 60% do segundo seriam realmente construídos no estaleiro localizado às margens do rio Loire. Na seqüência, os estaleiros russos OSK (com os quais a DCNS e a STX França vão formar um consórcio) confirmaram que seriam envolvidos desde a primeira fase de produção dos BPCs. Seriam, de fato, uma vez que o estaleiro da OSK próximo a São Petersburgo fabricará alguns dos blocos para a parte traseira do navio, incluindo, notavelmente, sua doca e o hangar de helicópteros. Esses elementos serão, então, rebocados por meio de balsas à St. Nazaire, onde seriam acoplados ao restante do casco. No segundo BPC, a participação da Rússia aumentaria e, se a opção por dois navios adicionais for concretizada, os estaleiros russos construirão todo o terceiro e quarto BPCs, com assistência técnica francesa. Para o registro, os dois primeiros BPCs franceses (Mistral e Tonnerre) tiveram a metade traseira de seus blocos produzidos no estrangeiro. Produzidos na Polônia, esses elementos foram trazidos para Brest, onde a DCNS realizou sua montagem final. Somente o Dixmude, atualmente em fase de conclusão pela STX França, é que foi integralmente construído em Saint-Nazaire.




Tradução: Felipe Medeiros



Fonte: Mer et Marine

Boeing Entrega, Antes do Prazo, outros 4 Super Hornets à Austrália

Esse Marco foi Atingido no mesmo momento em que os F/A-18F da RAAF Alcançaram Capacidade Inicial Operacional



AMBERLEY, Queensland, 7 de janeiro de 2011 –Boeing entregou em dezembro quatro novos caças F/A-18F Super Hornets à Base de Amberley da Royal Australian Air Force (RAAF – Real Força Aérea Australiana), aumentando para 15 a frota desses caças multitarefa da RAAF. A entrega permitiu a RAAF atingir capacidade inicial operacional (IOC) do primeiro esquadrão de aviões Super Hornet – o Esquadrão Nº 1, com sede em Amberley.




A Boeing fez a entrega à Austrália desses 15 Super Hornets antes do prazo.



“A entrega antecipada, em Amberley, dos nossos novos caças Super Hornets foi elemento fundamental para alcançar o IOC com nosso primeiro esquadrão de caças Super Hornet – o que foi feito antes do prazo”, disse Steve Roberton, oficial Comandante da 82 Wing, que opera o Super Hornet. “Como estamos atingindo as metas do Programa Super Hornet – ou, em alguns casos, antes do prazo – isso está possibilitando à RAAF assegurar superioridade aérea regional enquanto fazemos a transição desde os F-111 e F/A-18A/B Hornet.”



A chegada de mais um lote de caças Super Hornet em dezembro foi o terceiro e último programado para 2010. Três aeronaves desse lote foram preparadas na linha de produção da Boeing em St. Louis para potencial conversão para plataformas de ataque eletrônico. As nove aeronaves restantes serão igualmente preparadas para dispor dessa capacidade antes de serem entregues ao Esquadrão Nº 6.



“A equipe da Boeing superou as expectativas ao entregar 15 aviões à RAAF ao invés de 12 como originalmente programado”, disse Carolyn Nichols, gerente da Boeing para o Programa Super Hornet da Austrália. “Ademais, cada aeronave foi entregue dentro do orçamento. Estamos plenamente dedicados em assegurar o mesmo nível de sucesso e excelência no que diz respeito às entregas e orçamento das aeronaves que serão recebidas pela RAAF em 2011. Nos congratulamos com os homens e mulheres da RAAF pelo notável marco que atingiram ao fazer com que o Esquadrão Nº 1 e seus Super Hornet atingissem capacidade inicial operacional antes do prazo.”



Em março de 2007 o governo australiano anunciou a aquisição de 24 unidades da versão avançada do caça Super Hornet Block II, os quais seriam entregues com o radar APG-79 de escaneamento eletronicamente ativo (radar AESA), da Raytheon.



O Super Hornet é uma aeronave multitarefa capaz de realizar praticamente todas as missões de emprego tático, incluindo superioridade aérea, ataque diurno/noturno com armas de precisão, escolta de caça, apoio aéreo aproximado, supressão das defesas aéreas inimigas, interdição marítima, reconhecimento, controle aéreo avançado e reabastecimento em vôo como aeronave cisterna. A Boeing já entregou 440 caças F/A-18E/F à Marinha dos Estados Unidos, e cada Super Hornet produzido foi entregue antes ou dentro do prazo, e sempre dentro do orçamento.



Uma unidade da Boeing Company, a Boeing Defense, Space & Security é uma das maiores empresas do mundo no setor espacial, defesa e segurança, especializando-se em soluções inovadoras desenvolvidas sob medida para as necessidades dos seus clientes. É ainda a maior e mais versátil fabricante de aeronaves militares do mundo. Sediada em Saint Louis, nos Estados Unidos, a Boeing Defense, Space & Security é uma empresa com negócios que totalizam US$ 34 bilhões, empregando 68.000 pessoas em todo o mundo.

Arquivo do blog segurança nacional